Sábado, 16 de Julho de 2011
O Ministro Gaspar

Aquela forma pausada de falar é mesmo assim ou é técnica de discurso? Fala inspira, pausa, pensa, fala, inspira, pausa...

 

Mas não é só nisso que é diferente dos outros ministros que nos habituaram a sound bytes e a falarem o mais depressa possível para dizerem o maior número possível de palavras. E, por arrasto, nos dizerem o menos possível.

 

Reparamos que Passos diz "iremos para além da Troika". Ficamos na mesma, ir além da Troika é sacar mais ou é emagrecer o estado?

Para Gaspar é mudar o sistema, vamos ficar mais perto da sociedade liberal dos Estados Unidos que do estado social da Europa.É bom? Acho que não.

Mas se calhar é necessário. Que precisamos nós para termos um estado social sustentável? E uma Justiça eficaz? E uma economia a crescer?

 

Eu sou de opinião que tudo vale a pena para conseguirmos manter o Estado Social que cresceu aqui na Europa e que é a mais extraordinária obra social do homem.Mas as condições mudaram. A população envelheceu e produz menos e é mais pesada nas contas; a economia não cresce e não havendo criação de riqueza não se pode distribuir; os jovens não arranjam emprego; aparecem novos conceitos difíceis de assimilar: mobilidade laboral,vários empregos durante a vida activa; mais do que uma profissão;

 

É uma "desconstrução" que vai ser feita à custa de privatizações dirigidas ao capital externo e ao reajustamento do papel regulador do estado, mas a verdade é que depois de 50 anos de sucesso económico Portugal entrou numa recessão profunda. E, outra verdade, é que o país precisa sair dela. Reinventar um pais sustentável.

 

Percebe-se a intenção mas os cuidados vão colocar o doente "em coma induzido". Com que saúde sairemos desse estado? Dentro de dois anos saberemos.



publicado por Luis Moreira às 11:26
link do post | comentar

Sábado, 25 de Junho de 2011
Tiroteio no Colombo - Implosão social?

Todos os dias temos conhecimento de crimes cometidos contra pessoas e bens. No Algarve são bandos de jovens que assaltam turistas estrangeiros.

Os multibancos são repetidamente destruídos com rectroescavadoras. Hoje tivemos, ao velho estilo do farwest, uma cena de tiros com vários feridos graves.

 

Os codimentos estão todos reunidos. Desemprego acima de 10%, subsídios retirados às famílias mais pobres e aos desempregados. Ora, a verdade, é que a dura austeridade ainda nem sequer começou. Bem à maneira Potuguesa, andamos em festas populares, Santo António e logo de seguida o São João, dois feriados com fins de semana compridos num só mês e, o restante do pessoal, anda a banhos.

 

Os Gregos andam na rua em manifestações violentas. Duas formas completamente diferentes de reagir aos mesmos problemas?

 

Fica a pergunta com o manifesto receio de que já estejamos no meio do tufão...



publicado por Luis Moreira às 02:22
link do post | comentar

Terça-feira, 31 de Maio de 2011
O Estado Social - duas em cada cinco crianças vivem na pobreza - por Luis Moreira

O estado já absorve 50% da riqueza que criamos!O que será preciso fazer para que duas em cada cinco crianças não vivam em situação de pobreza e que quase dois milhões de idosos não vivam na mesma situação de pobreza?

 

Antes de tudo é preciso perceber que os dois grupos são, pela sua natureza, os mais fracos, os menos capazes de fazerem ouvir a sua voz. Isto, resulta claramente, do estado corporativo em que vivemos, quem grita muito, ou pertença a um grupo numeroso ou poderoso, mesmo sem razão, é a prioridade das políticas desenvolvidas a todos os níveis.

 

Grande parte do dinheiro que devia ser canalizado para aqueles grupos sociais fica pelo caminho, na imensidão de funcionários públicos, na duplicação de institutos e fundações, nos serviços que pagamos mais caros, nas escolas sem mérito e sem avaliação, nos tribunais para ricos, nas auto-estradas em duplicado, nos estádios desnecessários, nas parceria publico privadas onde o risco é todo do estado e o lucro todo das empresas...

 

De 2004 para cá não houve melhoria nenhuma e com as recentes medidas e cortes que atingem os mais pobres o futuro não é promissor, " a pobreza infantil tem uma gravidade acrescida relativamente aos restantes estratos da população" uma vez que têm efeitos a curto, médio e longo prazo: a curto "por via das privações diárias a que as crianças estão sujeitas"; a médio e longo prazo "através do grau de escolaridade/qualificação profissional, da inserção no mercado de trabalho, da capacidade de participação e intervenção social" a que estão sujeitas.

 

Não ter acesso ao dentista; a fruta e legumes diariamente;não ter acesso a roupa nova...

 

É, então, este o Estado Social que devemos defender com denodo?

 

Claro que não! Devemos de uma forma corajosa e inteligente defender um Estado Social que dê prioridade aos mais fracos, que distinga as várias classes sociais e que seja progressista, isto é, que se organize segundo as melhores práticas com vista a atingir objectivos bem definidos através das melhores metodologias.

 

"As medidas que têm sido tomadas são óptimas para aparecer no jornal" diz a investigadora social Amélia Bastos do Centro de Matemática Aplicada à Previsão e Decisão Económica, no ISEG de Lisboa.( livro: Números com esperança, abordagem estatística da pobreza infantil em Portugal: da análise às propostas de actuação. A edição é da Almedina e o Publico informa)

 

Conservar e insistir em políticas que têm os resultados que se vêm, não passa de serôdio conservadorismo!



publicado por Luis Moreira às 13:00
link do post | comentar | ver comentários (2)

Domingo, 13 de Fevereiro de 2011
Atrás do mundo - O Miguel e a Clara - da Patagónia
Luis Moreira
Ola Luis, tudo bem?
Soubemos agora que a data da exposiçao da Primeiro Passo foi alterada... Passou para dia 19 de Fevereiro, um sabado às 18h, no mesmo local (Centro Cultural das Mercês).
Desculpa ser tao em cima da hora mas so hoje nos avisaram dessa alteraçao.
Esperamos que nao cause nenhum incomodo e que seja possivel divulgar para dia 19! Obrigado!
Um abraço grande da Patagónia,

Miguel e Clara

 

Cá estão os nossos viajantes desde a Patagónia, uma das regiões mais belas e ao mesmo tempo mais inóspitas do mundo. Vizinha do estreito de Magalhães, com as neves eternas e o Pólo Sul do outro lado do estreito que tem o nome do grande navegador.

 

Tomem nota: Exposição da Primeiro Passo- dia 19, próximo Sábado - às 18 horas no Centro Cultural das Mercês.

 

O Primeiro Passo é um projecto social que a Clara está a desenvolver  em Moçambique.

 

E para o Miguel e para a Clara os meus desejos que se maravilhem tanto quanto eu quando lá estive.

 

 




publicado por Luis Moreira às 19:00
link do post | comentar

Sábado, 15 de Janeiro de 2011
Manifesto de economistas aterrados - 4

FALSA EVIDÊNCIA N.º 5: É NECESSÁRIO REDUZIR AS DESPESAS PARA REDUZIR A DÍVIDA PÚBLICA

Mesmo que o aumento da dívida pública resultasse em parte do aumento das despesas públicas, reduzir as despesas não contribuiria necessariamente para a solução. Porque a dinâmica da dívida pública pouco tem a ver com a de uma família: a macroeconomia não é redutível à economia doméstica. A dinâmica da dívida depende na sua grande generalidade de vários factores: do nível do défice primário, mas também da diferença entre a taxa de juro e a taxa de crescimento nominal da economia.

Pois, se esta última taxa for inferior à taxa de juro, a dívida vai aumentar mecanicamente por causa do "efeito bola de neve": o montante dos juros explode e o défice total (incluindo os juros da dívida) também. Assim, no início de 1990, a política do franco forte, conduzida por Beregovoy, e mantida apesar da recessão de 1993-94, levou a uma taxa de juro mais elevada que a taxa de crescimento, o que explica o aumento da dívida pública da França durante esse período. É o mesmo mecanismo que explica o aumento da dívida, na primeira metade da década de 80, sob o impacto da revolução neoliberal e das políticas de altas taxas de juro conduzidas por Ronald Reagan e Margaret Thatcher.

Mas a própria taxa de crescimento económico não é, em si mesmo, independente das despesas públicas: a curto prazo, a existência de despesas públicas estáveis limita a dimensão das recessões (“estabilizadores automáticos”); a longo prazo, os investimentos e as despesas públicas (educação, saúde, investigação, infra-estruturas...) estimulam o crescimento. É errado dizer que todo e qualquer défice faz crescer, no mesmo montante, a dívida pública, ou que qualquer redução do défice reduz a dívida de igual montante. Se a redução do défice tem efeitos negativos sobre a actividade económica, a dívida tornar-se-á cada vez mais pesada. Os comentadores liberais sublinham que alguns países (Canadá, Suécia, Israel) realizaram cortes brutais nas suas contas públicas nos anos 90 e que conseguiram imediatamente uma recuperação económica, um forte crescimento. Mas isto só é possível se o ajustamento se referir a um país isolado, que ganhe rapidamente competitividade sobre os seus concorrentes. Mas, obviamente, esquecem os adeptos dos ajustamentos estruturais europeus que os países europeus têm como principais clientes e concorrentes os outros países europeus, uma vez que a UE é globalmente pouco aberta ao exterior. Uma redução simultânea e maciça da despesa pública dos países da UE só pode ter como efeito o agravamento da recessão e, portanto, um novo avolumar da dívida pública.

Para evitar que a recuperação das finanças públicas não venha a provocar um desastre social e político colocamos em debate duas medidas:

Medida n.º 10: Manter o nível de protecção social, ou mesmo melhorá-lo (subsídio de desemprego, de habitação…).

Medida n.º 11: Aumentar o esforço orçamental em matéria de educação, de investigação, de investimento na reconversão ambiental... para materializar as condições de um crescimento sustentável, capaz de induzir uma significativa diminuição do desemprego.

FALSA EVIDÊNCIA N.º 6: A DÍVIDA PÚBLICA TRANSFERE PARA OS NOSSOS NETOS OS ENCARGOS DOS NOSSOS EXCESSOS

É uma outra declaração falaciosa, que confunde a economia das famílias com a macroeconomia, segundo a qual a dívida seria uma transferência de riqueza em detrimento das gerações futuras. A dívida pública é, com certeza, um mecanismo de transferência de riqueza, mas, sobretudo, uma transferência dos contribuintes comuns para quem vive dos rendimentos.

De facto, com base na crença, raramente confirmada na realidade, de que baixando os impostos estimular-se-ia o crescimento e, no final de tudo, aumentar-se-iam as receitas públicas, os Estados europeus, depois de 1980, puseram-se a imitar os Estados Unidos, com uma política sistemática de minimização fiscal. A redução dos impostos e das cotizações sociais patronais multiplicaram-se (impostos sobre os lucros das empresas, sobre os rendimentos dos mais ricos e sobre o património, sobre as contribuições patronais para a segurança social...), mas o seu impacto sobre o crescimento económico manteve-se muito incerto. Estas políticas fiscais anti-redistributivas agravaram, assim, de forma cumulativa, as desigualdades sociais e os défices públicos.

Estas políticas fiscais forçaram os governos a endividarem-se junto dos detentores de mais elevados rendimentos e dos mercados financeiros para financiar os défices entretanto criados. É aquilo que poderia chamar-se um “efeito jackpot”: com o dinheiro economizado nos impostos, os ricos puderam adquirir títulos de dívida pública (que rendem juros), títulos esses emitidos para financiar os défices públicos causados pelos cortes de impostos... O serviço da dívida pública em França representa assim 40 mil milhões de euros anuais, quase tanto como as receitas do imposto sobre o rendimento. Um golpe tanto mais brilhante quanto, em seguida, se conseguiu convencer o público de que a dívida pública se devia aos funcionários públicos, aos reformados e aos doentes.

O aumento da dívida pública na Europa ou nos Estados Unidos não resulta de políticas keynesianas expansionistas ou de dispendiosas políticas sociais, mas sim de uma política que favorece as classes privilegiadas: as “despesas fiscais” (baixas de impostos e de cotizações patronais) aumentam o rendimento disponível daqueles que menos precisam, os quais, nessa sequência, podem aumentar ainda mais as suas aplicações financeiras, nomeadamente em Títulos do Tesouro, cuja remuneração de juros é paga pelos impostos cobrados a todos os contribuintes. Em suma, desenvolve-se um mecanismo de redistribuição em sentido inverso, das classes mais baixas para as classes de maiores rendimentos, através da dívida pública, cuja contrapartida vai sempre parar aos detentores de rendimentos privados.

Para endireitar de forma justa as finanças públicas na Europa e em França, colocamos em debate duas medidas:

Medida n.º 12: Voltar a dar um carácter fortemente redistributivo à fiscalidade directa sobre o rendimento (supressão de nichos privilegiados, criação de novas segmentações e aumento das taxas de imposto sobre os rendimentos...)

Medida n.º 13: Eliminar as isenções fiscais concedidas às empresas que não tenham efeitos suficientes em termos de emprego.

FALSA EVIDÊNCIA N.º 7: É PRECISO TRANQUILIZAR OS MERCADOS FINANCEIROS PARA SE PODER FINANCIAR A DÍVIDA PÚBLICA

A nível mundial, o aumento da dívida pública deve ser analisado em correlação com o processo de “financeirização” da economia. Ao longo dos últimos trinta anos, graças à liberalização total dos fluxos de capitais, a finança reforçou de forma significativa o controlo sobre a economia. As grandes empresas recorrem cada vez menos aos empréstimos bancários e cada vez mais aos mercados financeiros. As famílias vêem também uma parte crescente das suas economias escoar-se para a finança no âmbito dos sistemas de pensões, por via dos diversos produtos de aplicações financeiras, ou ainda, em certos países, através do financiamento da habitação (empréstimos hipotecários). Os gestores de carteiras de títulos, para diversificarem os riscos, procuram títulos de dívida pública para contrabalançar as dívidas dos particulares. Encontram-nos facilmente no mercado porque os governos empreendem políticas no mesmo sentido, que levam a um aumento dos défices: taxas de juro elevadas, reduções fiscais beneficiando especificamente os altos rendimentos, incitações maciças à poupança das famílias para favorecer os sistemas de pensões assentes em aplicações financeiras de capitalização, etc.

Ao nível da União Europeia, a “financeirização” da dívida pública foi inscrita nos Tratados: a partir de Maastricht, os Bancos Centrais foram proibidos de financiar directamente os respectivos Estados, os quais têm que recorrer aos mercados financeiros. Esta “repressão monetária” acompanha a “liberalização financeira” e tem exactamente o sentido oposto das políticas adoptadas depois da Grande Depressão dos anos 30, que foram de “repressão financeira” (restrições severas à liberdade de acção da finança) e de “libertação monetária” (com o fim do “padrão-ouro”). Trata-se de submeter os Estados que, supostamente, por natureza, são muito gastadores, à disciplina dos mercados financeiros que, supostamente, por natureza, são eficientes e omniscientes.

Como resultado desta opção doutrinária, o Banco Central Europeu não tem, portanto, o direito de subscrever directamente as emissões de títulos de dívida pública dos Estados europeus. Privados da garantia de poderem financiar-se sempre junto dos respectivos Bancos Centrais, os países do Sul foram, assim, vítimas de ataques especulativos. Certamente, passados alguns meses, apesar de sempre se ter recusado a fazê-lo em nome de uma ortodoxia inabalável, o BCE passou a comprar títulos de dívida pública dos Estados, às taxas de juro de mercado, para acalmar as tensões no mercado obrigacionista europeu. Mas nada nos diz que isso será suficiente, caso a crise da dívida se agrave e as taxas de juro de mercado dispararem. Pode ser então difícil manter esta ortodoxia monetária, que não tem base científica sólida.

Para resolver o problema da dívida pública, colocamos em debate duas medidas:

Medida n.º 14: Autorizar o Banco Central Europeu a financiar directamente os Estados (ou a exigir que os bancos comerciais subscrevam a emissão de títulos públicos), com taxas de juro baixas, libertando-se assim da canga com que os mercados financeiros os sufocam.

Medida n.º 15: Se necessário, reestruturar a dívida pública, por exemplo, limitando o peso do serviço da dívida pública a uma determinada percentagem do PIB, introduzindo uma discriminação entre os credores de acordo com o volume de títulos que possuem: os detentores de grandes volumes de títulos da dívida pública (pessoas ou instituições) devem consentir fazer uma distensão substancial do perfil da dívida, e até mesmo a sua anulação total ou parcial. É também necessário renegociar as taxas de juro exorbitantes dos títulos emitidos pelos países em dificuldade desde que a crise começou.



publicado por Carlos Loures às 21:00
editado por Luis Moreira às 16:20
link do post | comentar


EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
I recebeu um empréstimo em um notável credores, ho...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
Recebi um empréstimo de um credores excepcionais, ...
Para a sua atençãoMais preocupação por seus proble...
Carlos Loures a Anália já aqui disse tudo. Ter em ...
Caro Carlos Loures, Obrigada pela sua resposta. Es...
Agradeço o seu depoimento. Só agora respondo porqu...
Tanto quanto soube recentemente, foi o próprio Car...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

O Ministro Gaspar

Tiroteio no Colombo - Imp...

O Estado Social - duas e...

Atrás do mundo - O Miguel...

Manifesto de economistas ...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links