Sábado, 2 de Julho de 2011

Um Novo Coração 40 - Sílvio Castro

 

Sílvio Castro  Um Novo Coração

 

 

 

  Capítulo 40

 

 

 

Arco, 10ª jornada, 19/02/05

 

 

 

Subo pelas escadas para o 3º andar e dali para a mansarda onde, nesta tarde de névoa fria quase apenas pressentida fora, vou participar de uma sessão coletiva de psicologia aplicada.

 

Entro no grande espaço que já conheço e ali encontro muitos pacientes, principalmente companheiros meus de cardiopatia. O ambiente é movimentado e cordial. Vê-se que a maioria daqueles que ali estão se sentem bem na perspectiva da sessão. Para mim é a primeira vez e, como sempre acontece comigo, vim até ela mais para ter uma idéia de como a “Casa de Saúde” utiliza a psicologia para os seus tratamentos de recuperação. Em verdade trago ainda hoje, quando aqui estou, o mesmo sentimento de descrença de possibilidades para a clínica psicológica, principalmente se de grupo. Por isso, e não só por isso, me alheio logo do grupo e me sento numa cadeira bem debaixo de um ângulo muito fechado do teto da mansarda, mas não tão fechado que não me permita de ver tudo e a tudo assistir com atenção.

 

A jovem psicóloga toma assento diante de todos numa mesa onde estão vários aparelhos que ela começa a acionar, depois de ter dado as instruções básicas ao auditório. Suas recomendações são muito claras, bem como a exposição que faz do que será feito por ela durante a sessão terapeutica. Antes de mais nada, recomenda a todos muita concentração à sua voz e a quanto diz, bem como encarece por uma total submissão, por uma passividade assumida diante da experiência. Liga um gravador que logo propaga um pezzo monocórdio e infinito, lento, lentíssimo. Sob a doce pressão melódica a psicóloga enuncia uma série de conceitos que, mais que conceitos, são divagações com propósitos hipnóticos. E em verdade, apenas passados alguns minutos, os pacientes distribuidos nas cadeiras que enchem o espaço da mansarda como que se deixam cair num relaxamento total e numa absoluta ausência pessoal. Eu, sentado no meu ângulo fechado, vejo o rosto jovem e sério da psicóloga. Ela, de vez em quando, dirije o seu olhar na minha direção, para logo depois disperdê-lo entre os rostos relaxados num quase sono. Ela continua a falar, sintonizada na monotonia do fundo musical, enquanto eu não deixo de fixá-la, como que alerta às possíveis variações do tom de sua voz. Mas ela pouco varia, mantendo o tom hipnótico que adormece os seus felizes pacientes.

 

Na hora do jantar, na nossa mesa 58, pergunto ao dr. Citton se ele vê uma possibilidade clínica para a prática psicológica. Ele, muito cordialmente, me diz que não tem a respeito uma idéia definitiva, porém acredita que a muitas pessoas, principalmente para as mais simples, uma terapia estritamente psicológica possa ser útil.

 

Então, como prometera ontem, o dr. Citton me dá uma garrafa de vinho trentino, que sua mulher trouxera a seu pedido. Tudo porque, no almoço de ontem, finalmente eu trazia a permissão médica para tomar um copo de vinho a cada refeição. Logo pedi à camareira que trouxe um “quartino” de vinho tinto. Como consequência de meu episódio médico, eram dois meses, praticamente, que eu não provava o vinho. Meu paladar, não somente pelas peripecias médicas, muito sofrera por tal abstenção. Quando, muito feliz, eu enchi o copo com o tinto de grande intensidade colorística e de forte perfume logo pressentido, apenas tomado o primeiro gole lento, meu paladar doente se exaltou numa rebelião sem fim. O vinho era péssimo, duro, ácido, intragável. Chamei a camareira, mas ela me disse que não tinham outros.

 

 

O dr. Citton, apenas vista a minha desilusão, me disse que no dia seguinte me faria chegar uma boa garrafa de tinto, um Marzemino.

 

 

Agora provo o presente do meu amigo. Encho, sem encher, o meu copo. Fixo o vermelho brilhante pleno de reflexos emanados pelo líquido movimentado, odoro o perfume que dele se livra nas minhas narinas, aproximo o copo à boca e banho meu paladar com uma pequena quantidade do líquido vivo. Meu paladar não se sente mais doente, mas se rejubila pelo abocado redondo e consolador.

 

 

Em todo o corpo sinto uma alegria que vem do vinho e, com ela, acrescento alguma coisa mais à minha recuperação.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por Augusta Clara às 22:00
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links