Quarta-feira, 6 de Julho de 2011
Pedro Mota Soares - pobreza no programa de emergência nacional - por Carlos Mesquita

 

(Publicado em oclarinet)

 

O governo tem um ministro da Caridade. Desloca-se numa motoreta franciscana e fez discurso no parlamento. Não foi bem um discurso, foi mais uma choradeira pegada sobre os pobrezinhos, do género de fazer secar o saco lacrimal ao antigo Movimento
Nacional Feminino.


Pedro Mota Soares (o ministro), um dos autores do novo código laboral, que levou muitos para a pobreza, defendeu um programa assistencialista para os desprotegidos – a arcaica caridade, e o plafonamento dos descontos para a segurança social. Mandou a
Solidariedade e a sustentabilidade da Segurança Social às urtigas.


Já se sabia que este governo, como Cavaco Silva, apreciam o apoio misericordioso aos necessitados. A mim, que sou suficientemente velho para ter vivido na época de Salazar e Caetano, lembra-me o tempo em que o povo andava de mão estendida a pedir uma côdea para não morrer à fome.

Lembro colegas da escola primária em Belas, anos 60, que andavam sempre de cabelo (rapado na escola) fora de moda, e conhecidos pela “seita do pé descalço”. Traziam mais uma marca identificadora que não enganava, uma corrente ao pescoço com uma medalha numerada. Esse número dava para irem ao posto da UCAL (ao lado da praça) buscar uma dose diária de leite.

Vai voltar o estigma da  pobreza, a ajuda aos humildes, a ternura dos beneméritos, as festas agradecidas dos protegidos para satisfação dos “voluntários” e das instituições – claro as instituições – que são uma vergonha que ainda existam no século XXI, nesta Europa abastada.

O negócio já foi sacar fundos europeus, já foi o ramo ambiental. Agora o que vai dar, que já está a dar, são as IPSS, as Misericórdias – a clientela vai aumentar graças ao governo e os apoios ao negócio também.

 



publicado por Carlos Loures às 12:00
editado por João Machado em 04/07/2011 às 23:07
link do post | comentar | ver comentários (1)

Sábado, 28 de Maio de 2011
SOLIDARIEDADE - por Raúl Iturra

 

 
Karajan - Beethoven: Symphony #3 In E Flat, Op. 55, "Eroica" - 1. Allegro Con Brio
 
 
 

Experimento para agradecer o grande número de pessoas que me têm apoiado na escrita informática, especialmente a empresa que colabora comigo, que não vou referir por causa de propaganda, de todos eles, não resisto agradecer a quem tem a  paciência de aparecer na minha casa para tratar das avarias que vão acontecendo no meu computador pela minha falta, Ricardo Fernandes. E essa doce senhora que acompanha estes dissabores e saber rir as gargalhadas com os meus acidentes informáticos, por pura simpatia e solidariedade, como Carlos Loures, escritor e editor das minhas obras: tem-se oferecido para ser o meu correio enquanto o meu computador é tratado e publicar os meus textos no nosso Estrolabio.

 

Apenas una ideias queria referir no conceito solidariedade, conceito que sabemos foi criado por Émile Durkheim em 1893. Estamos a viver uma falta dela que faz tremer emotiva e socialmente. Estamos em tempo de eleições legislativas e os candidatos a escanos na Assembleia da República, organismo que nos governa, acaba por tornar debates sobre economia e lucro em novas indústrias em lutas políticas em que os dois de sempre, como diria Castelão, o santo da Galiza, os dois pretendentes ao cargo do Primeiro-ministro, têm imensas dotes aparentes para nos governar. Governar esta República que, desde Afonso Henriques, tem vivido em batalhas e guerras, civis ou de palavras. Lamento que os pequenos partidos revolucionários que têm assento na Assembleia, apenas são capazes de falar mal dos poderosos, sem apresentar ideais e actividades alternativas na arte de governar. Desde as definições de Aristóteles, o governar é uma arte política, porque se ordena a Polis, nesses tempos homens que sabiam quais a leis convenientes e quais para punir.

 

Os nossos candidatos apenas sabem do debate político, de pedir dinheiros a fundos criados para isso, mas nada tenho ouvido sobre programas. O líder certo que vai a ganhar, diz que falará dos seus projectos nos dias em que seja certo de que será eleito. O alternativo, não se cansa de falar dos seus futuros planos, com serenidade e ambição.

 

Mais nada digo, a imprensa está cheia de propaganda e cansa a luta política que descura o futuro material da nação .

 

Raúl Iturra

iturravaleparaiso@hotmail.com
põe apenas o dia de hoje,  

 



publicado por Carlos Loures às 14:00
editado por João Machado em 27/05/2011 às 23:42
link do post | comentar

Sexta-feira, 13 de Maio de 2011
1º Biking Aventura Vencer o Cancro,

 

 

 


 

 

 

 

‘Quanto mais olharmos o cancro de frente, mais ele se afasta de nós’

 

 

Exmo(a). Senhor(a),

 

Para conhecimento, informamos que o BTT Clube de Portugal vai realizar o Biking Aventura Vencer o Cancro, Domingo, dia 15 de Maio de 2011, às 10h30, em Lisboa, um passeio de cicloturismo solidário, com a distância de 12km e um limite de 2.500 participantes.

 

Por cada inscrição neste evento reverte dois euros para a União Humanitária dos Doentes com Cancro, sendo esta uma receita vital para a sua sobrevivência, pois todos os apoios que a União presta são inteiramente gratuitos.

 

Percurso (totalmente fechado ao trânsito!):

Praça do Comércio, partida - R. da Prata - Praça da Figueira - Rossio - Restauradores - Av. da Liberdade - Marquês de Pombal - Picoas - Saldanha - Av. da República - Campo Pequeno - Entre Campos - Campo Grande - percurso inverso até ao Rossio - R. do Ouro - R. de S. Julião - R. Augusta - Praça do Comércio, meta.

 

Face aos nossos escassos meios, vimos pelo presente apelar à sua solidariedade e desde já muito agradecer:

 

  • A sua adesão a este evento (Info e inscrições: www.vencerocancro.com).
  • A divulgação desta notícia por todas as pessoas do seu conhecimento, familiares e amigos.
  • O reenvio deste mail para todos os seus contactos pessoais, com o objectivo de que, mediante uma grande rede de solidariedade na Internet, esta notícia chegue ao conhecimento de toda a população.

 

Colabore com a União nesta nobre causa.

 

Gratos pela sua solidariedade, atenciosamente,

 

Luís Filipe Soares

União Humanitária dos Doentes com Cancro

Presidente da Direcção

Tel.: 213940302 | Fax: 213940304

www.doentescomcancro.org

 



publicado por João Machado às 09:00
link do post | comentar

Sexta-feira, 25 de Março de 2011
Crise da zona Euro - 2 - por Henri Sterdyniak

Enviado por Júlio Marques Mota

Traduzido por António Gomes Marques

 

Zona euro: uma solidariedade deficiente

Durante a crise, as instâncias europeias (a Comissão Europeia, o Conselho, os Estados-Membros) foram incapazes de darem respostas vigorosas. As suas reacções foram tímidas, hesitantes, contraditórias. A sua (ausência de) estratégia não é compatível com o funcionamento dos mercados financeiros; mantendo a dúvida sobre a solidariedade europeia, sobre a possibilidade de certos países faltarem no cumprimento das suas dívidas, elas alimentaram a desconfiança e a especulação.

No final de 2009, o governo grego reviu fortemente em alta os valores do défice público anunciados pelo governo precedente, e foi esta informação que deu a partida para a crise de desconfiança contra a dívida grega. As instâncias europeias e os outros países-membros levaram tempo a reagir, não querendo dar a impressão de que os países-membros tinham direito a um apoio ilimitado dos seus parceiros e querendo sancionar a Grécia, pelo facto de a considerarem culpada por nunca ter respeitado o Pacto de Estabilidade e Crescimento e de ter escondido a dimensão dos seus défices. Os Estados Membros, em especial a Alemanha, anunciaram que ajudariam a Grécia apenas se esta aceitasse assumir o compromisso de organizar um plano de forte redução dos seus défices públicos e que a ajuda seria fortemente condicionada ao respeito deste compromisso, sujeito à regra da unanimidade (ao mesmo tempo, os alemães recordavam que o Tratado europeu proibia a solidariedade entre os Estados Membros e que o seu Tribunal Constitucional poderia proibir que se ajudassem os países em dificuldade), e que a taxa dos empréstimos concedidos “incorporaria um prémio de risco adequado”, o que é absurdo, uma vez que a ajuda tem precisamente por objectivo reduzir a zero o risco de incumprimento. Estas reticências contribuíram, também elas, para preocupar os mercados, o que os levava a continuarem a encarar os cenários de catástrofe.



publicado por Luis Moreira às 20:00
link do post | comentar


EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
O grupo Maria Isco fornece ajuda para resolver a c...
Olá, eu nome Madame Aniello LIZI um indivíduo que ...
Agora fiquei curioso com esta autoria. Em que livr...
Testemunho de um empréstimoConsegui obter um empré...
Caro Sr / Sra,Antes de qualquer outra palavra, pri...
OláEu sou Ibrahim Mohammed do Emirado árabe unido,...
Eu sou um disposo privada de um fons de that em ro...
Eu sou um disposo privada de um fons de that em ro...
Potrebuješ pôžičku? Máte nízke kreditné skóre a ne...
Atenção; Você é um homem de negócios ou uma mulher...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

Pedro Mota Soares - pobre...

SOLIDARIEDADE - por Raúl ...

1º Biking Aventura Vencer...

Crise da zona Euro - 2 ...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links