Segunda-feira, 21 de Fevereiro de 2011

A Escola de Toledo - Abdurraham Badawi

coordenação de Augusta Clara de Matos

 

Hoje Falamos de...uma exemplar convivência

 

Abdurraham Badawi

 

Egípcio, é filósofo e historiador da filosofia. Foi diretor dos departamentos de filosofia de diversas universidades no Egito, na Jamahiriya Árabe, Líbia e no Kwait, além de professor convidado na Sorbonne, em Paris. É autor de cerca de 100 obras, em francês e em árabe, sobre temas como existencialismo, filosofias grega e árabe e filosofia alemã contemporânea.

 

 

 

Abdurraham Badawi  A Escola de Toledo

 

 

A transmissão do legado cultural

árabo-grego de Al-Andalus à Europa

ocorreu principalmente graças à

escola de tradutores de Toledo.

 

SOMENTE no século XII surgiu, em Tole­do, a primeira escola espanhola de tradutores do árabe para o latim. Essa escola foi fundada por D. Raimundo, monge beneditino nascido em Agen, no sudoeste da França, que foi arce­bispo de Toledo de 1126 a 1151. Convencido da importância da obra dos filósofos árabes para a compreensão de Aristóteles, ele decidiu traduzir suas obras para o latim.

 

Entre as diversas pessoas convocadas pa­ra esse trabalho, uma das mais eminentes foi Dominicus Gundisalvi, arcediago de Segóvia. Ele traduziu do árabe para o latim importante parte do Kitab al Chifa' (Livro da Cura), obra enciclopédica de Ibn Sina (Avicena), o Maqa-sid al-falasifah (As intenções dos filósofos), de al-Ghazali, e o Ihsa’ al-ulum (Tratado sobre o recenseamento das ciências), de al-Farabi.

 

Mas Gundisalvi não conhecia o árabe. Por isso, valeu-se de intermediários, muçulmanos ou judeus, para dispor de uma tradução do árabe em castelhano e, em seguida, traduzir para o latim. Entre esses tradutores judeus intermediários, constantemente ressurgem os nomes de um certo Salomão e, sobretudo, de Johannes Avendeath (ou Avendauth, ou Johannes bem David, ou Johannes Hispanus, ou, ainda, Jean de Séville), cuja identificação sus­cita muitas controvérsias.

 

O membro mais importante desse colégio de tradutores foi sem dúvida Gerardo di Cremona (1114-1187). Graças a uma breve notícia deixada por seus alunos sobre sua vida e sua obra como tradutor, sabemos que Gerardo foi para Toledo, após terminar os estudos na Itá­lia, para conhecer mais sobre o Almageste. Esse tratado de astronomia composto por Cláudio Ptolomeu, o célebre astrónomo, matemático e geógrafo grego do século II, era uma imensa obra que dispunha de uma versão em árabe. Ante a profusão de livros científicos em árabe que descobriu em Toledo, Cremona começou imediatamente a estudar árabe, a fim de lê-los e traduzi-los para o latim. Em seguida tradu­ziu mais de 70 obras, entre elas o Almageste, cuja tradução terminou em 1175.

 

Suas traduções abrangem praticamente todo o campo científico daquela época: diver­sos livros de Aristóteles (Da Física, Do céu e do mundo, Da geração e da corrupção e Os meteoros), além de al-Kindi, Ptolomeu, Isaak Israeli, Ibn Sina, Galeno e muitos outros.

 

Outro grande tradutor foi Michel Scot (c.1175-c.l235). Nascido na Inglaterra, ele pas­sou pelas Universidades de Oxford e de Paris, antes de se estabelecer em Toledo, onde aprendeu o árabe e o hebraico, vindo a tradu­zir muitas obras do árabe para o latim. No final da vida, foi convidado à corte do impe­rador germânico Frederico II de Hohenstaufen, na Sicília - outro centro de traduções do árabe para o latim.

 

Michel Scot traduziu principalmente grande parte dos comentários de Ibn Rushd (Averróis) sobre a obra de Aristóteles e o Tra­tado sobre as esferas, de al-Bitrudji (Alpetragius, ou Alpetrage), que exerceu grande influência sobre os conhecimentos astronómicos.

 

Um trabalho coletivo 

 

Essas traduções toledanas levantam o proble­ma da paternidade. Num estudo sobre Aver­róis publicado no século passado, o escritor e historiador francês Ernest Renan observou: "Certamente os latinos que viajaram a Toledo não tinham qualquer escrúpulo em se apro­priar do trabalho de seus secretários (...) e o nome do tradutor frequentemente era uma ficção.

 

"Quase sempre um judeu, amiúde um mu­çulmano convertido, desbastava a obra e apli­cava a palavra latina ou a palavra vulgar sobre a palavra árabe. Um clérigo cuidava do texto em latim e dava seu nome à obra. Por isso, uma mesma tradução é frequentemente atri­buída a pessoas diferentes."

 

Essa opinião é partilhada pelo grande medievalista norte-americano Charles Homer Haskins em seu livro sobre a Renascença do século XII e também por algumas traduções latinas do árabe por intermédio do espanhol, em poder da Biblioteca Nacional de Paris.

 

O extraordinário trabalho de tradução re­alizado em Toledo foi efetivamente a obra conjunta dos árabes muçulmanos, judeus e latinos cristãos. Seria injusto atribuir sua pa­ternidade somente a estes últimos, mesmo quando os manuscritos ou os historiadores mencionam apenas seus nomes. Gundisalvi, Gerardo di Cremona, Michel Scot e muitos outros tradutores sempre recorreram a aju­dantes e intermediários árabo-muçulmanos ou, ainda com maior frequência, judeus. O trabalho dos tradutores cristãos latinos às ve­zes se limitava a colocar em bom latim o que seus ajudantes haviam traduzido em espa­nhol ou em mau latim.

 

Por isso, o grande movimento de tradução do árabe para o latim começou na Espanha no século XII, e Toledo foi seu centro mais ativo. Mas esse movimento teve continuidade em outras cidades da península, como Barcelona, Tarragone, Scgóvia, Leóne Pampelune, alcan­çando depois os Pireneus para se estabelecer em Toulouse, Béziers, Narbonne, Montepellier e Marselha.

 

Graças a essas traduções, a Europa pôde conhecer tanto as obras dos filósofos, mate­máticos, médicos e astrónomos gregos quanto as de seus comentadores e competidores ára­bes. Como também escreveu Haskins, "a re­cepção desse saber pela Europa ocidental re­presenta uma importante guinada na história do pensamento europeu".                     

 

(in O Correio da UNESCO, Ano 20, Nº. 2 Brasil, Fevereiro 1992)

publicado por Augusta Clara às 14:00
link | favorito
3 comentários:
De Luis Moreira a 19 de Abril de 2011
Muito bom.
De Augusta Clara a 19 de Abril de 2011
Teve uma enorme importância e é tão pouco falado.
De Luis Moreira a 19 de Abril de 2011
Textos deste nivel s~ao procurados e s~ao raros na blogoesfera...

Comentar post

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links