Segunda-feira, 16 de Agosto de 2010

A descolagem de O Aviador Irlandês

O Aviador Irlandês é um blogue da Carla Romualdo e foi um dos que Estrolabio recomendou para o "Blogue de Ouro - 2010" . Alguns colaboradores do Estrolabio conheceram-na no Aventar e puderam avaliar o seu enorme talento, bom gosto e lucidez crítica. O Aviador Irlandês é um autêntico one-woman show - a Carla escreve e os amigos comentam.


A inspiração para o seu blogue, encontrou-o num poema de William Butler Yeats (1865-1939), o grande poeta irlandês, particularmente nos versos A lonely impulse of delight /Drove to this tumult in the clouds... Seguindo esse solitário impulso de prazer, descolou rumo às nuvens da blogosfera em Junho passado.


Com a devida vénia, transcrevemos um texto seu para que os nossos leitores possam apreciar a qualidade da sua prosa e o seu envolvente poder de efabulação:
alvoroço na rua


por Carla Romualdo em Agosto 8, 2010

A Fatinha deveria andar a fazer o que sempre faz: andar de lado para lado, como se sempre estivesse a caminho de qualquer lugar aonde nunca consegue chegar, quase sempre de minissaia, a custo equilibrada nuns saltos altos.

A Fatinha, sendo uma mulher bonita, assusta os homens com um olhar de louca impossível de disfarçar. Crava cigarros, troca frases sem sentido com algum sem-abrigo, pendura-se no pescoço de um homem sentado na paragem do autocarro, insulta uma mulher que a olhou de lado, anda todo o dia na rua, não se sabe em quê, e tanto pode pedir com gentileza um copo de água num café, como chamar puta-badalhoca à velhota que lhe pede ajuda para abrir o guarda-chuva.

Olha-se para a Fatinha, sempre limpa, até bem-vestida, sem marcas de agulhas nas pernas, sem aspecto de quem vive na rua, e não se sabe que mal é o seu.

Hoje a Fatinha deveria andar a fazer o que sempre faz quando deu de caras com a mãe. A mãe dela é uma senhora enxuta, de cabelo prateado, passos rápidos e voz aguda. Tinha vindo para buscar a Fatinha à rua, porque lhe haviam dito que a polícia andava por ali, e foi encontrá-la debruçada na janela do carro de um homem gordo, de cara bexiguenta. Enxotou-a para casa aos berros.

- Eu vou-te internar, ouviste?! – gritava a mãe atrás dela, e a Fatinha caminhava, olhando para trás, em lágrimas, dando-lhe as costas outra vez, gritando-lhe de volta.

- Está bem, mãe, agora pára!

Mas a mãe da Fatinha vê-se que já não pode mais parar.

- E acabou-se o dinheiro para o café, ouviste?

- Pára, mãe!

A Fatinha sacudia-se toda, saltava sobre as sandálias altas. O rímel escorria-lhe pela cara.

- A maior escumalha é quem pára aqui contigo na rua, todos fazem pouco de ti, não vales nada! Perdida!

Solta um grito agudo e a Fatinha tapa os ouvidos, baixa a cabeça enquanto caminha e de repente pára e começa a puxar os cabelos

- Cale-se! Eu vou-me matar, vou, vou, vou!

A mãe levanta o braço, esboça uma corrida que não chega a dar, como se aquele fosse o maior insulto, a maior ignomínia que lhe estava reservada. E a Fatinha corre à frente dela, aos saltinhos sobre as sandálias de plástico, com o beicinho de criança contrariada por ter sido outra vez apanhada em falta. A mãe vai atrás, arrasta os pés cansados, grita de vez em quando, como quem soluça: Minha tola, minha perdida.

E a Fatinha vai olhando para ela, espreitando-a para medir quanto tempo levará a poder sair outra vez, quanto será preciso para que ela a aceite nos seus braços, chorosa, e lhe perdoe a falta de juízo.

Quando as duas desapareceram na esquina, a rua retomou o seu sossego e ninguém voltou a pensar nelas.
publicado por Carlos Loures às 22:30
link | favorito
4 comentários:
De Luis Moreira a 16 de Agosto de 2010
link aí na margem ao lado.
De maria monteiro a 16 de Agosto de 2010
Confesso que não sou muito dada a visitas mas... ainda bem que me lembraram. È muito bom rever a Carla, a sua escrita... Agora com o link não me vou esquecer de... lá ir tomar um chá
De carlos loures a 17 de Agosto de 2010
A Carla escreve de forma escorreita - nada lhe falta para nos aparecer com um grande romance. Já lho disse muitas vezes. Reconheço que o primeiro romance implica uma tomar uma decisão difícil - imaginem um engenheiro civil, habituado a fazer moradias e que de repente tem de construir um arranha-céus... Carla, venha esse arranha-céus.
De ATRIBUTOS a 17 de Agosto de 2010
Sou uma visita assídua do sítio da Carla. Gosto muita da sua escrita. Fico muito contente por a ver aqui

Comentar post

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links