Quinta-feira, 10 de Junho de 2010
Novas Viagens na Minha Terra
Manuela Degerine

Capítulo XV

Etapa 5: Da nascente do Alviela a Minde

Chego à nascente do Alviela. O sítio terá sido mais bonito antes de o transformarem em praia fluvial, perdeu entretanto o aspecto bravio, há pontes, tanques e mesas de merenda, restam vários penedos, árvores imponentes, o rio a sair de uma caverna.

Aproveito aquela cópia de mesas e bancos, abanco numa delas para o merecido banquete. Devoro a sandes (enorme) que em Pernes mandei preparar, figos e damascos secos, nozes, uvas, maçãs, chocolate preto... Parto com a mochila mais leve.

Mas não durante muito tempo. Avanço por um caminho pedregoso, encontro pedaços de quartzo transparente, que me parecem muito bonitos, resisto aos primeiros, embora com dificuldade, acabo por sucumbir a três outros – como se me faltasse lastro na mochila.


Desde Arneiro das Milhariças o trajecto está bem sinalizado através de marcos indicando Fátima. Em todo o Caminho de Santiago é tradição os andarilhos, quando passam pelos cruzamentos, deixarem uma pedra simbolizando a passagem – um caminhante após outro caminhante, no Caminho Francês constituem por vezes imensos montes de pedras. Aqui sete peregrinos poisaram sete pedras, às quais acrescento um dos meus magníficos pedaços de quartzo.

Hei-de escrever um texto sobre esta paixão pelas pedras. Nas Filipinas cheguei a encher de pedras um cofre que tínhamos alugado num banco de Manila... Claro que não o alugáramos para ad hoc mas para guardar parte dos traveler’s checks necessários nos seis meses de viagem passada, não raro, em bungalows cujas portas podiam ser facilmente arrombadas.

Em Monsanto fotografo o restaurante Mal Cozinhado mas entro numa mercearia, sou interpelada por uma senhora, que a princípio julgo ser dona da loja, pois insiste em me oferecer uma broa – é o aniversário da inauguração. Compreendo depois tratar-se de mera cliente. Que não me larga. O quê, vai sozinha? Então não tem medo? Et caetera. Consigo, com a senhora a contar-me a vida desde o dia em que a mãe foi a Fátima com ela na barriga, encontrar fruta e leite, pago e saio; a senhora sempre a falar. Esta ao menos não é xenófoba... Busco desesperadamente uma desculpa quando sai outra cliente da mercearia e passa por nós.

- Ó Odete, essa menina vai para Fátima, não a empates mais!

Isto deixa-a um instante perplexa, bastante para eu me escapar. Passo junto à igreja, que está fechada, admiro a fachada barroca. Caminho à beira de uma estrada na qual passa, de vez em quando, algum raro carro. Há cada vez mais pedras. Fotografo uma eira. Vejo medronheiros, provo os frutos, pouco maduros e manchados; alguma moléstia. Desço, subo. Chego ao Covão do Feto. Continuo a subir. A partir daqui vou serra acima, trepo por caminhos pedregosos, entre muros de pedras, milhares de muros, quilómetros e quilómetros de muros, pedra sobre pedra, que dividem e fecham as pastagens. Beleza imensa. Emoção intensa que, desde os Açores, não voltei a sentir. Um grande respeito pelos pastores que edificaram estas paredes. Doem-me o calcanhar e o joelho esquerdos mas esqueço-me dos padecimentos. Oiço pássaros a cantar e chocalhos de ovelhas. De vez em quando, a minha passagem faz esvoaçar um bando de aves.

O caminho até ao cume parece-me curto. Gostaria de caminhar durante horas por esta serra... Covão do Feto fica de um lado e Minde do outro lado da serra: atravessei a pé. Passo por um marco que indica 19,426 quilómetros para Fátima. Pouco me importa a distância. O que conta não é o destino mas o caminho.

Está a cair humidade, quase chuva, entre o borrifo e a nuvem, aquilo a que os brasileiros devem chamar garoa – não consigo ver Minde.

Desço por um trilho muito inclinado. Se até Arneiro das Milhariças o trajecto aparecia indicado de uma maneira intermitente, a partir de Arneiro a sinalização tornou-se primeiro boa, depois excessiva e agora... delirante. Nos últimos metros quase não há uma pedra que não esteja pintalgada de azul (Fátima), de amarelo (Santiago), de outras cores, com F, com setas, com conchas, com Santiago de Compostela via lusitana... Parece que confiaram a sinalização aos putos da escola de Minde. Esta profusão chega a tornar-se confusa: engano-me à entrada de Minde pois vejo setas em várias direcções e as que eu sigo estão erradas.

Consigo chegar aos bombeiros. Sou acolhida com uma franca hospitalidade, encontro-me desta vez no Salão Nobre, onde escolho entre mais de trinta colchões. Não me resta força para ir ver Minde. Duche, jantar, massagem dos pés com óleos e arnica –adormeço antes das oito. Há um ensaio da banda dos bombeiros? Ou estou a sonhar? Oiço dormindo.

Acordo às sete. Preparo-me, ponho talco nos pés – que são, para o andarilho, objecto de todos os desvelos.

Não resisto a contar aqui a piada de Alphonse Allais, que cito de memória, por me encontrar em Lisboa e ter o livro em Paris – os livros de que precisamos escondem-se sempre na outra casa.

Um cabo interroga o soldado:

- O que são os pés?

-...

- Animal! Página 15: os pés são para o soldado o objecto de todos os cuidados!

(Depois de pronta, da cabeça aos pés, vou conhecer Minde.)


publicado por Carlos Loures às 10:00
link do post | comentar

1 comentário:
De Luis Moreira a 10 de Junho de 2010 às 12:18
Os pés que são a parte do corpo que menos cuidamos, embora isso esteja a mudar e que nos levam por entre os sonhos...


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
HOLA...¿NECESITA PRESTAR DINERO PARA PAGAR CUENTAS...
Bom-dia Senhoras e Senhores.Sou uma mulher de negó...
Sou uma mulher de negócio Portuguesa e ofereço emp...
Dude, if you were trying to sound portuguese let m...
Olá Andreia! Sei que esta publicação já é antiga. ...
Patricia Deus vai abençoar você e sua empresaMeu n...
Meu nome é Fábio João Pedro e eu sou de Portugal. ...
Meu nome é jose matheus Giliard Alef sou do brasil...
Bom dia a todosMeu nome é Damián Diego Alejandro, ...
Olá a todosEu sou Tainara izabella paola e sou da ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links