Quinta-feira, 31 de Março de 2011

O Governo de Sócrates caiu agora e o próximo, esse, cai quando? por Júlio Marques Mota


 Uma nota de leitura revista

Júlio Marques Mota

 

O Governo português caíu, morreu. Paz à sua alma.  De outra forma, a recuperar um texto nosso publicado por Estrolábio,  diremos que caiu um dos vários   Brunning’s  modernos que por essa Europa pelo neoliberalismo foram criados, pela democracia foram instalados   e pela mão da União Europeia foram conservados. Sinceramente, à sua campa não irei.

 

E  a pergunta que se segue, quem é o próximo Brunning?  E quais as diferenças instaladas para que o programa seja rigorosamente o mesmo? E para quando a sua próxima queda, também?   É o que se  pode questionar, neste momento, face ao que fazem os altos representantes do sistema financeiro internacional, instalados ou na OCDE, ou na União Europeia ou em outras Instituições  como o FMI, interfaces que são entre os grandes operadores nos mercados  financeiros e os governos nacionais, uma espécie de altos  funcionários de não se sabe bem quem,  e  que os governos  até à humilhação nacional  levam, como agora em Portugal. Zapatero,  Sócrates, Sarkozy, tanto faz. Há quem se preste a tudo  isto. Têm-se visto, pelos que até ao derradeiro momento conservaram o poder, ir-se-á ver, pela ganância já  vista também daqueles que o vão agora tomar. A vontade de servitude é muita, perante parâmetros bem determinados. E os parâmetros de base são: o rendimento caiu, o PIB; os lucros, esses,  aumentam  ou na pior das hipóteses mantêm-se , veja-se o que se passou com os rendimentos das mais importantes quarenta empresas em França, os altos bónus na escala dos muito milhões, esses, recomeçaram;  os encargos da dívida pública esses disparam e muito, muito mesmo; e só há uma maneira de pagar, o serviço da dívida, o equivalente das reparações de guerra de outrora mas em que a guerra é aqui a crise, em que quem a desencadeou foram os mercados e não as suas vítimas, e esta maneira é apropriar-se da produção criada por aqueles que trabalham e quando o valor da produção, esse, está em queda. Só há uma maneira de o conseguir, que é encarregar o Estado de o fazer, reduzindo os nossos direitos e aumentando os nossos impostos. Mas isto é um roubo. Esta é agora a função de qualquer governo que  democraticamente ganhe o poder: servir  o direito de outros se servirem, de outros se apropriarem do rendimento que por aqueles que trabalham foi criado, garantir assim o direito de outros o roubarem. Estranha, esta nova função do Estado. E à juventude de parva agora chamada, triplamente espoliada, como nos diz Louis Chauvel,  só os falta acusar da sua condição de existir!

Numa carta aberta ao Presidente da Comissão Europeia em que manifesta o meu desagrado e revolta pelo  que se estava a passar escrevi:
“a mensagem de extrema austeridade que resulta das posições da Comissão Europeia em tempos de forte crise fazem-nos pensar que para esta os Estados, através dos Governos,  são um pouco como o verme da mação de Schiascia, são o verme da sociedade, que é necessário tratar e para destruir este seu suposto verme é com a maçã que se está a acabar. Cura-se a suposta, mas só suposta, doença, matando o doente, cai o Governo.

 

Nem os Estados admitem esta verosimilhança e a solução nunca pode ser esta, a solução passa por tratar a macieira, caso contrário, as novas maçãs viram igualmente tocadas, estragadas por vezes, o que no nosso caso significa: mudem-se os governos e teremos governos iguais ou piores, mude-se alguma coisa para tudo ficar na mesma, como nos dizia Lampedusa e porquê assim? Porque o que está verdadeiramente estragado é a macieira onde aí sim, está de facto o verme escondido pela beleza da árvore que é alimentada pelo trabalho dos nossos intelectuais neoliberais, e por vezes bem pagos pelos serviço, aí sim, está  o verme que realmente está a ferir, a corroer,  de morte a União Económica e Monetária, enquanto espaço integrado: e este verme é a actual arquitectura em que assentam as sociedades europeias, em que assenta a própria União Económica e Monetária, o modelo neoliberal cujos resultados estão bem à vista.”

 

Mantenho, com mais força de razão o que escrevi. Dentro do quadro marcado pelas Instituições europeias e pelas políticas que aos governos nacionais impõem, de  um governo a outro, de uma maçã  a outra, encontramos sempre a  modernidade do neoliberalismo, encontraremos sempre a nova função  que agora ao Estado lhe cabe: justificar o que nos tiram, a cada um de todos  nós,  do nosso presente, do nosso passado mas sobretudo do nosso  futuro.  O problema maior é que à medida que o tempo passa, as maçãs vão sendo cada vez de menor qualidade, se é que ainda têm alguma, a árvore fica cada vez mais estragada, como o mostram os terríveis resultados da cimeira de agora, de 24 e 25 de Março, em que se pretende uma espécie de recuo da sociedade para o século XIX, o terreno em que a árvore está plantada começa ele próprio também a ficar degradado , a tornar a recuperação, a  saída da crise muito mais difícil para todos nós, os que dela e dos nossos actuais políticos no poder, somos as vítimas. Apressemo-nos, pois, sabendo que o caminho será longo.  Não há alternativa outra que não seja esta, a de colocar democraticamente fora do poder,  na rua, a  actual Comissão Europeia   e todos aqueles que estão na disposição   de a zelosamente bem servir, porque  no quadro do único modelo em que sabem funcionar, o modelo actual, o modelo que a crise gerou, não há saída possível: trata-se de  um plano inclinado, ao fundo do qual não restará ninguém para contar para a História o que será a violência da queda. Evitemo-la, portanto. Precisamos de voltar a dar o sentido à democracia que os políticos que estão agora no poder nos roubaram, mas  só o ganharemos,  esse outro sentido, o da democracia real,  quando o não sentido que agora  a todos nos é imposto  se transformar em corrente humana, nas ruas, nas fábricas, outros nos campos, outros nas universidades, outros nas campanhas de solidariedade que organizaremos,  nas manifestações que faremos, de Lisboa, Madrid, Paris, até Estocolmo, só ganharemos com a capacidade de enfrentar directa ou mesmo silenciosamente o poder de Estado, conferindo-nos pela revolta esse sentido de fazermos  parte da vida, de fazermos parte e de sermos os principais agentes no movimento da História. Um outro redimensionamento da política, necessariamente à escala europeia também, das organizações sindicais, das organizações de  cidadania  e outras, é necessário, portanto.

 

Necessáriamente assim, pois da União Europa não devemos saír, sob pena de piorar ainda mais a nossa  situação. Necessariamente assim, sob pena de piorar ainda mais a nossa  situação. Se em grupo somos desta forma atacados pelos mercados, sozinhos e com uma moeda sujeita a fortes desvalorizações a nossa dívida externa, pública e privada,  expressa em euros ou outras moedas explodiria e os encargos da dívida voltavam a ficar eles próprios igualmente explosivos. Inadmissível, querer sair.   Derrubá-la, sozinhos, impossível. Resta a única saída admissível e por muita gente já desejada, que sejamos todos nós a fazer caír a actual Comissão Europeia. Os dirigentes foram por todos nós e com o nosso  voto eleitos, as  Instituições Europeias foram por  todos nós com este modelo  permitidas, cabe-nos agora face a eles fazermos todos nós  o caminho inverso, e face a elas, transformá-las depois. É urgente, mas ainda estamos a tempo.

 

Três  exemplos muito simples e directos da “alma” que alimenta o actual sistema, no centro das Instituições Europeias e nos governos nacionais dos seus Estados-Membros :  em Portugal reduz-se o imposto para jogar golfe e  reduz-se o valor das indemnizações de quem vai ser despedido e com a quase certeza de que agora não encontrará emprego, pagamos duramente o buraco que o  PBN fez no défice público quando  os ricos detentores da  SLN, proprietária do BPN,  e seus amigos  mais próximos já  embolsaram antes o que , a partir de agora, iremos nós pagar duramente, uma apropriação abusiva a que se chama actualmente  os ganhos de se saber entrar e saír do mercado.Nada ilegal, nada a acusar, nada a devolver, portanto, uma questão de mérito apenas  e esse não é censurável nem muito menos punível. Na Irlanda,  reduz-se o salário mínimo e reduzem-se, em muitos milhões, os impostos dos mais  ricos. Na Grécia, reduzem-se as prestações sociais, aumenta-se o desemprego,  mas mantêm-se as compras de material militar. 
E, é tudo, e é muito.

publicado por Luis Moreira às 20:00
link | favorito
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Eles são um grupo excepcional e bem estabelecido d...
Eles são um grupo excepcional e bem estabelecido d...
Eles são um grupo excepcional e bem estabelecido d...
VOCÊ ESTÁ PROCURANDO HACKERS ON-LINE? AMIGOS SE DE...
VOCÊ PROCURA UM HACKER ONLINE ENTÃO CONTACT = UNLI...
VOCÊ PROCURA UM HACKER ONLINE ENTÃO CONTACT = UNLI...
Olá, você precisa de algum serviço de hacking? SO ...
VOCÊ PROCURA UM HACKER ONLINE ENTÃO CONTACT = UNLI...
VOCÊ PROCURA UM HACKER ONLINE ENTÃO CONTACT = UNLI...
se você precisa de um serviço de hacking genuíno e...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links