Domingo, 6 de Fevereiro de 2011
Música romântica do século XX - 78

Drive, da banda norte-americana The Cars, é, em si mesma, uma história de amor. Para a rodagem do videoclip desta balada, que seria um enorme sucesso, e que ainda hoje é incluída em quase todas as compilações de êxitos dos anos 80,  foi convidada a jovem modelo checa Paulina Porizkova. A belíssima Paulina, então com 19 anos, apaixonou-se por um dos membros da banda, Ric Ocasek, que era já um trintão e casado, mas que também se perdeu de amores por ela. Casaram-se passados poucos anos e continuam juntos. Durante anos foram conhecidos como a Bela e o Monstro. Quando virem o vídeo não terão dificuldades em identificar a Paulina. O Ric é o moreno com mau corte de cabelo com quem ela aparece a discutir.

 

Foi o próprio Ric Ocasek a escrever Drive, terceiro single do álbum “Heartbeat City”, de 1984, e maior êxito de sempre da banda.

 

Os portugueses Blind Zero gravaram uma versão desta música em 2006 (vejam-na aqui, que também vale a pena), mas já antes deles muitos músicos o haviam feito, entre eles os Scorpions e Ziggy Marley.

 

A Paulina e o Ric fizeram no Verão passado 21 anos de casados. Bonito, não é?

 

 

 

 



publicado por CRomualdo às 23:00
editado por Carlos Loures em 02/02/2011 às 18:09
link do post | comentar | ver comentários (4)

Segunda-feira, 31 de Janeiro de 2011
Música romântica do século XX - 72

O moço atravessou os anos 80 e 90 com ar imberbe e sempre de calças de ganga e t-shirt e ainda hoje é difícil pensar nele como um cinquentão. Bryan Adams nasceu no Canadá em 1959, viveu durante um curto período da adolescência em Cascais ( o pai era diplomata e esteve em serviço durante alguns anos em Portugal), editou o seu primeiro álbum em 1980 e tem tido vários êxitos desde então.

 

No início da década de 1990, lançou (Everything I do) I do it for you, uma balada melosa incluída na banda sonora do filme “Robin Hood”, protagonizado por um Kevin Costner particularmente canastrão. Esta balada, escrita em parceria por Adams, Michael Kamen e Robert John “Mutt” Lange, esteve várias semanas nos primeiros lugares dos tops britânico, norte-americano e canadiano. Recebeu um “Grammy” e foi nomeada para um Óscar, que acabaria por perder para o filme de animação desse ano, “A Bela e O Monstro”. O próprio Adams gravou uma versão em espanhol: “Todo lo que hago lo hago por ti”.

 

Cá está Bryan Adams, com a melena dourada e o blusão de ganga que sempre lhe conhecemos.

 

 

 

 



publicado por CRomualdo às 23:00
editado por Carlos Loures em 29/01/2011 às 23:46
link do post | comentar | ver comentários (1)

Sábado, 29 de Janeiro de 2011
Música romântica do século XX - 70

Há muitas razões para gostar de Leonard Cohen. A sua voz rouca que se vai fazendo mais grave, mais densa, com o passar dos anos, o lirismo das suas letras, a beleza das melodias, o seu conhecido desapego ao lado mundano da música, a essa notoriedade oca que tantos buscam. Gosto de Cohen por tudo isso, mas também por não ter cedido à imposição do mercado do espectáculo, e não ter escondido a sua velhice do público. O showbizz é dos jovens, e daqueles que, já não o sendo, alisam as rugas, insuflam-se de botox, e se vão distanciando cada vez mais do que são. Cohen tem 76 anos (setenta e seis anos!) e continua a subir ao palco, com os impecáveis fatos que já ninguém usa e o borsalino que há-de levantar muitas vezes a cada noite para agradecer ao seu público.

 

Leonard Cohen é autor de várias canções que se podem considerar “românticas”, embora quase sempre tingidas pela melancolia, pela perda, pelas dificuldades de comunicação entre aqueles que se amam. Esta que escolhemos, Dance me to the end of love (publicada em 1984 no álbum “Various Positions”), é, na aparência, uma canção romântica, mas tem uma origem mais sombria. Cohen contou numa entrevista que a canção nasceu depois de ele ter lido que em alguns campos de concentração havia um quarteto de cordas formado por prisioneiros, que tocava enquanto decorriam as execuções, enquanto os fornos crematórios incineravam os cadáveres dos companheiros desses músicos. Mas, partindo dessa terrível história, Cohen não quis escrever uma elegia. Dance me to the end of love é uma exaltação da vida e da paixão. Quando a escutamos podemos fechar os olhos e imaginar um par que vai dançando enquanto as luzes se apagam, uma a uma, até à escuridão total, até ao fim do amor.

 

 

 

 



publicado por CRomualdo às 23:00
editado por Carlos Loures às 23:40
link do post | comentar

Sexta-feira, 21 de Janeiro de 2011
Música romântica do século XX - 63

Não deve ser fácil encontrar um trintão que não tenha, em algum momento de debilidade, cantado a plenos pulmões o refrão deste I want to know what love is, dos Foreigner. Primeiro single do álbum "Agent Provocateur", lançado em 1984, demorou pouco tempo a alcançar os lugares cimeiros de vários tops europeus, do americano e até do japonês.

 

Ao longo dos anos, esta balada foi aparecendo em diversos filmes e séries, foi interpretada por cantores como Mariah Carey, Rita Coolidge e Julio Iglesias, e até deu origem a uma versão em espanhol - "Quiero saber que es amor" - interpretado pelos Barrio Boyzz. Mas é ainda a versão original, na voz de Lou Gramm, que se reconhece aos primeiros acordes.

 

E é também fundamentalmente por esta canção que os Foreigner, a banda formada em 1976 pelos ingleses Mick Jones (ex-King Crimson) e Ian MacDonald e pelo americano Lou Gramm, ainda são conhecidos, embora se mantenham activos até hoje.

 

I want to know what love is é uma canção romântica muito versátil. Tanto serve de acompanhamento na dor de cotovelo como de banda sonora a um encontro romântico.  Ora comprovem lá se o que digo não é verdade:

 

 

 

 

 



publicado por CRomualdo às 23:00
editado por Carlos Loures em 20/01/2011 às 22:06
link do post | comentar

Domingo, 9 de Janeiro de 2011
Música romântica do Século XX - 49

Se esta série tivesse uma estrutura cronológica esta seria a última canção das 50 antologiadas, pois foi composta em 1950, no limite temporal fixado para a primeira fase que vamos terminar com a próxima canção. O marselhês Hubert Giraud (1920) criou, com letra de Jean Dréjac, uma das mais belas canções sobre Paris.

  

A primeira intérprete foi Yvette Giraud que logo em 1950 obteve grande sucesso -  Juliette Gréco, Mireille Mathieu, Yves Montand, entre muitos outros, a incluiram nos seus repertórios. Mas escolhemos a de Édith Piaf, realizada em 1954.

 

 

 



publicado por Carlos Loures às 01:00
link do post | comentar

Quinta-feira, 6 de Janeiro de 2011
Música romântica do Século XX - 47

Cesare Andrea Bixio (1896-1978), compositor italiano, foi o autor de numerosos êxitos que, nos anos 30 e 40 do Século XX, foram divulgados pela Europa e pelos Estados Unidos – é o caso de Vivere, criada em 1937,  que o grande tenor Tito Schipa popularizou.

 

Reflecte, no seu ritmo, a influência do foxtrot, dança em moda desde os tempos da Guerra 14-18. Há muitas interpretações – escolhemos a de Luciano Pavarotti, num arranjo de Henry Mancini:

 



publicado por Carlos Loures às 01:00
link do post | comentar

Domingo, 2 de Janeiro de 2011
Música romântica do Século XX - 45
Fita amarela é um samba criado e gravado em 1932 pela dupla Francisco Alves e Mário Reis, e que se tornou no grande êxito do Carnaval de 1933. Entre as numerosas gravações existentes, escolhemos a de Sílvio Caldas e Eliseth Cardoso (1957):




publicado por Carlos Loures às 01:00
link do post | comentar | ver comentários (2)

Sábado, 1 de Janeiro de 2011
Música romântica do Século XX - 44
Chitarra Romana  é uma composição de 1934 da autoria, a letra e a música,  de Eldo di Lazzaro (1902-1968). Os tangos de Gardel corriam o mundo e esta cançoneta tem um ritmo de tango, com o acordeón a imitar as sonoridades do bandoneón. 

Quase oitenta anos depois de ter sido composta,  Chitarra Romana continua a fazer parte do repertório de numerosos cantores - há versões de Luciano Pavarotti, Claudio Villa, Gabriella Ferri, Josep Carreras, Connie Francis, Matt Morgan, Giuseppe Di Stefano, Vlad Mirita, Lando Fiorini, Gino Bechi, Carlo Buti, Dominic Chianese, Enrico Musiani, Nilla Pizzi, Luciano Tajoli, Giorgio Consolini e de muito outros.

Escolhemos a de Lando Fiorini:




publicado por Carlos Loures às 01:00
link do post | comentar

Sexta-feira, 31 de Dezembro de 2010
Música romântica do Século XX - 43
Carmen la de Triana, é um filme de Florián Rey rodado em1938 nos estúdios da UFA, em Berlim. Estava-se em plena Guerra Civil. Imperio Argentina (1910-2003) foi a estrela principal desta versão cinematográfica da Carmen,  de Prosper Mérimée. O filme, de índole costumista e tradicionalista, veicula os valores da espanholidade defendidos por Franco e pela Falange. Uma canção, tornou-se famosa - Los piconeros (os carvoeiros), com letra de Ramón Perelló e música de Juan Mostazo. Existem múltiplas versões - Rocío Jurado, Sara Montiel, Amália Rodrigues, Concha Piquer... Apresentamos a original, a de Imperio Argentina.





Uma curiosidade. No filme de Fernando Trueba La niña de tus ojos (1998), onde, de maneira pícara, se conta a odisseia dos actores espanhóis que foram a Berlim rodar Carmen la de Triana, Penélope Cruz interpreta em alemão Los piconeros. Assim:




publicado por Carlos Loures às 01:00
link do post | comentar | ver comentários (2)

Quinta-feira, 30 de Dezembro de 2010
Música romântica do Século XX - 42
Em 8 de Janeiro de 1943, estreava-se no Porto uma opereta (como na época se designava os "musicais") A Costureirinha da Sé , de Arnaldo Leite e Heitor Campos Monteiro, com uma companhia de Lisboa composta por actores muito famosos na época  - António Vilar, Costinha e Luísa Durão e uma jovem estreante - Maria Clara ... Dessa opereta, um fado cantado por Maria Clara transformou-se num grande êxito nacional - o Fado da Sé. Como era típico desse período da ditadura (e em plena Guerra Mundial), exaltava-se os valores da pobreza e da humildade e na canção transparece esse apelo à aceitação da penúria. Maria Clara cantava-a muito bem, mas não encontrámos disponível uma gravação, pelo que incluímos a varsão de Maria de Fátima Bravo no filme feito em 1958 por Manuel Guimarães a partir da opereta, interpretação que não se afasta muito do estilo de Maria Clara.



publicado por Carlos Loures às 01:00
link do post | comentar

Quarta-feira, 29 de Dezembro de 2010
Música romântica do Século XX - 41


A compositora mexicana María Grever (1885-1951) compôs,em 1944 o bolero Te quiero, dijiste para um filme de Esther Williams ("Bathing Beauty"). As interpretações são muitas. de Libertad Lamarque a Nat King Cole ou a Placido Domingo. Escolhemos esta de Josep Carreras.




publicado por Carlos Loures às 01:00
link do post | comentar

Terça-feira, 28 de Dezembro de 2010
Música romântica do Século XX - 39
Pela primeira vez nesta série, incluímos a ária de uma ópera. Muitas são as árias que ganham vida própria, mas o caso de Summertime é ainda assim especial, justificando por maioiria de razão o se aqui antologiada. Faz parte da ópera Porgy and Bess, de George Gershwin. A melodia foi composta em 1933. Em 1934, DuBose Heyward escreveu a letra e só em 1935 Gershwin apresentou a ópera (com libreto de DuBose Heyward).

Summertime depressa se tornou popular, contando-se por milhares as versões. Em Setembro de 1936, foi gravada por  Billie Holiday, logo se transformando num êxito. Apresentamos uma gravação de 1957 - Louis Armstrong e Ella Fitzgerald. Na nossa opinião é a mais notável, captando em cheio o espírito afro-americano de que canção/ária e ópera estão impregnadas.





publicado por Carlos Loures às 01:00
link do post | comentar

Segunda-feira, 27 de Dezembro de 2010
Música romântica do Século XX - 38
La Vie en rose é uma canção de Édith Piaf, com música de Louiguy (Louis Guglielmi) e letra do autor preferido de Piaff- Henri Contet. Foi Marianne Michel que popularizou a canção, antes de Piaf a ter gravado em 1947.

É talvez, no pós-guerra, o maior êxito da canção francesa. Há dezenas de versões - as de Louis Armstrong, Marlene Dietrich, Placido Domingo, Dalida, Mireille Mathieu, Yves Montand, Grace Jones, Donna Summer, Diana Krall, são apenas algumas delas. Preferimos a de Édith Piaff:





publicado por Carlos Loures às 01:00
link do post | comentar | ver comentários (1)

Domingo, 26 de Dezembro de 2010
Música romântica do Século XX - 37
Uno, mais conhecido por Si yo tuviera el corazón, é um tango composto em 1943 pelo argentino Enrique Santos Discépolo Deluchi,"Discepolín"(1901-1951), que foi um poeta, compositor, actor e autor de peças de teatro e de letras de tangos. Discepolín trabalhou com Carlos Gardel e com outros grandes nomes da canção porteña. A letra é de Julio Sosa, (1926 – 1964),    "El Varón del Tango", nascido no Uruguai, cantor de tangos, muito famoso nas décadas de 1950 e 1960. É dele também a interpretação.




publicado por Carlos Loures às 01:00
link do post | comentar

Quarta-feira, 22 de Dezembro de 2010
Música romântica do Século XX - 34
Danny Boy é uma canção composta por Frederic E. Weatherly em  1913). Baseia-se numa melodia clássica do folclore irlandês -   Londonderry Air. Entre as muito numerosas versões, destaca-se a que Elvis Presley  gravou em 1976.


Vamos ouvi-la cantada pelo grupo Celtic Woman. A solista é  Lisa Kelly:

 




publicado por Carlos Loures às 01:00
link do post | comentar


EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
O grupo Maria Isco fornece ajuda para resolver a c...
Olá, eu nome Madame Aniello LIZI um indivíduo que ...
Agora fiquei curioso com esta autoria. Em que livr...
Testemunho de um empréstimoConsegui obter um empré...
Caro Sr / Sra,Antes de qualquer outra palavra, pri...
OláEu sou Ibrahim Mohammed do Emirado árabe unido,...
Eu sou um disposo privada de um fons de that em ro...
Eu sou um disposo privada de um fons de that em ro...
Potrebuješ pôžičku? Máte nízke kreditné skóre a ne...
Atenção; Você é um homem de negócios ou uma mulher...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

Música romântica do sécul...

Música romântica do sécul...

Música romântica do sécul...

Música romântica do sécul...

Música romântica do Sécul...

Música romântica do Sécul...

Música romântica do Sécul...

Música romântica do Sécul...

Música romântica do Sécul...

Música romântica do Sécul...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links