Sábado, 19 de Fevereiro de 2011

TARECO (1) - por Fernando Correia da Silva

 

 

-

 

Nota: TARECO é uma novela em sete capítulos de Fernando Correia da Silva. Tendo publicado o quarto capítulo e dado o êxito obtido, resolvemos, de acordo com o autor, publicar toda a novela. Será sempre neste horário, 19:00 horas, que publicaremos cada capítulo.

 

 

1. O ZINGARELHO JAPONÊS 

  

  

 

Sempre gostei daquela frase da Pasionaria: antes morir de pie que vivir de rodillas”. Dolores é como se chama a minha filha, aliás a única. O nome pegou de raiz, a rapariga fez-se rebiteza, como a outra, a espanhola. Fez o Liceu, depois o Instituto Superior Técnico, a Informática, as Electrónicas. Atrás dela andava sempre uma alcateia de rapazes. Se ela tropeçou em algum, eu cá não sei, nem quero saber, isso é lá com ela. Mariana, a minha mulher, é que não me perdoa esta minha indiferença. Está sempre disposta a resolver tudo à peixeirada. Ou não tivesse ela sido varina, nos bons tempos. Porém agora é uma senhora, até já tem um lugar de peixe. O que não a livra de andar eternamente desconfiada; não, não e não, já lhe disse que não é indiferença, é só respeitinho pelas fronteiras de cada qual.

 

Com 23 anos a Dolores acabou o curso e foi logo convidada para uma pós-graduação nos Estados Unidos. A Mariana chorou muito. Aos 26 anos a Dolores aceitou um emprego em Tokyo. A Mãe arrepelou os cabelos, coitadinha da rapariga, agora até já está no outro lado do mundo. Raras foram as cartas que a Dolores nos escreveu. Mas ontem, ao fazer 30 anos, mandou-nos um telegrama a avisar que chegará amanhã ao aeroporto da Portela.

 

Desce do avião e a Mariana não se aguenta, beijinhos e abraços, ai minha rica filha, estás tão magrinha, come esta maçã, come! A Dolores trás um japonês a tiracolo, rapaz novo. Apresenta-mo. É nome arrevesado. Saio pela tangente:

 

         - Seja benvindo, sr. Takôku Nakara.

 

A Dolores torce o nariz. Não tarda muito começa a guinchar e a bater os pés, como fazia dantes. Corto a direito:      

         - Minha filha, não te amofines, esse gajo aí, para mim é o Samurai, e não se fala mais nisso.

 

A Dolores enrola a língua num patuá cheio de soluços e o japonês sorri, faz uma vénia, quase bate com a testa no chão. Gostou da alcunha. Ainda bem.

 

 A Mariana ficará muito inquieta. Pergunta-me se o Samurai será noivo ou namorado da nossa filha. Começa a antipatizar com ele, pois o japa só gosta de comer peixe cru.

 

         - Não te preocupes, é apenas um boy friend.

         - Mas o que é isso, ó Fernando?

         - Ora, é um desentupidor dos circuitos da placa lógica, coisas da electrónica..

 

A Mariana fica mais sossegada e a minha filha pergunta-me se pode ocupar os barracões que ficam nos fundos do meu quintal. Tenho uma casa com vista para o Tejo, herdei-a do meu avô. E no quintal tenho até duas palmeiras. Alfama, pois claro. Num socalco entre o Largo da Marinha e a rua das Escolas Gerais. Claro que pode ocupar os barracões. No dia seguinte começam a chegar caixas, caixinhas e caixotes. A Dolores conta-me que ela e o Samurai estão a trabalhar para uma multinacional japonesa. Devem montar aqui o protótipo de um robot doméstico que vai ser colocado em todos os lares europeus. Não me aguento:

 

         - Agora a menina diverte-se a brincar com brinquedos japoneses?

 

Vai aos arames mas explica-me a jogada dos amarelos: os portugueses são uma espécie de pretos mansos da Europa. Mesdames, Ladies e Frauen ficarão mais descansadas quando o mordomo electrónico começar a falar com sotaque português.

 

         - O quê? Falar? O zingarelho vai falar?

         - Tal e qual um homem, Pai. Tu vais ver.

 

Três meses depois, vou eu a atravessar o quintal e, de repente, salta-me ao caminho uma espécie de gatão, todo em alumínio e fibra de vidro. As patas da frente levantadas, o traseiro são duas rodas motrizes, uma terceira a timonar. Antenas em vez de orelhas. Lentes em auto foco em vez de olhos. Cabo metálico, flexível, em vez de cauda, e era a tomada de energia. De rabo alçado aí vem o danado. Levanta o pescoço, mecanismo de periscópio. A cabeça é uma abóbora de vidro, transparência, luzinhas a acender e a apagar. Gira a cabeça de um lado para o outro, 360 graus, até fico tonto. Avança agora sobre mim. Precavido, levanto o pezinho. Um coice bem arreado resolve muita situação...

 

Nisto, a Dolores sai do barracão, dá um grito e a avantesma pára. A minha filha diz que vai contratar-me como professor de português do zingarelho.

 

         - Mas, Dolores, eu nem tenho o 7º ano, eu posso lá ser professor...

         - Não faz mal, Pai, do que nós precisamos é de um especialista em coloquialismo. E nisso tu és bom. Topas?

         - E carcanhóis, ó menina? É trabalho só para aquecer?

         - Para começar, 2500 dollars por mês. Topas?

         - Topo! Toca aqui.

 

Não tocou. Abraçou-me e beijou-me. O Samurai é que veio, cheio de mesuras, a apertar-me a mão. Nas vésperas da minha reforma de tipógrafo, juntamente com os lucros do lugar da Mariana, aquele dinheirinho extra vinha aquecer o meu orçamento.

 

Mas não acredito que o zingarelho venha a falar. A Mariana e o Samurai julgam que falar é só armar aos sons. Não sabem das contravoltas misteriosas que há no verbo. Fico horas e horas defronte de um gravador cheio de botões, painéis e curvas luminosas. A Dolores manda e eu falo o que me dá mona. Dias depois o Tareco já está a falar com a minha voz. Porém, mais parece um inglês, treinador de futebol, a falar português. Até que um dia, lá no quintal, o zingarelho pára diante de mim, saúda e eu espantado:

 

            - Bô diá, sinô Fenandô!

 

         Dou um salto atrás, faço figas.

 

         - Vade retro Satanás, cruzes Canhoto, t'arrenego Tareco!

 

         Lá vem a Dolores a correr, a rir e a bater palmas:

 

         - Tareco é um grande nome! Ó paizinho, tiveste um grande desarrincanço.

 

 E Tareco fica sendo aquele feloso. Pô-lo a falar língua de gente é que vai ser o diabo. Estou para ver...

 

 

(Continua)

 

 

 

publicado por Carlos Loures às 19:00
link | favorito
3 comentários:
De augusta clara a 19 de Fevereiro de 2011
Bem vinda novela, tão divertida :-))
De Luis Moreira a 19 de Fevereiro de 2011
Doido por uma novela, e eu a dizer que não sigo novelas...
De ethel feldman a 20 de Fevereiro de 2011
Já agora, e a todos desculpem-ne o verbo, um grande manguito às editoras deste país!
Maravilhoso, pai.

Comentar post

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links