Quinta-feira, 26 de Maio de 2011

Ainda o telelixo (A televisão é para estúpidos?), por Carlos Loures

 

 

 

 

 

 

Todos temos horas, mais ou menos certas para despejar o nosso lixo – a televisão também – chama-lhe prime-time ou horário nobre – vai desde as seis da tarde até às dez horas. Hoje, mais uma vez, vou falar do telelixo que a televisão generalista (e não só) nos despeja diariamente em casa. Para nós, a importação e a produção de lixo televisivo, de uma forma consciente e industrializada, começou há cerca de dez anos. Até então, já tínhamos lixo no pequeno ecrã, mas eram detritos domésticos, artesanais, ingénuos, se comparamos com o que hoje recebemos. Aliás, o conceito de telelixo aprofundou-se ao longo desta última década – há tratados, há filósofos (como Gustavo Bueno) que se especializaram na abordagem do tema. Na rede, circula alguma matéria interessante sobre o assunto.

 

Precisamente com este título - «O telelixo é uma droga pesada» - encontrei um magnífico texto de Ramiro Marques, do qual já havia lido algumas peças relacionadas com a questão dos professores. Começa por nos lembrar que a Holanda é o maior entreposto europeu de fabrico e distribuição de drogas sintéticas, para depois afirmar que o mesmo país é a sede do maior grupo europeu de produção de concursos, reality shows, novelas da vida real – ou seja o telelixo com que os canais generalistas preenchem os seus horários nobres. Refere-se à nossa bem conhecida Endemol.

 

Ramiro Marques enuncia depois a composição do telelixo - conteúdos que imbecilizam as pessoas, as tornam insensíveis à dor, à violência e à crueldade, lhes cria falsas necessidades, lhes transmite versões distorcidas da realidade e lhes inculca contravalores. Os próprios noticiários, começam a ser moldados por esta visão perversa do negócio televisivo, abrindo com notícias de crimes, explorando exaustivamente os delitos de natureza sexual, bem como assaltos à mão armada e homicídios. Informando? – Talvez. Deformando? - Sem dúvida.

 

Recorda que as crianças portuguesas vêem, em média, três horas diárias de televisão, cinco nos fins-de-semana, ficando expostas, com a vulnerabilidade própria da sua inexperiência, a toxicidade do telelixo. A esta exposição, acrescente-se o tempo que crianças e adolescentes dedicam à navegação em websites e salas de chat (também distribuidores de lixo ou de veneno para a mente). Como diz, os efeitos devastadores da absorção e dependência do telelixo, não são menores que os do consumo de drogas pesadas, atingindo um universo muito maior. E, continua, do mesmo modo que os pais lutam por afastar os filhos do ice ou do ecstasy, da cocaína ou da heroína, o mesmo devem fazer contra o viciante consumo do telelixo.

 

E, conclui dizendo que, infelizmente, ao contrário do que acontece com os narcotraficantes e com os passadores, os proprietários, editores e directores de programas dos canais de televisão que promovem a subida das audiências à custa do telelixo, não são nem punidos, nem sequer alvo da censura social, transformando-se em celebridades e empresários de sucesso. Contudo, os efeitos do telelixo na mente, no carácter e na vida dos jovens podem ser devastadores, tal como o consumo de drogas pesadas – o telelixo, veneno da mente, é uma droga pesada.

 

Belo texto, que deve, o mais possível, ser divulgado. Em Espanha corre um manifesto ou abaixo-assinado contra o telelixo - tvbasura@arrakis.es  – definindo primeiro o que é telelixo e pontualizando depois os seus efeitos nefastos, comparando-o a um vírus informático ou a um cancro, cujas metástases têm tendência para tudo invadir e destruir. Exigem os signatários que os Poderes Públicos responsabilizem os canais de televisão, os anunciantes, os programadores e os profissionais, sem descartar a responsabilidade dos cidadãos que se deixam enganar pela falácia do «espectador soberano» que, segundo os «dealers» televisivos, é quem exige cada vez mais lixo. O que até é verdade, pois os tóxico-dependentes, induzidos ao vício, ficam totalmente dependentes do consumo das drogas que os destroem.

 

Também eles exigem a sua dose diária, facto que não inocenta os traficantes. Penso que deveríamos pensar num amplo movimento de opinião semelhante ao dos nossos vizinhos. O silêncio é cúmplice do crime. Por isso, seria útil desencadearmos uma iniciativa semelhante.

publicado por João Machado às 15:00
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links