Segunda-feira, 6 de Setembro de 2010
A Arte poética - A catacrese
Nota prévia: Aproximando-se a "Maratona Poética", temos vindo a publicar textos sobre poetas e sobre a poesia em geral. Este, de João Machado, é o primeiro que faz um levantamento das teses clássicas sobre a Arte Poética.

João Machado


Desde a antiguidade que se tenta enunciar regras para a arte poética. Mais do que evitar a proliferação de má poesia, procura-se assim descobrir o caminho que permita às pessoas comuns fazerem poesia. Na verdade, esta procura subentende o reconhecimento generalizado da importância da poesia para a vida dos homens. Mais concretamente, para a comunicação entre os homens. Numerosos poetas e pensadores deram o seu contributo neste campo, desde Aristóteles e Horácio Flaco, na antiguidade, até Boileau, Edgar Allan Poe e T. S. Eliot.. entre outros, mais recentemente.

O poeta francês Jean de Royére, simbolista, seguidor de Mallarmé, na introdução a Clartés sur la Poésie, livro de 1925, editado por Albert Messein, disse estar persuadido de que a poesia é uma repetição e uma catacrese, e que esta última é o elemento essencial, a figura fundamental, a alma da poesia. Ora bem, o que é a catacrese?

José Pedro Machado, no Grande Dicionário da Língua Portuguesa, explica que é um substantivo feminino, que vem do grego katakhrisis, pelo latim catachresis, e que é um tropo pelo qual se estende a significação de uma palavra a uma ideia que tem falta de termo próprio, como em “pernas da cadeira”. Por sua vez, Rocha Lima, professor brasileiro, na sua Gramática Normativa da Língua Portuguesa (página 490 da edição de 1967), refere que na figura catacrese ocorre o total esquecimento do sentido etimológico das palavras, e que é a última consequência de outra figura, a metáfora.

Rocha Lima recorda-nos ainda que a linguagem figurada, ou tropológica, assenta nas alterações de sentido das palavras, fundamentada no que chama a mais natural das leis psicológicas: a associação de ideias.

Talvez haja exagero na definição de poesia avançada por Royére. Mas é um facto que a poesia, como aliás a literatura em geral, contribui grandemente para a renovação e o enriquecimento da linguagem. A procura e a organização das palavras de modo a transmitir o melhor que possível uma mensagem a um auditório, integram o esforço constante do poeta. Outro aspecto do seu trabalho é, sem dúvida, procurar a musicalidade adequada à sua mensagem. Mas aquilo que o termo catacrese procura exprimir, forma sem dúvida uma base essencial para a arte poética.


publicado por Carlos Loures às 16:30
link do post | comentar

13 comentários:
De adão cruz a 6 de Setembro de 2010 às 18:29
Espero que o Carlos Loures não me bata, mas tenho dito e volto a dizer que, para mim, a poesia é um sentimento, como o sentimento do amor, o sentimento da alegria ou outros, e como sentimento não pode ser explicado, caracterizado por catacreses, metáforas ou esquemáticos jogos de palavras, da mesma forma que o amor não pode ser explicado nem escalpelizado por beijos, afagos ou ternos olhares. Embora o verdadeiro amor se possa expressar e exteriorizar por estes meios, não é por estes meios existirem que o amor existe. Da mesma forma que para ser sentida, a poesia necessita muitas vezes do arranjo de palavras, de catacreses e metáforas, não é por estes elementos estarem presentes que a poesia lá se encontra. Se não houver sentimento poético da parte de quem procura a poesia e da parte de quem lê a poesia, dificilmente esta desabrocha, assim como se não houver amor, ele dificilmente irrompe por mais bonitos e quentes beijos que se interponham. A poesia é um sentimento, que percorre transversalmente todos os actos da nossa vida. O que é difícil é dar de caras com ele.


De carlos loures a 6 de Setembro de 2010 às 20:01
Ó Adão, eu hoje ando às voltas com a maratona e não posso envolver-me em polémicas, sob pena de não haver maratona. Digo-te só que não podemos chegar a acordo porque tu estás a falar de sentimentos e eu estou a falar da técnica que permite converter esses sentimentos em objecto artístico. A pintura também pode ser descrita nesses termos - não tenhas tu os materiais adequados e não disponhas dos conhecimentos técnicos adequados que os sentimentos hão-de valer-te de muito...
Olha, lê alguuns dos textos da maratona. Boa noite, eu vou para dentro.


De augusta.clara a 6 de Setembro de 2010 às 21:23
Chagámos a Bizâncio :) Mas, por mim, podem repetir esta discussão as vezes que quiserem que eu virei sempre assistir.


De Luis Moreira a 6 de Setembro de 2010 às 22:38
Eles deviam polemizar em texto, tão ricos são os comentários .


De augusta.clara a 6 de Setembro de 2010 às 23:03
De acordo, Luís.


De Joao Machado a 6 de Setembro de 2010 às 23:57
De facto, os sentimentos são indispensáveis, mas para os fazer sentir aos outros a arte em geral é um grande auxílio, melhor dito, as artes em geral são um grande auxílio. E cada uma tem as suas técnicas. Acho que foi Ronsard que disse que os melhores poemas nunca são feitos sob o efeito de grandes emoções. Pessoalmente não acredito nisso. Mas ajuda muito dominar a arte de escrever, de pintar, de fazer música, etc. É uma preocupação que vem desde a antiguidade.


De augusta.clara a 7 de Setembro de 2010 às 01:48
Eu, também, não acredito muito nisso, João. O génio não vem da escola.
Ler a repetição destas discussões é como repetir a leitura de um livro: levanta-nos questões que não nos tinham surgido da primeira vez. Como a maratona de poesia já é amanhã, deixo aqui esta pergunta à espera de resposta depois dessa data: quem não dominar a técnica não pode ser um bom poeta? Ou formulada de outra maneira: é garantido que todos os bons poetas dominam a técnica?


De Luis Moreira a 7 de Setembro de 2010 às 02:06
Na poesia não sei responder, mas na pintura acho que a técnica é essencial...


De carlos loures a 7 de Setembro de 2010 às 07:54
Eu respondo-te já Augusta Clara - quem não dominar a técnica, não pode ser um bom poeta. Temos de nos convencer de que a poesia é uma actividade tão séria como outra qualquer - pode-se ser bom arquitecto sem ter aprendido arquitectura? A teoria de que a poesia depende unicamente do sentimento, leva-a para o terreno das ciências ocultas, relega-a para o limbo ou para o circo das excentricidades. Por que é que se exige técnica ao pintor e ao poeta não? A teoria de que a poesia "vem de dentro", "não se aprende" é muito boa para os maus poetas que, desse modo, passam na confusão.
Agora que é preciso ter vocação, sentir intensamente o que se escreve, claro que sim. O arquitecto se apenas dominar a técnica, nunca será um bom arquitecto. O que eu digo é que, sem dominar a técnica, o poeta, por maior que for a sua vocação, sentimento, etc,, não conseguirá transmitir-nos essa riqueza interior. Pode-se ser bom cantor sem cordas vocais? Esta discussão é, como dizes, bizantina. Adeus Augusta Clara, vou regressar à maratona.


De adão cruz a 7 de Setembro de 2010 às 09:09
Concordo em muitas coisas com o Carlos e discordo em muitas outras. Voltaremos ao assunto depois da maratona.


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
HOLA...¿NECESITA PRESTAR DINERO PARA PAGAR CUENTAS...
Bom-dia Senhoras e Senhores.Sou uma mulher de negó...
Sou uma mulher de negócio Portuguesa e ofereço emp...
Dude, if you were trying to sound portuguese let m...
Olá Andreia! Sei que esta publicação já é antiga. ...
Patricia Deus vai abençoar você e sua empresaMeu n...
Meu nome é Fábio João Pedro e eu sou de Portugal. ...
Meu nome é jose matheus Giliard Alef sou do brasil...
Bom dia a todosMeu nome é Damián Diego Alejandro, ...
Olá a todosEu sou Tainara izabella paola e sou da ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links