Segunda-feira, 8 de Novembro de 2010
Sempre Galiza! - coordenação de Pedro Godinho: Síntese do reintegracionismo contemporâneo, por Carlos Durão


Galiza Sempre! inicia hoje a publicação no Estrolabio do notável ensaio de Carlos Durão, Síntese do reintegracionismo contemporâneo, sobre as raízes e razões do reintegracionismo galego.
Para possibilitar uma leitura sequencial deste ensaio do professor Carlos Durão, e durante a sua publicação, Sempre Galiza! passará a ter uma presença diária.
A não perder, todos os dias, no Sempre Galiza!, a publicação da Síntese do reintegracionismo contemporâneo, de Carlos Durão.



Síntese do reintegracionismo contemporâneo

por Carlos Durão

(Nota prévia: O presente trabalho foi concebido com o alvo eminentemente prático de orientar as pessoas que se acheguem sem preconceitos à problemática do idioma galego. Não é um ensaio histórico: só “contemporâneo”; e não é um estudo em profundidade: só uma “síntese”; tem, sim, uma parte de história recente, mas sobretudo quer refletir os testemunhos de um grande conjunto de pessoas que, em muitos casos independentemente umas das outras, chegaram a conclusões parecidas e convergentes: por isso elas não figuram no texto em ordem histórica nem alfabética. E, pelas mesmas razões, conclui com um mínimo de bibliografia e endereços de organizações reintegracionistas. Uma versão abreviada foi publicada no 1º Boletim da AGLP, 2008)


Introdução

O alvo do REINTEGRACIONISMO é reintegrar as falas galegas do norte da raia galego-portuguesa (e leste da Comunidade Autónoma da Galiza, nas comarcas limítrofes do chamado galego oriental) no seio da língua inicialmente galaico-portuguesa e hoje internacionalmente conhecida como portuguesa: em fim reconstituir a unidade da língua nada na velha Galécia.

Embora fosse por fins dos anos 70 e princípios dos 80 do século XX quando se começou a espalhar o emprego dos termos REINTEGRACIONISMO e REINTEGRACIONISTA na cultura galega, o conceito é facilmente identificável desde muitos anos antes na obra de autores diversos que à primeira vista não pareceriam estar associados a este movimento.

Assim, brevemente, o  Pe Feijóo (1726) opina: “el idioma Lusitano y el Gallego son uno mismo”; e o Pe Sarmiento (1755.1974: 30): “la lengua portuguesa pura no es otra que la extensión de la gallega”. Pela sua parte, Gregorio Mayáns i Siscár (1737.1981: 58-59) diz: “El Portuguès, en el qual comprehendo el Gallego, considerando aquel como principal porque tiene Livros, i Dominio aparte; i dejando ahora de disputar qual viene de qual”. E Juan Valera (1896): “Lo mismo, aunque los gallegos se enojen, se puede decir del dialecto gallego con relación á la lengua portuguesa, que en mi sentir y tal vez en el sentir de los que no estén muy obcecados, es el gallego literario, atinada y ricamente cultivado durante cuatro siglos.António de la Iglésia, ao incluir um capítulo de Os Lusíadas na antologia El idioma gallego, está a evidenciar igual conceção.

(No mesmo sentido geral expressaram-se B. Vicetto, Marcial Valadares, López Ferreiro, Garcia de Olhóqui, Garcia Pereira, o Marquês de Figueiroa, F. Vaamonde Lores, F. Anhom, J.M. Pintos e a própria Rosalia de Castro. Depois Vitoriano Taibo, R. Cabanilhas, C. Emílio Ferreiro, A. Noriega Varela, Á. Zebreiro, Á. Gil, M. Lugris Freire, F. Bouça-Brei, F.L. Cuevilhas, A. Iglésia Alvarinho, A. Couceiro Freijomil. E dos não galegos: J.J. Nunes, Menéndez Pidal, Lindley-Cintra, Luciana Stegagno Picchio; também E. Alarcos Llorach e Koldo Mitxelena.)

Mª Helena Mira Mateus assinou uma moção, aprovada no CONGRESSO SOBRE A SITUAÇÃO ACTUAL DA LÍNGUA PORTUGUESA NO MUNDO (1985, I: 586), que diz: “o Congresso reafirma a tese de que o galego e o português são normas cientificamente reconhecidas de um mesmo sistema, que engloba as comunidades linguísticas luso-galego-brasileiro-africanas”.

Francisco Tettamancy (1907: 14) escreve: “O seu idioma é o nosso, e tais são as suas afinidades que em nada diverge do galego, pela sua estrutura, pela sua fonética, pela sua fraseologia, pelas suas desinências, etc., só que os portugueses o civilizaram”; Leandro Carré Alvarelhos (1959: 155-156): “o portugués é o noso mesmo idioma lixeiramente modificado pol-o uso constante das xentes cultas e bencriadas. Cáseque como falan hoxe os portugueses, falaban os nosos antergos cando Galicia era reino con personalidade propia”; Eugénio Carré Aldão (1921, 3: 71): “hoje os povos duma mesma raça se buscam e chamam, tratando, pese a quem pese, de se unirem numa só e comum aspiraçom”; e até os escritores galegos em castelhano, como Júlio Camba (“si en gallego se puede decir todo lo que se quiere, ello es tan sólo a condición de decirlo en portugués”), ou Venceslau Fernandes Flores (que confessou que “respiraria melhor” se lhe fosse possível escrever em português).

Igualmente os filólogos não galegos: Leite de Vasconcelos (1929, IV: 361): “sendo o galego e o português uma mesma língua”; José Agostinho (1921: 9): “A língua, todos nós sabemos quanto parece idêntica”; Margot Sponer (1927, 37:): “Cantas veces por empregar eu as verdadeiras formas galegas tomáronme por portuguesa!”; Sampaio Bruno (1906: 101): “português e galego foram diferenciando-se cada um do seu lado, de modo que cada um se topa em face do outro como um dialecto perfeitamente definido, não porque o português seja um dialecto do galego ou o galego um dialecto do português, mas porque português e galego saíram duma base comum, a língua galécio-portuguesa”.

Eduardo Pondal empregava a grafia etimológica, e cantou, em Queixumes dos pinos, o “verbo do grã Camões, fala de Breogã”. Manuel Murguia (1891.1974, 43: 83-89) posicionou-se sobre a necessidade de utilizar a grafia portuguesa: “o nosso idioma [...] que do outro lado desse rio é língua oficial”; e na apresentação da Academia Galega em 1906; escreveu em português para a revista Aurora do Lima, de Viana: conserva-se pelo menos um manuscrito português seu (1996, 47: 352-359); e num fragmento manuscrito, do arquivo da Real Academia Galega:El gallego y el portugués [...] son uno mismo en el origen, gramática [...] y vocabulario. Por que no aceptar la ortografía portuguesa? Si nos fue comun en otros tiempos, por que no ha de serlo de nuevo? (Caixa 113); “La verdadera lengua, gallega o portuguesa, -para el caso es igual- [...] es la corriente en Galicia y gran parte de Portugal, la misma que hablaron Camoens y Sáa de Miranda” (Risco, 1976: 182).

(continua)



publicado por estrolabio às 10:00
link do post | comentar

1 comentário:
De Xoán a 10 de Novembro de 2010 às 00:09
Finalmente!
Aperta forte.


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
OláEu sou Ibrahim Mohammed do Emirado árabe unido,...
Eu sou um disposo privada de um fons de that em ro...
Eu sou um disposo privada de um fons de that em ro...
Potrebuješ pôžičku? Máte nízke kreditné skóre a ne...
Atenção; Você é um homem de negócios ou uma mulher...
Viveu bastantes anos em Portugal, mais precisament...
Empréstimo e InvestimentoOlá a buscar um empréstim...
No dia 08/01/1974, faleceu o furriel Zeca Rachide,...
Cheguei aqui pelo link no blogue O Cantinho da Jan...
Apply now for all kinds of loans and get it urgent...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links