Sexta-feira, 13 de Maio de 2011

HIROXIMA E VIETNAME: MEMÓRIA POÉTICA E CONSCIÊNCIA ÉTICA* - 3 – por Manuel Simões

(Conclusão)

 

            Mais ainda do que em Hiroxima, a nova antologia, embora um tanto veladamente (mas trata-se de textos poéticos), oferece não poucos momentos de reflexão sobre a incomodidade que acompanha o sujeito neste "exemplar espectáculo/ onde somos a bala e o corpo baleado e/ lavoura do crime e o crime/ com raiva gritado", como se lê no magnifico poema "Vietname: outra maneira", de Casimiro de Brito (pp. 37-38). E não raro o discurso sobre o Vietname evoca outra guerra, mais próxima e muitas vezes sentida na própria pele: "Soldado me fizeram// E eu fiz da espingarda negra/ Uma canção de paz/ Que a morte não levou" (César Oliveira, "O amor e a guerra", p. 39); ou aproxima duas geografias distantes mas unidas pela solidariedade e pela resistência à opressão (Manuel Alegre, "Vietname", p. 78):

 

Caem lá longe, mas amanhã,

amanhã podem cair aqui

as bombas que caem no Vietname.

 

Caem lá longe mas estão aqui

as bombas que caem no Vietname.

 

Porque é por ti, porque é por ti

que os homens morrem no Vietname.

 

É este o sentido de "O Vietname a Ocidente", de Orlando Cardoso, que vitupera os "discursos/ defendendo a guerra/ civilizadora e santa" e a "crueldade heróica/ dos heróis inúteis" (p. 86); ou ainda de "Os Aviões", de Sophia de Mello Breyner Andresen, poema construído a partir do efeito da passagem dos aviões em duas dimensões espaciais contrastantes: num aqui (“sossego branco dos muros onde moro”) e "noutro lugar noutro silêncio", lugar de morte e de desencontro do equilíbrio programado pela harmonia do mundo. A um "aqui" em que" depressa passa o pássaro vibrante/ De novo tomba a lua sobre as flores/ E o cipreste contempla o seu próprio silêncio" (p. 102) corresponde a vertigem da crueldade desfigurando o homem e o direito a sê-lo inteiramente:

 

Porém noutro lugar noutro silêncio

Bandos passaram em bandos de terror

E a morte nasceu dos ovos que deixaram

 

A lua não encontrou depois as flores

Ninguém morava dentro dos muros brancos

E a noite em vão buscava o seu cipreste (p. 102).

 

Perante tão grande humilhação da humanidade, não será surpreendente - já o disseram os coordenadores no citado prefácio - verificar a extraordinária motivação literária da guerra do Vietname, numa repercussão mundial de que todas as literaturas deram testemunho. Na já citada conferência de 1952, analisando a teoria da composição poética, já João Cabral de Melo Neto se refere ao grande preconceito "contra o poeta que se impõe um tema, contra o poeta para quem cantar tem uma utilidade e para quem cabe a essa utilidade determinar o canto"[1]. Para os Autores das duas antologias a "utilidade" nunca é vista como mutilação mas como identificação; e isto sem perder de vista a específica expressão literária do discurso poético, na sua plurifuncionalidade de acto de comunicação e de fruição estética.

 

  _____________

 

[1] J.C.Melo Neto, op. at., p. 11. Acrescenta ainda o grande poeta: “Os temas que eles costumam desprezar como indignos são temas que ocuparam alguns dos poetas mais altos que já existiram - os temas da vida dos  homens” (Ibidem, p. 12).

publicado por Carlos Loures às 12:00
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links