Sábado, 25 de Setembro de 2010
Novas Viagens na Minha Terra
</>

Manuela Degerine

Capítulo CXVIII

Conclusões

Estou a escrever no dia 10 de Setembro de 2010. Regressei há quatro meses e reintegrei-me na vida lisboeta. Quase como antes.

Impõe-se agora questionar:

- O que resta do Caminho de Santiago?

Em primeiro lugar houve um considerável alargamento da minha terra. Até aqui eu conhecia a região de Lisboa, Tomar e os arredores, Sarzedas do Vasco e seu enquadramento, as paisagens do Alentejo, alguns espaços da orla costeira, os museus e cidades do centro e sul do país... Conhecia melhor Portugal do que a maioria dos outros portugueses; mas seguindo sempre pelas estradas. O Caminho de Santiago deu-me outro ponto de vista.

O património de um país não se encontra apenas em museus, monumentos e espaços protegidos pela Unesco; a travessia de Lisboa a Valença revelou-me paisagens de um inestimável património natural. Os percursos entre Arneiro das Milhariças e Fátima tal como entre Barcelos e Valença foram os supremos momentos desta descoberta. (Chorei diante da televisão quando, em Julho e Agosto, vi arder as florestas por onde passei.)

Confirmei o que suspeitava: entre Lisboa e Santarém, fora das auto-estradas e circuitos turísticos, as águas são cloacas, a terra é lixo e os ares serão tudo menos saudáveis. Enquanto caminhava lembrei-me daqueles desenhos que mostram como a Terra pode vir a ser – se não reagirmos. Pois... A região de Lisboa e Vale do Tejo já é assim. Neste ambiente catastrófico sobrevivem alguns animais, algumas plantas e muitos seres humanos. Estes demonstram uma extrema capacidade de adaptação porém, caso haja estatísticas, encontrar-se-á, sem dúvida nenhuma, uma taxa de mortalidade elevada. O desprezo pelos habitantes é evidente até na falta de infra-estruturas tão básicas como os passeios e, quem atravessa esta região, deduz que, para as autoridades, não vivem ali pessoas mas unicamente: mão-de-obra barata e descartável.

Isto não parece ser, apesar de tudo, o que no imediato mais atormenta a população. A poluição mata embora, na aparência, de modo lento; por isso o pior flagelo no presente, que a cada instante condiciona os gestos e o relacionamento – é a insegurança. O medo foi a reacção com a qual mais me confrontei até chegar a Coimbra. A partir dali estes problemas parecem atenuar-se de maneira progressiva; embora variável. Num contexto tão desumano, encontrei todavia pessoas atentas, generosas, curiosas e, à medida que avançava para Norte, notava que se mostravam progressivamente mais afáveis: a sua natural inclinação. O governo actual, como todos os precedentes, descura a segurança: oferece portanto à extrema-direita este problema tão essencial para a vida quotidiana e económica da população.


publicado por Carlos Loures às 10:00
link do post | comentar

1 comentário:
De Luis Moreira a 25 de Setembro de 2010 às 11:48
Uma experiência extraordinária.


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
HOLA...¿NECESITA PRESTAR DINERO PARA PAGAR CUENTAS...
Bom-dia Senhoras e Senhores.Sou uma mulher de negó...
Sou uma mulher de negócio Portuguesa e ofereço emp...
Dude, if you were trying to sound portuguese let m...
Olá Andreia! Sei que esta publicação já é antiga. ...
Patricia Deus vai abençoar você e sua empresaMeu n...
Meu nome é Fábio João Pedro e eu sou de Portugal. ...
Meu nome é jose matheus Giliard Alef sou do brasil...
Bom dia a todosMeu nome é Damián Diego Alejandro, ...
Olá a todosEu sou Tainara izabella paola e sou da ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links