Quinta-feira, 10 de Março de 2011

Quem casa não pensa. Quem pensa não casa, por Raúl Iturra

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

http://www.youtube.com/watch?v=M3g-xtkEaPU

Wagner, Lohengrin, Marcha Nupcial

 

Após anos de experiência de estudo da mente das pessoas para entender as crianças, o que me levou a criar o conceito de «mente cultural», isto é,  a cultura e os hábitos orientam o comportamento das pessoas, começo a pensar na não existência do pensamento racional. Se todos entendem a vida como é entendida pelos vizinhos e parentes, acaba por não haver autonomia nas decisões. Ideia que me parece pouco provável que aconteça. Todos sabemos que nascemos para sermos livres e autónomos, respeitando os direitos de outros com essa semelhante autonomia e liberdade.

 

Quando pensei no conceito e o defini em vários livros, especialmente no primeiro, de 1990 b: A construção social do insucesso escolar, onde, ao longo do capítulo 8, intitulado a Sabedoria das crianças, debato sobre a origem do saber, comprovo também a capacidade de pensar de serem livres e autónomos. Liberdade e Autonomia que não se aprendem na escola mas na interacção com os outros. Outros que, entre si, vão imitando as palavras que ouvem, as formas de vestir, o respeito aos mais velhos… Em nenhum livro encontrei ou descobri ideias sobre a nomeada autonomia. Autonomia que é tão curta que foi preciso regulá-la e escrevê-la nos textos sagrados, como na Bíblia (de qualquer confissão religiosa) e no Tora dos judeus, e em textos civis, como a Declaração da Independência das colónias britânicas do ultramar, submetida, pelo Abade Sieyés, à primeira Constituição Francesa de 1791, sob o título Declaração dos Direitos Humanos.


 

 

A dúvida, neste tipo de argumentos, é saber qual é a necessidade de escrever sobre autonomia e liberdade. Em minha opinião, nasce desse principio praticado pelas pessoas: a procura de autonomia. Porém, não reparam que a liberdade individual não existe, cada um de nós precisa do outro para confeccionar o que um eu não sabe fazer ou não tem tempo, como definiu o presbiteriano Adam Smith, em 1776, no seu texto de dez volumes, defendendo a inclinação ou proclividade de todo o ser humano para o trabalho, ideia que nem tem base nem princípio, excepto os livros da sua fé e a mitologia do jardim do Éden, ao serem expulsos homens e mulheres do sítio ideal do não trabalho, para a terra que, como diz o livro do Génese, capítulo 1, versículo 10: o ser humano teve que começar a escavar para se sustentar. A liberdade, a autonomia, a procura da independência individual acaba no dia que começa, quando o casal apenas vivia para se distrair, sem muitas ideias novas. Como é natural, esta ideia é uma metáfora bíblica para explicar a escravidão de Israel ao Egipto, até às suas lutas de hoje pela faixa de Gaza ou com o Egipto pelo livre-trânsito pelo Canal do Suez, controlado até há poucos dias por Mubarak. Se pensarmos nestes dados e procurarmos nas suas origens, como a metodologia de separar o ilusório dos factos concretos, podemos entender que esse anseio de autonomia é apenas a contradição da falta dela.

O que, de uma outra maneira, pode-se afirmar,  para encontrar a decisão acertada aos nossos desejos de autonomia, é preciso construir uma maneira ou estrutura para as relações entre pessoas. Estrutura encontrada por Marx, em 1857, nos seus textos sobre a mais-valia e a acumulação de capital; tal como na relação de poder (nomeadamente económico), por não haver posses entre a população que trabalha por um ordenado, e a população que vive do trabalho de outros.

 

Chegados aqui, parece-me necessário definir o que é o trabalho. Inclinação humana, de acordo com Smith, influenciado pelo Génesis, mas também a transformação da matéria em bens comerciáveis, transacções de produtos de consumo material, comestíveis e a necessária poupança para investir moeda em moeda que, acumulada, estabelece a forma capitalista de produção: se não há moeda, não há enriquecimento, como acontece hoje em dia connosco e a falta de pessoas empenhadas em investimentos que rendam riqueza. Émile Durkheim, em 1893, no texto A Divisão Social do Trabalho, descobre que factualmente havia duas maneiras de viver: de forma mecânica e de forma orgânica. A primeira corresponde às convenções que a população faz, para entender e viver harmoniosamente, debaixo dos seus próprios ditados, que são aceites por todos e acrescentados com a passagem do tempo. Um desses ditados é o que intitula o texto que escrevo: quem pensa não casa, quem casa não pensa. Um adágio, diria eu, irónico para advertir das venturas e desventuras da vida a dois. Vida possível se a autonomia é procurada em conjunto, se existe amor, paixão e respeito, ou se não houver uma ferida da infância que faz do adulto esse ser que pretende ser autónomo, mas não consegue. É evidente que ninguém pode acreditar nesse ditado, excepto se for parvo ou pueril, por outras palavras, organiza o pensamento racionalmente e, de forma paralela, vai brincando com as tristezas da vida. Se se pensa, não casa, é apenas esse adágio referido para que o casal escolha, como diz Julia Roberts: o matrimónio do meu melhor amigo. Ela tinha medo de amar e ser traída, facto comum na geração que segue a nossa. Tenho afirmado e defendido noutros textos, que os que se amam vivem primeiro juntos e casam depois, quando é provado que há respeito entre ambos, seja qual for o tipo de matrimónio. Há tantos hoje em dia! O Presidente da República acaba de promulgar uma lei debatida no parlamento, sobre a realidade da transexualidade. Assim, não sabemos com quem casamos, apenas os que praticam estas formas de acasalamento, o sabem e podem explicar.

 

A forma orgânica referida por Durkheim, é a subordinação à lei e ao direito, que regulamenta a solidariedade entre os seres humanos. Solidariedade ou acudir sempre ao próximo, como o autor, socialista, costumava fazer. Durkheim não tinha medo de amar, tinha, sim, medo de sofrer, e foi assim que faleceu: pela morte do seu filho André na Grande Guerra de 1914-1918, como muitos dos seus discípulos. Cansado já, faleceu ainda muito novo, aos 59 anos, em Paris.

 

Casar, não casar, é um ditado, sim senhor, mas ninguém se orienta por ele, excepto os que têm medo de amar, como a personagem que encarna Julia Roberts no filme referido.

 

Certamente, o ditado mencionado está endereçado para animar as pessoas para o casamento. Quem não casa, é evidente parecer ser uma pessoa que não pensa, ou simplesmente segue os exemplos dos outros. Quem casa e deixa de pensar, cai na tramóia de não saber sustentar a sua família. Quem não saiba, não merece acasalar, o que seria da sua família?

 

Como todos os ditados, este tem duas interpretações, como diria Roman Jakobsen: os que seguem o ditado por tradição, os que o ignoram porque, já casados, com uma prole atrás de si, pensam como viver, o seu próprio destino e o de cada filho. O matrimónio tem as suas etapas: a da juventude e paixão, a de criar crianças, a da desilusão.

 

Actualmente, pode haver muitas formas de casamento. Mas o que me interessa dizer, é que se há um que manda e outro deve obedecer, nem divórcio existe, porque o casamento é feito pelo amor ao outro e o divórcio não rompe esse vínculo.

 

Confesso que casei, criámos descendentes, o divórcio aconteceu e eu continuo feliz dentro da vida de casado, por existir uma senhora que vela por mim. Dela foi a ideia do título, a explicação é minha. De certeza, ao colocar o meu português de forma correcta, ideias novas virão que eu aceito com prazer e agradecimento.

 

O desenho que acompanha o texto, ilustra o meu temor a mais uma relação que pode acabar. Ser-me-ia insuportável…

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


publicado por João Machado às 15:00

editado por Luis Moreira às 00:12
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links