Quarta-feira, 15 de Junho de 2011

LIÇÕES DE ETNOPSICOLOGIA DA INFÂNCIA - XIII, por Raúl Iturra

 

 

 

 

(Continuação) 

 

 

  O comentário de Vitz é suficientemente explícito e provado, para apoiar a minha tese da análise terapêutica e procurar a unidade que Durkheim definia entre o grupo social. Era impossível que um intelectual, sem conhecer a teoria religiosa, pudesse criar uma análise sobre o tabu a partir, apenas, da teoria dos australianos. O que procura Freud é elucidar a mente ocidental e a das crianças, enquanto analisa comportamentos à luz do seu próprio saber da sua própria cultura. Os textos que trabalham esta temática estão fundamentados em formas bíblicas e patrísticas de Pater famílias, como mostrei no Capítulo 2.É possível advertir que a maior parte das análises terapêuticas estão baseadas em temas bíblicos que governam a nossa vida. Como o autor faz ao construir uma tábua analítica das definições Freudianas e das dos Evangelhos, como faz Françoise Dolto na sua obra, já referida.

 

Table 5-1. Jesus as the Anti-Oedipus: A Summary of the Ways in Which

 

The Life of Jesus is the Negation of the Life of Freud’s Oedipal Man

 

http://www.paulvitz.com/FreudsXtnUncon/169.html

 

Oedipal Man: The old man

(from Freud)

 

Jesus: The new man

 

(from Gospels)


 

1. 

The son hates the father.

2. 

The son shows radical disobedience to the father.

3. 

The son wants sexual possession of the mother (or all women of the group)

4. 

Radical disobedience results in death of the father, in fantasy or supposedly in fact in the ancient past.

 

1. The Son loves the Father.

2. The Son shows radical obedience to the Father.

3. The Son renounces sexual possession of all women.

4. Radical obedience results in death of the Son

 

 

 

 

 

 

 

5. 

Death of the father is caused by the son or by a band of brothers (sons) who hate the father.

5. 

Death of the Son is caused by a band of brothers who hate the Son.

6. 

Death of the father is followed by failed resurrection in the form of a created father-totem, by emotions of guilt and remorse, and by permanent separation and estrangement of father and son.

6. 

Death of the Son is followed by resurrection of the Son, by the emotions of joy and happiness, and by the complete reunion and identity of Father and Son.

7. 

Death of the father leads to the son’s identification with the father, now incorporated as superego, or to the band of brothers’ identification with the father-totem.

7. 

Resurrection leads to the sons’ identification with the Son, who is the center of morality and of ideals (a new Superego); the new band of brothers identifies with the “totem” Son.

8. 

The old sons identify with the father in a totemic meal in which the father is eaten

8. 

The new sons (or band of Christians) identify with the Son in a “totemic” meal in which the Son is eaten.

9. 

The new band, feeling guilt partly from their sexual motives, renounces the women and creates the rule of outmarriage (exogamy). Thus, the women take the name of some other group’s father.

9. 

The new band of sons and daughters takes the name of the Son (Christians); the women are not excluded from the “tribe,” but take the same name.

10. 

In short: Hatred and disobedience leading to death of the father bring original sin.

10. 

In short: Love and obedience leading to death of the Son bring redemption.

 

 

 

Se lembrarmos páginas anteriores, vamos recordar o debate Freudiano-Kleiniano, com um Bion no meio a opinar de forma sabida e muito real sobre a dinâmica da mente. O debate mencionado é de especialistas esotéricos na ciência da felicidade ou da sua procura e qual seria o motivo da dinâmica de procura da libido definida por mim em páginas anteriores. É um debate de culpa, a definir a crueldade dos mais novos que ainda não entendem a circulação do mundo, apenas as ordens e normas entregues pelos adultos que, por sua vez, usam os seus textos sagrados, definidos à Durkheim: seres humanos a viverem em grupos de objectivo comum, como se fosse uma Igreja. E, no entanto, até Melanie Klein tem um olhar clínico cristão na definição da sua hipótese principal sobre a teoria das pulsoes e a angústia da morte, como dinâmica do comportamento, exposta no texto mencionado sobre Inveja e Gratidão de 1957: "Her later theories on constitutional envy, the primary importance of the mother, and reparation bear close parallels to the doctrines of original sin, the Immaculate Conception, and Christian atonement"[1]. De facto, analisa a relação do bebé, com o seio materno e a mãe, como gratificante, criadora da vida e isolada de qualquer outra relação. “O bebé não deseja apenas alimento, deseja ver-se livre de ansiedades persecutórias e impulsos destrutivos. O sentimento é da mãe ser omnipotente...Um dos principais derivados da capacidade de amar é o sentimento de gratidão.....gratidão ligada à generosidade...à bondade...ao desejo de retribuir com amor...”[2]. Análise retirada não apenas dos autores clínicos citados, como Abraham, Freud, Winnicot, mas principalmente de Chaucer e o seu texto Canterbury Tales, Milton, a Bíblia Luterana, entre outros[3]. A mãe, o seio e o bebé, são uma análise sem outro interveniente que cause inveja...e no texto não há. O Cristianismo Kleiniano é usado para entender o crescimento dos bebés isolados dos pais: apenas o alimento e o carinho reciprocado a quem o dá.

 

 

Françoise Dolto usa a sua obra a partir de ideias de entendimento das crianças na base do que denomino a lógica da História. No seu La cause des enfants, começa já a atacar a relação com os adultos, ao dizer “En respectant un enfant, on respecte l’être humain”, para acrescentar “la représentation du petit enfant jusque la peinture classique montre bien que son corps n’est pas pris pour ce qu’il est dans la réalité, mais pour ce que la société veut occulter de l’enfance » para comentar apenas esta frase  «La vérité anatomique est jugée indigne dus fils de Dieu…alors, on préfère donner à l’enfant Jesus les proportions normales de l’adulte…» e continua com ironia a análise da vergonha que o adulto tem da criança, até ao ponto de disfarçar um sentimento denominado de fé. Pelo que, ao falar das faltas – não cometidas -, lembra que o Evangelho diz : «Laizzer venir à moi les petits enfants» ou la source de la culpabilisation». Por outras palavras, a sua análise do comportamento infantil na base dos Evangelhos é para resgatar da culpabilização que o culto católico faz da criança: projecção do pecado original, baptismo, confissão ou um pecador inculcado, etc.[4]. Dolto, na sua obra, usa os elementos da cultura cristã para criticar as formas de culpabilizar crianças e encontrar a base para punir. A criança acaba por não entender que se lhe fale e ensine o amor, se no fim ela é uma grande pecadora, a avaliar pela primeira actividade ritual à qual é submetida. O conceito do pecado dos mais novos, é um apoio para o comportamento ante religioso desse adulto viciado, que começa por limpar as suas nódoas atribuindo-as ao mais novo, que tão esperado como referi ao começo e com toda a ilusão, é lavado de culpas cometidas miticamente pelos adultos em tempos passados e uma grande celebração é feita para o ritual da limpeza. Não sei, como a própria Dolto diz no seu Au jeu du désir[5] , se a festa é por causa da vida social ou pelo ritual que, no começo do culto cristão, era uma forma de retirar culpas de adultos, para passar com o tempo, a partir do Século XIII em frente, a ser de bebés, por causa de tantas mortes de pequenos que, se não estiverem limpos do pecado – da falta, da desobediência, da luxúria -, perdiam a vida eterna, outra ideia criticada por Dolto ao dizer que as faltas dos adultos passam de imediato aos mais novos e devem ser redimidas  por renovação constante e sistemática de vários rituais, com toda a ideia e sentimento de fé, na escola dominical, na oração de desculpabilização às refeições, à noite, de manhã, a Primeira Comunhão, mais tarde com o denominado Crisma entre os cristãos romanos, ou com os denominados Sacramentos....um conjunto de rituais destinados a limpar a mente, a alma – categoria Platónica - Agostiniana mal entendida dentro da cultura porque causa medo, especialmente aos mais novos – e o corpo para poder interagir de forma conveniente no grupo social. A imagem do corpo e o seu pecado, é o elo central da autora que, infelizmente, era entendida apenas pelas crianças que tratava e não pelos adultos que organizam a cultura e que analisa nos textos publicados no seu La difficulté de vivre[6]. Dificuldade passível de sintetizar em apenas uma frase: a vergonha que a criança tem do seu corpo e que pode ser prevista pelo tratamento que do mesmo fazem os seus adultos, especialmente a mãe[7]. Mas não apenas a mãe, a família, os amigos e, especialmente, o especialista. Começa a obra com uma impressionante definição: “Bien que je soit psychanalyste...au lecteur....trouverá nombre de réfléxtions qui l’évelleiront…à la compréhension de ce que tout en chacun peut entendre, sens préparation ni connaisance particulières, de l’existence en nous d’une énergie de caractère sexuel (libido) qui anime de façon inconsciente tout être humaine…La psychanalyse, tout le monde le sait aujourd’hui, est une pratique spécifique qui permet d’étudier la dynamique des échanges émotionnelles qui accompagnent la relation d’un être humaine à un autre… » Era esta frase que queria salientar, porque define a terapia feita às crianças que não percebem que o seu corpo é uma vergonha social, como os seus adultos, especialmente os consagrados, estão sempre a reiterar perante a sua pobre epistemologia e a sua rica emotividade[8]. Não há sentimento de fé, é usado um culto muito bem estudado, para reivindicar uma infância que não entende a relação e perante a qual é possível falar pela quantidade de contradições entre o que se diz e o que se faz. Dai, a ideia de Marx: a religião aliena. Eu diria, aliena, especialmente, a criança e faz parvo o adulto, como Vitz demonstra no seu quadro Ante Edipiano. Era possível dizer com Françoise Dolto's legacy: the child is a person. Uma pessoa até para Freud e a sua escola, nunca considerada nas análises culturais da infância[9].

 

A criança é um subentendido para o adulto, culpado e pecador, conforme a cultura, mas que tem uma infância que passo a analisar entre Ocidente e outras Etnias.

 


[1] Klein, Melanie, obra referida, citação retirada do texto Forster e Carveth, já referido, website http://psychematters.com/papers/carveth.htm , bem como do texto publicado por Imago, Rio de Janeiro, 1991, páginas 209 e seguintes.

[2] Klein, Inveja e gratidão, in passim, páginas 215 a 221, versão Imago. Website www2.uol.com.br/percurso/main/pcs02/artigo0218.htm

[3] Chaucer, Geoffrey, 1340-1400, Canterbury Tales http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&ie=UTF-8&q=Chaucer+Canterbury+Tales&btnG=Pesquisa+Google&meta=, histórias éticas e catequistas, base da análise de Klein, bem como Milton http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&ie=UTF-8&q=Milton+Paradise+Lost&btnG=Pesquisar&meta=, livros on line; e O Livro de Salomón da Bíblia Luterana http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&ie=UTF-8&q=B%C3%ADblia+Luther+Livro+de+Salom%C3%B3n&btnG=Pesquisar&meta= , entre outros textos usados para a sua análise dos conceitos de inveja, gratidão, amor, reciprocidade, desejo de fazer o bem por se ter sido alimentado por um seio adjudicado a uma entidade isolada, a mãe, a sua “proprietária”. Donde, Imaculada Conceição como conceito aplicável a análise cristã de Klein.

[4] Dolto, Françoise, 1985: La cause des enfants, Laffont, Paris, ou website com textos: http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&ie=UTF-8&q=Fran%C3%A7oise+Dolto+La+cause+des+enfants&btnG=Pesquisar&meta=, para comentários e debate e troços de texto

[5] Dolto, Françoise, 1981 : Au Jeu du Désir. Essais Cliniques, Seuil, Paris. Há versão portuguesa, que uso, Relógio D’Água, 1993. ou   http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&ie=UTF-8&q=Fran%C3%A7oise+Dolto+Au+jeu+de+d%C3%A9sir&btnG=Pesquisar&meta=

[6] Dolto, Françoise: textos entre anos 1960 e 1980, reunidos em 1995 pela Gallimard, Paris, sob o título La difficulté de vivre.

[7] Dolto, Françoise:obra citada nota anterior, páginas 95 e seguintes.

[9] Dolto, Françoise  www.diplomatie.gouv.fr/label_france/ ENGLISH/DOSSIER/enfance/04.html 

 

1. 

2. 

3. 

4. 

publicado por João Machado às 14:00
link | comentar | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Meu nome é Valeria Marco. Há 6 meses atrás, meu ne...
Meu nome é Patricia Martins, de Portugal, mãe solt...
Você está interessado em um empréstimo? nós oferec...
Sera que não vai sair do roupeiro? ? E a roupa fic...
Hoje entrou uma para o meu roupeiro e não a consig...
Para todas as suas necessidades de financiamento p...
Para todas as suas necessidades de financiamento p...
Para todas as suas necessidades de financiamento p...
Para todas as suas necessidades de financiamento p...
Para todas as suas necessidades de financiamento p...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links