Terça-feira, 7 de Setembro de 2010
Novas Viagens na Minha Terra



Manuela Degerine


Capítulo CII

Vigésima quarta etapa: de Pontevedra a Brialhos

Para que serve a língua portuguesa

Fui professora de português em doze escolas francesas. Os alunos, na maioria dos casos, tinham feito esta opção, com eles era, consoante as condições outorgadas, apaixonante ou impossível trabalhar, mas os argumentos tornavam-se supérfluos, por eles nas aulas – quando era possível trabalhar – descobrirem a língua e a cultura, das lengalengas à poesia de Fernando Pessoa, passando pelos pastéis de nata, pelas ruínas de S. Paulo, por Mariza, pelos painéis de S. Vicente... Outro trabalho, este fazendo concorrência aos doze de Hércules, que jamais acabava e sempre urgia recomeçar, era a educação dos professores.

- Ah, és portuguesa?! Não pareces...

Ninguém ignora que os emigrantes dos anos 60 eram camponeses com pouca formação escolar; contudo, quatro décadas mais tarde, alguns morreram, outros reformaram-se, muitos voltaram para Portugal, os restantes são agora franceses. Não se aprende só na escola, aprende-se a cada instante – eles aprenderam na vida francesa. Os filho e netos tornaram-se empresários, autarcas, vendedores, electricistas, médicos, militares, cabeleireiros, engenheiros, delinquentes, distinguem-se na dança, no cinema, na literatura, nas artes plásticas... Cada um consoante os seus talentos, acasos e descasos. Mas os estereótipos parecem de borracha e resistem ao choque com a realidade. A imagem do português pedreiro persiste – e, para muitos franceses, a nossa cultura não vai além do tijolo e do cimento. (Ou do aspirador: o género feminino fixou-se na porteira e na empregada doméstica.)

Eu, que os colegas imaginavam francesa, preservei a minha face lusitana em terras gaulesas. Enquanto me vi sempre como uma ilha lusófona rodeada de língua e cultura francesa, situação estimulante e não ameaçadora (a ilha também vive do mar que a rodeia), a maioria dos emigrantes e seus descendentes, sem tomarem consciência do risco, fãs do Toni Carreira e da selecção nacional, perderam o contacto com a língua, a cultura e a sociedade portuguesas. Portugal é o país das férias – durante as quais pouco saem das aldeias, falam francês, se reúnem com os vizinhos-parentes de França e vão ouvir os Carreira pai e filho. Portugal é para eles a enxertia da França num tronco português; e, se sentem saudades, é deste país. Quando regressam a França, não falham um desafio de futebol transmitido pela RTPi nem um convívio – com a presença de Toni Carreira – organizado pela associação de portugueses; alguns inscrevem os filhos no rancho folclórico da mesma associação. (Cujo rigor etnológico pode, por vezes, deixar-nos duvidosos. Lembro-me de uma aluna aparecer com o trajo. Digo eu: Ah, vem vestida de minhota... Ela até se ofendeu. Minhota?! Não! É o rancho de Pombal!) Comem com frequência comida portuguesa; mas, na maioria dos casos, a família fala francês ou, quando muito, uma mistura variável das duas línguas. No resto do tempo – são franceses.

Os alunos tinham ou não origens portuguesas; os meus colegas achavam que uns não precisavam de aprender português – já o falavam (o que é falso) – e os outros também perdiam tempo: o pedreiro e a porteira falam francês suficiente para haver comunicação. Sendo, quase sempre, a única professora de português, passei anos a argumentar que sim, valia a pena aprender esta língua. Em cada festa de anos ofereci traduções de obras e ainda possuo um exemplar de Pérégrination e dois de Le dieu Manchot (Memorial do Convento) que, ao longo dos anos, foram lidos por numerosos colegas. Orgulho-me de ter criado fãs da cultura lusófona que até, a certa altura, já se antecipavam quando surgia um disco, um filme, uma tradução ou exposição; porém a maioria continuava a manifestar alguma resistência.

Uma directora de turma, professora de História e Geografia que, analisando o caso de uma má aluna em inglês mas excelente em português, questionava:

- É boa em português... Mas vai-lhe servir para quê?

- A isso talvez ela, daqui por vinte anos, possa responder...

Eu estudei sete anos de inglês que não me servem para nada mas, em contrapartida, os três anos de latim, uma língua morta, servem-me todos os dias. E, quando acabei o liceu, vários colegas predispostos, como eu, para as línguas estrangeiras, inscreveram-se em inglês. Eu preferi o francês.

- Vai-te servir para quê?!

Se tivesse seguido o grupo, seria como se o meu pai e a minha mãe não se houvessem encontrado: a pessoa que sou hoje – e gosto de ser – não existiria.

(Cedo compreendi que só me interesso pelo que não serve para nada. O latim, o francês, a literatura, a pintura, a filosofia... Se não servem para nada e, mesmo assim, lhes dedico toda a minha vida, é porque são afinal essenciais, para além das aparências.)

Na última escola onde dei aulas (até agora), cansada de tanta argumentação, quando os meus colegas, surpreendidos por eu levar os alunos ao Museu de Orsay, inquiriam:

- Há pintura portuguesa no Museu de Orsay?

Já não me dava sempre ao trabalho de falar do impressionismo literário, de Cesário Verde e Eça de Queirós, que os alunos acabavam de estudar. Respondi-lhes algumas vezes:

- Não há. Mas o português tem potencialidades magníficas: permite falar de tudo o que nos interessa.

Não garanto que compreendessem o humor.

tags:

publicado por Carlos Loures às 10:00
link do post | comentar

1 comentário:
De carlos loures a 7 de Setembro de 2010 às 18:26
Numa Feira do Livro de Francoforte, há muito anos, antes do Nobel, o Saramago fez uma palestra (há muitas diariamente) em que falou no vigor da língua portuguesa, falada por mais de 200 milhões de pessoas. Uma senhora, creio que da Hachette, perguntou para um colega em voz pretensamente baixa, mas aguda: audível pelo menos em redor - «Le portugais? A quoi ça sert?». Eu e os restantes portugueses deitámos-lhe olhares assassinos e ela riu-se para nós, como se apenas tivesse dito uma graça. A história teve depois um desenvolvimento engraçado, mas não faz sentido contá-la. Só quis sublinhar o que disseste.


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
OláEu sou Ibrahim Mohammed do Emirado árabe unido,...
Eu sou um disposo privada de um fons de that em ro...
Eu sou um disposo privada de um fons de that em ro...
Potrebuješ pôžičku? Máte nízke kreditné skóre a ne...
Atenção; Você é um homem de negócios ou uma mulher...
Viveu bastantes anos em Portugal, mais precisament...
Empréstimo e InvestimentoOlá a buscar um empréstim...
No dia 08/01/1974, faleceu o furriel Zeca Rachide,...
Cheguei aqui pelo link no blogue O Cantinho da Jan...
Apply now for all kinds of loans and get it urgent...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links