Segunda-feira, 11 de Julho de 2011
Privatizar a "Águas de Portugal" (AdP) ou privatizar a água ? por Luis Moreira

 

 

 

 

A comunicação social contribui para a desinformação, não só neste domínio mas também em outros, na maioria. Vejam o que diz o Prof João de Quinhones Levy, empresário e professor universitário:

 

"A privatização da Águas de Portugal está uma vez mais em cima da mesa e uma vez mais a discussão sobre a pertinência da sua venda está a derrapar para o campo político e mesmo sentimental, como a sua venda se traduzisse por entregar aquíferos e linhas de água às mãos dos privados, em vez da venda de um serviço....salientando apenas os aspectos positivos da sua atuação (elevada percentagem da população servida) e escamoteando todos os demais...e o incremento dos valores das tarifas- em alta, fruto de práticas megalómanas e despesistas"

 

Claro que a água não se privatiza, depende da chuva, da capacidade de recolha e captação, armazenagem, evaporação, consumo, desperdicio...são tão vastas as variáveis e é tão elevada a sua importância para a vida que o melhor mesmo é pensar que a água é de todos e de ninguém.Por isso todos os que têm responsabilidades nesta área são bem mais comedidos, querem melhorar a sua gestão. Em alta, na captação,tratamento e armazenamento e  em baixa na sua distribuição.

 

O autor explica as diversas formas que podem ser usadas para a privatização da empresa que fornece o serviço numa visão a curto prazo e numa visão a médio e longo prazo. O estado encaixa mais ou menos dinheiro ou, dinamiza as empresas a nível local e regional conforme a decisão.

 

E discute-se esta questão em todo o mundo porquê? Porque já não há dúvida que a água vai ser cada vez mais escassa e que Portugal vai ser no futuro mais ou menos próximo uma das vítimas da falta de água. Há que encontrar as melhores soluções para a gestão da água, diminuir o desperdício ( que anda pelos 60% na fase da distribuição), encontrar um preço justo conforme se trata para consumo humano ou para lavar carros..

 

Tudo tem que ser discutido, analisado, para mudar para melhor. É essa a questão!

 

PS: para além da água a "Águas de Portugal" tem mais duas dezenas de empresas, do lixo às energias.Com 5847 colaboradores, 6.4 milhões de pessoas abrangidas no tratamento e valorização de resíduos, 8 milhões de pessoas abrangidas no abastecimento de água e 8.22 milhões de pessoas abrangidas no saneamento de águas residuais.

 

E participa em 42 empresas duas das quais no estrangeiro (à custa da falência de dezenas de PMEs, a ideia inicial era a criação de um cluster que falhou em toda a linha, tendo a AdP tomado todo o negócio).

 

Tudo isto tem que ser revisto porque este gigantismo não é eficaz e não assegura as melhores práticas de gestão.Trata-se de mais um monopólio estatal, sem concorrência.

 

 



publicado por Luis Moreira às 13:00
link do post | comentar | ver comentários (2)

Sexta-feira, 8 de Abril de 2011
Dia Internacional dos Monumentos e Sítios - 18 de Abril de 2011

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Água: Cultura e Património

 

 

A actividade humana relacionada com a água tem dado origem a um vasto universo patrimonial, incluindo elementos tão diversificados como as paisagens litorais, fluviais e subaquáticas, o património náutico, o património arquitectónico e arqueológico, o património industrial, não esquecendo a sua importância enquanto fonte de inspiração nas mais diferentes áreas de produção cultural (pintura, escultura, literatura, etc.).

 

O tema escolhido para o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios de 2011 constitui uma excelente oportunidade de reflexão sobre este património, cujo valor deve ser reconhecido por todos.

 

O acesso do público à vasta maioria das actividades é gratuito.

 

PROGRAMA

 

 

Informações gerais: 213 614 336 – IGESPAR/DIED

 

Informações para a comunicação social: 916 895 218 – Maria Resende, Gabinete de Comunicação

 



publicado por João Machado às 09:00
editado por Luis Moreira às 14:07
link do post | comentar

Quinta-feira, 27 de Janeiro de 2011
Dia das Beiras - Castelo Novo

Manuela Justino

 

Há lugares que têm alma e neles perdura um sentido de imortalidade conferido pela duração das nossas vidas. É como se na poesia da sua natureza e no deslumbramento da sua arquitectura, nos contassem vivências, segredos e tradições que nos antecedem, acompanham e continuam.

 

Castelo Novo é esse lugar, essa aldeia Histórica, como poucas, que conseguem

reunir, a força da pedra, na sua majestade, no seu esplendor, na sua monumentalidade e aqui e ali, ouvem-se os acordes dos Sopros e Água, Fontes e Chafarizes de  exemplo que não sufocam os seus segredos numa secura como a maior parte dos Chafarizes de Portugal. Aqui os Chafarizes oferecem com dignidade as sua águas magnificas a “quem passa enquanto para” e já dizia o poeta:

 

“O que importa é a paragem, não a passagem ou o privilégio que sempre tem sido seu, de parar enquanto passa, de passar enquanto pára” (David Mourão - Ferreira).

 

 

 

Assim, fontes e chafarizes, e seus espaços, têm aqui uma outra dimensão, contrariando um destino de esquecido silêncio, oferecendo água pura para beber a “quem passa enquanto pára”.

 

Fontes e chafarizes, lugares de eleição que a poesia imortalizou e que o granito fez perdurar, reerguem-se em Castelo Novo, valorizados, com a sua beleza e vitalidade, com renovada certeza da sua imortalidade histórica e com tantas histórias para contar.

 

Do Castelo o nosso olhar perde-se no horizonte e convida a uma paz, a uma serenidade a um bem estar que não se pode descrever, tem que se viver.

 

Castelo Novo mostra todos os seus espaços com orgulho, com majestosa tranquilidade e aqui sente-se orgulho de ser português.



publicado por siuljeronimo às 04:00
editado por Luis Moreira às 03:09
link do post | comentar

Sábado, 15 de Maio de 2010
Coreografia de água
Luís Rocha


Estou sentado no banco de um jardim Municipal, que localmente se designa por “parque da cidade”.

Ainda é cedo e poucas pessoas passeiam pelo jardim. Apenas se ouve o chilrear dos pássaros e sente-se o conforto do silêncio.

Vejo o colorido das flores, as árvores e sinto o cheiro a fresco. O que atrai a minha atenção, até pela calma que transmite, são vários repuxos de água que no máximo do seu esplendor fazem um quadrado, com uma área quase idêntica à de um palco de teatro.

Os repuxos sobem e descem numa coreografia perfeita, em forma alternada ou conjunta, com mais ou menos exuberância que se manifesta na altura que alcançam, numa dança de água desafiante e ao mesmo tempo calma.

De vez em quando surge uma nuvem de água, como um fumo que envolve os bailarinos (repuxos) na fantasia da sua dança.

O fumo vai desvanecendo lentamente, os bailarinos param por momentos e vão surgindo como estátuas vivas à medida que se levanta o nevoeiro.

De seguida e também lentamente os bailarinos retomam a sua dança à espera de nova nuvem envolvente que quase os esconde, como a querer sufocá-los.

Por cima daquela névoa vão aparecendo um, dois e depois três repuxos, como que a gritar pela sua “liberdade”, ou será que os seus saltos mais altos, que vão contagiando os outros bailarinos, são o regozijo do aconchego e abraço daquela nuvem que vem e logo vai!


publicado por siuljeronimo às 13:00
link do post | comentar | ver comentários (1)


EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
I recebeu um empréstimo em um notável credores, ho...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
Recebi um empréstimo de um credores excepcionais, ...
Para a sua atençãoMais preocupação por seus proble...
Carlos Loures a Anália já aqui disse tudo. Ter em ...
Caro Carlos Loures, Obrigada pela sua resposta. Es...
Agradeço o seu depoimento. Só agora respondo porqu...
Tanto quanto soube recentemente, foi o próprio Car...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

Privatizar a "Águas de Po...

Dia Internacional dos Mon...

Dia das Beiras - Castelo ...

Coreografia de água

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links