Segunda-feira, 9 de Maio de 2011

A Grécia considera a saída da eurozona por Christian Reiermann

A Grécia considera a saída  da Eurozona                                     
                                                                     

 

 

– A desastrosa situação grega em consequência da "ajuda" do FMI/BCE/UE
Uma lição para Portugal se seguir tais receitas

por Christian Reiermann

 

A crise da dívida na Grécia ganhou um contorno dramático novo. Fontes informadas acerca das acções do governo informaram SPIEGEL ONLINE que Atenas está a considerar retirar-se da zona euro. Os ministros das Finanças da área da divisa comum e representantes da Comissão Europeia estão a efectuar uma reunião de crise secreta no Luxemburgo na sexta-feira [6 de Maio] à noite.

Os problemas económicos da Grécia são maciços, com protestos contra o governo efectuados quase diariamente. Agora o primeiro-ministro George Papandreu aparentemente sente que não tem outra opção: SPIEGEL ONLINE obteve informação de fontes do governo alemão conhecedoras da situação em Atenas indicando que o governo Papandreu está a considerar o abandono do euro e a reintrodução da sua própria divisa.

Alarmada pelas intenções de Atenas, a Comissão Europeia convocou uma reunião de crise no Luxemburgo na sexta-feira à noite. A reunião está a ter lugar no Château de Senningen, um local utilizado pelo governo do Luxemburgo para reuniões oficiais. Além da possível saída da Grécia da união monetária, uma reestruturação rápida da dívida do país também faz parte da agenda. Um ano após o estalar da crise grega, este desenvolvimento representa um ponto de viragem potencialmente existencial para a união monetária da Europa – pouco importando qual a variante que finalmente será decidida para enfrentar as maciças perturbações da Grécia.

Dada a situação tensa, a reunião no Luxemburgo foi declarada altamente confidencial, sendo permitido o comparecimento apenas de ministros das Finanças da eurozona e membros sénior de assessoria. O ministro das Finanças Wolfgang Schäuble da conservadora União Democrática Cristã (CDU) da chanceler Angela Merkel e Jörg Asmussen, um influente secretário de Estado no Ministério das Finanças, comparecem em nome da Alemanha.

"Desvalorização considerável"

Fontes informaram SPIEGEL ONLINE que Schäuble tenciona procurar impedir a Grécia de abandonar a zona euro se for de algum modo possível. Ele levará consigo para a reunião no Luxemburgo um documento interno preparado pelos peritos do seu Ministério advertindo das possíveis consequências sombrias se Atenas viesse a abandonar o euro.

"Isso levaria a uma desvalorização considerável da nova divisa interna [grega] em relação ao euro", declara o documento. De acordo com estimativas do Ministério das Finanças alemão, a divisa podia perder até 50 por cento do seu valor, levando a um aumento drástico da dívida nacional grega. A equipe de Schäuble calculou que o défice nacional da Grécia elevar-se-ia a 200 por cento do produto interno bruto após uma tal desvalorização. "Uma reestruturação da dívida seria inevitável", advertem seus peritos neste documento. Por outras palavras, a Grécia iria à bancarrota.

Não está claro se seria mesmo legalmente possível para a Grécia despedir-se da eurozona. Peritos legais acreditam que também seria necessário para o país separar-se totalmente da União Europeia a fim de abandonar a divisa comum. Ao mesmo tempo, é questionável se outros membros da união monetária recusariam realmente a aceitar uma saída unilateral da eurozona por parte do governo de Atenas.

O que é certo, de acordo com a avaliação do ministro das Finanças alemão, é que a medida teria um impacto desastroso na economia europeia.

"A conversão da divisa levaria à fuga de capital", escrevem eles. E a Grécia pode se ver forçada a implementar controles sobre as transferências de capital para travar a fuga de fundos para fora do país. "Isto não poderia ser reconciliado com as liberdades fundamentais introduzidas no mercado interno europeu", declara o documento. Além disso, o país também seria eliminado dos mercados de capitais durante os anos seguintes.

Por outro lado, a retirada de um país da união da divisa comum "prejudicaria seriamente a fé no funcionamento da zona euro", continua o documento. Investidores internacionais seriam forçados a considerar a possibilidade de que novos membros da eurozona pudessem retirar-se no futuro. "Isso levaria ao contágio na eurozona", continua o documento.

Bancos em risco

Além disso, se Atenas voltasse as costas à divisa comum da zona, haveria sérias implicações para o já cambaleante sector bancário, particularmente na própria Grécia. A mudança na divisa "consumiria toda base de capital do sistema bancário e os bancos do país abruptamente ficariam insolventes". Bancos fora da Grécia também sofreriam. "Instituições de crédito na Alemanha e alhures seriam confrontadas com perdas consideráveis nas suas dívidas pendentes", lê-se no documento.

O Banco Central Europeu (BCE) também sentiria os efeitos. A instituição com sede em Frankfurt seria forçada a "amortizar parcialmente (write down) uma parte significativa dos seus direitos como irrecuperáveis". Além da sua exposição aos bancos, o BCE também possui grandes montantes de títulos do estado grego, os quais tem comprado nos últimos meses. Responsáveis no Ministério das Finanças estimam que o tal pode valer pelo menos €40 mil milhões (US$58 mil milhões). "Dada a sua fatia de 27 por cento no capital do BCE, a Alemanha arcaria com a maior parte das perdas", lê-se no documento.

Em suma, uma retirada grega da zona euro e um decorrente incumprimento (default) nacional seria caro para países da eurozona e seus contribuintes. Juntamente com o Fundo Monetário Internacional, os estados membros da UE já comprometeram €110 mil milhões (US$159,5 mil milhões) em ajuda a Atenas – metade da qual já foi paga.

"Se o país se tornasse insolvente", lê-se no documento, "países na eurozona teriam de renunciar a uma parte dos seus direitos".

05/Junho/2011

 

 

 

NR: Como era de esperar, autoridades da UE desmentiram a Der Spiegel e mandaram o vice-ministro grego da Finanças desmentir também. É fácil de entender que face ao acordo conseguido por Portugal a Grécia e a Irlanda queiram melhorar os seus acordos e que lancem avisos nesse sentido. Mas a saída do euro traria dificuldades inultrapassáveis, basta perceber que se é verdade que com moeda própria poderiam a curto prazo desvalorizar a moeda e melhorar a competitividade e exportar mais, a médio e longo prazo todos os seus empréstimos são em euros e pagos em euros.  Bancos e Fundos Gregos iriam à falência e haveria uma fuga generalizada de capitais.

publicado por Luis Moreira às 13:00
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links