Sábado, 16 de Julho de 2011
Palavras Interditas - por Paxiano

 

 

Leio nos teus olhos palavras

interditas

Palavras que oferecem um mar

infindável

Na busca dum fim sublime

Eloquente brilho dum mar

admirável

 

 

 

Palavras e sons intermináveis

Duma missão não cumprida

Palavras solenes interditas

Sílabas vagarosas sumidas

Que se revelam quase perdidas

 

 

 

Nesse caminho indecifrável

Atingiremos novos limites

Tão difíceis e desejáveis

Que se escondem nos alvitres

 

 

Nos teus olhos ficaram escritas

Letras das palavras interditas

 

 

 



publicado por Luis Moreira às 10:00
link do post | comentar

Quinta-feira, 20 de Janeiro de 2011
Malangatana - O Homem e a Obra por Manuel Augusto Araújo

 

Com a devida vénia ao "Avante", vamos publicar em dois dias seguidos um texto sobre a vida e obra do excepcional artista Moçambicano.
Um artista único
Um homem com três metros de altura
Foi um dia de prodígios. Malangatana, apanha bolas no Clube de Ténis de Lourenço Marques, pede a um dos praticantes desse desporto exclusivo dos colonos um par de sapatilhas velhas. Pediu-as a Augusto Cabral, biólogo e pintor, que o manda ir a sua casa, buscá-las. Malangatana vai e encontra Augusto Cabral a pintar. Fica fascinado. Ao pedido das sapatilhas junta o de tinta e pincéis. Quer pintar, não sabe o quê. Só sabe que quer sentir a sensualidade dos pincéis a afagarem uma superfície, a espalhar cores, definir formas, fazer aparecer coisas. Dão-lhe as sapatilhas velhas, pincéis, tintas, umas chapas de contraplacado.
«Vou pintar o quê? O que está dentro da tua cabeça?»

 

O que Malangatana tinha dentro cabeça era um mundo. Florestas de árvores. Florestas de pessoas. Florestas de medos. Florestas de sons. Florestas de mágicas. Florestas de coragens. Florestas fantásticas que naquele dia começaram a correr a ousadia de uma vida interminável.
O miúdo que começara a trabalhar aos 13 anos como pastor, que se iniciara nas práticas das medicinas tradicionais, tinha um tio curandeiro, que viera do campo para a cidade para ser empregado doméstico e andava a apanhar bolas das partidas de ténis entre membros da elite colonial tem, de repente, nas suas mãos as ferramentas de fazer com que o seu tempo passado e o seu tempo presente fossem tempo futuro, como teria dito Álvaro de Campos.
A sua vida cinde-se em duas. De dia é empregado de mesa e apanhador de bolas num clube da elite branca. Fechadas as horas de trabalho vai para a garagem do arquitecto Pancho Guedes, que lhe tinha cedido um espaço, e pinta, pinta as imagens fantásticas que lhe habitam a cabeça. Pancho Guedes apoia-o comprando, todos os meses, quadros a um preço então inflacionado, hoje irrisório. É também em casa de Pancho Guedes que tem um encontro que será decisivo na sua vida. Encontra-se com Eduardo Mondlane, na altura professor na universidade norte-americana de Siracusa e técnico da ONU, que se tinha deslocado a Moçambique a convite do Governo português, por interposta Missão Suíça, com o objectivo de o atrair para colaborar com a administração portuguesa. Mondlane faz-lhe «ver aspectos sobre os quais eu ainda não tinha pensado» (Malangatana, semanário Savana, 2010). Fala-lhe da relevância da cultura do povo moçambicano e da importância do seu trabalho de pintor nesse contexto. Da importância desse trabalho no futuro de Moçambique como país um dia independente. Até lá, na luta pela independência.




publicado por Luis Moreira às 13:00
link do post | comentar


EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
oferta para todosOlá, volto para todos os indivídu...
esse dalmaso nao e brasileiro ele deu depoimento e...
Meu nome é Patricia Martins, de Portugal, um pai s...
Dia bom, Meu nome é Laura Pablo, eu quero testemun...
Afinal em que ficamos? Esta coisa do Daflon do Ven...
UPDATE ON LOAN REQUIREMENT If you are in need of ...
Olá, sou ivani suarez, atualmente morando em santi...
Olá Sr. / Sra.Você precisa de empréstimos para o p...
HOLA...¿NECESITA PRESTAR DINERO PARA PAGAR CUENTAS...
Bom-dia Senhoras e Senhores.Sou uma mulher de negó...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

Palavras Interditas - por...

Malangatana - O Homem e a...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links