Quinta-feira, 23 de Junho de 2011

LIÇÕES DE ETNOPSICOLOGIA DA INFÂNCIA - XX, por Raúl Iturra

(Continuação)

 

De facto, as crianças vivem dentro de um sistema de comportamento, que faz que sejam culpabilizadas por acontecimentos fora do seu entendimento e da sua decisão. Não seria necessário lembrar a análise de Dolto, não fosse o caso de Françoise Dolto ter lutado por crianças que a nossa constituição não parece reconhecer. Comparar o artigo sobre a família e o comentário de Dolto, é perceber rapidamente que a interacção entre adultos que legislam e crianças que obedecem, acaba por ser um inferno para contextualizar os mais novos. Pode-se reparar que a nossa sociedade vive a dicotomia anti-tética de obrigar os mais novos a serem pessoas sabidas, dentro de grupos sociais para os quais as leituras são de revistas como Maria, Caras, Jornal a Bola e outras; ou a televisão e as telenovelas das quais os pequenos podem retirar um imaginário distante do que o adulto vê e comenta com os seus pares, sem explicar a paixão ou o erotismo ou a brincadeira de finanças que leva vários a tribunal. Até os fogos de Verão são uma notícia de sensação e não de entendimento ecológico para aprender a tomar conta da flora e da fauna, como instituições preocupadas e com poucos recursos, ou partidos políticos, são capazes de defender. Esta criança vive de tal maneira dentro de uma mais-valia retirada da carta Fundamental, que acaba por não entender o seguinte artigo, ou as ideias que estão dentro:

 

Artigo 82.º

(Sectores de propriedade dos meios de produção)

1. É garantida a coexistência de três sectores de propriedade dos meios de produção.

2. O sector público é constituído pelos meios de produção cujas propriedade e gestão pertencem ao Estado ou a outras entidades públicas.

3. O sector privado é constituído pelos meios de produção cuja propriedade ou gestão pertence a pessoas singulares ou colectivas privadas, sem prejuízo do disposto no número seguinte.

 

 

Deve ser este artigo que permite o abandono prematuro dos estudos eruditos e da preparação científica que a Constituição assegura para todos.

 

A maior parte da população tem que viver sem meios para os seus estudos, Universidades Públicas pagas, casas a alugar, centralização dos meios científicos longe dos sítios em que vivem as crianças.

 

Este tipo de lei, contem, aliás, uma outra obrigação para as famílias, sem distinção de classe social:

 

Artigo 68.º

(Paternidade e maternidade)

1. Os pais e as mães têm direito à protecção da sociedade e do Estado na realização da sua insubstituível acção em relação aos filhos, nomeadamente quanto à sua educação, com garantia de realização profissional e de participação na vida cívica do país.

2. A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes.

3. As mulheres têm direito a especial protecção durante a gravidez e após o parto, tendo as mulheres trabalhadoras ainda direito a dispensa do trabalho por período adequado, sem perda da retribuição ou de quaisquer regalias.

4. A lei regula a atribuição às mães e aos pais de direitos de dispensa de trabalho por período adequado, de acordo com os interesses da criança e as necessidades do agregado familiar.

O artigo é suficientemente vago para poder constituir uma lei que a caridade, hoje solidariedade social como vamos estudar com Émile Durkheim, Marcel Mauss e Max Weber, possa definir uma política que obrigue a cumprir o que está mandado no artigo 75.º

(Ensino público, particular e cooperativo)

1. O Estado criará uma rede de estabelecimentos públicos de ensino que cubra as necessidades de toda a população.

2. O Estado reconhece e fiscaliza o ensino particular e cooperativo, nos termos da lei.

 

Artigo 76.º

(Universidade e acesso ao ensino superior)

1. O regime de acesso à Universidade e às demais instituições do ensino superior garante a igualdade de oportunidades e a democratização do sistema de ensino, devendo ter em conta as necessidades em quadros qualificados e a elevação do nível educativo, cultural e científico do país.

2. As universidades gozam, nos termos da lei, de autonomia estatutária, científica, pedagógica, administrativa e financeira, sem prejuízo de adequada avaliação da qualidade do ensino.

 

Penso que a responsabilidade é dos pais e dos mais novos, fica amplamente demonstrada nesta contradição de conjunto de artigos que não apenas incentivam o estudo, bem como têm sido causa de uma série de outras leis necessárias para poder defender a vida dos que querem estudar e, por não terem melhor, usufruem de outras alternativas, como os estudos em Seminários, com essa ideia de se ser Padre ou Freira um dia – ou talvez até sejam e abandonem a seguir, como é possível ver dentro da História do País, ao longo do tempo e nas Universidades actuais, com Reitores e catedráticos saídos da fileiras da dita alternativa.

 

Ainda fica uma outra, que será parte da análise de outros Capítulos. O Código Penal legisla em 1998, sobre a autodeterminação sexual, uma outra alternativa que temos descoberto recentemente ser usada para andar dentro do saber. O Capitulo V do Código, artigos163 a169, legisla sobre o que se denomina o abuso sexual de menores, hoje em dia descoberto o seu uso dentro de estabelecimentos de ensino, para chegar mais à frente nos estudos.

 

Se a Carta Fundamental fala da Soberania do Povo, garante a individualidade e desenvolve as ideias do saber para ser cidadão como a lei espera, Códigos como o Penal não seriam necessários[1].

 

O que é, em consequência, cumprir a lei? A citação de Paulo de Tarso é taxativa: “Quem ama ao outro, cumpre a lei. É que nos mandamentos dizem: «Não cometerás adultério, não matarás, não furtarás, não hás-de cobiçar», bem como qualquer outro mandamento, resumem-se nestas palavras: amarás ao próximo como a ti mesmo...”[2] Desde os artigos 2157 a 22 57, este outro texto da cultura que orienta as emoções e, em consequência, faz parte da análise da Etnopsicologia da Infância, como Françoise Dolto fez ao longo da sua obra, o catecismo analisa não apenas as relações de deveres dos filhos para com os pais em primeiro lugar, bem como a dos pais com os descendentes e de todos eles com a sociedade civil, ao definir que as autoridades, sejam quais forem, fazem parte do dever de todo o filho de ver, ouvir e calar. A Constituição dá, pelo menos, o direito a voto e a Soberania. Este texto – o primeiro que se aprende em países cristãos, como o Alcorão nos muçulmanos e o Tora nos judaicos – manda. Não permite o pensamento. Não há detalhe que, se não for cumprido, não passe a ser pecado ou injúria ao grupo social. Aliás, o de Lutero, contém não apenas uma lista de culpas nem deixa ter um ritual especial para as analisar, denominado Confissão. Ritual que Lutero marca cuidadosamente até com fórmulas do que deve ser referido por cada um dos confessados. A criança cresce entre a falta social, de solidariedade social e a lista de faltas do que não soube fazer. O dever nestes textos não reside nos progenitores, reside nos descendentes. O artigo 2248 diz: “Segundo o quarto mandamento, Deus quis que, depois dele, honrássemos os nossos pais e aqueles que, para nosso bem,  revestiu de Autoridade”[3]. A meu ver, esta referência está feita para o articulado que diz respeito às Autoridades da Sociedade Civil, “A submissão à autoridade e ser co-responsabilizado no bem comum exige moralmente o pago dos impostos, o exercício do direito de voto, a defesa do país[4]. Também essa criança que, como Freud e Klein já citados, definem de forma libidinosa na eterna união de orgasmo dos pais e a penetração permanente do pai dentro da mãe pela idade dos dois e três anos, aprende na catequese e na escola que “a fecundidade do amor conjugal não se reduz apenas à procriação dos filhos. Deve também estender-se à sua educação moral e à sua formação espiritual”, diz o artigo 2221, enquanto o 2222 acrescenta: “os pais devem olhar aos seus filhos como filhos de Deus e respeitá-los como pessoas humanas. Educam aos seus filhos a cumprir a lei de Deus, na medida que eles próprios se mostrem obedientes à vontade do Pai dos Céus[5]. A síntese de todo este articulado, seria talvez o Nº 2249: “A comunidade conjugal está fundada na aliança e no consentimento dos esposos. O Matrimónio e a família são ordenados para o bem dos cônjuges e para a procriação e educação dos filhos”[6].

 

É natural que tenhamos a ilusão de sermos pais, apesar  de não sabermos estas leis e as suas semelhantes, elas estão a mandar dentro do pensamento das nossas crianças desde muito cedo nas suas vidas. Nós próprios esquecemos a base jurídica e de catequese do nosso pensamento. De facto, tenho já referido num extenso texto, que a criança vive num caos. O seu caos é a contraditória forma de receber informação, quer no lar, quer na escola, na rua, na televisão e nas conversas dos adultos que vão falando enquanto pensam que o mais novo não entende. O mais novo não entende o que falam os adultos que o rodeiam, sendo este facto o seu maior caos por ter que pretender entender. Eduardo Sá propõe que a conversa entre pequenos muito novos e os seus pais, passe pelo facto de brincar quer com a criança, quer entre os seus pais, em momentos adequados. Boris Cyrulnik, em 1991, transfere o comportamento do adulto para a resiliência, especialmente ao propor objectos intermediários entre o entendimento de crianças muito pequenas e os seus adultos. Faz uma lista, como capítulos de livro, na qual levantar um dedo ou fazer um sinal com a mão, é já uma palavra; ou o ursinho passa a ser um objecto de vinculação, ao qual se demonstra o mesmo carinho ou aborrecimento que o pequeno demonstra. É com surpresa que comenta na sua introdução que os adultos têm feito imensos esforços para adestrar animais, aos quais devem entender antes de ensinar. Daí que o que ele denomina o autista ou a “criança – armário”, é um pequeno que não pode ser obrigado a exprimir o que não deseja, bem como retirar das histórias que a pequenada ouve, a bela e o monstro[7]. Se repararmos, as brincadeiras de crianças hoje em dia são mais com animais, de Start-Treck, filmes como Brother-Beard, Sreck, e os desenhos já não são tipo Walt Disney, com pássaros a fugir de gatos, nem como bonecos que parecem pessoas. Especialmente, o entendimento dos adultos da transferência de carinho para este mundo de crianças que organizam uma estrutura activa, tipo Tolkien, no seu espaço físico, que o pequeno define como dele e deve ser respeitado, sem os seus adultos entrarem enquanto não forem convidados. Não esqueço ter andado, faz já tempo, em ponta de pés, nu, e à distância da água que uma das minhas filhas tinha criado na sua própria sala – a nossa, que adquiriu por ser adulta e receber visitas a nadar...aos seus três anos. Ou a ordem de leitura dos livros que o meu neto me faz para adormecer e que devo ler claramente em...Neerlandês.

 

O caos é dos pais. Eis por que denominei este capítulo a ilusão de sermos pais. Não apenas por existir na vida social todo um ritual que pertence, desde muito cedo, aos pequenos, contos que nos dizem, canções que nos cantam, peças de teatro que devemos ver e comprar bilhete...pago em papel. O caos é dos pais que sabem manter uma disciplina de horário para comer, para tomar banho, para adormecer e para acordar. A parte mais complexa dos pais, é levantar as crianças de manhã cedo e levá-las ou à creche, ou à escola. Lembro-me de ter inventado uma brincadeira que consistia em entrar calado, ainda noite, na cama das pequenas e cantar uma canção de embalar, até lentamente acordarem com o barulho, sem jamais proferir as palavras: “já são horas, corre que é tarde...” e outras ideias do género. Como encher a casa de bolachas, chocolates e depois, sopa e mais comida. Esta contradição do adulto leva o mais novo a querer deixar de comer. Ou, ocultar o beijo na boca que um pai apaixonado pela mãe dos seus filhos quer dar na presença deles. Causa um alvoroço tão simpático, que seria impossível andar em procura dos vilaines petits canards.

 

É impossível deixar de referir que essa ilusão nasce também da quantidade de erudições que a vida social ensina aos pequenos que ficam a uma certa distância de nós, orgulhosos do seu saber. Um saber que, apesar de já estar connosco, nos deve sempre surpreender e agradecer, sem muito alarido, a lição recebida.

 

Era uma vez uma pequena que acordou da sua sesta durante um dos nossos trabalhos e entrou caladinha, para nos surpreender, no sítio da casa da aldeia onde nós, amantes além de pais, namorávamos. A idade era a de Freud e de Klein, esses duros três anos ou dois. Ao ver o seu adorado pai abraçar com paixão a mulher que a alimentava, teve um acesso de raiva imenso e começou a tirar tudo o que estava por perto: virar mesas, dar pontapés nas cadeiras, arrastar a toalha de mesa, partir loiça. Nós, já divertidos, não abrimos a boca nem proibimos nada; e fomos passando de quarto em quarto a partir o mundo e nós atrás dela, em silêncio a rir com os olhos nos olhos – esse rir calado e agradável, que acorda o brilho da pupila – e vigiar não fosse ficar ferida. Até que quis atirar com uma bilha de gás, foi-lhe impossível e, naturalmente, virou-se a nós para entornar esses 45 quilos, que...entornamos às gargalhadas. A seguir, o lanche e nunca mais falaram do assunto, como de nenhum outro que...causa punição. É a forma de sair do caos dos pais, ou, sem saber, colaborar a dar cabo do caos dos pais, parte natural da vida de casal.

 

É a ilusão de sermos pais. Há o próprio processo da criança, descoberto no Século XX, há o conjugal, há a economia, há as doenças. Há tanto problema a sarar, e, o mais difícil, o desejo de continuar a brincar aos noivos por parte dos pais. Como costumo dizer, ser pai é para toda a vida, mande-se no filho ou não, o afecto contínua, crescendo com a história e a criança. É o desenvolvimento que devemos aprender e acompanhar: eles são hoje os adultos que um dia nós fomos, e de pai a avô, há um mundo de mudança de comportamento. Nascemos sós, morremos sós. Apenas 5 anos são importantes: esses definidos antes neste texto, quando em casa, a criança desenvolve a sua epistemologia, que, para acontecer, nós devemos ver, ouvir e calar e responder apenas se lhe endereçam perguntas.



[1] Código Penal, 1998, Vislis Editores, Lisboa. Website http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&ie=UTF-8&q=C%C3%B3digo+Penal+de+Portugal+1998&btnG=Pesquisar&meta=lr%3Dlang_pt apenas troços de texto e comentários.

[2] Catecismo da Igreja Católica, 1992, mesmo site notas anterior.

[3] Página 481 do texto referido

[4] Artigo 2240, obre citada, página 479

[5] Página 476 da obra em análise.

[6] Mesma obra, página 481

[7] Cyrulnik, Boris, 1999: La naisance du sens, já referido e citado in passim nesta parte do texto.

 

publicado por João Machado às 14:00
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links