Quarta-feira, 30 de Março de 2011
A demissão do Governo - depoimento de Augusta Clara de Matos

Desfeitos os nós

 

 

Sempre por efeito da mesma causa – a ganância de uns quantos senhores do mundo - as  sociedades ocidentais sofreram o stress duma corda demasiado esticada que sempre há-de rebentar pelo elo mais fraco. E nós não fugimos à regra. Desfeitos os nós, aquilo que lhe dava sustentabilidade e consistência, Portugal esticou tanto a corda para chegar a Bruxelas, que é como quem diz para obedecer a disposições contra os seus interesses nacionais, que o stress acumulado ao longo de décadas só podia romper por algum lado.

 

Levámos anos a discutir tudo: inflação, PIB, dívida, entrada no euro…tudo, ao mesmo tempo que deitávamos borda fora sectores de actividade consentâneos com as nossas características territoriais e com as competências profissionais adquiridas ao longo dos tempos. Sem apelo nem agravo foi-se a agricultura, foram-se as pescas, deixou-se cair a construção naval e, consequentemente, a marinha mercante.

 

Foram bastas, na altura própria, as justificações dadas para cada um desses atentados ao desenvolvimento do país. A economistas, que tantos quadros, tantos gráficos apresentam para nos explicarem os múltiplos fenómenos sociais – sim, porque as sociedades actuais são movidas a petróleo e conduzidas pelas locomotivas económicas e financeiras, não pelas políticas -, ouvi eu justificar, em termos da sua área de competência, o fim da agricultura. A justificação era a que vinha de fora não era a nossa e o interior do país atesta bem o monumental erro cometido. E, se quisermos pegar apenas numa das consequências que dele advieram, lembremos a completa distorção do ordenamento do território ao deslocarem-se grande parte das populações agrícolas para as zonas periféricas e para as grandes cidades.

 

Actualmente não se vive bem no campo e vive-se mal nas cidades. 

 

O campo é o buraco que ficou no interior, é o país esvaziado, roto e sem gente. Quem lá ficou tem poucas condições para viver. Mas quem vive nas cidades atulhadas só aparentemente as tem melhores.

 

Esta deslocação das populações incentivou o ganancioso, e em muitos casos mafioso sector da construção civil, com a conivência de banqueiros corruptos e ladrões,  a uma produção desenfreada, com pouca qualidade e maior do que a procura. E, com o edificado assente sem regras em toda a espécie de terrenos, cobrindo cursos de água, leitos de escoamento pluvial e dunas, o ambiente degradou-se com todas as desastrosas consequências que conhecemos. E nada disto se fez sem o consentimento dos poderes instalados.

 

Mas, de tudo o que atrás fica dito e do muito mais que não disse, sabemos todos, que o pior que podia acontecer, aconteceu com as pessoas, os portugueses a quem toda esta  actuação política, bem como os efeitos de toda a corrupção e banditismo que grassa em muitos sectores da sociedade, caiu em cima como um cataclismo que, apesar de antevisto, foi sendo escamoteado até mais não. Até não haver mais maneira de o fazer. E aqui nos encontramos.

 

“E agora José?” como diria o poeta. Agora, deveria meter aqui um poema, para cortar o desastre ao meio, porque quem vier a seguir vai caminhar na mesma senda, não tenho a menor ilusão.

 

Não é uma questão de inteligência ou, melhor dizendo, falta dela, como poderia parecer a um habitante de Marte a quem todo o tipo de distanciamento fornecesse a perspectiva necessária para avaliar o que fez a esta gente quem tinha o seu destino nas mãos. É uma coisa pior do que isso.

 

É uma questão de pulhice humana e política que se vai perpetuando e passa com toda a impunidade e toda a indiferença perante o mal dos outros e a destruição daquilo que nos pertence. É uma coisa a que temos que pôr cobro. Em todo o mundo chama-se capitalismo e aqui também. Não há outro nome a dar-lhe.

 

Não vou falar na queda do governo nem nos partidos. O governo que tínhamos ou outro que venha a seguir pouca diferença terão no que aos portugueses interessa. Dos partidos divorciei-me. Sendo a organização partidária um direito que adquirimos depois da queda da ditadura, com o passar do tempo, todos eles se foram acomodando na modorra falsamente democrática que se instalou.

 

Interessa-me o futuro e acredito que Portugal é um país viável. A nossa sociedade, o conjunto dos cidadãos que nós somos tem grandes potencialidades, muitas delas inexploradas.

 

Voltem a atar os nós que desataram na nossa corda, exijamo-lo.

 

E temos o mar, uma situação geográfica privilegiada, a nossa plataforma marítima aumentada. O que vamos fazer com ela? E com o nosso ensino, e com a nossa investigação científica, a nossa cultura, o nosso território, as nossas gentes que empobrecem a olhos vistos?

 

O artigo do Carlos Loures já disse o que havia a dizer sobre a democracia que temos e a que queremos ter.

 

Como se constrói o futuro? Sozinha não sei, mas sei que em conjunto tudo é mais fácil. É meter mãos à obra.

 

 

 



publicado por Carlos Loures às 23:00
editado por Luis Moreira em 26/03/2011 às 22:57
link do post | comentar | ver comentários (4)

Terça-feira, 29 de Março de 2011
A demissão do Governo - depoimento de Josep Anton Vidal

Davant el mirall de Portugal

 

Un vell refrany català, que té translació idèntica en castellà, resumeix el que ha estat la reacció dels mitjans i de l'opinió pública a Espanya davant el rebuig del parlament portuguès al pla de reajustament presentat pel primer ministre José Sócrates, i la posterior dimissió d'aquest: "Quan vegis la barba de ton veí pelar, posa la teva a remullar".

 

Per això, alhora que han coincidit a considerar no només inevitable i imminent, sinó fins i tot urgent el rescat de Portugal, han coincidit també a emfasitzar les "diferències" entre Espanya i Portugal. La miopía habitual de l'hispanocentrisme s'ha imposat arreu, i els analistes, entre els quals s'inclouen periodistes, opinadors i polítics, s'han oblidat, en general, de l'anàlisi de la situació portuguesa i l'han aprofitada per repetir insistentment, amb petites variants i matisos, que els experts més experts entre els experts han descartat amb força seguretat la possibilitat que "Espanya segueixi Portugal". El director d'estratègia de la USB (antiga Unió de Bancs Suïssos), Roberto Ruiz Scholtes, ho ha expressat així: "La clave es que cada debacle de un país a causa de sus problemas con la deuda pilla a España con los deberes más hechos, con mayor credibilidad, por lo que el riesgo de contagio es menor en intensidad y duración en el tiempo". En el mateix sentit s'ha expressat Alfonso García Yubero, responsable d'anàlisi de Banif Gestión: "España sigue desmarcándose de los demás, a diferencia de lo que ocurrió en los anteriores episodios de riesgo periférico". De manera semblant s'han expressat la ministra d'economia i vicepresidenta de l'Estat espanyol, Elena Salgado, i el socialista Joaquín Almunia, Comissari de Competència de la Unió Europea, que han manifestat que Espanya està fent les reformes adequades, que els riscos del sistema bancari estan sota control i que l'ajust pressupostari inspira confiança de cara al futur.

 

Però, precisament aquesta insistència en la cerca i la magnificació de les diferències en relació amb la situació de Portugal, fa evident la semblança entre els dos estats veïns. És evident que ni Alemanya, ni França, ni Gran Bretanya tenen cap necessistat d'evitar els paral·lelismes amb la situació de Portugal ni de desmarcar-se'n. Però, Espanya sí, precisament perquè la seva situació és molt semblant. L'editorial del diari Avui del dia 25 assenyalava el perill d'aquesta reacció optimista del govern espanyol i la inconsistència de la seva voluntat de distanciar-se de la crisi portuguesa: "Cert: Portugal i l'Estat espanyol tenen una potència econòmica diferent, però hi ha algunes realitats que haurien d'aigualir un optimisme suïcida que recorda molt el que s'exhibia abans que no esclatés la crisi en tota la seva cruesa", i assenyala d'una banda la similitud entre les mesures del govern socialista portuguès i les que ha adoptat i haurà d'adoptar l'executiu espanyol per reduir la despesa pública, i, d'una altra, el nombre d'actius que la banca espanyola té compromesos a Portugal. I, en la crònica de la cimera europea, el mateix diari, ara amb una subtil ironia, no s'estava de fer un pronòstic amagat rere el que sembla una nota trivial de societat: "El president espanyol, José Luis Rodríguez Zapatero va saludar José Sócrates fent-li uns copets de compassió a l'esquena, i Sócrates li va tornar el gest, augurant-li aviat el mateix calvari".

 

 

 



publicado por Carlos Loures às 23:00
editado por Luis Moreira às 23:50
link do post | comentar | ver comentários (2)

Segunda-feira, 28 de Março de 2011
A demissão do Governo - depoimento de Adão Cruz

 

 

Só os tolos não percebem de economia (ilustração do autor)

 

 

 

Uma amiga pediu-me um texto sobre o que penso que se está a passar em Portugal, dizendo que estamos todos inibidos de escrever, pelo facto de o cerne das conversas ser única e exclusivamente a economia e nós nada entendermos disso. Tem

razão e não tem. No preciso momento em que recebi o seu mail, estava a ler a notícia de que um certo gajo tinha recebido do BCP, em 2010, 822.000 euros, sendo 562.000 euros de indemnização. Um garnizé! O que não terão recebido os galos capões por esse galinheiro fora, encarrapitados em sumptuosos poleiros! Por isso eu digo que não tem toda a razão, pois nós se não percebemos nada da economia deles, percebemos bem da nossa (des)economia. Percebemos bem que não foi o povo que

 fez a crise, percebemos bem que não é ao povo que cabe pagar a crise, percebemos bem que o povo deveria ser indemnizado pela crise. Quer se queira quer não, o discurso do Bastonário da Ordem dos Advogados foi clarividente. As indisfarçáveis contracturas faciais das carantonhas da mesa são disso inegável exemplo e mostram que eles enfiaram em público um barrete político como nunca haviam enfiado. Ou não fossem eles o símbolo dos responsáveis denunciados pelo corajoso Bastonário.

Por isso é que o discurso não apareceu e não aparece em lado nenhum. Os galos capões comeram-no logo ao pequeno almoço.

 

Lembrei-me de um texto que há tempos escrevi e que, em linhas gerais, me fez pensar neste momento o seguinte: apesar de termos sido expoliados de milhares de milhões de euros, o nosso cérebro ainda é composto por cem biliões de células cerebrais que estão interligadas, cada uma a milhares de outras células. Temos, portanto, biliões de ligações dentro da nossa cabeça, uma coisa parecida com os biliões de euros que nos roubaram. O nosso cérebro realiza milhões de biliões de cálculos por segundo e porque raio não entende a simples equação que fez voar a nossa pasta, deixando-nos com a corda na garganta, e os gajos a cantar de galo?

Mas não é propriamente esta mensagem numérica cerebral que eu queria deixar. A mensagem numérica que eu queria deixar reside nos milhares de milhões que passaram dos bolsos de dez milhões de portugueses para os bolsos de uma centena de gajos e de uns milhares de circundantes, através dos mais desavergonhados compadrios, nepotismos e jogos de influências. Gostaria apenas que retivéssemos o reconhecimento da poderosíssima riqueza da estrutura mental da nossa razão, face à pobreza em que nos deixaram, para percebermos a verdadeira essência-ausência da nossa economia. E ainda têm a lata de dizer que de economia nada percebemos.

 

Metade da razão e da mente da nossa sociedade está podre. Como se fora uma maçã, meia sã e meia podre. Simplesmente, a parte sã da maçã nunca consegue regenerar a parte podre, mas esta continua a invadir a parte sã até que toda a maçã esteja podre. Se a parte podre e a parte sã da sociedade estivessem separadas, a única solução seria cortar, extirpar a metade podre e deitá-la ao lixo, ainda que a forma de o fazer não fosse fácil. Mas o são e o podre da sociedade não estão separados em duas metades distintas, como na maçã. O podre está infiltrado no meio do são e o são infiltrado no meio do podre. Imaginar a vitória da parte sã nestas circunstâncias é muito mais difícil ainda. Todos os passos são falsos por mais coelhos que saiam da cartola. Aqui é que deveria entrar o trabalho dos tais biliões de neurónios que nos enchem a pinha para tentar salvar os biliões de euros de que nos esvaziam os cofres.

 

São milhões que existiam mas não existem, são milhões que entraram, não saíram mas ninguém sabe onde estão, milhões que saíram e não entraram, poucos milhões na compra, que por artes mágicas renderam muitos milhões na venda, poucos milhões na venda, que por artes mágicas renderam muitos milhões na compra. Para que servem governos, autarquias, instituições, empresas, bancos, tudo o que é engrossado e engordado pelas magras economias de cada um de nós, quando, no fim, ficamos a zero? Os milhões que são do país, que são de nós todos, em vez de serem o sangue da nação, circulam nos bolsos e nas contas dos ladrões do povo, dos ladrões nacionais, dos ladrões internacionais, dos ladrões instituídos, dos corruptos, dos gajos que transformaram a honra, a seriedade, a dignidade e a integridade num monte de merda.

 

A ciclópica tarefa desta barrela só pode ser levada a cabo no seio da sociedade, se todos nos empenharmos, diariamente e racionalmente dentro da nossa profissão e das nossas obrigações de cidadania, na limpeza da política podre que invadiu a nossa mentalidade individual e social, apelando ao pensamento e à razão, pondo a funcionar a todo o gás a maquinaria neuronal que temos na cabeça e que não tem servido para nada. Para tal, é indispensável que conheçamos o mais possível os factores necróticos desta degenerescência e os promotores e catalisadores da podridão. Trabalho quase utópico, numa sociedade mentalmente anquilosada e atrofiada. Uma sociedade à qual os poderes instituídos fecharam a razão a sete chaves, a razão mãe do pensamento, o pensamento como a mais poderosa arma de que o homem dispõe contra a exploraração, contra a escravidão, a corrupção, o obscurantismo e a perversão dos mais nobres princípios.

 

A sensação com que fico, sem qualquer exagero, no meio desta salgalhada, é a de que Portugal não é um país, mas um cartel com a respectiva quadrilha.

 

Que me perdoem por este sentimento, as pessoas sérias que por cá vivem.



publicado por Carlos Loures às 23:00
editado por Luis Moreira em 26/03/2011 às 22:55
link do post | comentar | ver comentários (6)

Domingo, 27 de Março de 2011
Como a Pravda vê a queda do Governo por Timhoty Bacroft - Hinc

(enviado por Carlos Leça da Veiga)

Foram tomadas medidas draconianas esta semana em Portugal pelo Governo liberal de José Sócrates, um caso de um outro governo de centro-direita pedindo ao povo português a fazer sacrifícios, um apelo repetido vezes sem fim a esta nação trabalhadora, sofredora, historicamente deslizando cada vez mais no atoleiro da miséria.

E não é por eles serem portugueses.

Vá ao Luxemburgo, que lidera todos os indicadores socioeconómicos e  você vai descobrir que doze por cento da população é português, o povo  que construiu um império que se estendia por quatro continentes e que  controlava o litoral desde Ceuta, na costa atlântica, tornando a costa  africana até ao Cabo da Boa Esperança, a costa oriental da África, no  Oceano Índico, o Mar Arábico, o Golfo da Pérsia, a costa ocidental da  Índia e Sri Lanka. E foi o primeiro povo europeu a chegar ao  Japão... e Austrália.

 Esta semana, o Primeiro Ministro José Sócrates lançou uma nova onda  dos seus pacotes de austeridade, corte de salários e aumento do IVA,  mais medidas cosméticas tomadas num clima de política de laboratório  por académicos arrogantes e altivos desprovidos de qualquer contacto  com o mundo real, um esteio na classe política elitista Português no  Partido Social Democrata e Partido Socialista, gangorras de má gestão  política que têm assolado o país desde os anos 80.

 O objectivo? Para reduzir o défice. Por quê?  Porque a União Europeia assim o diz. Mas é só a UE?  Não, não é. O maravilhoso sistema em que a União Europeia se deixou a ser sugada é aquele em que a agências de Ratings, Fitch, Moody's e  Standard and Poor's, baseadas nos estados unidos da América (onde  havia de ser?) virtual e fisicamente controlam as políticas fiscais,  económicas e sociais dos Estados-Membros da União Europeia através da  atribuição das notações de crédito.

 Com amigos como estes organismos, e Bruxelas, quem precisa de  inimigos? Sejamos honestos. A União Europeia é o resultado de um pacto  forjado por uma França tremente e com medo, apavorada com a Alemanha  depois que suas tropas invadiram o seu território três vezes em setenta  anos, tomando Paris com facilidade, não só uma vez mas duas vezes, e  por uma astuta Alemanha ansiosa para se reinventar após os anos de  pesadelo de Hitler. França tem a agricultura, a Alemanha ficou com os  mercados para sua indústria.

 E Portugal? Olhem para as marcas de automóveis novos conduzidos por  motoristas particulares para transportar exércitos de "assessores"  (estes parecem ser imunes a cortes de gastos) e adivinhem de qual país  eles vêm? Não, eles não são Peugeot e Citroen ou Renault. Eles são  Mercedes e BMWs. Topo-de-gama, é claro.

 Os sucessivos governos formados pelos dois principais partidos, PSD  (Partido Social Democrata, direita) e PS (Socialista, de centro), têm  sistematicamente jogado os interesses de Portugal e dos portugueses  pelo esgoto abaixo, destruindo sua agricultura (agricultores  portugueses são pagos para não produzir) e sua indústria (desapareceu)  e sua pesca (arrastões espanhóis em águas lusas), a troco de quê?

 O quê é que as contra-partidas renderam, a não ser a aniquilação total  de qualquer possibilidade de criar emprego e riqueza em uma base  sustentável?
 Aníbal  Cavaco da Silva, agora presidente, mas primeiro-ministro durante  uma década, entre 1985 e 1995, anos em que estavam despejando bilhões  através das suas mãos a partir dos fundos estruturais e do  desenvolvimento da UE, é um excelente exemplo de um dos melhores  políticos de Portugal. Eleito fundamentalmente porque ele é considerado  "sério" e "honesto" (em terra de cegos, quem vê é rei), como se isso  fosse um motivo para eleger um líder (que só em Portugal, é) e como se  a maioria dos restantes políticos (PSD/PS) fossem um bando de  sanguessugas e parasitas inúteis (que são), ele é o pai do défice   público em Portugal e o campeão de gastos públicos.

A sua "política de betão" foi bem concebida, mas como sempre, mal  planeada, o resultado de uma inepta, descoordenada e, às vezes  inexistente localização no modelo governativo do departamento do  Ordenamento do Território, vergado, como habitualmente, a interesses  investidos que sugam o país e seu povo.

Uma grande parte dos fundos da UE foram canalizadas para a construção  de pontes e auto-estradas para abrir o país a Lisboa, facilitando o  transporte interno e fomentando a construção de parques industriais  nas cidades do interior para atrair a grande parte da população que  assentava no litoral.

 O resultado concreto, foi que as pessoas agora tinham os meios para  fugirem do interior e chegar ao litoral ainda mais rápido. Os parques  industriais nunca ficaram repletos e as indústrias que foram criadas,  em muitos casos já fecharam.

 Uma grande percentagem do dinheiro dos contribuintes da UE vaporizou  em empresas e esquemas fantasmas. Foram comprados Ferraris. Foram  encomendados Lamborghini. Maserati. Foram organizadas caçadas de  javali em Espanha. Foram remodeladas casas particulares. O Governo e  Aníbal Silva ficou a observar, no seu primeiro mandato, enquanto o  dinheiro foi desperdiçado. No seu segundo mandato, Aníbal Silva ficou  a observar os membros do seu governo a perderem o controle e a  participarem. Então, ele tentou desesperadamente distanciar-se do seu  próprio partido político. E ele é um dos melhores.

 Depois de Aníbal Cavaco da Silva veio o bem-intencionado e humanitário, António  Guterres (PS), um excelente Alto Comissário para os Refugiados e um  candidato perfeito para Secretário-Geral da ONU, mas um buraco negro  em termos de (má) gestão financeira. Ele foi seguido pelo diplomata  excelente, mas abominável primeiro-ministro José Barroso (PSD) (agora  Presidente da Comissão da EU, "Eu vou ser primeiro-ministro, só que  não sei quando") que criou mais problemas com seu discurso do que ele  resolveu, passou a batata quente para Pedro Lopes (PSD), que não tinha  qualquer hipótese ou capacidade para governar e não viu a armadilha.
 

Resultando em dois mandatos de José Sócrates; um Ministro do Ambiente  competente, que até formou um bom governo de maioria e tentou  corajosamente corrigir erros anteriores. Mas foi rapidamente asfixiado  por interesses instalados.

 Agora, as medidas de austeridade apresentadas por este  primeiro-ministro, são o resultado da sua própria inépcia para  enfrentar esses interesses, no período que antecedeu a última crise  mundial do capitalismo (aquela em que os líderes financeiros do mundo  foram buscar três triliões de dólares de um dia para o outro para  salvar uma mão cheia de banqueiros irresponsáveis, enquanto nada foi  produzido para pagar pensões dignas, programas de saúde ou projectos  de educação) .

 E, assim como seus antecessores, José Sócrates, agora com minoria,  demonstra falta de inteligência emocional, permitindo que os seus  ministros pratiquem e implementem políticas de laboratório, que  obviamente serão contra-producentes. Pravda. Ru entrevistou 100  funcionários, cujos salários vão ser reduzidos. Aqui estão os  resultados:

 Eles vão cortar o meu salário em 5%, por isso vou trabalhar menos (94%). Eles vão cortar o meu salário em 5%, por isso vou fazer o meu  melhor para me aposentar cedo, mudar de emprego ou abandonar o país  (5%) Concordo com o sacrifício (1%) Um por cento. Quanto ao aumento  dos impostos, a reacção imediata será que a economia encolhe ainda  mais enquanto as pessoas começam a fazer reduções simbólicas, que  multiplicado pela população de Portugal, 10 milhões, afectará a  criação de postos de trabalho, implicando a obrigatoriedade do Estado  a intervir e evidentemente enviará a economia para uma segunda (e no  caso de Portugal, contínua) recessão. Não é preciso ser cientista de  física quântica para perceber isso. O idiota e avançado mental que  sonhou com esses esquemas, tem resultados num pedaço de papel, onde  eles vão ficar. É verdade, as medidas são um sinal claro para as  agências de ratings que o Governo de Portugal está disposto a tomar  medidas fortes, mas à custa, como sempre, do povo português. Quanto ao  futuro, as pesquisas de opinião providenciam uma previsão de um  retorno para o PSD, enquanto os partidos de esquerda (Bloco de  Esquerda e Partido Comunista Português) não conseguem convencer o  eleitorado de suas ideias e propostas.

 Só em Portugal, a classe elitista dos políticos PSD/PS seria capaz de  punir o povo por se atrever a ser independente. Essa classe, enviou os  interesses de Portugal no ralo, pediu sacrifícios ao longo de décadas,  não produziu nada e continuou a massacrar o povo com mais castigos.

 Esses traidores estão levando cada vez mais portugueses a questionarem  se deveriam ter sido assimilados há séculos, pela Espanha. Que  convidativo, o ditado português "Quem não está bem, que se mude".

 Certo, bem longe de Portugal, como todos os que possam, estão fazendo.
 

Bons estudantes a jorrarem pelas fronteiras fora. Que comentário  lamentável para um país maravilhoso, um povo fantástico, e uma classe  política abominável.


Timothy Bancroft-Hinc



publicado por Luis Moreira às 15:34
link do post | comentar | ver comentários (2)

Sexta-feira, 25 de Março de 2011
A Demissão do Governo por Júlio Marques Mota

O Estrolabio e a demissão do Governo

 

Como se sabe, na sequência da aprovação pela Assembleia da República das cinco moções de rejeição do Programa de Estabilidade e Crescimento, o Governo de José Sócrates demitiu-se. Abre-se assim uma crise grave na vida política do País.

 

Os 41 colaboradores do nosso blogue, como é natural, não encaram de maneira uniforme a situação criada pela demissão do Governo, nem fazem dos motivos que a ela conduziram ou das suas consequências uma análise comum. Unidos pela amizade, pelo respeito mútuo e pelo amor à cultura, temos sobre as questões políticas, filosóficas, religiosas, posições diferentes. Há mesmo entre nós quem tenha militância políitica assumida em partidos envolvidos na presente crise.

 

No período que hoje se inicia, em que o executivo passa a ser um governo de gestão e enquanto vão decorrer os preceitos determinados pela Constituição da República que conduzirão à fixação de eleições legislativas antecipadas, abriremos um espaço de debate em que cada um poderá expor a sua análise da situação, adiantar perspectivas e propor soluções.

 

Começada a campanha eleitoral, esse espaço será encerrado.

 

A demissão do Governo

 

1º- depoimento - Júlio Marques Mota

 

O Governo português caiu, morreu. Paz à sua alma.  De outra forma, a recuperar um texto nosso publicado por Estrolábio,  diremos que caiu um dos vários   Brunning’s  modernos que por essa Europa pelo neoliberalismo foram criados, pela democracia foram instalados   e pela mão da União Europeia foram conservados. Sinceramente, à sua campa não irei.

 

E  a pergunta que se segue, quem é o próximo Brunning?  E quais as diferenças instaladas para que o programa seja rigorosamente o mesmo? E para quando a sua próxima queda, também?   É o que se  pode questionar, neste momento, face ao que fazem os altos representantes do sistema financeiro internacional, instalados ou na OCDE, ou na União Europeia ou em outras Instituições  como o FMI, interfaces que são entre os grandes operadores nos mercados  financeiros e os governos nacionais, uma espécie de altos  funcionários de não se sabe bem quem,  e  que os governos  até à humilhação nacional  levam, como agora em Portugal. Zapatero,  Sócrates, Sarkozy, tanto faz. Há quem se preste a tudo  isto. Têm-se visto, pelos que até ao derradeiro momento conservaram o poder, ir-se-á ver, pela ganância já  vista também daqueles que o vão agora tomar. A vontade de servitude é muita, perante parâmetros bem determinados. E os parâmetros de base são: o rendimento caiu, o PIB; os lucros, esses,  aumentam  ou na pior das hipóteses mantêm-se , veja-se o que se passou com os rendimentos das mais importantes quarenta empresas em França, os altos bónus na escala dos muito milhões, esses, recomeçaram;  os encargos da dívida pública esses disparam; e só há uma maneira de pagar, o serviço da dívida, o equivalente das reparações de guerra de outrora mas em que a guerra é aqui a crise, em que quem a desencadeou foram os mercados e não as suas vítimas, e esta maneira é apropriar-se da produção criada por aqueles que trabalham. Mas isto é um roubo. Esta é agora a função de qualquer governo que  democraticamente ganhe o poder: servir  o direito de outros se servirem, de outros se apropriarem do rendimento que por aqueles que trabalham foi criado, garantir assim o direito de outros o roubarem. Estranha, esta nova função do Estado. E à juventude de parva agora chamada, triplamente espoliada, só os falta acusar da sua condição de existir!

 

Numa carta aberta ao Presidente da Comissão Europeia em que manifesta o meu desagrado e revolta pelo  que se estava a passar escrevi:
“a mensagem de extrema austeridade que resulta das posições da Comissão Europeia em tempos de forte crise fazem-nos pensar que para esta os Estados, através dos Governos,  são um pouco como o verme da mação de Schiascia, são o verme da sociedade, que é necessário tratar e para destruir este seu suposto verme é com a maçã que se está a acabar. Cura-se a suposta, mas só suposta, doença, matando o doente, cai o Governo.

 

Nem os Estados admitem esta verosimilhança e a solução nunca pode ser esta, a solução passa por tratar a macieira, caso contrário, as novas maçãs viram igualmente tocadas, estragadas por vezes, o que no nosso caso significa: mudem-se os governos e teremos governos iguais ou piores, mude-se alguma coisa para tudo ficar na mesma, como nos dizia Lampedusa e porquê assim? Porque o que está verdadeiramente estragado é a macieira onde aí sim, está de facto o verme escondido pela beleza da árvore que é alimentada pelo trabalho dos nossos intelectuais neoliberais, e por vezes bem pagos pelos serviço, aí sim, está  o verme que realmente está a ferir, a corroer,  de morte a União Económica e Monetária, enquanto espaço integrado: e este verme é a actual arquitectura em que assentam as sociedades europeias, em que assenta a própria União Económica e Monetária, o modelo neoliberal cujos resultados estão bem à vista.”

 

Mantenho, com mais força de razão o que escrevi. De um governo a outro, de uma maçã  a outra, encontramos sempre a  modernidade do neoliberalismo.  Não há alternativa outra que não seja a de colocar fora do poder,  na rua, com todos nós colectivamente na rua a isso exigir, a  actual Comissão Europeia   e todos aqueles que estão na disposição   de a zelosamente bem servir, porque  no quadro do modelo em função não há saída possível: trata-se de  um plano inclinado, ao fundo do qual não restará ninguém para contar para a História o que será a queda. Evitemo-la, portanto. Ainda estamos a tempo.

 

Dois exemplos muito simples e directos da “alma” que alimenta o actual sistema, no centro das Instituições Europeias e nos governos nacionais dos seus Estados-Membros :  em Portugal reduz-se o imposto para jogar golfe e  reduz-se o valor das indemnizações de quem vai ser despedido e com a quase certeza de que agora não encontrará emprego. Na Irlanda,  reduz-se o salário mínimo e reduzem-se, em muitos milhões, os impostos dos mais  ricos. Na Grécia, reduzem-se as prestações sociais, aumenta-se o desemprego,  mas mantêm-se as compras de material militar. 

 

E, é tudo, e é muito.



publicado por Luis Moreira às 22:00
link do post | comentar

Quinta-feira, 24 de Março de 2011
O Estrolabio e a demissão do Governo

O Estrolabio e a demissão do Governo

Como se sabe, na sequência da aprovação pela Assembleia da República das cinco moções de rejeição do Programa de Estabilidade e Crescimento, o Governo de José Sócrates demitiu-se. Abre-se assim uma crise grave na vida política do País.

 

Os 41 colaboradores do nosso blogue, como é natural, não encaram de maneira uniforme a situação criada pela demissão do Governo, nem fazem dos motivos que a ela conduziram ou das suas consequências uma análise comum. Unidos pela amizade, pelo respeito mútuo e pelo amor à cultura, temos sobre as questões políticas, filosóficas, religiosas, posições diferentes. Há mesmo entre nós quem tenha militância políitica assumida em partidos envolvidos na presente crise.

 

No período que hoje se inicia, em que o executivo passa a ser um governo de gestão e enquanto vão decorrer os preceitos determinados pela Constituição da República que conduzirão à fixação de eleições legislativas antecipadas, abriremos um espaço de debate em que cada um poderá expor a sua análise da situação, adiantar perspectivas e propor soluções.

Começada a campanha eleitoral, esse espaço será encerrado.

---------------------------



publicado por Luis Moreira às 11:08
link do post | comentar


EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Olá, sou ivani suarez, atualmente morando em santi...
Olá Sr. / Sra.Você precisa de empréstimos para o p...
HOLA...¿NECESITA PRESTAR DINERO PARA PAGAR CUENTAS...
Bom-dia Senhoras e Senhores.Sou uma mulher de negó...
Sou uma mulher de negócio Portuguesa e ofereço emp...
Dude, if you were trying to sound portuguese let m...
Olá Andreia! Sei que esta publicação já é antiga. ...
Patricia Deus vai abençoar você e sua empresaMeu n...
Meu nome é Fábio João Pedro e eu sou de Portugal. ...
Meu nome é jose matheus Giliard Alef sou do brasil...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

A demissão do Governo - d...

A demissão do Governo - d...

A demissão do Governo - d...

Como a Pravda vê a queda ...

A Demissão do Governo por...

O Estrolabio e a demissão...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links