Terça-feira, 22 de Março de 2011

Os Senhores Singulares - (O romance da revelação do Brasil) - 1 (continuação) - por Sílvio Castro

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Uma vez, quando a armada do meu senhor Pedro Álvares ainda estava ancorada naquele belo porto que descobrimos no primeiro dia do nosso encontro com esta terra - o mesmo porto seguro que nós dois estamos contemplando neste momento - e Bartolomeu Dias me comandou de passar a noite junto com a nova gente que encontramos e eles não queriam que eu ficasse nas suas cabanas, me vi repudiado de todos e abandonado na praia que se escondia no anoitecer. Naquele momento de abandono eu chorei desesperado. Estar ali, diante daquelas terras sem fins, naquela noite que não me deixava ver e saber nada, a escutar todos os rumores da floresta, rumores novos para os meus ouvidos, continuados e ao mesmo tempo alternados nas vozes escondidas de feras, pássaros, bichos, árvores, ventos, tudo isso me fazia sentir como que perdido para sempre. Então eu chorei, chorei como o fazia quando era pequeno na casa dos meus pais no Ribatejo e sabia que não mais veria minha mãe morta. Chorei como seu eu fosse a única pessoa no mundo e ninguém me visse. Longamente e sem querer parar de chorar. Então senti as mãos de um homem da terra, um homem de cabelos grisalhos e rosto sereno que me abraçava como querendo trazer-me de novo de minha dor solitária para casa. Era Coaracy que me abraçava.

 

Vossa Senhoria se surpreende desses meus contos? Pois saiba que eu então ainda não podia nem mesmo pressentir o muito que viria depois. Sozinho com o meu abandono eu não sabia que mais adiante iria conhecer males e benefícios, assistir a desconcertos que na minha curta mas infeliz existência eu não poderia jamais conceber. Meu nobre senhor, para mim a vida se abria como se fosse um porto indevassável, fechado e perigoso, mas que ao mesmo tempo se mostrava acolhedor e benfazejo. Sim, vos contarei tudo. Espero somente de não me ter perdido em tantas andanças e surpresas da vida; que minha memória possa também imaginar o muito que os meus olhos viram e os meus ouvidos escutaram.

 

Tudo começou de imediato naquela manhã da partida dos meus companheiros de viagem que retomavam o caminho das Índias. Passadas algumas horas, quando o sol já se fazia mais forte e a praia se esvaziara como por encanto das presenças de centenas de naturais da terra, admirados com a partida das naves, a minha dor se atenuara e eu já podia tirar a vista do mar para as coisas da minha nova vida. Sabia que não estava sozinho. Comigo o Almirante comandara que ficasse um outro degredado, Antônio Fragoso. Dele não vos falarei logo porque, voltando àquele primeiro momento, vejo que por detrás de algumas árvores saem dois moços. São dois jovens marinheiros que eu já vira a bordo na nossa viagem que deu nestas terras. Sem mais nenhum medo, seguros diante do horizonte sem velas, eles agora correm pela praia, jubilosos, numa orgia de risos e saltos. Então eu penso como é fantástica a vida, pois eu sofro por estar aqui bandido e sonho a terra que me foi tirada, enquanto os dois moços gritam felizes por não mais lá estarem e confundem seus cantos de alegria com a luz do sol que ilumina esta manhã do nosso novo nascimento. Sim, porque eu sentia tudo como se me encontrasse diante de um nascer. Vossa Senhoria pode sorrir, mas depois saberá que hoje eu já não sou o Afonso Ribeiro que partiu de Lisboa no dia 9 de março de 1500 condenado ao desconhecido, que correu os mares por dias impossíveis, viu naufragar e desaparecer gente companheira, atingiu novo porto depois de tanta navegação e que ficou sozinho diante de si mesmo, como num constante espanto.

 

 

 

 

Volto àquele primeiro dia e quero ainda estar sozinho para poder esclarecer a Vossa Senhoria os meus sentimentos. Quero relembrar também para mim o que senti então, pois o meu tremor era grande e incrustado em mim, como um molusco à sua pedra.

 

Desde logo, já agora um pouco sossegado pelo calor que as mãos de Coaracy me transmitiram, eu caminhava pelas areias brancas que começavam a esquentar com o sol alto. Caminhar assim, sem ver senão a si mesmo, numa confusão de tudo, paisagem e pensamentos, é como estar parado diante da mesma paisagem, pois são os pensamentos que caminham. Minhas pernas me levavam sempre avante, ignorando o devagar que me consumia. O vento leve que vinha do mar me acariciava - eu o sentia e não sentia - provocando na minha pele a sensação não do caminhar, mas de um estar dentro do vento. Quanto mais eu caminhava, mais o vento vinha comigo. Passei a senti-lo forte, sempre mais envolvente, como um barco que voa e que esquece o ondular das águas. Para mim o vento era a confidência diante do tremor. Eu sentia uma grande vontade de entregar-lhe todos os meus pensamentos para que ele os levasse para longe, até o Ribatejo. Comecei a falar com o vento, enquanto a paisagem de praias, areias, árvores, pássaros, vozes indistintas, me chegava de longe, fora do vento. Minha voz se confundia com o vento e ele levava as minhas palavras num vôo que fazia eco.

 

Escutando o meu eco, parei. Não mais sabia onde estava realmente, se ali naquela praia, ou no eco. O vento e o eco. Falei mais fortemente, quase a gritar. O eco me respondia e eu flutuava entre o vento e a minha voz do eco.

 

Depois, muitos dias depois, falei com Coaracy sobre o eco. Para mim, passado aquele caminhar perdido pela praia, consolado pelo vento, o eco era o meu grande companheiro. Nele eu encontrava consolações, como se com ele falasse com os meus caros e retornasse à minha terra. Eu dizia -Afonso e o eco me dizia -o n s o, e era como viajar para trás. Gritava -minha mãe, m ã e; -adeus, e u s.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Vossa Senhoria acredita nessa minha consolação? Vossa Senhoria é de muitas bondades e gentilezas, por isso me compreende. Mas eu não compreendi logo Coaracy. Será porque nos falávamos então principalmente por gestos, mas Coaracy procurava sempre me dizer das coisas. Então ele me disse que o eco para ele era como uma parede que impedia que ele chegasse até aonde desejava ir e que o seu grito indicava; como se o eco lhe impedisse de encontrar as coisas desejadas ou de chegar aos lugares sonhados. Não era como o meu eco. Coaracy me disse que era assim que a sua gente via o eco, não como eu fazia. Levei muito tempo para compreender o que Coaracy me dizia. Vossa Senhoria não sabe quanto tempo levei para compreender as coisas deste mundo novo. Vossa Senhoria pode sorrir, mas foi assim. Hoje ao vos contar começo a saber realmente.

 

 


 

 

 

 

publicado por João Machado às 21:00
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links