Domingo, 27 de Março de 2011
Guilherme Espírito Santo – a «pérola negra» - por Carlos Loures

  

Oriundo de uma família angolana. Guilherme Santa Graça Espírito Santo nasceu em

Lisboa em 30 de Agosto de 1919. Em 1927 a família fixou-se em Luanda.

 

Adolescente, começou a jogar futebol na filial do Sport Lisboa e Benfica. Diz Espírito Santo; “Sou benfiquista desde os três anos. Havia na altura uns maços de tabaco com as figuras dos jogadores da época. Eu gostava especialmente do Vítor Silva e

foi a partir dessa altura que fiquei a torcer pelo clube”. De notar que Vítor Silva era uma lenda daqueles anos 30. Estreara-se em 1928 e durante oito anos foi a grande estrela do Benfica, brilhando também na selecção, pela qual jogou 19 vezes.

 

Inventou um passe acrobático – o «salto de peixe» que surpreendia adversários e encantava os adeptos. Foi o primeiro jogador português a ser contratado por dinheiro, pois foi do CIF para o Benfica. A opinião pública e a imprensa especularam sobre o assunto. De certo modo era considerado indigno um atleta sair de um clube para outro «por dinheiro». Bons tempos!

 

Pois Guilherme Espírito Santo foi substituir Vítor Silva que, apenas com 26 anos,

se despediu do futebol – Estava-se em 1936 – Vítor fazia a sua festa de despedida, Guilherme, estreava-se, com 17 anos e depressa passou a ser um elemento vital

no eixo do ataque benfiquista.

 

«O cavalheirismo das suas atitudes foi faceta evidenciada logo no começo da sua carreira e mantida pelo tempo adiante, com uma dignidade que era motivo de orgulho para os seus amigos e admiradores», disse António Ribeiro dos Reis (1896-1961), futebolista, treinador, seleccionador nacional, jornalista, oficial do Exército, um desportista de elevada qualidade. Jogou até 1950. Foi seis vezes campeão nacional  (1936/37; 1937/38; 1941/42; 1942/43; 1944/45 e 1949/50) e venceu

quatro taças de Portugal (1939/40;19427/43; 1943/44 e 1948/49). Em 285 jogos oficiais, marcou 199 golos.



No grande rival do Benfica, o Sporting Clube de Portugal, brilhava outro angolano, um grande amigo de Guilherme – Fernando Peyroteo. O Fernando, que além de grande jogador era um homem de grande carácter, a propósito do despique que entre ambos existia e das inevitáveis comparações feitas por adeptos e jornalistas – deu assim a sua opinião: «O Guilherme sempre foi melhor jogador de futebol do que eu: mais técnica, mais jogo. Menos prático, menos golos, etc.? Sim, também é verdade. mas mais jogador». Quando comparamos esta humildade com as declarações das estrelas actuais – um diz que quer ser o melhor jogador do mundo! – não podemos deixar de pensar que o mundo do futebol foi tocado por Midas – o ouro e o marketing sobrepuseram-se ao espírito desportivo e ao fair play.

 

Mas, sobre o nosso Guilherme, nem tudo está dito.. Ouçamo-lo: “Estava num treino e a determinada altura a bola saiu do campo, fui a correr apanhá-la e sem dar por isso saltei uma barreira de salto em altura. Estava a 1,70 metros e ninguém tinha conseguido fazê-lo”.  Ficou tudo de boca aberta – foi convidado a praticar atletismo e, em 1940, veio a bater o recorde nacional, com 1,88 metros, só ultrapassado vinte anos mais tarde. Foi ainda campeão nacional de salto em comprimento e triplo-salto (com 6,89 e 14,015, respectivamente, ambos em 1938. “Deve ter sido porque em Angola fui mordido por um macaco”, diz é a explicação bem-humorada de Espírito Santo para esta sua inesperada competência.

 

A «Pérola negra», foi como os jornalistas lhe chamaram. Sobre a cor da pele, conta Guilherme: “Naquele tempo, existiam alguns preconceitos por causa dos jogadores de cor. Um dia, em 1947, num hotel da Madeira, queriam colocar-me num anexo por ser negro. Os jogadores do Benfica disseram que para onde eu fosse eles também iam. E acabámos todos no anexo”.

 

Infelizmente o racismo não foi erradicado. Cavalheiros no futebol como o foram Peyroteo, Pinga ou Guilherme Espírito Santo, é que não abundam. Espírito Santo, o mais velho dos jogadores de futebol do Benfica ainda vivo, cumulado com todas as honras e dignidades que o clube tem para oferecer, seria um bom exemplo para os jovens craques – ambiciosos, como é natural e até saudável, mas muitas vezes patetas e vaidosos, como é indesejável e ridículo.



Mas ricos, incensados pelos adeptos e pelos jornalistas, eles não precisam de exemplos - vão continuar a ser estúpidos e ricos (com as honrosas e felizes excepções. claro).

 



publicado por Carlos Loures às 12:00
link do post | comentar

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Gostaria de saber qual a fonte que define à doença...
evelinegonzales9@gmail.com emprestimo para pessoas...
Você precisa de um empréstimo de emergência? um em...
ASSISTÊNCIA AO INDIVÍDUO EM NECESSIDADE DE CRÉDITO...
Atenciosamente todo mundo meu nome é Kojonka Moe e...
Bom dia a todosMeu nome é Abiezer Petit Homme eu s...
Meu nome é João Francisco Luís De Melo eu sou do B...
Meu nome é Francisca Costa Flávia e eu sou do Rio ...
Patricia Deus vai abençoar você e sua empresaMeu n...
Meu nome é Gonçalo Pereira Rüstem e eu sou do Bras...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links