Sexta-feira, 27 de Maio de 2011

O ESPÍRITO MUSICAL DE FRANK LLOYD WRIGHT, por José de Brito Guerreiro

 


 

 

 

 

 

O arquitecto americano Frank Lloyd Wright (1867-1959) era filho de um músico. Este facto teve uma influência indelével na estética do arquitecto. Por meio do pai, Wright descobriu a paixão pela música dos compositores alemães Johann Sebastian Bach (1685-1750) e Ludwig van Beethoven (1770-1827). Em criança, diariamente, ouvia o pai tocar corais de Bach no órgão da igreja e, ao fim da tarde, sonatas de Beethoven no piano de casa. «Eu adormecia todas as noites, durante toda a minha primeira infância, com os acordes das sonatas de Beethoven», confessou Wright.

 

 

 

Frank Lloyd Wright | Solomon R. Guggenheim Museum

 

Nova Iorque | 1943-1946 – 1955-1959

 

Os intervalos das notas, os temas maiores e menores, a harmonia, o movimento do todo ao particular, tudo isto afectou profundamente o modo de ver o seu mundo. A música não serviu apenas para o entreter, mas sim para enriquecer a sua vida em muitas formas. Proporcionou-lhe um sistema análogo que poderia usar para traduzir as suas ideias numa outra forma de arte, a arquitectura.

 

 

  

 

Frank Lloyd Wright | S.C. Johnson and Son Company Administration Building

Racine – Wisconsin | 1936-1939 |Área dos escritórios e sala de trabalho

 

 

 

Na sua autobiografia, Wright descreveu o que de comum existe entre um arquitecto e um músico: «O empenho pela entidade, unidade na diversidade, profundidade no desígnio, repousam na expressão final do todo. Vou para uma encantadora e inspiradora escola quando oiço a música de Beethoven.»

 

Numa edição especial da revista House Beautiful publicada em 1955, Frank Lloyd Wright, então com 88 anos, escreveu: «O que eu chamo de ornamento integrante está fundado sobre os mesmos princípios orgânicos que a Quinta Sinfonia de Beethoven, essa revolução espantosa em tumulto e esplendor de som construído sobre quatro tons, assente num ritmo que uma criança consegue tocar no piano com um dedo.

 

Imaginação suprema elevando os quatro tons repetidos, ritmos simples, a um grande poema sinfónico, que é provavelmente o mais nobre edifício pensado-construído no nosso mundo. E a arquitectura é igual à música nesta capacidade para a sinfonia.»

 

Para Wright, tanto a música como a arquitectura eram matemática sublimada. Atribuía ao seu pai o facto de fazer a comparação referindo-se a uma sinfonia como um «edifício de som». 

 

 

Frank Lloyd Wright | Kaufmann House ‘Fallingwater’ | Bear Run – Pennsylvania | 1935-1939

  

Numa carta de Dezembro de 1934 para o seu cliente Edgar J. Kaufmann, Frank Lloyd Wright escreveu sobre o cenário onde viria a ser construída a Fallingwater: «A visita à cascata nos bosques permanece comigo, e uma casa tomou forma vaga na minha mente segundo a música do riacho.»

 

Numa palestra para a Taliesin Fellowship, Wright disse: «A Fallingwater foi uma grande graça divina – uma das maiores graças divinas que se podem experimentar aqui na terra. Acho que nada igualou nunca a coordenação, a expressão harmoniosa do grande princípio de tranquilidade quando a floresta, água, rocha, todos os elementos estruturais se combinam tão silenciosamente; de facto não se ouve seja que ruído for para além da música do rio que ali passa. Escuta-se a Fallingwater da mesma maneira que se escuta a quietude do campo...»

 

A Escola de Arquitectura Frank Lloyd Wright, conhecida como Taliesin Fellowship, foi inaugurada formalmente em 1932, quando vinte e três aprendizes foram viver e aprender para Taliesen (nome galês, atribuído por Wright à sua residência de Verão, que significa: Cume brilhante). As fontes desta filosofia educacional têm raízes que se reportam a datas muito anteriores à década de 1930.                          

  

  

 

                        

Frank Lloyd Wright | Taliesin West

                           Scottsdale – Arizona | 1937-1938

 

Em 1931, Wright e a sua mulher Olgivanna colocaram em circulação um prospecto destinado a um grupo internacional de distintos académicos, artistas e amigos, anunciando o seu plano para formar uma escola, em Taliesin, Spring Green, Wisconsin, segundo o conceito Learn by Doing (aprender fazendo – aprender através da prática).

 

Afirmaram: «As belas artes, assim chamadas, devem permanecer no centro como inspiração...» «A educação em Taliesin enfatizará a pintura, a escultura, a música, o drama e a dança, nos seus lugares como divisões da arquitectura.»

 

Cada um destes elementos das belas artes, como Wright os concebia, conduziria a uma aprendizagem mais ampla: «A música significará o estudo fundamental do som e do ritmo como uma reacção emocional, ambos como carácter original e natureza presente.»

 

 

 

 

 

 

Frank Lloyd Wright                    

Taliesin West

Scottsdale – Arizona

1937-1938

Auditório

 

Com o nascimento da Taliesin West, o segundo campus da Escola de Arquitectura e também residência de Inverno de Wright, em Scottsdale, Arizona, a música continuou a fazer parte integrante da vida e formação dos estudantes. Estes participavam em actuações e assistiam regularmente a concertos.

 

Um dos aprendizes de Wright, o americano John Lautner (1911-1994), que depois tornar-se-ia um notável arquitecto, foi aceite pelo mestre porque desconhecia todos os ensinamentos sobre arquitectura e tinha, portanto, menos a desaprender. Edgar Tafel (1912-2011), outro aprendiz, também americano, que viria a ser arquitecto e autor de vários livros sobre Frank Lloyd Wright, tocava frequentemente Bach ao piano, a pedido de Wright.

 

Em Taliesin, Lautner, Tafel e os demais colegas desfrutavam de jantares ao domingo ao som de quartetos de cordas.

 

Wright serviu de inspiração para os músicos americanos Paul Simon (1941) e Art Garfunkel (1941), que compuseram, para o álbum de 1970 Bridge Over Troubled Water, o tema So Long, Frank Lloyd Wright (Garfunkel estudou arquitectura: Bachelor of Arts, Master in Art History, Master in Mathematics).

 

 

 

 

 Frank Lloyd Wright e os seus aprendizes da Taliesin Fellowship, em 1938

 

Wright (1867-1959) aparece em primeiro plano, sob o olhar atento dos aprendizes que trabalharam na Fallingwater, da direita para a esquerda: William Wesley ‘Wes’ Peters (1912-1991) [sentado], Edgar Tafel (1912-2011) e Robert ‘Bob’ Mosher (1909-1992) [ambos de pé]. John Lautner (1911-1994) está sentado na mesa atrás de Wright. Lautner participou concreta e fisicamente na construção de Taliesin West e supervisionou a construção de vários projectos de Wright: Abby Beecher Roberts House, ‘Deertrack’ (1936), Herbert Johnson House, ‘Wingspread’ (1937), Sturges House (1939) e Oboler House (1940).

 

 

 

Frank Lloyd Wright e os seus aprendizes da Taliesin Fellowship, em 1938

  

Da direita para a esquerda: Robert ‘Bob’ Mosher (1909-1992) e William Wesley ‘Wes’ Peters (1912-1991) [ambos inclinados sobre a mesa de desenho]. Edgar Tafel (1912-2011) está atrás de Mosher. John Lautner (1911-1994) [de pé] é o segundo da esquerda para a direita.

 

 

 

 Aprendizes de Frank Lloyd Wright a trabalhar nas pranchas de desenho ao ar livre, em Taliesin West

  

John Lautner (1911-1994) aparece em primeiro plano.

 

 

 ▲ Frank Lloyd Wright e os seus aprendizes da Taliesin Fellowship,

em 1956

 

Sentados, da esquerda para a direita:

John H. Howe (1913-1997), Frank Lloyd Wright (1867-1959), Eric Lloyd Wright (1929) [neto de Wright] e William Wesley ‘Wes’ Peters (1912-1991). John H. Howe era o desenhador principal de Wright, permanecendo na Taliesin Fellowship durante 32 anos (1932-1964).

 

 

Edgar Tafel (na fotografia com 95 anos), sentado numa cadeira desenhada por Wright, a tocar no seu piano Steinway

  

Frank Lloyd Wright costumava “ordenar”: «Edgar, toca para nós um pouco de Bach!».

 

____________________________________

 

 

 

 

publicado por João Machado às 15:00
link | favorito
1 comentário:
De Luis Moreira a 27 de Maio de 2011
Que maravilha !

Comentar post

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links