Segunda-feira, 29 de Novembro de 2010
Boris Cyrulnik – 2 - As crianças - soldado

Clara Castilho

Como já tinha anunciado, Borix Cyrulnik esteve em Lisboa, no dia 19 de Novembro, em plena Cimeira da Nato. Só conseguiu chegar às 4,30 do dia em que às 9,30 deveria estar a dar início a uma conferência. O seu atraso serviu para várias piadas, entre elas o facto de a organização do Colóquio o tratar tão bem que ele teve direito a 27 polícias que acompanharam o trajecto entre o seu hotel e o auditório do Instituto Franco-Português…

Com a sua habitual boa disposição, colocou-se ao dispor de todos, com o seu saber e experiência, respondeu a perguntar e comentou casos clínicos.

Um tema de que fez questão em falar por várias vezes foi o da realidade actual no Congo, onde se tem deslocado várias vezes, para estudar a situação das crianças -soldado. Referiu que, para além desta problemática, se está a usar a violação de mulheres como uma arma de guerra. Com estes factos, famílias inteiras são destruídas emotivamente. Devido a crenças culturais, os homens sentem muita vergonha por não terem sabido proteger as suas famílias. Trata-se de uma sociedade em que as mulheres, enquanto mães, são veneradas e serem violadas representa uma blasfémia.

Perante esta situação, falar sobre o que aconteceu é muito difícil, quase impossível. Assim, para os que o não conseguem fazer, são incentivados a, em sessões colectivas, fazerem canções, peças de teatro, criações colectivas e expostas colectivamente. A fim de poderem metamorfosear o sofrimento. Isto porque, segundo Cyrulnik “TODAS AS TRISTEZAS SÃO SUPORTÁVEIS SE FIZERMOS DELAS UMA HISTÓRIA”(1999).

Através do seu trabalho com crianças - soldados, em África, verificou que elas ficam gravemente traumatizadas. Um grande número destas crianças tinham-se alistado como mercenários em exércitos que pagam a quem faça a guerra. Durante a guerra elas sabem o que é preciso fazer, sabem quem são os seus amigos, quem são os inimigos, aprendem a lutar, a esconder-se, a roubar. Não têm medo da guerra, sabem o que fazer.

Por exemplo, em Moçambique, ao falar com elas e ao perguntar-lhes o que iriam fazer depois, dado que a guerra tinha terminado, a maioria respondeu-lhe que tinham medo da paz. Também verificou o mesmo no Líbano.

Quando chega a paz, não sabem como agir e, então, sentem medo da paz. Mas a maioria destas crianças também disse que o que queriam era voltar à escola. À escola enquanto factor de resiliência, acrescenta Cyrulnik. Tinham um handicap afectivo imenso, mas ainda estavam vivos. Refere que, então, os técnicos e investigadores não compreenderam que eles queriam voltar à escola, mas não às escolas das suas aldeias de origem, onde eram vistos como delinquentes ou criminosos. Teria sido preciso mudá-los de contexto, não os fazer regressar aos locais de origem. Demoram muito tempo para percebermos isso, cometeram um erro, facto que hoje tomam em consideração noutras situações em que tal facto continua a ocorrer, como é o caso do Congo.


publicado por Carlos Loures às 11:00
link do post | comentar

1 comentário:
De Luis Moreira a 29 de Novembro de 2010 às 11:41
Estes textos da Clara são muito interessantes.


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Here is a good news for those interested. There i...
oferta para todosOlá, volto para todos os indivídu...
esse dalmaso nao e brasileiro ele deu depoimento e...
Meu nome é Patricia Martins, de Portugal, um pai s...
Dia bom, Meu nome é Laura Pablo, eu quero testemun...
Afinal em que ficamos? Esta coisa do Daflon do Ven...
UPDATE ON LOAN REQUIREMENT If you are in need of ...
Olá, sou ivani suarez, atualmente morando em santi...
Olá Sr. / Sra.Você precisa de empréstimos para o p...
HOLA...¿NECESITA PRESTAR DINERO PARA PAGAR CUENTAS...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links