Segunda-feira, 20 de Junho de 2011
Fotografia de José Magalhães e poema de António Sales

 

 

FUTURO

 



O futuro na minha infância

estava inocente de derrotas e sofrimentos,

simplesmente porque a minha infância

não podia profetizar o futuro.

Sendo futuro embora,

a infância brinca com alegria isenta de manhas,

tomando-o por aliado, amigo, companheiro, irmão.

 

 

António Sales

 

 

Nota - Por um acidente de última hora, perdeu-se o poema que António Sales escreveu expressamente para esta fotografia do José Magalhães. Estamos há várias horas a tentar contactar este nosso colaborador, mas sem o conseguirmos. Optámos por usar este poema de António Sales que não está relacionado com a fotografia, mas nem por isso deixa de ser uma bom poema. Logo que nos seja possível, publicaremos esta foto e o poema que nela se inspira. Aos dois autores apresentamos os nossos pedidos de desculpa. Às 22:30 teremos um poema de Carlos Loures.



publicado por Carlos Loures às 22:00
link do post | comentar | ver comentários (1)

Sexta-feira, 17 de Junho de 2011
O Manto, por António Sales

 


 

 

 

 

 

O manto tecido por palavras

aconchega o corpo na viagem do tempo,

embrulhando memórias em folhas de papel.

 

Gatafunha letras de formas milagrosas

cânticos de humildade

ou vaidade do ser?

 

Por isso me interrogo no acto de escrever.

Será voo de vertigem de verdades profanas

ou tempestade d’alma

em vésperas de morrer?



publicado por João Machado às 16:00
editado por Augusta Clara às 15:38
link do post | comentar

Terça-feira, 7 de Junho de 2011
Serenidade - António Sales

 

António Sales  Serenidade

 

(Adão Cruz)

 

 

 

 

No coração do tempo

encontro inexplicável quietude

perante uma obra de arte

escutando uma sinfonia

contemplando uma paisagem

que me beija com ternura.

 

Fico estático.

Um sol interior aquece-me a alma,

um sopro de solidão, sem tristeza,

envolve-me de prazer

uma voz serena

conversa em surdina comigo.

 

Deixo-me ficar quieto no tempo

como se o tempo fosse

a medida da eternidade

e não a relatividade da passagem.

 

 

 

Algueirão, 02.06.2011

 

 

Sobre o concerto que apresentamos a seguir, cuja interpretação privilegia, diz António Victorino d'Almeida no seu livro Músicas das Minha Vida "Parece-me porventura ser o mais belo Concerto de Violino de Toda a História da Música e estou mesmo em crer que Beethoven o assinaria de muito bom grado - ou talvez até o trocasse pelo seu, quem sabe?..."

 

 

 

 

 

 



publicado por Augusta Clara às 19:00
link do post | comentar

Segunda-feira, 6 de Junho de 2011
A Cultura e a Arte. O caráter hibernou!, por António Sales

 

 


 

 

 

 

O caráter hibernou! Deram-lhe uma dose cavalar de antidepressivos e puseram-no a dormir. Está reduzido a pó de caca pelo que as elementares noções de dignidade transformaram-se numa massa untuosa, venal e degradada.

 

O mundo está dando várias cambalhotas globalizantes em que se mistura na mesma panela o liberalismo económico, o comércio livre e a não menos livre circulação de capitais. O dinheiro, o poder económico, a submissão política, a ambição, as fortunas provocatórias, desumanizam a sociedade. Nesta arena estimula-se a intolerância, o egoísmo, o cinismo, o culto da ganância do poder que pode nem ser, necessariamente, o do dinheiro.

 

Perante isto interrogo-me: como poderá vir a ser a raça humana no século XXI?

 

A partir da matriz atual nada se anuncia de bom. Politicamente as nações mais avançadas estão a ser lideradas por indivíduos medíocres e a economia global está fazendo deles seus reféns. Se tivermos uma visão desapaixonada verificamos que, na prática, a maioria dos países estão insolventes. Não é apenas a Irlanda, Grécia e Portugal, mas também a Itália, a Espanha, a Bélgica, os Estados Unidos da América, numa dança de possível junção de mais uns quantos. Quer dizer: vivemos num universo global falido.

 

Com tais ventos as pessoas encontram-se mais afastadas da reflexão crítica, do pensamento filosófico (no sentido do conhecimento), dos ensinamentos culturais que fortaleçam a massa crítica tornando-as conscientes da realidade e das malfeitorias e conferindo um elevado grau de exigência coisa que nenhum político ou patrão do dinheiro deseja. O saber só trás atritos!

 

O retrato atual da sociedade não contempla a camaradagem, a verdade, a solidariedade, o sacrifício, a generosidade, a amizade desinteresseira. Mergulha tudo num caldeirão de interesses, acotovelando-se, atropelando-se, traindo quem for preciso para atingir rapidamente os ambiciosos objetivos. É feio! É indigno! Paciência, é preciso ser rico aos 30 anos.

 

Lamento, mas não acredito que isto esteja melhor lá para 2050. Bem sei que depende do ponto em que nos colocarmos. A velocidade é característica comum à rapidez executiva das ações e ao processo abrasivo da vida. Homens e mulheres serão submetidos a um grau de exigência maior e o convívio pessoal perderá terreno perante o convívio de círculos de amigos via Internet (facebooks, twitters, etc.). O prazer de criar e desfrutar realidades virtuais e representações tridimensionais fornecerá um novo tipo de contacto cibernético com os povos, cidades, pessoas e vida sexual. Segundo uma multiplicidade de formas e atos ao gosto de cada um, epicuristas informáticos viverão na dependência de fabulosos aparelhos gestores de progresso e a rendição à inovação técnica será veloz a fim de alimentar incansavelmente o ego

 

Neste tsunami tecnológico e opulentamente vaidoso a primazia do espírito, do caráter e dos sentimentos deixarão de fazer sentido e a natureza humana será agredida de uma forma cada vez mais obscena.

 

O que será enfim perene?

 

A cultura e a arte sobreviverão como restos de um continente perdido porque são a expressão libertadora do mais secreto intimismo. Estas serão manifestações de eternidade visto que têm perdurado através dos séculos como refúgio espiritual de todas as paixões e tragédias humanas. Por tudo quanto de inovador passa nada substituirá a arte porque só ela nos concede a verdadeira noção de grandeza da vida e do seu mistério.



publicado por João Machado às 15:00
link do post | comentar

Segunda-feira, 23 de Maio de 2011
De Corpo e Alma, por António Sales

 

 

 


 

 

O “Sentimento trágico da vida” é um dos importantes título do grande pensador espanhol Miguel de Unamuno que morreu em 1936 mas cujo pensamento atravessou todo o século XX e ainda hoje perdura. Foi um homem de poderosa personalidade e rebeldia a quem a Espanha deve não apenas a grandeza cultural mas um grande amor pelo país que o fazia sofrer.

 

Para Unamuno a razão não significava necessariamente o esclarecimento mas antes a reflexão sobre as múltiplas duvidas que as fronteiras entre o mundo físico e o mundo místico estabelecem, a substância da matéria contraposta à dolorosa dúvida da imortalidade que o ser humano persegue para além de si próprio criando mitos ou procurando formas de expressão que prolonguem o seu nome como se isso fosse a sua existência, conhecedores que somos no nosso tempo diminuto da relatividade de todas as coisas, sobretudo de nós mesmos.

 

Se procurarmos bem raros se perpetuam no sentido do “eterno” conhecimento terreno, se eternos considerarmos dois ou três milénios, mesmo na herança daqueles que através da arte oferecem a sua expressão mística interior, capaz de criar emoções e despertar sentimentos que perduram por séculos para além das sua vidas, mesmo esses prolongaram-se na sua arte ainda em termos materiais que os suportam e lhe concedem a imortalidade terrena.

 

Não obstante, a dúvida da imortalidade não se encontra naquilo que de material se deixa na terra após a morte mas no transcendental que ultrapassa a decomposição do corpo a começar por fixar-se no plano da perenidade da alma. Mesmo que a alma, na sua perspectiva abstrata, se prolongue para além do indivíduo ela perde os contornos materiais que a tornavam “visível” conferindo-lhe um sentido super universal porque se o corpo não existe sem alma esta, do meu ponto de vista, não existe sem aquele (não necessariamente o mesmo).

 

A humana capacidade de amar, sofrer, sentir, interpretar, viver para o prazer ou para o espírito resulta dessa unidade aparentemente antagónica entre a razão da matéria e a idealização do espírito. Não há apenas uma parte mesmo quando o contrário parece evidente pois perdida uma perdida está a outra. Em termos humanos a matéria sem alma não se concebe e a alma sem matéria é uma noção abstracta, um dogma que contraria a razão.

 

Talvez por isso a teoria da reincarnação venha ganhando força e adeptos porque somos incapazes de aceitar que a vida humana seja exclusivamente material e, com a morte, definitivamente finita. Mesmo acreditando que após a morte a alma se liberta do corpo e sobe ao espaço de uma forma indefinida porque não vê, não ouve, não sente, subsiste a dúvida de que sendo na terra corpo e alma uma unidade, a morte de um não determinaráo eterno desaparecimento do outro.

 

Chegados aqui a razão conduz ao desenlace trágico que reduz o ser humano à relatividade física da sua existência e á angustiante interrogação daquilo que estará para além da sua existência se algo estará, efectivamente. No fundo, o que a razão resiste em aceitar é o nosso desaparecimento definitivo porque se for assim somos nada e a passagem é curta. E se o for o significado moral e humanista da existência sai desvalorizado e adulterado nas nossas noções eternas de esperança e de futuro. Essa será a angústia destrutiva que a fé, qualquer fé, procura equilibrar.

 

Unamuno disse “já não empreendo nada que possa durar”, talvez porque durar é sempre relativo pois nada pode durar eternamente. Para conseguir ultrapassar o desespero do nada tivemos de criar formas abstractas que nos transportam a um todo universal, a uma mundividência para além do concreto e representada pelo dogma da fé que suporta a nossa vontade de infinitude.

 

Este tema é também ele infinito para o bem de todos. Algumas vezes, antes de adormecer conjeturo sobre ele sem que chegue, obviamente, a qualquer conclusão. Apesar das minhas dúvidas, sempre que o abordo aproximo-me um pouco mais das interrogações da matéria que, esta sim, desaparecerá comigo para sempre.



publicado por João Machado às 21:00
editado por Luis Moreira às 20:56
link do post | comentar | ver comentários (1)

Domingo, 22 de Maio de 2011
Reflexão sobre a serena paisagem da ganância, por António Sales

 

 

 




Todos os dias deparamos com situações que conferem às relações sociais um carácter materializado por interesses desprovidos do mínimo de pudor e de carácter. Desde a criminalidade quotidiana em que bandidos vão para casa apesar de vítimas irem para o hospital, aos crimes de colarinho branco em que políticos, empresários, gente bem sucedida, chafurdam em negócios nas off-shores metendo milhões de euros ao bolso com ar tranquilo; os voluntários que ajudam nos mais diversos trabalhos sem pedir nada em troca até que alguém lhes dê um pontapé no cu. A sociedade actual elevou à mais alta potência a mentira, a ingratidão e a hipocrisia, desenvolvendo uma substancial quantidade de anti-corpos cuja missão é anular indivíduos tornando-os seres passivos de umbigo farto.


O sujeito idealista, generoso, pronto a sacrificar prazeres e afirmar a sua personalidade contra hierarquias estabelecidas está reduzido a pó de caca (mesmo dentro dos partidos políticos) se não respeitar normas de elogio e concordância que estabelecem o coro da glória venal. Discordar é blasfémia, recorrer à inteligência do eu (sem maiúscula) é ousadia, mostrar lucidez é vaidade, possuir capacidade de realização acima dos chefes é descaramento. A montanha é mais fácil de subir montado nas costas dos outros do que no esforço de si próprio.


Esta forma pouco recomendável de fazer carreira abençoando os amigos, acolhendo os compadres e pagando os favores leva à “moralização” de um Estado leproso que tudo contamina em nome de uma economia global assente no magnífico milagre do liberalismo das leis do mercado livre. O dinheiro, o poder económico, a do poder político, o cinismo, a majestosa importância da riqueza são factores provocatórios e desumanizantes da sociedade. Tal estado de coisas desperta a intolerância, o egoísmo, o culto individualista no pior sentido do termo.


Orgulho e arrogância colocam as suas máscaras. Escondem-se ambições e hegemonias antigas sob novas aparências. O réptil continua réptil, o imbecil continua imbecil, o oportunista continua oportunista. A mesquinhez humana – mais antiga do que a prostituição – conquista o estatuto da razão que a justifica na malha dos interesses instalados.




publicado por João Machado às 21:00
link do post | comentar | ver comentários (1)

Quinta-feira, 12 de Maio de 2011
A Promoção, por António Sales

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Um conto inédito de António Sales

(já publicado no Estrolabio em Julho do ano passado)

 

Jeremias Palonso da Silva é pobre, quer dizer, está socialmente situado na escala hierárquica dos pobres. É pobre mas não miserável, ou seja não se encontra abaixo da linha insustentável da pobreza. Todavia, esta situação não foi determinada por azares da vida ou despedimento compulsivo o que também seria um azar.

 

Jeremias Palonso da Silva é pobre por opção. Esquisito, não é! Sendo economista era natural que “beneficiasse” das condições normais de qualquer cidadão pronto a ganhar a vida para casar, ter filhos, alimentar a família, pagar a escola, os livros, a casa, os electrodomésticos, a mobília, plasmas, computadores wireless, automóvel, férias, impostos, coisas que obrigam qualquer sujeito a ter 2 ou 3 empregos, fazer horas extraordinárias, comer mal, não acompanhar o crescimento das crianças, criar úlceras duodenais, esquecer-se da mulher e apanhar um par de cornos, pagar ao estado um balúrdio de IRS, ter uma depressão e cair redondo no sofá do psiquiatra antes de lhe dar o AVC da praxe.

 

 Por acaso ou deliberadamente (foi coisa que não consegui tirar a limpo), Jeremias Palonso escapou a esta malha porque é solteiro, não tem filhos o que representa economia superior a um totoloto, como se imagina. Nestas condições só obedece às suas próprias exigências. Faz bem o que sabe, impecável nas suas tarefas e nem ganha mal para as exigências da sua vida. Ao entardecer de um dia molhado e ventoso o chefe chamou-o para lhe anunciar, com um sorriso, que iria ser promovido. Aumento e mordomias de automóvel novo, telemóvel última geração, 500 euros mensais para o cartão de credito e ajudas de custo em deslocações dentro ou fora do país. Fora do país Dr. Bento? Isso mesmo meu caro, um director das relações exteriores não era certamente para ali ficar como um escriturário. Passaria aos quadros superiores da empresa.

 

 

 



publicado por João Machado às 15:00
link do post | comentar | ver comentários (1)

Quinta-feira, 14 de Abril de 2011
O Manto

 

 

 

 

 

 

 

 

António Sales

 

 

O manto tecido por palavras

aconchega o corpo na viagem do tempo,

embrulhando memórias em folhas de papel.

 

Gatafunha letras de formas milagrosas

cânticos de humildade

ou vaidade do ser?

 

Por isso me interrogo no acto de escrever.

Será voo de vertigem de verdades profanas

ou tempestade d’alma

em vésperas de morrer?

 



publicado por João Machado às 10:00
link do post | comentar

Domingo, 27 de Fevereiro de 2011
Mundo Submerso - por António A. Sales

Vejo-me sob um luar de vagas transparências vagueando pelo campo com o seu mistério de sombras, transformando troncos de pinheiros numa espécie de exército petrificado no chão de ervas e outras plantinhas e flores silvestres que adormeceram ao morrer do dia. Novelos esvoaçantes de bruma transportam memórias dos tempos da inocência fixadas no espaço como raízes do destino. Sente-se o sopro da natureza subindo o corpo das árvores vestidas de um verde esmalte raiado de estrias quais linhas infestantes observadas na celulite da pele das mulheres.

Há um silêncio de sossego sentado nas mesas brancas que adornam o respirar da noite no planalto imenso e húmido a libertar o ameno aroma da natureza. Mesas brancas que embelezam o luar; Mesas, muitas mesas, enfeitam o luar, imensas mesas sólidas, firmes, limpas e imaculadas. Mesas redondas, quadradas, retangulares, redondas a representarem a confluência das forças telúricas e o conhecimento instintivo, quadradas a significarem a passagem deste à consciência e à iniciação intelectual, retangulares configurando a tábua mística da revelação.

 

O arco da lua enquadra a infância com o carinho das vozes pequeninas, cantantes, a soletrarem o pensamento solto pelo ritual dos gestos e vai, alegremente, conquistando a luz da consciência. Não é a idade de ouro dos alquimistas mas a da origem transportando consigo o segredo de vidas ancestrais guardado na estrela que atravessa o cosmos para aqui repousar com o seu brilho diamantino a iluminar os caminhos da existência. Na poeira levantada pelas charruas que rasgam sulcos na alma das gentes perdem-se recordações da beleza e do amor que foram o berço da serenidade inicial. Deixa-se para trás o bosque maravilhoso das brincadeiras participadas pelos anjos protetores de modo a navegarmos pelo rio da aventura de cujas águas surgirá a deusa mensageira, senhora do obscuro domínio dos sentidos, para anunciar o fim da divina harmonia e o começo da peregrinação cármica.

Sentado à única mesa onde cintila a chama vermelha de uma vela como se fora luz de sangue ou desejo de pecado a ferir a alma de incertezas, encontro-me só, imóvel, trespassado por indolência intemporal suspensa na rama da inquietação. Guardei-me de branco (camisa, sapatos e fato), cor imaculada e serena, para este encontro dominado pela imponderabilidade de um astronauta a rascunhar hipérboles na cápsula do amor onde colho os frutos que conferem razão ao sonho e regam utopias entre beijos sublimes. Em planura de neve aguardo o corpo amado sem a vileza dos pensamentos que desconcertam a mente com o viscoso arrebatamento do prazer.

Distante e difusa, pequena e etérea, recorta-se no espaço a silhueta feminina transportando consigo a lira de Orpheu cujos acordes têm o privilégio de provocar o encantamento dos astros. Aguardo a proximidade do seu corpo onírico incitando o poema que rompe o percurso iniciático da juventude na descoberta dos segredos do mundo. Há um tempo infinito espero esta mulher imaginada pelos poderes da mente e submersa por ocultas quanto inexplicáveis sensações anunciadas quando me encontrei pela primeira vez com a palavra amor e a procurei desvendar letra após letra até chegar a este lugar isolado dos excrementos do mundo.

 



publicado por Carlos Loures às 22:00
editado por Luis Moreira às 22:23
link do post | comentar

Sábado, 26 de Fevereiro de 2011
Distância, por António Sales

 

 


 

 

 

 

 

É uma infinita linha de silêncio

onde nos encontramos sem falar.

Tão fina que repousa sobre o tempo

o resto da vida a partilhar.

 

Névoa de memórias ressequidas

na longínqua quietude do olhar.

Crepúsculo azul de frustrações escondidas,

agonia dessa infinita linha a expirar.

 



publicado por João Machado às 08:00
link do post | comentar | ver comentários (4)

Quarta-feira, 23 de Fevereiro de 2011
A voz do exílio, por António Sales


 

António Sales

 

 

Rasguei o corpo

nas silvas do destino,

na rota do meu norte alimentei

fantasmas depressivos.

 

Embrulhei-me em tormentos

de dor demencial

sepultados sob doentias mágoas

da hora original

 

Rezei aos deuses

a concessão de fé na alegria

antes de cruzar  os caminhos da morte.

Respondeu-me o silêncio

opaco e indiferente.

 

Protestei agastado:

Eu quero a alegria

tenho direito a ela.

sou gente como os outros

ando faminto dela.

 

Se queres o esplendor da absolvição

fecunda-a no teu espírito

semeia-a no teu ser.

Arranca ervas daninhas da submissão

e abre espaços de cor

no exílio cinzento do teu coração.

 



publicado por João Machado às 08:00
link do post | comentar

Segunda-feira, 21 de Fevereiro de 2011
Mistérios; Pureza, por António Sales

 

 

 

 

 

 

 

 

Mistérios

 

António Sales

 

Do céu cai chuva

nas vidraças

a neve imaculada

o relâmpado de luz  petrificada

o vento que devasta

o sol que ilumina.

Às vezes caiem estrelas

outras são cometas.

O lixo dos satélites

as bombas do deus Marte

de morte arrasadora e fome farta.

 

Só não caem flores

leves, perfumadas.

Nuvens pequeninas

fofas, delicadas.

Podiam cair sons

de notas musicais,

os anjos a tocarem peças celestiais.

 

Nesta pureza mística

das almas condenadas

há no brilho comovido dos seus olhos

um devaneio onírico a soletrar.

 

Pureza

 

Hoje caiem flores do céu.

Flutuam

brancas como a paz

e depositam na terra

a pureza mística

do seu aroma.



publicado por João Machado às 08:00
link do post | comentar

Quinta-feira, 17 de Fevereiro de 2011
Pecadores, de António Sales

 

Pai, perdoai os meus algozes,
disse Jesus
abençoando-os com a paz da oração
ao abrigar
os desgraçados no perdão.

Braços abertos pelos cravos
de uma cruz,
guardou em si o sacrifício do gesto 
fraternal
enquanto despertava a luz do coração.

Os espíritos do mal ficaram confundidos.
A humildade
espelhada nas palavras do amor 
clamava:
Deixai vir a mim os pecadores.

Sócrates, não o filósofo grego
mas o outro, 
o que ajudou a pôr o país no prego,
estendeu
os braços num gesto teatral.

Agigantou-se ao sol o seu sorriso 
imperador
iluminado por fortes projectores,
e arrebatado clamou:
Deixai vir a mim os eleitores.

 



publicado por João Machado às 08:00
link do post | comentar

Terça-feira, 8 de Fevereiro de 2011
Dois poemas de António Sales

 

 

Ofício de viver

 

 

António Sales

 

A peregrinação da vida

é palio de constante penitência,

paixão e ímpio sacrifício

a transitar no tempo sem lugar.

 

Salmo de inconfessadas solidões.

promessa de pecados dolorosos,

rosário de penas húmidas choradas.

 

Céu de pedra carregado

e esperanças sepultadas.

 

 

A Rendição do Tempo


António Sales

 

No poluído rio do pensamento,

espaço sem estrelas

seco e desgrenhado,

mergulham urubus

procurando despojos de ilusões.

 

longos, dormentes, os dias existem

queimados pelo tédio de existirem

no lodo dos sentidos.

 

Silêncio apavorado só de o ser,

vítima desta espera de abandono,

tempo de horas calcinadas

a cada instante do futuro sepultadas.

 



publicado por João Machado às 08:00
link do post | comentar

Sexta-feira, 4 de Fevereiro de 2011
ANTÓNIO BOTTO NO BRASIL – 18– por António Sales

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

(conclusão)

 

 

 

 

No dia 29 de Outubro de 1965 regressaste à pátria. Manhã radiante de sol aquela em que, de um avião da Varig, descarregaram a urna com os teus restos mortais no Aeroporto da Portela. Definitivamente separavas-te do Brasil esse país sobre o qual, nas costas de um documento de caixa da casa Magazine Mesbla, do Rio de Janeiro, deixaste este apontamento a lápis: «Quanto a escrúpulos não foram com êles que progrediram as cidades do sul da Bahia, que se rasgaram as estradas, plantaram-se as fazendas, criou-se o comércio, construiu-se o porto, elevaram-se os edifícios, fundaram-se jornais, exportou-se cacau para o mundo inteiro. Foi com tiros e tocaias, com falsas escrituras e medições inventadas, com mortes e crimes, com jagunços e aventureiros, com prostitutas e jogadores. Com sangue e muita coragem» (BNL – espólio de AB – cota 12/883), palavras que, embora não pareça, significam amor por aquela nação.

 

Seja, enfim, como escreveste! Mas doze anos e dois meses após a tua partida aqui chegam os teus ossos reduzidos ao nada das tábuas de um caixão. Começa, então, o derradeiro acto do teu drama oficialmente encenado pelos representantes (ali presentes) do ministério dos Negócios Estrangeiros, da Educação Nacional, do Instituto de Alta Cultura, alguns familiares e amigos, que acidentalmente tomaram conhecimento, e dois ou três jornalistas. Diz o Diário Popular, da tarde desse dia, que depois das formalidades alfandegárias o féretro seguiria para a Igreja da Encarnação, etapa fúnebre inexistente pois ficou na alfândega entre embrulhos, malas e utensílios à espera de despacho para um cemitério, conforme noticiava o Diário de Notícias do dia 30: «Os despojos de António Botto foram sepultados no Cemitério dos Prazeres [onde repousam] ao lado de Fernando Pessoa, de João Villaret e de outros amigos de toda a vida», para sempre supunha o repórter na sua boa fé. Afinal não tinha havido igreja nem sequer enterro pois à tarde, na primeira página, o Diário Popular tratava de informar os leitores que o funeral continuava «por não se fazer» tendo apenas saído da alfândega do aeroporto «para ficar à guarda de um cemitério lisboeta». Tão depressa se entendessem as diversas entidades seriam organizadas cerimónias fúnebres com «o expressivo nacional que o grande lírico do amor indiscutivelmente merece». Sermão? Missa cantada? Bandeira nacional? Discursos e condecorações? Uma incógnita para um programa que começava mal.

 

Demoraram um ano e treze dias a organizar essas cerimónias. Não rias, por favor, peço-te! De certo modo terás razão, pois significava que regressavas em força e mais uma vez, como aliás era de tua natureza, disposto a provocar o escândalo. Bom, o desrespeito pela tua memória a todos indignava. Sobre a tua pessoa desapareceram as notícias e das ossadas nem rasto. Há quem diga que te atiraram para uma arrecadação do cemitério, outros - por decoro - concedem-te o direito a um gavetão anónimo e alguns dão como referência vaga uma “ausência” em parte incerta. Com o tempo a história tornou-se absurda e começou a dar origem a pressões que colocavam a ridículo as três representações oficiais (Ó Botto, até depois de morto eras incómodo!). Mas não de todo foste esquecido. Amigos teus como o Aníbal Contreiras, Mário Azenha e José Galhardo, presidente da Sociedade de Escritores e Compositores Teatrais, não deram tréguas às autoridades forçando-as a uma decisão definitiva.

 

Na verdade eles não sabiam o que fazer contigo. Não tinham vagas onde prantar os teus ossos. Molestados com a situação chamaram a Câmara para os ajudar e o município decidiu conferir-te, não uma medalha pelos bons serviços poéticos prestados à cidade, mas um gavetão escondido no cemitério do Alto de S. João. Escrevia o Diário Popular sobre esta tua aventura póstuma: «Perseguido na vida - uma vida de malfadado destino - António Botto sofre ainda, depois de morto, esperando - como que esquecido - mais de um ano por uma derradeira morada...»(Diário Popular, Lisboa 11.11.1966).

 

No dia de S. Martinho de 1966 - tu que nunca foste um pândego dos copos - lá recolheste à morada que te deram com a modéstia de quem havia escrito «Da vida não quero nada / De tudo me hei-de esquecer...». Começou a cerimónia no grande portão oriental numa manhã de «um sol ático brilhando sobre as colinas de Lisboa», de acordo com um descritivo jornalístico e como, certamente, terias desejado. A tua urna seguiu acompanhada pelas tais autoridades em ar solene, escritores, intelectuais, gente do teatro, familiares e um reduzido número de admiradores e amigos, alguns dos quais bateram-se incansavelmente por um funeral digno. Depositaram-te no gavetão 1952 da rua 17, escondido por detrás de altos jazigos, com a singeleza da inscrição «À memória do poeta António Thomaz Boto», com um só tê, respeitando o que havias pedido numa carta endereçada do Brasil a George Lucas, a propósito de mais uma edição de Canções: «Não ponham Boto com dois tês, já me pesam» ( Maria da Conceição Azevedo dos Santos Fernandes – Dissertação de mestrado em Literaturas Comparadas Portuguesa e Francesa, séculos XIX e XX – António Botto, Vida e Obra Lisboa 1994). Uma prova de humildade que jamais havias tido.

 

O teu drama encerrava-se, enfim, na singularidade do título de O Século Ilustrado: «Um poeta arquivado numa gaveta» quando, dizia, gostarias de ter ficado no talhão dos artistas no Cemitério dos Prazeres. Esta não era efectivamente a terra prometida mas a de um destino amargo que nem a morte te soube dar com a dignidade merecida. «Quero morrer em beleza», pediste numa das tuas canções, mas não foi possível António, desculpa lá.

 

Fim

 

_____________________

 

Nota dos coordenadores: O texto de "António Botto no Brasil", foi expressamente preparado para o nosso blogue. Estrolabio agradece a António Augusto Sales, felicita-o pela criação de uma obra de excelência e pela sua generosidade de no-la ceder.

 

___________________

 

 

A Julieta do Beco das Cruzes

 

 

Aos arrancos, lá vai ela

Despedir-se do amante

Nesta manhã de Janeiro!

Coitada, morre por ele!

- Foi o seu primeiro amor

E será o derradeiro

 

Todas as tardes, risonha,

Ela falava com ele

Num beco escuro de Alfama.

Era ali que ela morava;

- Até que uma noite foram

Pernoitar na mesma cama.

 

Estou a vê-la cingida

Ao corpo delgado e quente

Desse esbelto carpinteiro!

E vejo-a, dias depois,

Nervosa, afastar-se dele

Chamando-lhe: trapaceiro.

 

Mais tarde ia procurá-lo

À oficina e chorosa

Seguia-o sem que ele a visse;

E naquela perdição

Adoeceu porque um dia

Com outra o viu – mas, sorriu-se;

 

Soube-lhe bem ser «mulher»

Do homem que apenas teve

Um desejo passageiro!

Mas, agora – cruel preço!

Dos olhos fez duas fontes

E do amor um cativeiro

 

Adoeceu gravemente,

Nunca mais saíu à rua,

Sempre a tossir e a sofrer…

E era a mãe que, mendigando,

De porta em porta arranjava

Qualquer coisa pra viver.

 

Hoje, constou-lhe que a Guerra

O chamara para as linhas

Do combate – e combalida,

Vai ao embarque levar-lhe

No silêncio de um olhar

Os restos da sua vida.

 

In “Canções – “Baionetas da Morte” – livro sétimo – ed. Círculo de Leitores, Lx. 1978

 



publicado por João Machado às 23:55
link do post | comentar


EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Empréstimo e InvestimentoOlá a buscar um empréstim...
No dia 08/01/1974, faleceu o furriel Zeca Rachide,...
Cheguei aqui pelo link no blogue O Cantinho da Jan...
Apply now for all kinds of loans and get it urgent...
Sou do Bat. Caç. 4613/72 que foi para Angola em fi...
Aí meu Deus eu tenho um pavor a esses bichos! Un d...
ei pessoal do bat cav 1927 e ex combatentes boa pa...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
I recebeu um empréstimo em um notável credores, ho...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

Fotografia de José Magalh...

O Manto, por António Sale...

Serenidade - António Sale...

A Cultura e a Arte. O car...

De Corpo e Alma, por Antó...

Reflexão sobre a serena p...

A Promoção, por António S...

O Manto

Mundo Submerso - por Antó...

Distância, por António Sa...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links