Quarta-feira, 11 de Agosto de 2010
Os Poemas do meu tio Alfredo Prior
Luís Moreira



Poesia popular

Minha terra, casa e mãe,
Trindade santa que te amo
Quando lembro o nome de uma
Pelas outras duas chamo.

Oh! Longroiva, minha terra,
Só tu me viste nascer
Para mim és a mais linda
Não te posso esquecer.

E tu, ó lindo castelo,
pelos ventos abalado
Muito embelezas Longroiva,
Lá no alto situado.

Tens a igreja do teu lado
Dela tens a protecção
Tambem lá tens a ermida
Da Senhora do Torrão.

De ti não me esqueço não
Afirmo-te com voz segura
Longroiva deste-me o berço,
Dá-me lá a sepultura!

Longroiva é uma aldeia
Que de longe parece vila. Tem uma capela à entrada
E um cruzeiro à saída.


publicado por Luis Moreira às 03:00
link do post | comentar

Domingo, 8 de Agosto de 2010
Os livros de Saramago


Luis Moreira


Nos próximos dias farei uma relação dos livros de José Saramago e, de cada um deles, uma pequena resenha .

Terra do Pecado - 1947

Desconhecido do público durante décadas, marcou a estreia literária do escritor, quando este tinha 25 anos e acabara de lhe nascer a filha,Violante. A acção localiza-se numa aldeia Ribatejana e é o desejo sexual de uma viúva pelo cunhado que desencadeia a intriga..Renegado durante muito tempo por Saramago, foi recuperado e editado pela Caminho, em 1977.No aviso que introduziu nessa nova edição, o escritor referia-se à sua estranheza perante o texto recuperado e o pouco futuro literário que este lhe parecia augurar.

Os Poemas Possíveis - 1966

Incursão do romancista pela poesia. Em breve perceberia que o seu caminho não seria esse.As convicções profundas do autor já estavam, contudo, lá, como em Criação. "Deus não existe ainda, nem sei quando/Sequer o esboço, a cor se afirmará/ No desenho confuso da paisagem/De gerações inúmeras nesta esfera//Nenhum gesto se perde, nenhum traço/ Que o sentido da vida é este só/ fazer da Terra um deus que nos mereça/ E dar ao Universo o Deus que espera"

(continua)


publicado por Luis Moreira às 18:00
link do post | comentar

Terça-feira, 22 de Junho de 2010
Nem morto está o fruto que tombou (um adeus a José Saramago)
Carlos Loures

Na passada sexta-feira, estava a almoçar com uns amigos quando na televisão disseram que José Saramago tinha morrido há minutos. Restaurante modesto, perto do mar, onde se serve bom peixe, com uma clientela heterogénea incluindo estrangeiros, surpreendeu-me o sopro de tristeza que percorreu a sala. Como se todos tivéssemos tido a noção da perda que nos atingia.

Quis vir logo para casa e escrever um texto de despedida a Saramago. Mas não pude, pois o almoço também era de trabalho. Quando cheguei vi que o Professor Raúl Iturra tinha escrito belas palavras, um poema. Fiz delas uma primeira homenagem do nosso blogue. Depois, a pouco e pouco, têm chegado depoimentos, comentários. Foi no domingo o Josep Vidal na carta que me endereçou, ontem um testemunho da Clara Castilho e outro do Luís Moreira, já hoje, um texto de Sílvio Castro. Aqui ficam também algumas palavras minhas.


Não sou admirador incondicional de nenhum escritor. Com Saramago não fugi a essa regra. Não gostei por igual de todos os seus livros – a minha opinião sobre as suas obras abre um leque que vai do não ter gostado mesmo nada até à leitura repetida e apaixonada. Não gostei do seu «Caim», mas gostei muito do «Levantado do Chão», do «Memorial do Convento» (que considero estar entre o que de melhor se escreveu no século XX), de «O Ano da Morte de Ricardo Reis», do «Ensaio sobre a Cegueira»… E de outros de que gostei mais moderadamente, além de outros ainda dos quais gostei pouco ou não gostei nada. Aliás, os autores sabem que cada livro é sujeito a julgamento e cada leitor é um juiz. Ter escrito, como Saramago, tantos livros, entre os quais três ou quatro obras-primas, não é para todos. Saramago foi um grande escritor. Como juiz, este é o meu veredicto.

E já agora vou contar uma história, que já contei noutro lado.

Corria o ano de graça de 1966, mais precisamente o dia 24 de Novembro. Por esses anos, semanalmente, quando a censura não cortava tudo, publicava uma crítica de poesia no «Suplemento Literário» do Jornal de Notícias. José Saramago que, nessa altura era um nome apenas conhecido no meio editorial, publicara um livro na colecção Poetas de Hoje da Portugália Editora – “Os Poemas Possíveis” - e teve a amabilidade de me enviar um exemplar com uma dedicatória muito cordial.

Ao contrário do que na maior parte das vezes acontecia, gostei da colectânea e escrevi uma apreciação muito favorável. Como já tenho dito, por aqueles tempos discutia-se muito a prevalência, ou não, do conteúdo sobre a forma. Saramago ia ao encontro do que ali defendia semanalmente. O seu livro era um paradigma do tipo de uma poesia ligada aos problemas do quotidiano e às inquietações mais prementes dos seres humanos.

Até aqui, tudo estava a correr bem. Acontece que quem fazia a paginação do suplemento se enganou e no título, em grandes letras, a seguir ao nome da obra escreveu JOSÉ SERRANO. Guardei para sempre a cópia dactilografada para, em caso de dúvida, poder provar que a culpa não foi minha. Escrevi repetidamente ao director do suplemento (Nuno Teixeira Neves) pedindo-lhe que contactasse o autor, em nome do jornal, pedindo desculpa. O que, segundo me disseram, ele não fez.

Há quase vinte anos (dezassete, dezoito?), estava no Aeroporto da Portela com o editor Lyon de Castro. Íamos, salvo erro, para Francoforte, para a feira anual dos editores, e de repente quem pára junto a nós – o José Saramago que cumprimentou o Francisco Lyon de Castro. (Saramago, num dos seus Cadernos de Lanzarote faz-lhe uma curiosa alusão; num sonho, o editor vem abrir-lhe um portão).

Estávamos perto do free shop e logo me afastei a ver com atenção excessiva uma qualquer mercadoria que ali se vendia. O Lyon de Castro ainda olhou na minha direcção, com evidente vontade de mo apresentar. Adorava brilhar e tratar com familiaridade, à frente de testemunhas, pessoas famosas – fizera-me essa cena, entre outros. com o Jorge Amado e com a Beatriz Costa. O Saramago ainda não ganhara o Nobel, mas já era um escritor muito conhecido. Pelo canto do olho observei as movimentações, avancei mais para o interior da loja. e debrucei-me sobre qualquer artigo. Não fosse o Saramago lembrar-se do dia em que um obscuro escriba foi suspeito de lhe ter trocado o nome…Talvez tenha feito mal, pois era uma boa altura para lhe ter pedido desculpa por esse erro que não cometi.

A leitura de «Os Poemas Possíveis», em 1966, foi o meu primeiro contacto com a escrita de um maiores escritores de língua portuguesa. Deixo-vos com um poema dessa colectânea - «Declaração»:

Não, não há morte.
Nem esta pedra é morta,
Nem morto está o fruto que tombou:
Tem vida no contorno dos meus dedos,
Respiram na cadência do meu sangue,
Do bafo que os tocou.
Assim um dia, quando esta mão secar,
Na lembrança doutra mão perdurará,
Como a boca guardará caladamente
O perfume da boca que a beijou.


publicado por Carlos Loures às 12:00
link do post | comentar | ver comentários (2)


EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Olá, sou ivani suarez, atualmente morando em santi...
Olá Sr. / Sra.Você precisa de empréstimos para o p...
HOLA...¿NECESITA PRESTAR DINERO PARA PAGAR CUENTAS...
Bom-dia Senhoras e Senhores.Sou uma mulher de negó...
Sou uma mulher de negócio Portuguesa e ofereço emp...
Dude, if you were trying to sound portuguese let m...
Olá Andreia! Sei que esta publicação já é antiga. ...
Patricia Deus vai abençoar você e sua empresaMeu n...
Meu nome é Fábio João Pedro e eu sou de Portugal. ...
Meu nome é jose matheus Giliard Alef sou do brasil...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

Os Poemas do meu tio Alfr...

Os livros de Saramago

Nem morto está o fruto qu...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links