Segunda-feira, 31 de Maio de 2010
Outra Constituição, outra Democracia, uma Terceira República – 14
Carlos Leça da Veiga

A União Europeia é um autêntico logro político e económico para os portugueses, porém, um negócio notável para quem, na falta dos lucros oriundos das velhas colónias africanas, agora, entre nós, recebe o favor dos subsídios europeus e, traição verdadeira, sob os pretextos de obediência neoliberal às regras de mercado, não só tudo faz para impedir a produção nacional como, em simultâneo, incrementa a importação. Enfim, transformaram Portugal numa colónia. Viver-se-á melhor?

Contra toda a lógica, aliás bem evidente, da evolução duma economia mundial balanceada entre o retrocesso da dos ocidentais e a presença fortíssima, em crescendo, da dos emergentes – muito mais que emergentes – os dirigentes da política portuguesa, sem tino nem senso, pela necessidade de conseguirem apresentar algum serviço e, sobretudo, pela ânsia tradicional de copiar os estados europeus, de preferência os continentais e, por igual, satisfazer-lhes os interesses estratégicos, correram a aceitar-lhes uma aliança multilateral, a União Europeia, sabendo – deviam saber – que estavam a fazê-lo com estados que, como a História no-lo conta, sempre pretenderam prejudicar Portugal e que, nos últimos anos, como está à vista, até deixaram de ter interesse económico e político significativo por estarem em perda económica muito sensível e, pelo certo, irreparável. Estar-se-á a viver melhor?

Mais uma vez, na História de Portugal, os seus dirigentes, foram procurar, na aliança com os potentados do ocidente europeu, em retrocesso económico, as fontes do auxilio para, como imaginaram e imaginam – mas mal – conseguirem que a grandeza desses potentados, se o foi, ou se o é, extravasasse para Portugal. Procederam desse modo por causa não só das tradicionais mimética e submissão face a tudo quanto é feito na Europa – uma crença com séculos – mas, também, não pode ignorar-se, por força das manobras políticas dos interesses muito próprios dos possidentes nacionais e da sua aliança estreita com um lote influente de personalidades políticas portuguesas interessado na satisfação duma sua velha mas desastrosa perspectiva maçónica que a leva a imaginar-se, mais outra vez, como fundadora dum sonhado mas serôdio federalismo europeu. Viver-se-á melhor?

Nos anos oitenta do século transacto tornou-se evidente que as correntes político-partidárias com peso eleitoral, na impossibilidade, aliás confirmada, de saberem como ter e como obter o saber político suficiente para enfrentar as perspectivas estratégicas, por evento dolorosas, dum Portugal independente e, também, para conseguirem dar uma resposta populista às consideradas necessidades imediatas da população portuguesa, a troco dum prato de lentilhas, foram buscar protecção fora de portas, entre os potentados continentais europeus, dispensando-se de acautelar o futuro nacional. Em compensação, o futuro dos seus interesses pessoais, esse, passaria – passou – a estar bem encaminhado e melhor resolvido! Viver-se-á melhor?

De novo, na História nacional e numa repetição lastimável, as classes sociais dominantes a troco da protecção dos seus interesses próprios – anunciados como sendo os nacionais – aceitaram vender às potências europeias, sem quaisquer escrúpulos, a particular e importante posição estratégica portuguesa designadamente a que deriva tanto da sua magnifica fachada atlântica como, por igual, da sua imensa área marítima submarina. Mais outra vez na História nacional, as classes sociais dominantes, sem mostrarem qualquer sentimento de culpa, não hesitaram em ter tornado os dez milhões de portugueses em meros compradores líquidos da produção agrícola, comercial e industrial europeia, sobretudo daquela continental e, para tanto e tal, aceitaram as condições ditatoriais impostas pela União Europeia. Com efeito, esta UE, para assegurar-se duma legião de portugueses tornados importadores obrigados das suas produções, determinou levar à liquidação a generalidade das actividades produtivas nacionais, estatais e privadas para, desta maneira, tudo passar a ter de ser comprado por essa Europa fora. Nestas condições lamentáveis, poder-se-á dizer que está a viver-se-á melhor?

Os possidentes nacionais e os seus caudatários de serviço, na repetição dum passado triste, já desejado como morto, ao invés da defesa dos interesses nacionais mas, tão-somente, para salvaguarda das suas vantagens muito próprias, foram entregar-se nos braços dos potentados europeus que, de Portugal, ontem como hoje – isso nunca deveria esquecer-se – sempre pretenderam tirar vantagens sem nada respeitar. Esses farroupilhas nacionais acreditaram, contra toda a evidência da evolução mundial, que o padrão de vida em curso no centro da Europa e no norte do Continente americano era imutável e, como assim, haveriam de beneficiar com as esmolas suficientes para garantir-lhes uma situação socioeconómica estável e tranquila. Estar-se-á a viver melhor?

Como Portugal tinha deixado de ter colónias e de fazê-lo sem deixar vestígios de neocolonialismo, logo desprovido das tradicionais fontes de rendimento – que, essas, não eram poucas – então, segundo a bestialidade dos próceres nacionais, era preciso ligarem-se a quem lhas facultasse mesmo que à custa do delito de empenhorar a Soberania Nacional portuguesa. Quiseram ombrear com um padrão de crescimento alienígena esquecendo-se – ignorando – que o salto em frente era demasiado grande face ao passado histórico da evolução tradicional portuguesa – cada qual tem a sua História – e que os Países cuja cópia desejaram fazer já estavam, de sobremaneira, em decadência franca tal como, nos últimos anos, acabou por tornar-se completamente patente. Viver-se-á melhor?

Para além de toda a encenação que os Governos sucessivos têm apresentado como sendo a dum desenvolvimento acertado – mais outra das muitas falsidades anunciadas – também está montada a versão sempre repetida (para, deste modo, conseguir ganhar foros de veracidade e a população ser levada a acreditar) que, hoje em dia, em Portugal, fruto da sua inclusão na União Europeia ou, na versão trocista do saudoso Eng.º Cunha Leal “graças à sábia governação que felizmente nos rege” está a viver-se melhor. Como será possível? Nem por milagre.

Onde já vão os benefícios alcançados nos anos seguintes ao 25 de Abril?

Viver-se-á melhor?

Com mais de seiscentos mil desempregados, poder-se-á pensar assim?

Quantos milhares, dentro de um a dois anos vão ficar sem qualquer subsídio de desemprego?

Pensem-se nos mais de oitenta mil portugueses que, em 2009, já nem tentavam procurar qualquer emprego e, como é sabido, a procissão, ainda, vai no adro. Quantos serão em 2010, 2011 e assim, sucessivamente?

Que recuperação económica conseguirá sobrevir para conseguir absorver tantos milhares de desempregados?

Como é possível que com tantos economistas, não tenha sido antevista a evolução do capitalismo – um apátrida – cuja missão, na sua essência verdadeira, digam o que disserem, é reduzida, apenas, a extorquir mais valias e, caso necessário, sem olhar às vítimas provocadas.

A União Europeia, mau grado o avolumar constante duma crise económica – uma inevitabilidade do sistema capitalista, para mais evoluído do nível financeiro para o mafioso – prosseguiu, anos a fio, no erro de não atacar o sistema económico da troca, nem tão pouco, ao menos, de querer regulamentá-lo. Então o que tem feito? Tem insistido em exaltar-lhe o seu sentido neoliberal, em esforçar-se, sem sucesso, por querer salvar-lhe a sua inexistente face humanista e, imagine-se, última decisão, a apresentar-se a protegê-lo à custa das receitas do orçamento estatal pago, obviamente, com o dinheiro dos contribuintes. Afinal, o mesmo estado cuja intervenção, por sistema, é considerada intempestiva, nociva e pecaminosa para o curso livre das leis do mercado e das liberdades individuais é quem, por fim, acaba por ter de socorrer a banca mafiosa ante uma morte anunciada, porém, hipocrisia das hipocrisias, tudo explicado à população como tendo sido uma deliberação pensada em favor do interesse nacional para quem, como dizem, a manutenção indemne das virtudes sacrossantas do mercado e da banca – mafiosa que seja – é entendida como uma necessidade básica, sine qua non.

O que mais interessa aos possidentes – e para isso têm uma comunicação social bem dominada e domesticada – é que a população não vá passar a concluir que razão tinham os que, desde sempre, foram adversários da chamada economia de mercado quando entregue, por inteiro, na mãos do capital privado, para mais, desde há uns bons anos – nunca é demais repetir – tornado mafioso.

Poder-se-á concluir que, de verdade, em Portugal, está a viver-se melhor? Que a maioria dos portugueses está a viver melhor?

Como será possível tirar-se essa conclusão – os socratinos fazem-no – mesmo quando há uma abundância de circunstâncias da vida nacional portuguesa em franco retrocesso e descaracterização. As aparências sociais em exibição constante – mais mundanas que sociais – não são, de facto, a realidade nacional.

Por ser um factor do retrocesso social provocado pelas exigências economicistas de Bruxelas importa verberar-se a continuada, premeditada e insofismável decadência do sistema público de educação para, na linha do neoliberalismo, o de fora e o de dentro, ter de reduzir-se a despesa pública e ao mesmo tempo, facilitarem-se lucros ao negócio dos privados, isto para não falar na intencionalidade criminosa da descapitalização educativa da população portuguesa, de tal modo – esse é o grande objectivo das centrais da desinformação – passo a passo, possa caminhar-se para a manutenção conveniente dum grau satisfatório de ignorância – o que já é uma realidade – e, a seu par, provoque-se nos mais jovens uma indiferença política com monta bastante para conduzir a população utilizadora do sistema público do ensino, à perda sucessiva de quaisquer sentidos crítico e cívico. Com os resultados escolares que o país vai conhecendo e os socratinos desmentindo, poder-se-á concluir que está a viver-se melhor?

Importa, também, não deixar de denunciar-se a falência marcada duma política cultural pública susceptível de facultar, como é imprescindível, uma complementaridade dinâmica ao sistema educativo e, também, por seu turno, tornada instrumento capaz de ajudar a combater a onda avassaladora e, sempre em curso, da alienação político-social. Nestas circunstâncias tão desfavoráveis poder-se-á concluir-se que está a viver-se melhor?

(Continua)


publicado por Carlos Loures às 21:00
link do post | comentar

1 comentário:
De Luis Moreira a 31 de Maio de 2010 às 21:53
Subscrevo muito do que diz meu caro, mas importa não esquecer:
O país vive e é muito melhor.Não é uma opinião é um facto. Um país, com a dimensão de Portugal, não sobrevive na economia a nível de "continentes", que é o que são a China, India, Brasil...
O Sócrates foi um desastre ,uma "peste", que se abateu sobre nós todos e que eu há muito combato.O verdadeiro erro é o Estado "mafioso" que temos, que controla a economia, os negócios e abafa a agricultura, o mar , a floresta e a iniciativa das pessoas.Não vejo como poderia Portugal viver fora do Euro e da Europa.


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
bom dia meu tio de nome joao da cunha fernandes da...
Sou James Roland, de Portugal. Alguns meses atrás,...
Oferece empréstimos de dinheiro variando de 5000 a...
Here is a good news for those interested. There i...
oferta para todosOlá, volto para todos os indivídu...
esse dalmaso nao e brasileiro ele deu depoimento e...
Meu nome é Patricia Martins, de Portugal, um pai s...
Dia bom, Meu nome é Laura Pablo, eu quero testemun...
Afinal em que ficamos? Esta coisa do Daflon do Ven...
UPDATE ON LOAN REQUIREMENT If you are in need of ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links