Quarta-feira, 4 de Maio de 2011
Vencidos, por Carla Romualdo

 

 

 

 

 

 

 

 

Algumas das páginas mais comovedoras da grande literatura universal são aquelas em que Príamo, rei de Tróia, pede a Aquiles que lhe devolva o corpo do seu filho, Heitor, a quem Aquiles matara em combate, para que a família possa honrá-lo com um funeral digno. Aquiles começara por arrastar o corpo de Heitor pelas muralhas de Tróia e Príamo vai até ele para pedir-lhe, olhando nos olhos o homem que havia matado o seu filho, que revele a sua grandeza de carácter mostrando respeito pelo adversário vencido, pela dignidade desse corpo cuja vida ele tirou, entregando-o aos seus, não permitindo que o cadáver seja exposto como trunfo de guerra. E Aquiles comove-se com o pedido de Príamo, entrega o corpo de Heitor ao seu pai, e aceita conceder a Tróia as tréguas necessárias para que a cidade possa prestar ao seu herói vencido as honras fúnebres que este merece.

 

Muito longínqua estará a Ilíada  dos tempos que correm, os combates já não se fazem corpo a corpo, mais se assemelham agora a videojogos, com alvos que passaram a ser cirúrgicos e vítimas civis renomeadas “danos colaterais”, mas não somos ainda os mesmos seres humanos que percorrem o poema de Homero? Não nos reconhecemos nas mesmas emoções, no mesmo impossível desejo de imortalidade, nas mesmas fraquezas e debilidades, na mesma grandeza que nos transcede?

 

Os vencedores das guerras já não devolvem à família o cadáver dos seus adversários. E os combates já não decorrem perante o olhar de todos, mas apenas dos senhores da guerra, que os comandam a partir das suas salas de controlo, como quem se entretém com uma consola, dando ordens a soldadinhos virtuais.

 

E nada se sabe sobre a morte dos vencidos, nem se apelaram à misericórdia dos algozes ou se ergueram a cabeça orgulhosamente enquanto esperavam a bala, se choraram a pedir clemência ou cuspiram no soldado que os dominava, se tombaram à primeira bala ou se agonizaram num sofrimento a que ninguém quis pôr fim, se foram levados ainda vivos para o bunker do inimigo (seja um quartel ou um navio de guerra), se foram mantidos vivos em segredo, sujeitos a interrogatório, torturados, ou se, tendo sido abatidos no local, foram os seus corpos enterrados em alguma tumba secreta, ou despejados para o oceano profundo e silencioso, para que nunca mais esses corpos possam ser recuperados, para que nunca contem a sua verdade a alguém. Ás famílias já não é concedida a possibilidade de honrarem pela última vez os seus, sepultando-lhes os cadáveres, nem sequer de saberem como foi a sua morte. Porque o vencedor, para ser digno e grandioso na sua vitória, deve ao vencido, por mais ignóbil, por mais cruel que este tenha sido, a dignidade na morte, o consolo da verdade e do luto para os seus, uma réstia de humanidade, afinal.

 

E por isso soam tão pusilânimes estes vencedores da guerra, que confundem a execução com a justiça, e continuam a invocar os deuses, a fazê-los cúmplices das suas acções, ou destino das suas oferendas sangrentas, mas não querem ver neles mais do que um protector cego e surdo, que os beneficie sem pedir contas, um espelho das suas próprias deformidades e das suas misérias.   



publicado por CRomualdo às 21:00
editado por João Machado às 01:45
link do post | comentar

13 comentários:
De Augusta Clara a 4 de Maio de 2011 às 21:27
Este é um problema sobre o qual eu não me atreveria a escrever um texto, Carla. Por isso, o meu silêncio tem sido total. Não por ser contra nem a favor. Apenas porque, se em relação à opressão tenha uma posição bem definida, quanto à violência não, embora possa entendê-la em certas alturas. Mas, neste campo, não há inocentes.


De Luis Moreira a 4 de Maio de 2011 às 21:48
É um texto que reflecte uma grandeza que não cabe no quadro de violência e indignidade em que o ser humano mergulhou. Compreendo bem a Carla., mas no caso, nem a vítima estaria interessada em ser apanhada viva nem o caçador a quereria viva. Os dados estavam lançados, não havia outro caminho.


De Augusta Clara a 4 de Maio de 2011 às 22:05
Luís, não precisas de vir defender a Carla. Só estamos as duas a discutir um problema. Tenho pela Carla uma grande amizade e admiração. Não me passaria pela cabeça vir defender um amigo teu, como se lhe estivesses a dar uma tareia, só porque não estavas de acordo com ele e vice-versa. É muito curioso e muito engraçado como este pequeno e subtil pormenor merece uma discussão tão importante como a morte do Bin Laden . Fazem as duas coisas parte do tipo de sociedade em que vivemos. Tenho pena de, em vez de uma, não ter feito duas semanas de Virginia Woolf .


De adão cruz a 4 de Maio de 2011 às 22:49
Plenamente de acordo contigo Carla. Tocaste no cerne da miséria humana. Arranhaste suavemente a ferida até sangrar. Abriste a pústula. E a miséria está do lado dos americanos e o sangue e o pús escorrem das mãos dos americanos e não do olhos de Bin Laden. Bin Laden, seja o terrorista que for, nunca foi nem é é tão terrorista como os seus matadores. Bin Laden é uma peça, talvez virtual talvez real duma engrenagem diabólica inventada e posta a funcionar pelos ocultos poderes de um mais que fétido imperialismo envenenado e imoral . Tenham matado um ser humano ou uma invenção, a morte de Bin Laden é, como toda a gente com dois olhos de testa poderá reconhecer, uma das mais baixas manifestações da animalidade humana. Exctamente idêntica em crueldade e requinte à execução de Sadam Hussein, uma das mais vergonhosas páginas da humanidade dita civilizada. O mundo foi inundado por um tsunami noticioso que, como avalanche de merda, degrada a consciência e a reflexão de todas as mentes sãs. Já no que respeita à morte de um filho de Kadafi e dos três netinhos pouco ou nada se disse. Eu tenho quatro netinhos mais ou menos da mesma idade. E não me sai do pensamento aquilo que que me parece ter sido a imagem de tão vil assassinato. Perninhas para um lado, bracinhos para outro, bebés esventrados e de crâneo esmagado pela maior potência bélica do planeta. E eu pergunto ao Sr. Obama, se eventualmente lhe tivessem assassinado as filhas, pernas para um lado, braços para outro, esventradas e de crâneo desfeito, o que sentiria. Ou pensará ele que só os americanos têm alma e sentimentos? O que diriam as televisões e os jornais do mundo inteiro se tal acontecesse? Um acto terrorista execrável. Quanto aos netinhos de Kadafi nem comentariam ou então a coisa não passaria de três pequeninos danos colaterais, com fraldinhas e tudo.
Parabéns Carla pela humanidade do teu texto.


De Luis Moreira a 4 de Maio de 2011 às 23:08
Augusta, não estou a defender a Carla, estou só a dizer que a grandeza não cabe nesta miséria humana.


De Augusta Clara a 4 de Maio de 2011 às 23:44
O que eu te queria fazer perceber, Luís, é que, quando eu e a Carla estamos a discutir um assunto, não precisamos de intérpretes. Entendemo-nos bem. Já cá andamos as duas quase há um ano. Já deve ter dado para perceber que somos seres pensantes, não babuínos. Parabéns, Carla. Conseguiste pôr a malta a discutir coisas que valem a pena. E, olha, se me fuzilarem, é por uma boa causa. Pode ser que haja métodos clínicos menos violentos como, por exemplo, atacarem só a aurícula direita :-)))


De Luis Moreira a 5 de Maio de 2011 às 00:19
É, pá, então eu agora não posso meter-me em conversas de mulheres inteligentes? Além disso, eu publiquei um texto onde dizia que a execução estava aceite pela vítima e pelo algoz.


De Augusta Clara a 5 de Maio de 2011 às 00:52
Olha, Luís, é por nós sermos mulheres inteligentes (e, aqui, não digo modéstia à parte) é que não podes fazer de intérprete sem elas pedirem. Mas conversar, ah, isso é um gosto, meu amigo! Venham de lá as conversas todas :-)))


De Augusta Clara a 4 de Maio de 2011 às 23:26
Vocês estão quase a fazer-me passar por monstro. Aposto que a Carla percebe bem melhor o que eu quero dizer. Porque sobre pernas e braços e crianças e assassinatos dos EU sou tão sensível e tão revoltada como vocês. Lá chegarei mas não aqui neste comentário, sob pena de poder ser fuzilada.


De Carlos Loures a 5 de Maio de 2011 às 00:02
Meus amigos, gostemos ou não, os Estados Unidos são os donos do mundo e são eles quem estabelece o que está certo e o que está errado, o que é crime e o que não o é, o que é dignidade e justiça. Despedaçar os netos de Kadhafi , são danos colaterais - se fossem os filhos de Obama , seria um crime monstruoso . Tudo o que fazem, desde os bombardeamentos atómicos no Japão, à intervenção no Iraque, é virtuoso e destina-se a preservar a Democracia e os valores do Mundo Livre. E por aí fora. E isto é que acho que merece a pena discutirmos, em vez de perdermos tempo a espiolhar os diplomas do Pedro Sócrates ou os apartamentos que a mãe do José Passos de Coelho comprou ou lhe foram dados. O texto da Carla diz subtilmente e com elevação aquilo que apetece dizer de forma menos civilizada e contida. A história é sempre escrita pelos vencedores. Só por isso, Bin Laden era um monstro e um assassino e os presidentes norte-americanos defensores da justiça e da liberdade.


De Augusta Clara a 5 de Maio de 2011 às 00:57
E, meu caro amigo Carlos Loures, tu também sabes bem o que eu quero dizer. Espero que, neste pouca democracia que nos resta, ainda se possa desenvolver um raciocínio sem se ser atacado logo na primeira ou na segunda frase. É o que tenho estado a tentar fazer aqui nos bastidores, mas já me pergunto se valerá a pena.


De Carlos Loures a 5 de Maio de 2011 às 07:37
Certamente, Augusta Clara - podes e deves desenvolver raciocínios sobre este tema - o da tal democracia que nos resta. Não me referi no meu comentário ao teu comentário, com o qual concordo (menos no silêncio que dizes preferir manter). Não me referi ao que disseste, porque, por um lado, o que estava a ser comentado era o post da Carla. Por outro lado, discordando desse silêncio, acho que tens todo o direito de o manter - tanto, como eu de não me querer referir às tricas mesquinhas da política nacional. Não vejo motivo - nestes comentários - para desistires de dares a tua opinião.


De CRomualdo a 5 de Maio de 2011 às 07:53
Alegro-me com estes vossos comentários, que abrem tantas vias de discussão. E não, Augusta Clara, eu não deixarei que te fuzilem, era o que faltava, e percebi o que disseste. Um abraço a todos


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Umberto Eco no seu livro, "Não contem com o fim do...
Resposta curta: bayardbanque@gmail.comEu recomendo...
Em mim, o Venex Forte fez efeito, assim como anter...
Eu sou um indivíduo privado que oferece empréstimo...
Eu sou um credor de empréstimo privado e investido...
se alguém tiver conhecido o meu tio joaquim silva ...
Você está interessado em um empréstimo? Oferecemos...
Meu nome é Valeria Marco 6 meses atrás meu colapso...
Empréstimo e oportunidade de financiamentoPara tod...
Olá, Sr/SraVocê deseja receber um crédito para a e...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links