Segunda-feira, 4 de Outubro de 2010
Romance da Gata Preta , conto por Maria-Cecília Correia
(Colocado por Clara Castilho)


Antigamente era uso cantar-se de terra em terra – às vezes pelas feiras – romances que todos ouviam com muita atenção. Eram histórias já muito conhecidas, mas que agradavam sempre: a “Nau Catrineta”, a “Santa Iria”, a “Alcininha” e mais, muitas mais.

Se ainda se usasse cantar assim, poderiam também cantar o “Romance da Gata Preta”, como se de uma princesa se tratasse e estas aventuras fossem coisa de muita monta.

De seus primeiros dias não falaria este romance. Nada sabemos deles, como também não sabemos como foi raptada e posta no rochedo mais alto da praia, numa grutinha funda.

Nesse buraco se passaram as horas mais negras desta negra gatinha: sua mãe, não recebendo notícias dos raptores a pedir resgate, deu-a por morta, pensando talvez nalguma cobra mais atrevida. Há, no entanto, quem diga que talvez a própria mãe a tivesse escondido em momento de aflição, fugindo de rapazes dados ao desporto ruim de “aventa pedras” e que, de tão desorientada, se esqueceu onde pusera a filha.

De sua infância propriamente começa o relato quando umas mãos pequeninas entraram na gruta e, às apalpadelas, procuraram quem tão alto miava, que por toda a praia fazia sentir sua aflição.

Ah!, e para que essas mãos pequenas ali chegassem, como foi difícil a trepada, em risco de queda grande! Porque duas pessoas tiveram de se ajudar uma à outra para chegarem à gruta pequena no cimo do rochedo mais alto de Galapos, tal como os cavaleiros dos romances, atravessando montes e vales, enfrentando perigos sem fim para libertarem suas damas.

E assim a gata foi salva. E assim começa a sua história entre os homens.

Ela sentiu o calor de outro corpo; talvez que até tivesse percebido que havia carinho. Mas onde estava o outro corpo de pêlos tufadinhos que era sua mãe? Onde estava a língua húmida que a alisava e lhe dizia coisas assim “bom dia, bom dia, minha querida”? Os seus olhos, ainda fechados nada viam. Não sabia portanto que outros olhos a olhavam amigos e que já não estava sozinha no mundo.

Fechada entre os dedos quentes seguiu viagem para seu destino diferente.

Começou então a sua nova vida e também sua nova comida. Dantes era mais fácil. Sua mãe tratava de tudo: chegava-se a ela, aconchegava-a bem entre a barriga e as patas e o leite corria pela sua boca abaixo. Depois dormia e tudo era o melhor dos mundos.

Agora tinha de aguentar essa coisa rija que lhe metiam entre os dentes e que deitava uma comida ruim e mal saborosa.

- “Não e não”, diziam os miados da Gata Preta.

Mas a fome foi sua mestra. Primeiro mal e depois já melhor, aprendeu a comer apertada entre a mão quente que passou a ser a sua nova mãe.

A outra mãe, a verdadeira, foi ficando esquecida.

Só uma vez a recordou bem, ao encontrar uma pantufa de pêlos altos. Enroscou-se nela e fez rom-rom, sua satisfação em voz alta.

E rom-rom fez depois quando se sentia quente, quando começou a comer sozinha, quando se aninhava junto da mão-mãe. E corria já pela casa toda, conhecendo cantos e pessoas.

E acaba aqui o primeiro capítulo deste romance, onde se conta como a Gata Preta aprendeu as “Regras de Bem Viver entre os Homens”.

No segundo se diz como a Gata Preta encontrou um amigo e, mais do que um amigo, um amor.

Se fosse romance de princesa, esses cantores das feiras explicariam primeiro aos ouvintes mais atentos: “E agora um cavaleiro, sabendo da sua beleza e virtudes da princesa, chegou de um reino distante para pedir sua mão em casamento”.

Como soube da Gata Preta o Cambuta? (Era este o nome do gato vindo de longe).

Como passam as notícias no reino dos gatos? Nós não sabemos, mas deve haver uma maneira...

Encontrou-a a brincar com um berlinde. Como mandam as suas leis de cortesia, cheirou-lhe primeiro o nariz. E, nesse mesmo instante, soube que a Gata Preta não tinha mãe. Então, em vez de a pedir em casamento, como teria feito o príncipe, pensou: “Primeiro tenho de lhe ensinar como são os gatos; ela só conhece os homens e não chega”.

Bom gatinho, esse Cambuta, e esperto, pois era isso mesmo o que a Gata Preta precisava: viver essas leis de gato que ela trazia fechadas em si, desconhecendo-as – ou não as praticando – sem saber ainda que eram as suas.

E Cambuta, como uma mãe, ou como um avô paciente que senta ao colo um neto para que aprenda as letras, ensinou à Gata Preta como falam, brincam, bulham – como vivem – os gatos. E assim a Gata Preta soube que, neste mundo de tantos bichos, ela era uma gata. Aprendeu até a caçar as moscas que passeavam descuidadas nas vidraças.

Para começar, nada mau.

E foi crescendo um pouco mais até que ficou gata casadoura.

Vieram cavaleiros de outros castelos, perdão, gatos de outros jardins, gordos e bonitos; vieram gatos vadios, sem dono, contando suas aventuras; vieram gatos de cor lisa, outros de lindas riscas, velhos e novos. E a Gata Preta, de pêlo sedoso e mancha branca no nariz, escutava uns e outros, sempre fingindo desinteresse, sempre ouvindo serenamente com ar distante. Para si dizia: “Nenhum é tão bonito como o Cambuta”. E até que Cambuta nem sequer era bonito, mas ela tinha-lhe amor.

E foi assim que todos os gatos partiram de orelha murcha para os seus quintais, seus jardins, suas novas aventuras, sem que nenhum comovesse o coração da Gata Preta.

Nos romances de princesas, os músicos e cantores diriam: “Gostou do seu príncipe, casaram e tiveram muitos filhos”.

O mesmo foi com a Gata Preta: ela escolheu o seu príncipe – Cambuta – casaram e estão à espera de muitos filhos, muitos de uma só vez, coisa que só raras vezes acontece às princesas.


(publicado no Diário Popular – 8.01.1977)


publicado por Carlos Loures às 10:00
link do post | comentar

2 comentários:
De Andreia Dias a 4 de Outubro de 2010 às 18:05
Que bonito... :-)


De augusta.clara a 4 de Outubro de 2010 às 19:20
Tão bonito!


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Olá,Esta mensagem foi enviada de James Ben GROUP P...
bom dia meu tio de nome joao da cunha fernandes da...
Sou James Roland, de Portugal. Alguns meses atrás,...
Oferece empréstimos de dinheiro variando de 5000 a...
Here is a good news for those interested. There i...
oferta para todosOlá, volto para todos os indivídu...
esse dalmaso nao e brasileiro ele deu depoimento e...
Meu nome é Patricia Martins, de Portugal, um pai s...
Dia bom, Meu nome é Laura Pablo, eu quero testemun...
Afinal em que ficamos? Esta coisa do Daflon do Ven...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links