Sexta-feira, 8 de Julho de 2011
Os americanos são idiotas? Vídeo enviado por Maria Inês Aguiar.

Uma pergunta que se coloca muitas vezes é esta - o povo americano sofre de um défice de inteligência?

 

Haverá, por certo, a mesma percentagem de idiotas, gente comum e génios, que existe em todos os países. No entanto, para a classe dirigente - grandes grupos financeiros, falcões do Pentágono e políticos, a ignorância de uma grande parte do povo é uma mais-valia. O convencimento de que o Mundo são os Estados Unidos e todo o resto são arrabaldes está impregnado nas camadas menos evoluídas - é confrangedor, ainda que nos possamos rir, a ignorância demonstrada neste vídeo por pessoas de diversas condições sociais e pertencentes a faixas etárias também diferentes - a ignorância, sobretudo no que se refere ao exterior, é confrangedora. Para mais, lembrando-nos de que estamos na sociedade da informação. Vamos ver e ouvir (e rir):

 

 

 

 

 



publicado por Carlos Loures às 15:00
link do post | comentar | ver comentários (1)

Segunda-feira, 27 de Junho de 2011
The Dark Age Netherlands - Bruce Sterling

A Holanda manifesta-se contra a destruição do seu sector cultural

 

 

Things are heating up in Holland after this bold right-wing kulturkampf putsch, and since I don’t speak Greek and my Spanish isn’t all it might be, this looks like a good spot to watch what promises to become a rather hot European summer.

 

Unlike Spain, Italy, Portugal and Greece, the Netherlands is by no means broke. For the new Dutch government, this is a straight-out purge of annoying left-wing postmodernist artsy intellectuals. Why Wilders and his pals decided to take these guys seriously — enough to break ‘em on the wheel for a mere E200,000,000 — that I’ll never know. But they did it, ’cause they really don’t like ‘em. This looks fair to become Europe’s version of Ai WeiWei.

 

I used to hang out with Dutch guys who moaned about their nation’s too-easy-going “repressive tolerance,” but now that they’re untolerated, they’re sure changing their tune in a hurry.

 

“A new Dark Age for Dutch Culture

 

“The letter ‘Meer dan kwaliteit’ (‘More than Quality’) by the State Secretary for Culture, Halbe Zijlstra (VVD, People’s Party for Freedom and Democracy) arrived in the electronic mailboxes of Dutch art and cultural institutes on Friday, 10 June 2011. It stated that €200 million would be brutally slashed from the arts and culture budget, starting as early as 1 January 2013.

 

“Apparently, Zijlstra, who admits that he lacks any understanding of art and culture, has blatantly ignored all the recommendations made to him on this subject, including those from the Arts Council (the government’s official advisory body). Subsidies for a limited number of ‘world-class institutes’ such as the Nederlandse Opera, which already receive a substantial portion of the existing budget, will be maintained. As far as Zijlstra is concerned, most of the other institutes can disappear – they will no longer be able to rely on structural support from the government.

 

“This not only applies to all the production houses for theatres, half of the orchestras, the Muziekcentrum Nederland (formed in a recent merger), the Foundation Art and Public Domain (SKOR), renowned exhibition spaces and research facilities for visual art such as De Appel, but also to the entirely new media sector with its internationally acclaimed institutes such as V2_, the Netherlands Media Art Institute (NIMk), Mediamatic, WORM, the Waag Society and STEIM, as well as to the Rijksakademie, de Ateliers and the Jan van Eyck Academy. Support for critical-analytical journals such as Open and Metropolis M, and for the literary magazines, including De Gids, will be discontinued. Furthermore, the budget that will be allocated to project subsidies, i.e., for individual artists, one-off projects and festivals, will be more than halved. Only ‘international world-class talent’ and art that has already proven itself will remain.

 

“This is not merely the austerity plan that was anticipated from a centre-right minority cabinet that is at the beck and call of the populist PVV (Party for Freedom): it is a direct attack on art, an attack on anything that does not fit into a market economy, on anything that refuses to, or cannot be, adapted to a populist-tinted, neo-liberal mindset. It marks the end of a cultural sector that was birthed with a great deal of effort and difficulty. His letter does include a few obligatory sentences that could fool a hasty reader into thinking that there actually is a coherent vision behind this policy, but each substantive phrase is contradicted by the proposed regulations. The letter brims with resentment towards innovative and investigative art, towards groundbreaking art, art that cannot survive if it is only supported by the market.

 

“The letter expresses contempt for artists’ works, contempt for the wealth of experiences that art can provide, and contempt for people who enjoy it. The contributions that art makes to society and innovation have been completely ignored. The idea that sustaining art and culture is in the public interest is negated; in fact, the notion of the public interest is ignored altogether. The right for works to exist is reserved only for those works that ‘the market’ – whatever that might be – or wealthy patrons will support. Zijlstra’s letter is nothing more than a dictatorial ruling. We are being spurred to our downfall by populist neo-liberalist policies.

 

“There are absolutely no policy reasons for the €200 million of cutbacks. This deal was struck with the PVV in exchange for its support in parliament of the minority cabinet. The intention is to inflict irreparable damage on an entire profession. Zijlstra is striving to decimate and eliminate this professional group’s creative, innovative and critical potential. Not a single member of his own party (VVD), or anyone from its coalition partner, the CDA (Christian Democratic Party) has opposed him. As far as they are concerned, traditional art is merely the superfluous ornamentation of a society. Contemporary art is labelled as alienating, and even, although no one actually says it out loud, as ‘degenerate art’.

 

“Prioritising world-class talent implies that the State Secretary makes a distinction between ‘art that has already proven itself’ and all other art. This is illogical and downright ignorant. Art is in a state of constant change, it reflects on a society and the time in which we live, it is frequently at odds with accepted norms and values, and reveals new and unexpected perspectives. Zijlstra is of the opinion that there is only room for art from the distant past, for cultural heritage such as centuries-old ballet, opera, classical music and visual art. But classical art only has meaning in the context of new art, they enhance each other and validate each other’s existence.

 

“This means that from 1 January 2013 no money and thus no time will be made available to create unique or ambitious artworks, for fundamental research, for developing complex technological works, for art that critically examines our complicated world, for artworks that enrich society and people in sometimes unparalleled ways. What remains is ‘music for the millions’; all the rest will be amateur art. Artists who are driven by their craft will have to create their art in their spare time. Cultural vitality will disappear, as will the economic vitality that is driven by art. We can forget about innovation and international allure entirely.

 

“Of course, the situation as it stands at the moment can and should be criticised. For a long time many of those who are active in the sector have been dissatisfied with the ways in which funds are allocated. But Zijlstra’s plan has brought an abrupt end to this discussion, as well as to the discussion about how funds can best be used to stimulate culture. He has opted for the simplest solution: get rid of it all.

 

“Reactions to the proposals have been manifold, and they have naturally provoked a rebellion by artists and the employees at the affected institutes. It has also inflamed a furious backlash from private funding organisations, wealthy right-wing culture aficionados and patrons – after all, Zijlstra’s intention is that they should fund the arts sector. During the parliamentary hearings they repeatedly reminded Zijlstra that the Netherlands is a country where private sponsorship of the arts has always been in short supply, and that there are almost no financial incentives for patrons. They stated resolutely that they feel betrayed, burdened with the impossible task of saving art, and declared in no uncertain terms that the government has revealed itself to be an untrustworthy partner. In their opinion, the proposed policy is offensive, irresponsible and counter-productive.

 

“Rick van der Ploeg, a leading economist, a former State Secretary of Culture and a proponent of professionalising the economic aspects of art, wrote in the NRC (national newspaper) that it is “a measure of their brazen brutality that this cabinet wants to be remembered for its irreversible butchering of a closely-knit, high-quality and multi-faceted network of cultural opportunities in our country,” and continued, “The policy being proposed lacks the standards of quality which are necessary in a democratic, constitutional society.” This sentence is worth reading twice.

 

“It should be a cause of concern for everyone that a minority cabinet with the feeble support of a parliamentary majority of only one seat would take such draconian and drastic measures without paying any heed to the other half, which has only one seat less than the ruling coalition. Zijlstra shamelessly admits that the proposals have no basis in fact, and display a total lack of sympathy for the field. This undemocratic attitude only compounds the suspicions about this government’s much more drastic proposals for cutbacks in health care, education and pension schemes, and it underscores the steps they are (not) taking to discipline the financial sector.

 

“Despite all the government’s hollow arguments, nobody has actually explained why these cultural cutbacks are necessary. All those who were asked to make recommendations about the plan advised against it in the strongest possible terms, and all of the unsolicited recommendations were negative too. There is unanimous agreement that the plans will have disastrous consequences. A staggering number of institutes will have to be closed and there will be very little funding for artists. There will be a wide-scale destruction of capital, costs will not be offset by the profits, and the Netherlands will be downgraded to a cultural backwater. It is clear what the implications of this will be for the cultural and economic business climate: international companies or professionals working in the knowledge industry will no longer consider basing themselves in the cultural wasteland that the Netherlands will become.

 

“The government has disdainfully cast aside all the recommendations and is bulldozing ahead with its plans. The only possible conclusion that can be drawn is that they are intent on the wide-scale eradication of art and culture in the Netherlands. Halving the project subsidies – in an arts budget that was one of the lowest in Europe, even before the cutbacks – means that art in the Netherlands will cease to exist in its current form and diversity. After 600 years of growth and progress that started in the Renaissance, the Netherlands will once again find itself in a Dark Age.

 

Sonic Acts

 

Arie Altena, Lucas van der Velden, Martijn van Boven, Annette Wolfsberger, Nicky Assmann, Femke Herregraven, Gideon Kiers

 

WHAT CAN YOU DO?

 

Sign the petitions!

 

http://www.schadekaart.nl/page/1946/nl

 

http://www.schadekaart.nl/

 

http://www.dezaaknu.nl

 

Join in!

 

Boijmans Bezet (Boijmans Occupied)

 

26 June, 11:00 - 17:00 hrs

 

Museum Boijmans van Beuningen, Rotterdam

 

www.schuileninhetrijks.nl

 

Take part in the March of Civilization on 26 & 27 June from Rotterdam to The Hague

 

http://www.marsderbeschaving.nl

 

(((I’m looking forward to the spontaneous “indignado” shanty-towns of unemployed Dutch artists… not that it’s a fun thing to see, but, well, I bet the world has never seen anything like that.)))



publicado por Augusta Clara às 16:00
link do post | comentar

Segunda-feira, 6 de Junho de 2011
A Cultura e a Arte. O caráter hibernou!, por António Sales

 

 


 

 

 

 

O caráter hibernou! Deram-lhe uma dose cavalar de antidepressivos e puseram-no a dormir. Está reduzido a pó de caca pelo que as elementares noções de dignidade transformaram-se numa massa untuosa, venal e degradada.

 

O mundo está dando várias cambalhotas globalizantes em que se mistura na mesma panela o liberalismo económico, o comércio livre e a não menos livre circulação de capitais. O dinheiro, o poder económico, a submissão política, a ambição, as fortunas provocatórias, desumanizam a sociedade. Nesta arena estimula-se a intolerância, o egoísmo, o cinismo, o culto da ganância do poder que pode nem ser, necessariamente, o do dinheiro.

 

Perante isto interrogo-me: como poderá vir a ser a raça humana no século XXI?

 

A partir da matriz atual nada se anuncia de bom. Politicamente as nações mais avançadas estão a ser lideradas por indivíduos medíocres e a economia global está fazendo deles seus reféns. Se tivermos uma visão desapaixonada verificamos que, na prática, a maioria dos países estão insolventes. Não é apenas a Irlanda, Grécia e Portugal, mas também a Itália, a Espanha, a Bélgica, os Estados Unidos da América, numa dança de possível junção de mais uns quantos. Quer dizer: vivemos num universo global falido.

 

Com tais ventos as pessoas encontram-se mais afastadas da reflexão crítica, do pensamento filosófico (no sentido do conhecimento), dos ensinamentos culturais que fortaleçam a massa crítica tornando-as conscientes da realidade e das malfeitorias e conferindo um elevado grau de exigência coisa que nenhum político ou patrão do dinheiro deseja. O saber só trás atritos!

 

O retrato atual da sociedade não contempla a camaradagem, a verdade, a solidariedade, o sacrifício, a generosidade, a amizade desinteresseira. Mergulha tudo num caldeirão de interesses, acotovelando-se, atropelando-se, traindo quem for preciso para atingir rapidamente os ambiciosos objetivos. É feio! É indigno! Paciência, é preciso ser rico aos 30 anos.

 

Lamento, mas não acredito que isto esteja melhor lá para 2050. Bem sei que depende do ponto em que nos colocarmos. A velocidade é característica comum à rapidez executiva das ações e ao processo abrasivo da vida. Homens e mulheres serão submetidos a um grau de exigência maior e o convívio pessoal perderá terreno perante o convívio de círculos de amigos via Internet (facebooks, twitters, etc.). O prazer de criar e desfrutar realidades virtuais e representações tridimensionais fornecerá um novo tipo de contacto cibernético com os povos, cidades, pessoas e vida sexual. Segundo uma multiplicidade de formas e atos ao gosto de cada um, epicuristas informáticos viverão na dependência de fabulosos aparelhos gestores de progresso e a rendição à inovação técnica será veloz a fim de alimentar incansavelmente o ego

 

Neste tsunami tecnológico e opulentamente vaidoso a primazia do espírito, do caráter e dos sentimentos deixarão de fazer sentido e a natureza humana será agredida de uma forma cada vez mais obscena.

 

O que será enfim perene?

 

A cultura e a arte sobreviverão como restos de um continente perdido porque são a expressão libertadora do mais secreto intimismo. Estas serão manifestações de eternidade visto que têm perdurado através dos séculos como refúgio espiritual de todas as paixões e tragédias humanas. Por tudo quanto de inovador passa nada substituirá a arte porque só ela nos concede a verdadeira noção de grandeza da vida e do seu mistério.



publicado por João Machado às 15:00
link do post | comentar

Domingo, 22 de Maio de 2011
Cultura e televisão (a televisão é para estúpidos?), por Carlos Loures

 

 

 

 

 Cultura e televisão, será que ainda têm alguma coisa em comum? No começo da década de 90, Marlon Brando dizia numa entrevista que já não faltaria muito para que algum «génio criativo» se lembrasse de, num reality show, pôr pessoas a defecar perante as câmaras. Numa roda de amigos comentou-se na altura esta profecia do grande actor e, embora reconhecendo que a qualidade da televisão generalista baixava de ano para ano, pareceu-nos exagerada. Não havia ainda aqui a moda dos reality shows. Quando a inefável TVI lançou o Big Brother, alguns dos mesmos amigos recordaram a entrevista de Brando e começaram a perceber onde ele queria chegar. O nível cultural dos participantes era tão básico, o léxico e o universo conceptual utilizados tão rasteiros, que não exigia grande esforço imaginar qualquer deles a concretizar perante as câmaras a profecia de Marlon, caso tal lhes fosse pedido pela «realização».

 

Um dia em que, conversando com Mr. Hugh House, director do departamento de cursos de inglês da BBC, me queixava da má qualidade dos programas televisivos em Portugal ele respondeu-me: - Então você não sabe que a principal função da televisão é ser de má qualidade? Estávamos nos anos 80 e eu ainda acreditava que a televisão, meio ao qual me prende um vínculo afectivo, como terei oportunidade de explicar, poderia cumprir uma importante função pedagógica na efectiva criação de uma mentalidade democrática.

  

Quando, ainda a propósito da entrevista de Marlon Brando e falando dos programas actuais, alegou-se como desculpa a falta de cultura dos portugueses, o baixo índice médio de escolaridade. Alguém disse - «Mas o conceito do Big Brother não é português». E outro recordou - «Há trinta anos, com um índice de escolaridade mais baixo, as ruas das cidades ficavam desertas nas segundas-feiras à noite, pois estava quase toda a gente a ver o Zip-Zip, um programa que, apesar do bom nível do conteúdo era apreciado por uma larga faixa da população. Hoje em dia, as audiências aumentam na razão directa do número de telenovelas que um canal apresenta. Se às telenovelas, geralmente más, se somarem os tais reality shows e uns concursos idiotas, os índices de audiência sobem em flecha. A televisão generalista percorre uma espiral descendente – os canais na sua fúria de competirem na guerra das audiências, procuram colocar-se ao nível da incultura geral e, nesse esforço de «chegar às massas», com telenovelas tontas, talk shows inqualificáveis, concursos de pseudo cultura-geral, contribuem para o défice cultural dos telespectadores que terão tendência cada vez a preferir programações mais pobres. É sempre a descer.

 

Sobre este tema, encontramos palavras esclarecedoras num pequeno livro de Karl Popper, um grande filósofo britânico de origem austríaca (1902-1994) – Televisão Um Perigo Para a Democracia: "Por ocasião de uma conferência que dei há alguns anos na Alemanha tive o ensejo de conhecer o responsável de uma cadeia (de TV) que se deslocara para me ouvir juntamente com alguns colaboradores. (...) . Durante a nossa discussão fez afirmações inauditas, que se lhe afiguravam naturalmente indiscutíveis. «Devemos oferecer às pessoas o que elas esperam», afirmava, por exemplo, como se fosse possível saber o que as pessoas pretendem recorrendo simplesmente aos índices de audiência.

 

Tudo o que é possível recolher, eventualmente, são indicações sobre as preferências dos telespectadores face aos programas que lhes são oferecidos. Esses números não nos dizem o que devemos ou podemos propor, e esse director de cadeia também não podia saber que escolhas fariam os telespectadores perante outras propostas. De facto, ele estava convencido de que a escolha só seria possível no quadro do que era oferecido e não perspectivava qualquer alternativa. Tivemos uma discussão realmente incrível. A sua posição afigurava- se-lhe conforme aos «princípios da democracia» e pensava dever seguir a única direcção compreensível para ele, a que considerava «a mais popular». Ora, em democracia nada justifica a tese deste director de cadeia (de TV), para quem o facto de apresentar programas cada vez mais medíocres corresponde aos princípios da democracia porque é o que as pessoas esperam. Nessas circunstâncias, só nos resta ir para o inferno!» Um inferno ao qual vamos descendo, abandonando toda a esperança, como preconizava Dante, sempre que accionamos o comando. Um inferno onde vale meter todo o lixo.

 

Já para não falar nas manipulações…

 

__________________

Nota: Tendo mostrado um momento alto do Big Brother português, preparava-me para ilustrar este texto com um outro vídeo da 9ª edição do Big Brother italiano - Grande Fratello - que foi emitida em 2009. Um concorrente ameaça defecar em frente das câmaras (“Allora io adesso mi metto a cagare e pisciare qui in giardino, va bene? ” ). O vídeo não pode ser reproduzido, mas está disponível no You Tube. A profecia de Marlon Brando, não era, afinal, tão exagerada quanto parecia.




publicado por João Machado às 15:00
editado por Carlos Loures às 15:18
link do post | comentar | ver comentários (2)

Quinta-feira, 5 de Maio de 2011
“Yo, María del Totoral” - Ensayo de Etnopsicologia de la Infancia – 24 – por Raúl Iturra


 

Estos parágrafos, retirados de las notas a pié de página, requieren algunos comentarios. Tal vez Cecilia no tenga envidia, pero celos de su amigo y colega de colegio, Boris Viana. Llama nuestra atención para los diferentes significados de las palabras en lenguas diferentes. El libro de Klein fue escrito en alemán austriaco, donde la palabra significa un sentimiento más profundo que el de envidia. Tal vez la definición anterior a celos, sea una definición corta, como Bion, ya citado de su texto de 1966, dice que la crianza en el vientre materno, a partir de los 4 meses, tiene celos de cualquier cuerpo extraño que entre en el cuerpo de la madre, porque siente que le roban el alimento. En consecuencia, el análisis psicoanalítico no tenga tanta aplicación.                                                                                                                                                                           

 

Tal vez sea más necesario aplicar el análisis dialógico de la psico-fisiología, para entender las taimas[1] de Cecilia, taima, esto es, rabia, desobediencia, aislamiento y, especialmente, competencia para ganar y ser la primera. Lo que no se sabe es si de esta ventaja, ella hace burla a sus colegas o exhibe, frente a ellos, sus éxitos. De las entrevistas hechas y de las conversaciones sobre su historia de vida frente a su familia, consta que es al contrario: tenía miedo de que en la casa me castigaran, que me pegaran con varillas o que mis hermanas y mis primos no quisieran estar conmigo, que me abandonaran, por eso yo abandonaba antes, para no sufrir desilusiones.

 

 

 



publicado por João Machado às 14:00
editado por Luis Moreira às 19:16
link do post | comentar

Terça-feira, 1 de Março de 2011
Agenda Cultural - XIII Semana Cultural da Universidade de Coimbra

Rui de Oliveira

 

UC.PT

 

Universidade de Coimbra . University of Coimbra

 

 

 

University of Coimbra 8789

 

Universidade de Coimbra

 

XIII Semana Cultural da Universidade de Coimbra 

 

XIII Semana Cultural da Universidade de Coimbra

Banner UC

  

Dia 1 | Ter

 

 

  

9h | Capela S. Miguel (UC) 

Missa Solene, com a participação do Coro da Capela.


9h-18h | UC 

DIA ABERTO da Universidade de Coimbra

Org.: Faculdades da UC.


Todo o dia | Cafés, livrarias e lojas da cidade

“Ciência onde menos se espera”

Desafios e experiências científicas para realizar autonomamente em locais inesperados. Org.: Museu da Ciência.




publicado por João Machado às 10:00
editado por Luis Moreira às 09:25
link do post | comentar

Quinta-feira, 17 de Fevereiro de 2011
Um autarca na ópera

 

 

 

 

 

 

 

 

Carla Romualdo


 

Havia meses que a cambada de sarnentos do costume gania a plenos pulmões que a autarquia não tinha política cultural. Claro que poderia varrê-los das ruas, mandar detê-los por alguma infracção menor, mais para que se assustassem do que para retirá-los de circulação, mas haveria sempre alguma retaliação, alguma chatice para resolver, a necessitar de uma entrevista de auto-promoção, de novos cartazes… enfim, mais tempo perdido.

De forma que, para calar esses bandalhos e dar uma alegria ao povo, mandou chamar, certa manhã, o vereador, ditou-lhe um par de ideias com piada e em duas semanas estavam a encher a praça de carrosséis dourados, onde se erguiam, à vez, cavalos com focinhos sorridentes e crinas de plástico brilhante, carruagens da Cinderela, unicórnios de cabelo louro, todos a rodopiar ao som do “It’s a small world after all” uma e outra vez, sem parar, numa algazarra de sininhos, campainhas e notas dissonantes.
Montaram-se também as barracas de cachorros e farturas, e ainda outra de jogos, onde a boa pontaria era brindada com um peluche gigante.
Esteve presente na inauguração, num simbólico gesto de apreço e respeito pela cultura, e deixou-se fotografar sorridente ao lado da mãe de todos os saltimbancos, a Micas Mamuda, octogenária ainda no activo, e matriarca de uma dinastia de animadores culturais.
O vereador da cultura chegou ofegante e atrasado, e deixou-se ficar atrás, com o suor a escorrer-lhe pela careca enquanto enviava mensagens de telemóvel às escondidas. Quando começou a actuação da banda da moda, os “Dáconjeito”, o presidente chamou-o com um gesto imperioso.
- Ó Torres, isto são horas?
- Desculpe, meu presidente, fui receber a soprano.
- Oh diabo, já me esquecia dessa prenda. E é hoje, caraças. Não há maneira de fugir, pois não?
- Só se houver um cataclismo na cidade, meu presidente.
- Bah! - resmungou, com uma sacudidela da mão esquerda - essa sorte não tenho eu!


publicado por João Machado às 16:00
editado por Carlos Loures às 16:41
link do post | comentar

Terça-feira, 15 de Fevereiro de 2011
Uma crise planetária da educação - Martha Nussbaum

coordenação de Augusta Clara de Matos

 

Hoje Falamos de...Educação, Humanidades e Artes

Martha Nussbaum

Um dos grandes nomes da filosofia norte-americana contemporânea. Professora de Direito e Ética na Universidade de Chicago, é conhecida pelos seus trabalhos sobre questões do desenvolvimento.
Martha Nussbaum e Amartya Sen [economista, Prémio Nobel em 1998], na década de 80, criaram o conceito de The Capability Approach que permite medir o desenvolvimento de um país, não em termos de PIB mas em função da liberdade dos indivíduos, culminando no trabalho The Quality of Life (1993).

.

 

(Mirando el Cielo - Pastor Outeiral, Ourense)

 

 

 

Martha Nussbaum  Uma crise planetária da educação


Atravessamos actualmente uma crise de grande amplitude e de grande envergadura internacional. Não falo da crise económica mundial iniciada em 2008; falo da que, apesar de passar despercebida, se arrisca a ser muito mais pre­judicial para o futuro da democracia: a crise planetária da educação.

Estão a produzir-se profundas alterações naquilo que as sociedades democráticas ensinam aos jovens e ainda não lhe afe­rimos o alcance. Ávidos de sucesso económico, os países e os seus sistemas educati­vos renunciam imprudentemente a competências que são indispensáveis à sobrevivência das democracias. Se esta tendência persistir, em breve vão produzir-se pelo mundo inteiro gerações de máquinas úteis, dóceis e tecnicamente qualificadas, em vez de cidadãos realizados, capazes de pensar por si próprios, de pôr em causa a tradição e de compreender o sentido do sofrimento e das realizações dos outros.

De que alterações estamos a falar? As Humanidades e as Artes perdem terreno sem cessar, tanto no ensino primário e secundário como na universidade, em quase todos os países do mundo. Considera­das pelos políticos acessórios inúteis, nu­ma época em que os países têm de desfazer – se do supérfluo para continuarem a ser competitivos no mercado mundial, estas disciplinas desaparecem em grande ve­locidade dos programas lectivos, mas também do espírito e do coração dos pais e das crianças Aquilo a que poderíamos chamar os aspectos humanistas da ciência e das ciências sociais está igualmente em retrocesso, preferindo os países o lucro de curto prazo, através de competências úteis e altamente aplicadas, adaptadas a esse objectivo.

Procuramos bens que nos protegem, satisfazem e consolam — aquilo a que [o escritor c pensador indiano] Rabindranath Tagore chamava o nosso «invólucro» material. Mas parecemos esquecer as faculdades de pensamento e imaginação que fazem de nós humanos e das nossas interacções relações empáticas e não simplesmente utilitárias Quando estabelecemos contactos sociais, se não aprendermos a ver no outro um outro nós, imagi­nando-lhe faculdades internas de pensa­mento e emoção, então a democracia é vo­tada ao malogro, porque assenta precisamente no respeito e na atenção dedicados ao outro, sentimentos que pressupõem que os encaremos como seres humanos e não como simples objectos.

Hoje mais que nunca, dependemos todos de pessoas que nunca vimos. Os pro­blemas que temos de resolver – sejam de ordem económica, ecológica, religiosa ou política – têm envergadura planetária. Nenhum de nós escapa a esta interdependência mundial. As escolas e as universidades do mundo inteiro têm, por conseguinte, uma tarefa imensa e urgente: culti­var nos estudantes a capacidade de se considerarem membros de uma nação heterogénea (todas as nações modernas o são) e de um mundo ainda mais heterogéneo, bem como uma noção da história dos dife­rentes grupos que o povoam.

Capacidade de referenciar culturas

Se o saber não é a uma garantia de boa conduta, a ignorância é quase infalivelmente uma garantia de maus procedimentos. A cidadania mundial implica realmente o conhecimento das humanidades? 0 indivíduo necessita certamente de muitos co­nhecimentos factuais que os estudantes podem adquirir sem formação humanista – memorizando, nomeadamente, os factos em manuais padronizados (supondo que não contêm erros). Contudo, para ser um cidadão responsável necessita de algo mais: de ser capaz de avaliar os dados históricos, de manipular os princípios económicos e exercer o seu espírito crítico, de comparar diferentes concepções de justiça social, de falar pelo menos uma língua estrangeira, de avaliar os mistérios das grandes religiões do mundo. Dispor de uma série de factos sem ser capaz de os avaliar, pouco mais é que ignorância. Ser capaz de se referenciar em relação a um vasto leque de culturas, de grupos e de nações e à história das suas interacções, isso é que permite às democracias abordar de forma responsável os problemas com os quais se vêem actualmente confrontadas. A capacidade – que quase todos os seres humanos têm, em maior ou menor grau – de imaginar as vivências e as necessidades dos outros deve ser amplamente desenvolvida e estimulada, se queremos ter alguma esperança de conservar instituições satisfatórias, ultrapassando as múltiplas clivagens que existem em todas as sociedades modernas.

«Uma vida que não se questiona não vale a pena ser vivida», afirmava Sócrates. Céptico em relação à argumentação sofista e aos discursos inflamados, pagou com a vida a sua fixação neste ideal de questionamento crítico.

Hoje, o seu exemplo é o fulcro da teo­ria e prática do ensino da cultura geral da tradição ocidental, e ideias similares estão na base do mesmo ensino na Índia e noutras culturas. Se insistirmos em dispensar a todos os estudantes do primeiro ciclo uma série de ensinamentos da área das Humanidades, é porque pensamos que es­sas matérias os estimularão a pensar e a argumentar por eles mesmos, em vez de se resumirem simplesmente à tradição e à autoridade; e porque consideramos que, como proclamava Sócrates, a capacidade de raciocinar é importante em qualquer sociedade democrática. É-o particularmente nas sociedades multiétnicas e multiconfessionais. A ideia de que cada um possa pensar por si próprio e relacio­nar-se com os outros num espírito de respeito mútuo é essencial à resolução pacífica das diferenças, tanto no seio de uma nação como num mundo cada vez mais dividido por conflitos étnicos e religiosos.

O ideal socrático está hoje submetido a uma rude prova, porque queremos promover a qualquer custo o crescimento económico. A capacidade de pensar e ar­gumentar por si não parece indispensável para os que visam resultados quantificáveis.

(…)

Para compreenderem efectivamente o mundo complexo que os cerca, os cidadãos não têm suficientes conhecimentos factuais nem de lógica. Necessitam de um terceiro elemento, estreitamente ligado a esses dois, a que poderia chamar-se imaginação narrativa. Noutros termos, a capacidade de se pôr no lugar do outro, de ser um leitor inteligente da história dessa pessoa, de compreender as emoções, os dese­jos e os sentimentos que ela pode sentir. Essa cultura da empatia está no centro das melhores concepções modernas de educação democrática, tanto nos países ociden­tais como nos demais. Isso deve fazer-se em grande parte no seio familiar, nas escolas, e mesmo as universidades desempenham também um papel importan­te. Para preenchê-lo correctamente, de­vem atribuir um espaço nos seus programas para as Humanidades e as Artes, visto que melhoram a capacidade de ver o mundo através dos olhos do outro – capa­cidade que as crianças desenvolvem por meio de jogos de imaginação.

(…)

Devemos cultivar os «olhares interio­res» dos estudantes. As artes têm um du­plo papel na escola e na universidade: enriquecer a capacidade de jogo e de empatia, de uma maneira geral, e agir sobre os pontos cegos, em especial.

Esta cultura da imaginação está estrei­tamente ligada à capacidade socrática de criticar as tradições mortas ou inadaptadas, e fornece-lhe um apoio essencial. Não se pode tratar a posição intelectual do outro com respeito sem ter pelo menos tentado compreender a concepção de vida e as experiências que lhe estão subjacentes. Mas as artes contribuem também para outra coisa. Gerando o prazer associado a actos de compreensão, subversão e reflexão, as Artes produzem um diálogo suportável e até atraente com os preconceitos do passado, e não um diálogo caracte­rizado pelo medo e pela desconfiança. Era o que Ellison queria dizer quando qualifi­cava o seu Homem invisível como «janga­da de sensibilidade, de esperança e de di­vertimento».

(…)

As Artes, diz-se, custam demasiado di­nheiro. Não temos meios, em período de dificuldades económicas. E, no entanto, as Artes não são necessariamente tão caras como se diz. A literatura, a música e a dança, o desenho e o teatro são poderosos vectores de prazer e de expressão para todos, e não requerem muito dinheiro para os fa­vorecer. Diria mesmo que um tipo de educação que solicita a reflexão e a imaginação dos estudantes e dos professores reduz efectivamente os custos, reduzindo a delinquência e a perda de tempo induzidas pela ausência de investimento pessoal.

Como se apresenta a educação para a ci­dadania democrática no mundo actual? Bas­tante mal, temo eu. Ainda se porta relativamente bem no lugar onde a estudei, nomea­damente nas disciplinas de cultura geral dos currículos universitários norte-ameri­canos. Esta faixa curricular, em estabeleci­mentos coma o meu [a Universidade de Chicago], beneficia ainda de um apoio ge­neroso de filantropos. Pode-se mesmo dizer que é uma faixa curricular que trabalha melhor hoje para a cidadania democrática do que há 50 anos, época em que os estu­dantes não aprendiam muito sobre o mun­do fora da Europa e da América do Norte, ou sobre as minorias do seu próprio país. Os novos domínios de estudo integrados no tronco comum aumentaram a sua compreensão de países não ocidentais, de eco­nomia mundial, de relações intracomunitárias, de dinâmica de género, de história das migrações e de combates de novos gru­pos para o reconhecimento e a igualdade. Após um primeiro ciclo universitário, os jovens de hoje são, no seu conjunto, menos ignorantes do mundo não ocidental que os estudantes da minha geração. O ensino da literatura e das artes conheceu uma evolução similar: os estudantes são confronta­dos com um leque de textos claramente mais vasto.

Não podemos, contudo, afrouxar a vigilância A crise económica levou numero­sas universidades a cortar nas Humanida­des e nas Artes. Não são, certamente as únicas disciplinas abrangidas pelos cortes. Mas sendo as Humanidades consideradas supérfluas por muitos, não se vê inconve­nientes em amputá-las ou em suprimir to­talmente certos departamentos. Na Euro­pa, a situação é ainda mais grave. A pressão do crescimento económico levou mui­tos dirigentes políticos a reorientarem todo o sistema universitário – o ensino e a investigação, em simultâneo — numa óptica de crescimento.

(…)

Numa época em que as pessoas começaram a reclamar democracia, a educação foi repensada no mundo inteiro, para produzir o tipo de estudante que corresponde a essa forma de governação exigente: não se pretendia um gentleman culto, impregnado da sabedoria dos tempos, mas um membro activo, critico, ponderado e empático numa comunidade de iguais, ca­paz de trocar ideias, respeitando e compreendendo as pessoas procedentes dos mais diversos azimutes. Hoje continuamos a afirmar que queremos a democracia e também a liberdade de expressão, o respeito pela diferença e a compreensão dos outros. Pronunciamo-nos a favor destes valores, mas não nos detemos a reflectir no que temos de fazer para os transmitir à geração seguinte e assegurar a sua sobrevivência.

Excertos do texto publicado no Courrier Internacional, n.º 175,
Setembro de 2010 (ed. portuguesa), com Trad. de Ana Cardoso Pires
[o texto publicado no Courrier Internacional, é uma versão condensada do primeiro capítulo do livro Not for Profit: Why Democracy Needs Humanities]

 



publicado por Augusta Clara às 14:00
editado por Luis Moreira em 14/02/2011 às 23:42
link do post | comentar | ver comentários (1)

Domingo, 13 de Fevereiro de 2011
Agenda Cultural 14 a 20/2/2011 - Rui de Oliveira

coordenação de Augusta Clara de Matos

 

Rui de Oliveira  Agenda Cultural 14 a 20/2/2011

 

Na Segunda 14/2 -  Continua o ciclo "Jacques Démy" no Institut Franco-Portugais, às 19h, com a exibição de "La Baie des Anges" (1963), comédia dramática de Jacques Démy com música de Michel Legrand,  onde intervêm Jeanne Moreau, Claude Mann e Henri Nassiet (entrada livre).

Para aqueles que às míticas Segundas-feiras procuram as últimas estreias, propomos do realizador japonês de 75 anos Koji Wakamatsu a sessão dupla Exército Vermelho Unido (United Red Army) e O Bom Soldado (Kyatapiru), uma "análise cruel da mentalidade revolucionária e do "heroísmo" de guerra", com boa cotação crítica.

Na Reitoria da Universidade de Lisboa (UL), as conferências comemorativas do I Centenário serão de José Esperança Pina ("Anatomia Artística da Pintura de Miguel Ângelo na Capela Sistina") e Manuel Costa Cabral ("Saídas Profissionais") na Sala de Conferências das 18 às 20h (entrada livre). Ainda na Reitoria pode visitar-se (até 27 de Fevereiro) a mostra de arte "espaço_arte@ulis2011", constituída por obras de 55 artistas desde Alberto Faria a Xana (alfabeticamente).

Na Terça 15/2 - Às 19h, o pianista russo Boris Berezovsky regressa a uma das suas obras favoritas (os estudos de Chopin, na leitura de Godowsky) tocando Scherzo,op.39,Polaca-Fantasia,op.61 e Improviso,op.51 de Fryderyck Chopin e ainda Doze Estudos de execução transcendente de Franz Liszt. O concerto ocorre no Grande Auditório da Fundação Calouste Gulbenkian (FCG).

A 2ª conferência do ciclo "O Fascínio da Economia" por João Ferreira do Amaral decorre no Pequeno Auditório da Culturgest sobre o tema "A Economia Positiva: Microeconomia e Macroeconomia", às 18h 30m.

Neste dia as conferências comemorativas do I Centenário da UL serão de Fernando Rosas ("Hegemonia e Memória. Uma luta dos dias de hoje") e Francisco Bethencourt ("Portugal na História do Mundo"), às 18h (S.de Conferências da Reitoria).

Na Quarta 16/2 - Na Sala Garrett do Teatro Nacional D. Maria II estreia, às 21h 30m, a peça de Arthur Schnitzler A Cacatua Verde, em tradução de Frederico Lourenço e encenação de Luis Miguel Cintra. A acção desta ironia histórica decorre em 1789 em plena Revolução Francesa e tem como actores o próprio L.M.Cintra, além de Rita Blanco, João Grosso, Luis Lima Barreto, entre outros. Prolongar-se-á de Quarta a Domingo até 27/3.

Na Casa Fernando Pessoa, às 18h 30m, o encontro "Poetas do Mediterrâneo", motivado pelo lançamento pela editora Gallimard (em colaboração com os vários Institutos de línguas latinas) dum livro com este nome, porá à conversa, perante público, os poetas Nuno Júdice, Ana Marques Gastão, Jaime Siles, Valerio Magrelli, Jean-Pierre Siméon, Casimirio de Brito, Gastão Cruz e Vasco Graça Moura. Encontros semelhantes com alguns destes participantes ocorrem nesta semana no Instituto Cervantes (15/2), na FNAC Chiado (17/2) e no Institut Franco-Portugais (18/2).

Miguel Galvão Teles ("O caso de Timor Leste - Portugal c.Austrália - no Tribunal Internacional de Justiça") e Martim de Albuquerque ("Considerações à volta da Soberania") serão os conferencistas no centenário da UL, às 18h na Sala de Conferências da Reitoria.

Na Quinta 17/2 - No Grande Auditório da Fundação Gulbenkian, às 21h, a Orquestra Gulbenkian, dirigida pelo maestro Christian Zacharias (que também actuará ao piano), interpreta o Concerto para Piano nº27 de Wolfgang Amadeus Mozart e a Sinfonia nº3 de Anton Bruckner. Repete na Sexta 18, às 19h.

O pianista Artur Pizzarro efectua, no Pequeno Auditório do CCB às 21h, o seu sexto concerto do projecto de interpretação da obra integral de Fr. Chopin para piano. Abrangerá o período de 1836 a 39, constando do programa Duas Polonaises, Quatro Mazurcas (op.30 e 33),um Nocturno, uma Valsa, um Scherzo, a Variação nº6 e 24 Prelúdios.

No mesmo CCB, às 22h na recepção do Centro de Reuniões, Paulo Barros (piano) e Adriana Mink (voz brasileira) actuarão juntos noutro concerto de jazz "Dose Dupla" (entrada livre).

Na Câmara Municipal de Lisboa (sala do Arquivo) às 18h o Duo de Harpa e Percussão da Orquestra Metropolitana Stéphanie Manzo (harpa)/ Fernando Llopis (percussão) tocará Claude Debussy Prelúdios (1.º livro), César Franck Prelúdio coral e variações, Eric Satie Gymnopédies e Claude Debussy Quatro epígrafes antigas.

Na sede da Orquestra Metropolitana, às 18h, Liviu Scripcaru (violino) executará peças contemporâneas de César Viana (Batuk em estreia absoluta), João Pedro Oliveira (Integrais I), Ian Mikirtoumov (Lágrimas -Slyezi em estreia absoluta), Christopher Bochmann (Essay IIIPartita n.º 2 em estreia nacional).

Às 18h 30m, na Sociedade Portuguesa de Autores, solistas da Metropolitana (Carlos Damas violino, José Teixeira violino, Valentin Petrov viola, Jian Hong violoncelo e Anna Tomasik piano) interpretarão a História do Tango de Astor Piazzolla e Quinteto com Piano em Mi bemol maior de Robert Schumann.

Abre na Fundação Gulbenkian (Aud.2) (e encerra a 19/2) o colóquio internacional "Image in Science and Art" que visa reflectir sobre se "...depois da voz e da escrita, é a imagem que adquire uma inaudita relevância. Ela determina a nossa vida de forma cada vez mais decisiva, tanto a nossa maneira de ver o mundo como a forma de nele inscrevermos a nossa existência individual e colectiva" (entrada livre).

Em ligação com este evento e recém-inaugurada no Pavilhão do Conhecimento-Ciência Viva, a exposição CorpoIMAGEM (representações do corpo na ciência e na arte) resulta duma colaboração com o Centro da Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa e merece uma visita (até fim de Março 2011).

Nela podem ver-se representações científicas e artísticas do corpo desde o século XIX até à actualidade (quer corpos nus desenhados na simplicidade e naturalidade da sua superfície por Columbano ou Soares dos Reis, corpos complexos e fragmentados de Amadeo de Souza-Cardoso a Sérgio Pombo e Helena Almeida, ou do lado da ciência, esqueletos do homem e da mulher tal como eram representados nos tratados anatómicos do século XIX, ou proteínas que hoje a ciência assegura constituírem esse outro “esqueleto” das células humanas).

No Grande Auditório da Culturgest, às 21h 30m, o conjunto Pop Dell'Arte (onde se mantem o vocalista João Peste e o guitarrista Zé Pedro Moura) festeja 26 anos de carreira à volta do seu último CD Contra Mundum (2010).

No OndaJazz, às 22h 30m, Bárbara Lagido passeará a voz pelo universo de Tom Waits, acompanhada por Alexandre Diniz (piano e acordeão), António Pinto (guitarra) e Yuri Daniel (contrabaixo).

Neste dia as conferências comemorativas do I Centenário da UL serão de António Marques ("A Reflexão Filosófica: Limites e Dinâmica") e Luciano Pinto Ravara ("O valor do conhecimento"), às 18h (S.de Conferências da Reitoria).

Na Universidade Católica (às 18h na sala 511), promovida pelo seu Instituto de Estudos Políticos, pronuncia a palestra "The Neo-liberal State and the Rule of Law" o Lord Plant of Highfield, no âmbito das palestras anuais Alexis de Tocqueville 2010/2011 (entrada livre).

Os nostálgicos dos Velvet Underground não devem perder em Coimbra, no Teatro Académico de Gil Vicente às 21h 30m (o site refere 20h), John Cale & Band, que visitará também Leiria (24), Torres Vedras (25) e Torres Novas (26), além de cidades nortenhas.

Na Sexta 18/2 - No Grande Auditório do CCB, às 21h, os encenadores Alain Platel e Frank van Laecke criam, com a actriz Vanessa van Durme e os Ballets C de la B, "uma performance teatral sobre a esperança e as ilusões acarinhadas ou perdidas" que denominaram Gardenia. Repete no Sábado 19.

No São Luiz Teatro Municipal inicia-se o "Ciclo de Teatro do Porto ? De António Pedro à Fábrica da Rua da Alegria", comissariado por João Pedro Vaz, com Era Preciso Fazer as Coisas, filme de Margarida Cardoso sobre a encenação por Nuno Carinhas do Tio Vânia de Tchekov. Será feita a evocação de Isabel Alves Costa, intérprete dessa peça.

No Palácio da Independência, às 18h30m, o Quarteto com Fagote da Metropolitana (Franz Dörsam fagote, Adrian Florescu violino, Elena Komissarova violino, Gerardo Gramajo viola e Ana Cláudia Serrão violoncelo) tocarão Antonín Reicha  Quinteto em Si bemol maior e duas peças de Johann Evangelist Brandl Quinteto em Si bemol maior, Op. 52/1 e Quinteto em Fá maior, Op. 52/2. O Concerto, comentado por Rui Campos Leitão, é repetido no Sábado, 19 de Fevereiro, às 17h00 no Museu do Oriente.

Na Casa Fernando Pessoa, às 18h 30m, haverá um recital por solistas da Orquestra Metropolitana de Lisboa onde Ercole de Conca, em contrabaixo, e Alexandra Simpson, ao piano, interpretam  a Sonata Arpeggione em Lá menor, D. 821 de Franz Schubert e a Sonata n.º 2 em Sol menor, Op. 5 de Ludwig van Beethoven.

Na Casa Museu Dr. Anastácio Gonçalves, às 19h, o Duo de Violinos da Metropolitana (Eldar Nagiev e Anzhela Akopyan) tocará Georg Philipp Telemann Sonata n.º 4 em Mi menor, Béla Bartók Cadernos 3 e 4 (dos 44 Duos para Violinos) e Henryk Wieniawski Quatro estudos e Caprichos, Op. 18.

Ainda às 19h, nos Armazens El Corte Inglés, em concerto comentado por Alexandre Delgado, o Duo de Flauta e Cravo da Metropolitana (Nuno Inácio, flauta e Marcos Magalhães, cravo) executará G.P. Telemann Sonata para Flauta e Continuo em Mi menor, J.F. Kleinknecht Sonata de Câmara em Si menor, Carl Philipp Emanuel Bach Sonata para Flauta em Sol maior e J.G. Müthel Sonata para Flauta em Ré maior.

Também às 19h, no Liceu de Camões, o Trio Russo da Metropolitana (Alexêi Tolpygo violino, Peter Flanagan violoncelo e Savka Konjikusic piano) tocará Chostakovich Trio com Piano n.º 1 em Dó menor e Rachmaninov Trio elegíaco em Ré menor. O concerto é repetido no Sábado, 19 de Fevereiro, às 21h30, no Cinema-Teatro Joaquim d'Almeida do Montijo.

O novo disco do Júlio Resende Trio You taste like a Song será apresentado num concerto com o mesmo nome no Grande Auditório do CCB (21h 30m), onde os intérpretes serão Júlio Resende ao piano, Matt Penman no contrabaixo e Joel Silva na bateria.

No OndaJazz, a premiada harpista brasileira Cristina Braga toca e canta às 22h 30m desde bossa nova a temas clássicos, acompanhada por Ricardo Medeiros (baixo e contrabaixo) e Sílvio Franco (bateria). Esta intérprete repete o show "Feito um Peixe" nas FNAC do Chiado (às 18h) e do Colombo (às 21h 30m) (entrada livre).

No ciclo de palestras "Ciência em Português" da Universidade de Lisboa, o tema "Quantos anéis de ouro são produzidos numa Supernova?" terá como orador Daniel Galaviz Redondo do Centro de Física Nuclear da FCUL, apresentado pelo astrónomo Rui Agostinho. Esta conferência sobre "aquelas estrelas...grandes fábricas de elementos do nosso Universo" ocorre na Sala de Conferências da Reitoria, às 18h (entrada livre).

No Sábado 19/2 - Às 18h, ao Grande Auditório da FCG regressam as transmissões da Metropolitan Opera, esta em diferido. Será vista e ouvida a ópera Nixon in China de John Adams, dirigida pelo próprio J.Adams e produzida por Peter Sellars, tendo como intérpretes as sopranos Kathleen Kim e Janis Kelly e o tenor Robert Brubaker, entre outros.

No Grande Auditório da Culturgest, às 18h, far-se-á ouvir o Duo de Pianos de Luísa Tender e Jill Lawson que interpretará O Quebra Nozes de Tchaikovsky, La Valse de Ravel, Quadros de Agosto de Fernando Lapa e a Suite nº2 de Rachmaninov.

No São Luiz TM, às 21h, Gonçalo Amorim reencena A Morte de um Caixeiro Viajante de Arthur Miller que António Pedro havia encenado com o Teatro Experimental do Porto em 1954 e 58. Repete no Domingo 20/2.

Às 16h00, no Museu da Música, o Quinteto de Sopros da Metropolitana (Janete Santos flauta, Bryony Middleton oboé, Jorge Camacho clarinete, Catherine Stockwell fagote e Jérôme Arnouf trompa) interpretará Três Peças Breves para Quinteto de Sopros de Jacques Ibert, Seis Bagatelas de György Ligeti, Summer Music, Op. 31 de Samuel Barber e Quinteto de Sopros, Op. 43 de Carl August Nielsen.

O concerto de estreia da Big Band Junior, a orquestra-escola de jazz fruto da parceria CCB/Hot Clube de Portugal, tem lugar às 21h no Pequeno Auditório do CCB. Com direcção musical de Claus Nymark e artística de Alexandra Ávila e João Godinho, estes jóvens músicos tocarão Duke Ellington, Count Basie e outros arranjos mais modernos para big band.

No OndaJazz, às 22h 30m, o saxofonista Cesar Cardoso apresenta com quatro outros músicos o seu disco Half Step (2010).

No Domingo 20/2 - No Salão Nobre do Teatro Nacional de São Carlos prosseguirá (às 18h) a série "Do Barroco ao Clássico" com a 2ª sessão onde a Orquestra Sinfónica Portuguesa (com direcção musical de Julia Jones) tocará de George Frideric Haendel Música Aquática, Suite nº2, em Ré Maior, de Bela Bartok  Divertimento para cordas, Sz.113 e de  Wolfgang A. Mozart  Sinfonia nº35, em Ré Maior, K.385, Haffner.

Para os apreciadores de outras artes, aconselharíamos o encerrar da semana com a visita (já muito referida no blogue) à magnífica exposição "PRIMITIVOS PORTUGUESES 1450-1550 O Século de Nuno Gonçalves" (e de preferência em visita guiada), patente no Museu Nacional de Arte Antiga e que encerra brevemente a 27 de Fevereiro.

NOTA: Chama-se a atenção para quem for na véspera, Sábado às 18h, haverá o atractivo suplementar da exibição, seguida de mesa redonda com a presença do realizador, do filme Painéis de São Vicente de Fora, Visão Poética de Manoel de Oliveira.

Então, como é usual, boas escolhas, caros leitores !



publicado por Augusta Clara às 14:00
editado por Luis Moreira às 13:27
link do post | comentar | ver comentários (1)

Terça-feira, 1 de Fevereiro de 2011
Mis Camelias – 15 – por Raúl Iturra

(Continuação)

MEMÓRIAS DE PADRES INTERESADOS - ENSAIO DE ETNOPSICOLOGIA DE LA INFANCIA

 

No me fue, extraño, en consecuencia, que Elida, sin ser llamada, apareciera en nuestra casa para "desembrujar" a Eugenia y curarla. Lo que ella hacía era tan convincente, entraba en trance y pedía para que el dolor y la enfermedad pasaran para ella y que la niña, como la vaca enferma, sanaran. Dirán que comparar una hija con un animal es una tontería, yo diría que no, la naturaleza es todo y una misma cosa, seres humanos y animales se confunden, unos dependen de los otros. El problema era que Eugenia no era "útil", porque su padre no tenía vacas para cuidar, donde Eugenia, si mejoraba, fuera necesaria. La forma de cuidar a la infancia estaba enredada con la forma de tomar cuenta de los animales. Estaba todo unido, era una forma recíproca de comportamiento: los "bichitos" daban el dinero para alimentar a la familia, la familia, por su parte, cuidaba de los animales de los que dependían para comer y vestirse. ¿Que todo era una ilusión? En cierto modo, o de cierta manera. Porque ellos pagaban impuestos por las tierras y los animales productivos, pero quien administraba todo era la empresa suiza que les compraba, o no, dependía de la oferta y la demanda, esa famosa ley definida por el referido Adam Smith, que apenas la constató y retiró de la actividad comercial de la realidad británica y de otros países con influencia en el comercio de ultramar.

 

¿Es ésta la meningitis de Eugenia? Era parte. Las vacas, como en la India, eran sagradas, los niños un poco menos. Las vacas criaban bacterias y virus que los niños, y a veces, los adultos, contraían como enfermedad. Pero, como eran animales mimados y el pan de la casa, las vacas eran más importantes que  Los seres humanos dependían de ellas. Nunca olvido el día en que con mi viejo amigo Eladio Fernández Ferradás, a quién yo había ayudado a tramitar su jubilación y me quiso pagar muchas pesetas por el trabajo hecho a máquina por mí y que no acepté, ese mi amigo y yo, estábamos a conversar. Pero, como con cualquier vecino mío, la conversación iba siempre para las vacas. Ese día de 1975, estábamos a pastorear un  vaca, amarrada por una cuerda al pescuezo para que no comiera donde  no debía. Lo que no debía, era comer en la hierba de la finca, o belga en portugués, por pertenecer a otros vecinos, derecho muy respetada entre los gallegos que tanto habían sufrido para ser propietarios desde el Siglo XIX en adelante. Pero, como estábamos a conversar, nos distraíamos y la vaca iba a comer en la finca de otro, lo que no era permitido, era un robo castigado con falta de reciprocidad en los trabajos. La devoción no es solo porque el animal da dinero, lo que a Eladio no le faltaba, es también porque la vaca, como después entendí, es el símbolo de la paz entre los gallegos.[85]. La devoción a las vacas es tan grande, que me impedía obtener todo lo que yo quería saber para saber de la historia de la aldea, de la memoria viva más vieja de la Parroquia, que entre él y su mujer Margarita Dobarro, componían. Eran mis mejores informantes, especialmente a las horas de almuerzo, esos almuerzos de los Domingos, donde los cuatro Iturra íbamos a la casa más pequeña de la aldea, en el lugar da La Carretera, donde vivíamos. Casa pequeña para albergar a tanta gente: Eladio, Margarita, su hijo Luis y la mujer de él, María de la Fé  y los, en ese tiempo, cuatro hijos de ellos. Esa Margarita Dobarro Silva, que venía de la aldea vecina de La Varela, donde su hermano mayor, Serafín, había heredado la mayor parte de la tierra con todos los "bichitos", un Serafín que era uno de los mejores productores de leche del sitio. Ese tipo de herencia que Margarita, aún lúcida, aborrecía y hablaba mal del sistema, al decir que eran todos iguales, todos hermanos, todos hijos del mismo padre y madre, en fin, todos iguales, deberían heredar también de forma igual, pero por le ley de costumbre cultural del patruciado, ya explicada antes, toda la tierra y todos los bichitos, habiendo heredado ella apenas un cuarto de hectárea de tierra, lo que ella no perdonaba de tal manera, que amable y dulce como era, no se hablaba con su hermano. Conversación que estaba siempre, hasta en nuestros almuerzos de los Domingos, casi todas las semanas.

 

Todo el mundo sabía que Margarita, en su casi setenta años, era una especial hospede, mientras más gente dentro de su casa pequeña, más feliz ella quedaba. Conseguía llevarla al tema de las familias de la Parroquia, pero, apenas tocábamos el tema de quién había adquirido tierra y cuánto y cómo, ella sabía muy bien quien era patrucio  y quién había emigrado para comprar. Y, Serafín, su hermano, salía otra vez al baile de las familias, como si fuera su obsesión... No podía olvidar ni perdonar a su familia.  Todo lo que yo quería obtener era información sobre historias de vida, sobre las familias, y no podía: o era siempre interrumpido por las quejas de Margarita, o por la preocupación de Eladio de pastorear su única vaca. Es necesario decir que las mujeres, excepto nuestra vecina, Maria de las Nieves Arca Taboada, por ser la mayor propietaria de tierras en la Parroquia, tienen un papel muy secundario entre la población. La Ley del Patruciado, ya definida por mí en este texto, como en otros libros, definía quién sería cabeza de familia, especialmente por corresponder a él o ella, heredar la mayor parte de los bienes. Era su deber administrar la llamada compañía familiar gallega, para que a nadie le faltara nada, para que ninguno de ellos quedara pobre o mal parado. Compañía familiar, es una empresa, ya definida por mí en este texto y en otros citados[86]. Eladio no sólo cuidaba de que no comiera dela la hierba del vecino, bien como decía que no tenía necesidad de vacas, pero el problema era lo qué podía hacer sin una vaca en casa, porque estos "bichitos", como Eduardo Fernández y otros decían, todo les daban el apodo de "bichito", un nombre cariñoso, esos bichitos, decía Eladio, solo traen paz a la casa.

 

 



publicado por Carlos Loures às 15:00
editado por Luis Moreira às 14:37
link do post | comentar

Quinta-feira, 27 de Janeiro de 2011
Dia das Beiras - Covilhã cidade industrial

 

Luis Moreira

 

A cidade da Covilhã sempre teve uma vocação para a cultura, principalmente pela necessidade de sustentar o crescente aumento da tecnologia necessário ao constante progresso de suas indústrias nomeadamente a Indústria de Laníficios que para manter a sua competitividade requeria tecnologia de ponta.

Por ação do filantropo José Maria da Silva Campos Melo (1840-90) que cede uma casa situada na Rua dos Tanoeiros (atual Fernão Penteado) para a instalação provisória da Escola, compra a expensas suas o mobiliário e custeia a preparação, em Lisboa, de um seu funcionário, José da Fonseca Teixeira, que virá a ser o 1º Diretor da Escola, puderam as aulas começar a funcionar em 16 de Dezembro desse ano com a disciplina de Desenho Industrial. O plano de estudos (curso bienal) compunha-se de várias disciplinas entre as quais se destacavam as de Química Industrial com destaque para o alemão Wustner, que leccionava a disciplina de Desenho Industrial Mecânico, e o Suiço Martin Kuratlé, que dirigia o Curso de Tecelagem.

 

Universidade da Beira Interior – UBI
Os primeiros passos a caminho do que hoje é a Universidade da Beira Interior foram dados na década de 70, quando nasceu o Instituto Politécnico da Covilhã, em 1973. A cidade, outrora considerada 'Manchester portuguesa', pela longa tradição da sua indústria de lanifícios e pela dinâmica e qualidade da sua produção têxtil, havia sido atingida, nessa década, por uma crise ao nível da indústria: grandes e pequenas fábricas começam a revelar debilidades graves que levariam ao seu encerramento, com consequências sociais e económicas desastrosas para a região.

 

Antigas fábricas reconvertidas em instalações de ensino
Uma das características físicas mais interessantes da UBI resulta da recuperação de antigos edifícios, de elevado valor histórico, cultural e arquitectónico. Ao mesmo tempo que se preservam marcos históricos da cidade, estes são revitalizados em espaços agora vocacionados para o ensino e a investigação. Já a edificação do Instituto Politécnico havia começado através da recuperação das anteriores instalações do quartel do Batalhão de Caçadores 2, instalado na pombalina Real Fábrica dos Panos, de importante valor arquitectónico, localizada num dos núcleos tradicionais de concentração fabril na Covilhã, junto à Ribeira da Degoldra.

 

Durante as obras de reconversão, em 1975, foram descobertas, soterradas, estruturas arqueológicas que pertenciam às tinturarias da Real Fábrica dos Panos, uma importante manufactura de lanifícios, mandada construir, no século XVIII, pelo Marquês de Pombal. Após duas campanhas de intervenção arqueológica e uma ampla investigação, seria criada a estrutura que daria lugar ao primeiro núcleo do Museu de Lanifícios da Universidade da Beira Interior, aberto ao público em 1996. Assim, as antigas edificações fabris localizadas na entrada Sul da Covilhã tornar-se-iam, quase naturalmente, não só uma solução lógica e de continuidade no que respeita à expansão física da Instituição, mas uma opção que viria a resultar num enorme benefício para a cidade, em termos urbanísticos e de impacto ambiental, através da recuperação de edifícios abandonados ou em ruínas que constituíam parte significativa do património industrial covilhanense, fazendo da Instituição um caso único na Universidade portuguesa.

 

Entre as propriedades mais emblemáticas, são de salientar o Convento de Santo António, no Pólo II, destinado à Reitoria, o palacete da Família Melo e Castro, os edifícios da Fábrica do Rato, da Fábrica dos Tapetes, da Fábrica do Moço, da Fábrica Paulo Oliveira, da Empresa Transformadora de Lãs, e da Capela de S. Martinho, monumento românico dos finais do século XII, classificado como Imóvel de Interesse Público e que apoia o serviço religioso da UBI. Foi ainda adquirida a antiga residência da Família Mendes Veiga, que hoje acolhe a Biblioteca Central da Universidade, após concretização do projecto de reconversão.

 

 



publicado por siuljeronimo às 09:00
editado por Luis Moreira em 25/01/2011 às 02:02
link do post | comentar | ver comentários (2)

Quarta-feira, 19 de Janeiro de 2011
VIVER NÃO CUSTA. O QUE CUSTA É SABER ENSINAR A VIVER – por Raúl Iturra

Ontem escrevi sobre o dever da heresia, por causa de vários políticos andarem a correr para o cargo de Presidente da República. Não há texto em que eu não tenha escrito sobre o debate da hecatombe que deveria percorrer todo o país. Fala-se de tudo, vive-se como se entende, gastam-se as poupanças em divertimentos, o crédito é o rei do dia-a-dia, os debates são sempre entre candidatos e pela televisão que vemos e ouvimos calmamente desde a cama. Não há comícios nem desfiles para apoiar o candidato preferido. Ninguém fala das suas preferências: resultaria num sortilégio, como cumprimentar alguém antes do seu aniversário, dá má sorte…O que pretendemos do próximo Presidente, é apenas debatido na Assembleia da República ou nas reuniões de pessoas do mesmo partido. Do que se fala, é de louvar os candidatos. É raro que, esse pretendente à mais alta magistratura da Nação, sai à rua para esclarecer pontos obscuros do seu programa. Portugal é infantil: não debate, aguarda e espera sem saber qual o programa do candidato da sua preferência, normalmente um programa retirado da ideologia do fechado partido político que apenas admite debates entre os seus membros. Não tenho visto nem ouvido palestras ideológicas públicas: ou não há tempo, ou não há interesse. A maioria dos candidatos tem partidos que os apoiam à porta fechada, apenas entre eles.

 

Convicções que ninguém pode mudar. Não sabemos, não entendemos, os discursos de 1985 são os mesmos do dia de hoje. A crise económica que sofremos, iniciada por um dos candidatos que não soube gerir os bens nacionais nem tomar conta do entesourar das arcas do estado, continua a usar as mesmas palavras de 1985, do tempo em que era 1º ministro.

Não sabemos quem diz a verdade, quem se interessa pelo povo, quem pode representar à sua soberania. Todas as palavras, programas, ideologias, não têm mudado, excepto a que nos mata: retirar ao povo o montante das dívidas que os nossos governantes não souberam pagar. Os governantes, procuram na nossa pobreza, a luz da sua escuridão de líderes que não convencem porque não souberam governar.

 

Será que voltaremos a viver os tempos antes do 25 de Abril de 1974? Perante esta incógnita, penso apenas em mim e tento fugir das manifestações dos que nada dizem e tudo prometem. Pelo que, dentro deste texto, faço uma viragem de tema, que também corresponde ao título do ensaio. E que os candidatos deviam ler.

Esta é a minha ironia para os governantes que apenas se orientam pelas suas ideias, regalias, sem fazerem um pacto de união que salve o país da crise financeira.

 

Esta é a minha irónica mensagem para os que dizem resolver os problemas da nação, mas não conseguem, especialmente endereçada ao candidato que preside actualmente à República e pensa numa divindade, em estreito contacto com a que diz existir:

 

Sem saber como, nascemos. Nascemos sem saber muito bem porquê. Somos resultado da paixão dos nossos adultos.

 

Essa paixão que não permite pensar, apenas agir. Essa paixão que tem, quase sempre como consequência, dar vida. O caminho ao Gólgota, como o nosso com os candidatos, começa mal nasce a pessoa[1].

 

Dizer que viver não custa e, depois, referir o caminho do calvário, parece uma contradição. No entanto, não o é. Dizer que viver não custa é já definir esse caminho semeado de espinhos dos preços, dos horários de trabalho prolongados, das esperas imensas de transportes lotados. De lutar contra a doença, porque o dinheiro descontado, no parco salário, faz falta. Desconto feito pelos mais poderosos que apenas querem continuar a acumular riquezas com a força do trabalho dos outros. Estes espinhos são inevitáveis. A vida ensina como somos matéria e que essa matéria se cansa, se aborrece ou nem sabe como se entreter. Não é em vão que Alice Miller comenta o que está na citação de nota de rodapé[2]. Criança isolada para ser bem dotada.

É por meio destas ideias de Alice Miller, do abuso que as crianças e os adultos sofrem com os políticos, ao serem sempre consideradas pessoas cuja dotação intelectual é inferior ao normal, que entendemos finalmente, que viver não custa, o que custa é ensinar a saber viver. Viver não custa desde que se saiba escapar às doenças, entender de economia e gerir o corpo e a inteligência, com diligência e com informação, como os pretensos candidatos deviam fazer.

 

Os mais novos aprendem estas ideias e outras, pelo real calvário dos seus pais com os líderes da República, esses adultos que são a força de trabalho de uma nação, como já advertia Marcel Mauss em 1924[3].

 

 

 



publicado por Carlos Loures às 09:00
editado por Luis Moreira às 11:50
link do post | comentar

Sábado, 15 de Janeiro de 2011
A Itália é o laboratório do totalitarismo moderno - Prof Stefano Rodotà

Luis Moreira

 

 

 

Crescem a xenofobia e o racismo e a debilidade cultural da Itália se expande pelo continente europeu. Trono e altar se aliaram de novo, agora de maneira distinta. Hoje assistimos a uma fusão entre mercado, fé e política, que tratam de organizar nossas vidas, manipulando o direito. Na Itália, a corrupção não só não é perseguida, como está protegida pela lei. Aboliram a transparência e os controles ordinários para poder roubar melhor. Hoje o que manda é o uso personalista e autoritário das instituições. A sociedade se decompôs, o país está se desfazendo. A política faz uso ostensivo da força, e o direito se esfarela. A análise é de Stefano Rodotà, professor de Direito Civil na Universidade de La Sapienza, Roma.

 

Siga o link para ler a importante entrevista ao Prof Stefano Rodotà.



publicado por Luis Moreira às 13:00
link do post | comentar

Sexta-feira, 14 de Janeiro de 2011
Futebol, cultura e democracia

 


 

 

 

 

 

Carlos Loures

Estas três palavras andam por vezes tão separadas que mais parecem pertencer a três diferentes idiomas. Quando ouvimos as claques insultar os adversários em linguagem rasteira ou quando tomamos conhecimento de actos de corrupção ou de deturpação da verdade desportiva, é difícil associar ao futebol os conceitos de cultura e de democracia. No entanto, ao longo da minha vida profissional, grande parte dela passada no mundo da edição, por diversas vezes me cruzei com o futebol. Vou referir dois desses fortuitos encontros. 


Anos atrás, traduzi um livro de Ernesto Sábato, o grande escritor argentino, um dos indigitados crónicos para o Prémio Nobel da Literatura. Foi o romance «Sobre héroes y tumbas» que na edição portuguesa, com o acordo do autor, ficou «Heróis e Túmulos». Não foi trabalho fácil, pois tendo estudado o castelhano europeu, deparei com um texto cheio de argot porteño que só vim a decifrar com a ajuda de Sábato. - tendo-lhe confiado os problemas, mandou-me um glossário com termos que os dicionários de que dispunha  não registavam. 

Contudo, o que me surpreendeu num intelectual de tamanha dimensão foi o rigor com que as suas personagens discorriam sobre futebol, descrevendo jogadas de confrontos históricos entre o Boca e o River Plate, evocando grandes jogadores... Vim depois a saber que Sábato, hoje quase centenário, pois nasceu em Junho de 1911, é um fervoroso adepto do Boca Juniors, o clube do mítico Diego Maradona. Hei-de voltar a falar de Ernesto Sábato e oxalá que seja a propósito da atribuição do Nobel – poucos escritores houve e há que tanto justifiquem esse galardão. 


Num almoço que, há muitos anos tive com o grande musicólogo João de Freitas Branco e com o maestro Ivo Cruz no restaurante Belcanto, no Largo de São Carlos, Freitas Branco contou-me um episódio muito curioso ocorrido durante a vinda a Lisboa do grande violinista ucraniano David Oistrakh, que na altura era considerado o maior executante do mundo, sobretudo de compositores do repertório russo contemporâneo. 


Logo após a chegada e a recepção protocolar, Oistrakh chamou Freitas Branco de parte e pediu-lhe para lhe arranjar maneira de ir ver o Eusébio jogar. Embora surpreendido pelo inusitado pedido, o maestro contactou o presidente do Benfica e logo foi disponibilizado um camarote para Oistrakh e Freitas Branco. Diz-se que, no final do concerto, o grande violinista não agradeceu pela segunda vez os aplausos do público do São Carlos, para poder chegar rapidamente ao estádio. No final do jogo, em que Eusébio marcou um golo magnífico, David Oistrakh foi ao balneário cumprimentar o jogador.

Sobre o concerto em São Carlos, o grande escritor José Gomes Ferreira escreveu um interessante poema, que vem publicado no 2º volume de Poeta Militante (Não, não deixes secar/este fio de água de violino/que nas manhãs de ouro/completa as nossas sombras com flores -/ enquanto os pássaros de sementes nos olhos/procuram na espiral dos voos/outro cárcere de recomeço.). A leitura deste belo poema de Gomes Ferreira, leva-nos até a Fernando Namora e a Manuel Alegre. O primeiro, no seu poema «Marketing», alude aos 5-3 do Eusébio à Coreia. Manuel Alegre, sobre o «Pantera Negra» diz:

Havia nele a máxima tensão
Como um clássico ordenava a própria força
Sabia a contenção e era explosão
Não era só instinto era ciência
Magia e teoria já só prática
Havia nele a arte e a inteligência
Do puro e sua matemática
Buscava o golo mais que golo – só palavra
Abstracção ponto no espaço teorema
Despido do supérfluo rematava
E então não era golo – era poema.

Futebol, democracia e cultura – palavras de idiomas diferentes e de distintos mundos conceptuais? Não necessariamente. Figuras míticas como Pinga, Pepe, Peyroteo, Eusébio fazem parte da face luminosa do futebol. Bem sei que há a face oculta, aquela a que a resplandecente luz solar da verdade nunca chega – claques, subornos, tráficos diversos… Hoje quis falar da sua face positiva, luminosamente inspiradora.

Aquela em que o futebol nos reconcilia com a beleza da vida, dela fazendo parte. O futebol não tem de estar sempre nos antípodas da cultura e da democracia. 

Nota: Publiquei este texto no "Todos Somos Portugal", um blogue do nosso colaborador Carlos Godinho. É um blogue ligado às coisas do futebol em particular, nomeadamente da actividade das selecções, e do desporto em geral. Por serem estes dias dominados pelo futebol, pareceu-me oportuno publicá.lo aqui .



publicado por João Machado às 16:20
link do post | comentar

Terça-feira, 11 de Janeiro de 2011
E A DOENÇA, FILHO? O NOVO FASCISMO QUE NOS PUNE COM TERRAMOTOS - 2 - por Raúl iturra

(Continuação)

1. Mas, doença de quem?

Antes de mais, queiras desculpar-me que te denomine filho. A nossa língua é doente e carrega o acento em todo o ser que tem erecção, em todo o género masculino. Porque falo para ti, filho ou filha. Esses que eu tenho como descendentes. Eis uma primeira doença, a doença do símbolo, do que representa para nós uma entidade humana. Sempre hierarquizada. Distinta entre pobres e ricos, entre os que mandam e os que devem calar e obedecer. Doença simbólica da falta de debate.

 

Uma segunda doença, pequeno. Essa da falta de cruzar palavras que nos dêem a entender que, no mundo, somos todos iguais, mas nem sempre equivalentes. Não porque tu saibas mais e outro menos, mas porque tu tens poder e o outro não consegue ter. Doença de mando, eu diria. Doença social que apaga o corpo. Doença social que tira das palavras a sua forma de espada de combate. Para lutar com ideias. Para esgrimir conceitos. Para se ajudar com palavras.




publicado por Carlos Loures às 15:00
editado por Luis Moreira às 13:54
link do post | comentar


EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Empréstimo e InvestimentoOlá a buscar um empréstim...
No dia 08/01/1974, faleceu o furriel Zeca Rachide,...
Cheguei aqui pelo link no blogue O Cantinho da Jan...
Apply now for all kinds of loans and get it urgent...
Sou do Bat. Caç. 4613/72 que foi para Angola em fi...
Aí meu Deus eu tenho um pavor a esses bichos! Un d...
ei pessoal do bat cav 1927 e ex combatentes boa pa...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
I recebeu um empréstimo em um notável credores, ho...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

Os americanos são idiotas...

The Dark Age Netherlands ...

A Cultura e a Arte. O car...

Cultura e televisão (a te...

“Yo, María del Totoral” -...

Agenda Cultural - XIII Se...

Um autarca na ópera

Uma crise planetária da e...

Agenda Cultural 14 a 20/2...

Mis Camelias – 15 – por R...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links