Terça-feira, 23 de Novembro de 2010
Do Romantismo ao fascismo, e deste ao neo-liberalismo, passando pelo negócio das camisas (I)
Carlos Loures
Giuseppe Garibaldi, óleo sobre tela,
Girolamo Induno, 1870, Museo del Risorgimento







Ainda um dia havemos de falar aqui de Giuseppe Garibaldi, um homem que teve um papel decisivo na unificação da Península italiana, dividida em diversos estados. Foi considerado um dos pais da pátria italiana, juntamente com Giuseppe Mazzini e com o Conde de Cavour. Outra designação que lhe é atribuída é a de "herói dos dois mundos”, pois além da sua intervenção em Itália foi um mítico combatente na América do Sul. Na chamada Guerra Grande do Uruguai, em 1842, foi nomeado capitão da armada uruguaia que se batia contra as forças do governador de Buenos Aires, Juan Manuel de Rosas.
Em 1843, durante a defesa de Montevideu, criou a Legião Italiana que se distinguiam pelas suas berrantes "camisas vermelhas". A Legião teve um papel decisivo impedindo a tomada de Montevideu pelas tropas do presidente uruguaio Manuel Uribe. Garibaldi combatera já no Brasil ao lado dos farroupilhas na Guerra dos Farrapos. Em 1846, Garibaldi obteve rotundas vitórias nas batalhas de Cerro e de San Antonio. Mas, por que usavam os seus voluntários camisas vermelhas?

Segundo me lembro de ouvir contar, a história das camisas vermelhas teve origem no facto fortuito de o líder italiano, querendo uniformizar os seus homens, se cruzar acidentalmente no rio La Plata com um negociante de roupas que levava túnicas vermelhas para satisfazer uma encomenda de um matadouro de Buenos Aires (vermelhas para não se notar as manchas de sangue das reses abatidas), comprou todo o lote e equipou com ele os seus mil soldados voluntários. Desse acontecimento puramente casual, terá nascido a vaga das camisas que os partidos de extrema direita (e não só) usaram no século XX. Os primeiros a inspirar-se nos camisas vermelhas foram os fascistas em Itália – os camisas negras, do partido organizado por Benito Mussolini.


Muitos outros se seguiram pelo mundo fora: na Alemanha nazi, as camisas pretas foram destinadas às SS (Schutzstaffel), a guarda pessoal de Hitler. As SA (Sturmabteilung), usavam camisas castanhas. Os fascistas britânicos da União Britânica de Fascistas, liderada por Oswald Mosley, optaram também pelo negro. Nos Estados Unidos, o führer local, William Dudley Pelley escolheu as Shirts Silver (camisas prateadas) para a sua Legião de Prata da América. O azul foi a cor preferida por numerosas partidos e formações paramilitares de extrema direita – a Falange Española, de José Antonio Primo de Rivera, pelos Blueshirts irlandeses, de Eoin O'Duffy para o seu Army Comrades Association, pelos Blueshirts da organização canadiana Canadian National Socialist Unity Party, pelos franceses do Solidarité Française e pelo Parti Franciste, bem como pelos chineses da Sociedade das Camisas Azuis. No México o movimento fascista local usou camisas douradas. O Movimento Integralista Brasileiro, de Plínio Salgado, usava camisas verdes. Em Portugal, como sabemos, a cor das organizações «patrióticas» foi o verde, usado pela Legião Portuguesa e pela Mocidade Portuguesa. Rolão Preto, no seu movimento «nacional-sindicalista» seguiu Itália e as suas “camisa negras”. Não pus datas, mas este negócio das camisas funcionou em pleno nos anos 20 e 30 do Século XX, a meio dos anos 40 começou a entrar em decínio. Na Península Ibérica ainda durou mais três décadas.
Hoje, as camisas são outras – brancas, azuis claras, particularmente quando se vai á televisão – e ostentam marcas Levi’s, Armani, Pierre Cardin… Mas a história destas camisas e dos crimes com elas relacionados - às camisas estão sempre associados holocaustos ou corrupções - é diferente. Mas com alguns pontos de contacto. Lá chegaremos. Para já, ficamos com o hino dos fascistas italianos, cantado pelo grande Beniamino Gigli – “Giovinezza” (Juventude) – Os fascistas sempre idolatraram a juventude – sintomas de pedofilia? Reparem no estilo empolado, saltitante…



(Continua)


publicado por Carlos Loures às 12:20
link do post | comentar

6 comentários:
De Luis Moreira a 23 de Novembro de 2010 às 12:26
Os fascistas são mesmo "fachos" e isso é um mundo de podridão e vícios...


De Carlo a 1 de Maio de 2011 às 05:49
Vamos comparar as estatísticas ?
o caos está com os democratas e comunistas... pode pesquisar ! sem religião ou quais quer tipo de valor...
animais irracionais !!!


De Luis Moreira a 1 de Maio de 2011 às 11:23
A democracia não se discute, pode ser melhor ou pior, devemos aperfeiçoá-la, mas não há estatisticas que valham a liberdade (estatísticas, aliás, que não existem, pelo menos no sentido em que vai a sua argumentação)


De Carlos Loures a 1 de Maio de 2011 às 11:34
Não, Luís, a democracia pode discutir-se. O senhor Carlo fala provavelmente das estatísticas do Holocausto que os fascistas e os neo-nazis dizem ser inventadas. Os comunistas, os anarquistas, os democratas, aceitam discutir tudo, incluindo a democracia - porém os fascistas e os neo-nazis não têm entrada nessa discussão. Nessa discussão, o lixo deve ser deixado à porta.


De Luis Moreira a 1 de Maio de 2011 às 11:59
Claro que sim.Mas não discuto a democracia com quem a quer extinguir. Melhorar para uma mais genuína liberdade e igualdade tudo bem.


De Augusta Clara a 1 de Maio de 2011 às 17:20
A democracia pode e deve, sempre que necessário, discutir-se, mas nunca perderei o meu tempo a discuti-la com quem usa este tipo de argumentação. Ficou bem claro que é desse lado que reside a irracionalidade.


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Olá Sr. / Sra.Você precisa de empréstimos para o p...
HOLA...¿NECESITA PRESTAR DINERO PARA PAGAR CUENTAS...
Bom-dia Senhoras e Senhores.Sou uma mulher de negó...
Sou uma mulher de negócio Portuguesa e ofereço emp...
Dude, if you were trying to sound portuguese let m...
Olá Andreia! Sei que esta publicação já é antiga. ...
Patricia Deus vai abençoar você e sua empresaMeu n...
Meu nome é Fábio João Pedro e eu sou de Portugal. ...
Meu nome é jose matheus Giliard Alef sou do brasil...
Bom dia a todosMeu nome é Damián Diego Alejandro, ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links