Sábado, 12 de Fevereiro de 2011
Derrubando o autocrata - por Tariq Ali [*]

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Uma noite alegre no Cairo. Que felicidade estar vivo, ser egípcio e árabe. Na Praça Tahrir estão a cantar: "O Egipto está livre" e "Vencemos!"

A remoção de Mubarak por si só (e levando o grosso dos seus US$40 mil milhões saqueados do tesouro nacional), sem quaisquer outras reformas, seria considerada na região e no Egipto como um enorme triunfo político. Isto colocará novas forças em movimento. Uma nação que testemunhou milagres de mobilizações de massa e uma enorme ascensão na consciência política popular não será fácil de esmagar, como o demonstra a Tunísia.

A história árabe, apesar das aparências, não é estática. Logo após a vitória israelense de 1967 que assinalou a derrota do nacionalismo secular árabe, um dos grandes poetas árabes, Nizar Qabbani, escreveu:
Crianças árabes,
Grãos de milho do futuro,
Vocês romperão nossas cadeias.
Matem o ópio nas nossas cabeças,
Matem as ilusões.
Crianças árabes,
Não leiam acerca da nossa geração sufocada,
Somos um caso sem esperança,
Tão sem valor quanto uma casca de melão.
Não leiam acerca de nós,
Não nos macaqueiem,
Não nos aceitem,
Não aceitem nossas ideias,
Somos uma nação de vigaristas e trapaceiros.
Crianças árabes,
Chuva da Primavera,
Grãos de milho do futuro,
Vocês são a geração que ultrapassará a derrota.

Quão feliz ele teria sido se visse a sua profecia ser cumprida.

A nova onda de oposição em massa aconteceu num momento em que não há partidos nacionalistas radicais no mundo árabe, e isto ditou as tácticas: enormes assembleia em espaços simbólicos que colocam um desafio imediato à autoridade – como que a dizer, estamos a mostrar nossa força, não queremos testá-la porque não estamos organizados nem preparados para isso, mas se você nos picar recorde que o mundo está a observar.

Esta dependência da opinião pública global está a mudar, mas também é um sinal de fraqueza. Tivesse Obama e o Pentágono ordenado ao exército egípcio que limpasse a praça – ainda que a alto custo – os generais provavelmente teriam obedecido às ordens, mas teria sido uma operação extremamente arriscada para eles, se não para Obama. Isto poderia ter dividido o alto comando dos soldados comuns e oficiais júnior, muitos do quais têm parentes e famílias a manifestarem-se e muitos do quais sabem e sentem que as massas estão do lado certo. Isso teria significado um levantamento revolucionário de uma espécie que nem Washington nem a Irmandade Muçulmana – o partido do cálculo frio – desejavam.

A demonstração de força popular foi suficiente para despedir o actual ditador. Ele só ia se os EUA decidissem tirá-lo. Depois de muita hesitação, ele fez isso. Eles não tinham qualquer outra opção séria. A vitória, contudo, pertence ao povo egípcio cuja coragem e sacrifícios infindáveis tornaram tudo isto possível.

Hillary e Mubarak. E assim isso acabou mal para Mubarak e o seu homem de confiança. Tendo lançado bandidos da segurança só há quinze dias atrás, o fracasso do vice-presidente Suleiman para desalojar os manifestantes da praça foi mais um prego no caixão. A maré ascendente das massas egípcias, com trabalhadores entrando em greve, juízes a manifestarem-se nas ruas e a ameaça de multidões ainda maiores na semana seguinte, tornou impossível para Washington suportarem Mubarak e seus cúmplices. O homem a que Hillary Clinton se referiu como sendo um amigo leal, na verdade "família", foi jogado no lixo. Os EUA decidiram cortar as suas perdas e autorizaram a intervenção militar.

Omar Suleiman, um velho favorito do Ocidente, foi seleccionado por Washington como vice-presidente, endossado pela UE, para supervisionar uma "transição ordeira". Suleiman sempre foi encarado pelo povo como um torturados brutal e corrupto, um homem que não só dá ordens como também participa no processo. Um documento da WikiLeaks contem um antigo embaixador dos EUA a louvá-lo por não ser "melindroso". O novo vice-presidente advertiu as multidões de manifestantes terça-feira passada que se não se desmobilizassem voluntariamente o exército estava à espera: um golpe podia ser a única opção restante. Foi ela, mas contra o ditador que eles haviam apoiado durante 30 anos. Era o único meio de estabilizar o país. Dali não podia haver retorno à "normalidade".

A era da razão política está a retornar ao mundo árabe. Os povos estão fartos de serem colonizados e intimidados. Enquanto isso, a temperatura política está a subir na Jordânia, Argélia e Iémen.

 

 

[*] Escritor. Seu último livro: "The Obama Syndrome: Surrender at Home, War Abroad", ed. Verso.

O original encontra-se em http://www.counterpunch.org/tariq02112011.html


Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .


publicado por Carlos Loures às 16:00
editado por Luis Moreira às 15:07
link do post | comentar

2 comentários:
De Luis Moreira a 12 de Fevereiro de 2011 às 16:14
É uma grande vitória não só do povo Egípcio mas também de todos os povos oprimidos do mundo. Uma sociedade civil forte é o único instrumento para mudar a vida dos povos, os políticos têm que perceber que após ultrapassarem uma determinada linha, o povo mais tarde ou mais cedo irá apeá-los.Não aos estados totalitários, não aos estados que podem tudo, não aos estados que fazem tudo, não aos estados que impedem a existência de uma sociedade civil forte e em liberdade. Eles, os políticos, sabem bem de onde vem o perigo, há que manietar os cidadãos, nos seus direitos, nas suas liberdades. Por cada direito que cortam aos cidadãos a favor do estado haverá sempre alguém que elevará a sua voz. Não ao estatismo e ao centralismo!


De Tessa a 18 de Setembro de 2018 às 14:48

Do You Seek Funds To Pay Off Credits and Debts? { FIFOCapitals@gmail.com } Is Here To Put A Stop To Your Financial Problems. We Offer All Kinds Of Loan (Personal Loan, Commercial Loan, etc.) We Give Out Loan With An Interest Rate Of 1.00%. Interested Applicants Should Contact Us Via Email: FIFOCapitals@gmail.com

Please Fill the Application Form Below:
- Complete Name:
- Loan Amount Needed:
- Loan Duration:
- Purpose Of Loan:
- City / Country:
- Telephone:
- How Did You Hear About Us:

If You Are Interested To Get A Loan Then Kindly Write Us With The Loan Requirement. Please, Contact Us via email: FIFOCapitals@gmail.com,,,


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
3 etapas simples para emprestar online. Inscreva-s...
We Offers Financial Consulting To Client, Companie...
We Offers Financial Consulting To Client, Companie...
OláCandidate-se a empréstimo rápido e confiável de...
OláCandidate-se a empréstimo rápido e confiável de...
Bom dia Todo mundo lendo esta história da vida rea...
Oi, você precisa de um empréstimo? Você pode resol...
Bom dia a todos a ler isto Sou Elena Rojas pelo no...
Do You Need A Loan To Consolidate Your Debt At 1.0...
Do You Seek Funds To Pay Off Credits and Debts? { ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links