Quinta-feira, 2 de Dezembro de 2010
Boris Cyrulnik - 3: Ultrapassar o trauma

Clara Castilho


Como podem as crianças soldado, ou as crianças vítimas de maus tratos, ultrapassar os seus traumas?

Ao verificar-se uma ferida, um trauma, dá-se uma agonia psíquica. O horror do que se viu, do que se sofreu, faz com que se fique morto psicologicamente, com que já não haja força para viver. De tal forma foi assustador o que se viveu, que a única forma de não sofrer é tornar-se pateta.

É que, se, por infelicidade, a criança pensar, vai sofrer. Fica dilacerada, não compreende o que aconteceu, é demasiado forte, provem a agonia psíquica. Ou então, uma parte da sua personalidade fica escarificada, em que morre uma parte da sua personalidade. Mas, à volta dessa parte, persistem brasas de resiliência.

Será preciso que alguém sopre nessas brasas para voltar a surgir vida. E se ninguém soprar, fica-se morto. O que acontece, depois, é o retomar do desenvolvimento, mas com uma parte morta da personalidade, com um traço biológico na memória.

É nessa altura que serão necessário tutores de resiliência para sobreinvestir aspectos em que uma criança que se desenvolveu em boas condições não precisa.

Mas, então como se dará esse “processo” de resiliência? “Processo” é qualquer coisa que está em constante evolução e que depende tanto dos outros, como do próprio. Há genes e são os outros que vão fazê-los falar, permitindo o desenvolvimento biológico, psicológico e social.

Então, como fazer para analisar um “processo de resiliência”? Há que tem em conta a aquisição dos recursos internos, quando se é pequeno e no momento em que as figuras de vinculação impregnam uma aptidão para utilizar os genes humanos ( porque se é humano e não uma minhoca). Depois, será a significação dos acontecimentos que traumatizaram um determinada criança. Importa ainda a disposição que os recursos externos – a família, o grupo social, a cultura – vão dispor à volta de cada criança para lhe disponibilizar tutores de resiliência.

A diferença entre tutores de desenvolvimento e tutores de resiliência poderá ser a seguinte: todas as crianças que nascem possuem tutores de desenvolvimento ( a excepção são as que sofrem uma das 7 000 doenças genéticas, o que só corresponde a 1% dos nascimentos) com necessidade de alteridade à sua volta para se desenvolverem.

Se colocarmos alguns tutores de resiliência, afectivos e sensatos, em redor do pequeno carenciado, este retoma rapidamente o seu desenvolvimento e até pode recuperar o atraso.

A partir do momento em que alguém aceita amá-la, a criança magoada deseja tanto estabelecer uma relação afectiva com essa pessoa, que irá submeter-se às suas crenças, única e exclusivamente com o objectivo de ter algumas ideias para partilhar com ela.

As crianças que aprenderam a ter esperança projectam no palco do seu teatro íntimo um sonho ideal no qual representam o papel de uma criança amada, de um herói prestigiado ou de um adulto que é, simplesmente, feliz. Este trabalho imaginário salva-as do horror. Cuidar destas crianças, alimentá-las, lavá-las é uma necessidade física que, no entanto, não desencadeia um processo de resiliência. Para iniciar um trabalho de resiliência, deveremos iluminar de novo o mundo e voltar a dar-lhe coerência. Isto faz-se pela “narração”.

As crianças que conseguem transformar-se em adultos resilientes são aquelas que foram ajudadas a dar sentido às suas feridas. O trabalho de resiliência consistiu em lembrarem-se dos choques para fazerem deles uma representação de imagens, de acções e de palavras para interpretar a ferida narcísica.


Boris Cyrulnik nous parle de la résilience
Enviado por Psychologies-com. - Vídeos de notícias do mundo inteiro.


publicado por Carlos Loures às 11:00
link do post | comentar

2 comentários:
De Luis Moreira a 2 de Dezembro de 2010 às 11:29
Muito interessantes estes textos.


De augusta.clara a 2 de Dezembro de 2010 às 15:54
Parabéns Clara por este importantíssimo texto sobre os meninos guerreiros que é outro dos cancros mundiais que me provocam grande revolta.


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Olá Sr. / Sra.Você precisa de empréstimos para o p...
HOLA...¿NECESITA PRESTAR DINERO PARA PAGAR CUENTAS...
Bom-dia Senhoras e Senhores.Sou uma mulher de negó...
Sou uma mulher de negócio Portuguesa e ofereço emp...
Dude, if you were trying to sound portuguese let m...
Olá Andreia! Sei que esta publicação já é antiga. ...
Patricia Deus vai abençoar você e sua empresaMeu n...
Meu nome é Fábio João Pedro e eu sou de Portugal. ...
Meu nome é jose matheus Giliard Alef sou do brasil...
Bom dia a todosMeu nome é Damián Diego Alejandro, ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links