Quinta-feira, 13 de Maio de 2010
Uma peregrinação a Fátima –II
Carlos Loures

Chegámos a Fátima sem grande dificuldade, pois em Sacavém juntámo-nos a um numeroso grupo de estudantes (genuínos). Eles tinham um grande cartaz a dizer «Peregrinação estudantil a Fátima. Dê-nos boleia, por favor. Que Deus Nosso Senhor lhe pague!» Pouparam-nos o trabalho. Os carros iam parando e nós íamos entrando. Foi uma limpeza. Não conseguimos ir todos juntos, mas sabíamos que, chegados, bastava procurarmos o restaurante Dávi. Não tinha nada que saber.

E assim foi. Antes da uma da tarde já lá estávamos os seis.

Almoçámos principescamente. O «coelho à bruxa» era, de facto, um manjar divino. E foi após a refeição que surgiu o primeiro sinal de alarme. Quando veio a conta, olhámos uns para os outros. Com um ar nostálgico, distraído, o Gargântua, que era sempre o mais endinheirado, puxou de uma nota de cem escudos e nós lá acrescentámos o que faltava. Mas havia ainda o resto do sábado e o domingo pela frente e todos tememos que nos bolsos dos seis não houvesse o suficiente para mandar cantar um cego. Mas ninguém teve o mau gosto de falar no assunto. Pela tarde fora, bebemos mais uns copos. Como era costume, Gargântua dissertou, desta vez sobre a genealogia remota dos Portugueses. Éramos descendentes de Luso, um dos povoadores míticos da Ibéria.

– Já lá dizia o Luís Vaz: «De Luso não perdeis o pensamento.» E quem era o pai de Luso, quem era?

Ninguém sabia. O Gargântua respondeu:

– Baco, quem havia de ser.

Isto vinha a propósito de o Antunes ter lido num jornal que estávamos em segundo lugar entre os maiores consumidores mundiais de bebidas alcoólicas. A França estava em primeiro lugar. «Deve ser desde que os portugas começaram a emigrar para lá», disse um de nós. «Claro», explicou o Gargântua, «é isso mesmo; o que se pode esperar de descendentes de Baco?» E ficámos a saber que a genealogia dos Lusitanos era um dos tais factos inusitados que faziam parte da obra. A dissertação fez-nos alguma sede e bebemos mais uns copos. Depois o Gargântua demorou-se a visitar as lojas da vila e acabou por comprar um rosário e um frasquinho de água de Fátima, a benzer posteriormente, para oferecer à mãe, com a qual vivia. Fomos comendo umas sandes, uns pastéis de bacalhau, umas pataniscas, uns jaquinzinhos, uns rissóis. Eu e o Nunes gastáramos já até ao último tostão. Nenhum dos outros três parecia também muito abonado. Mas o Gargântua continuava a não dar sinais de preocupação. Cansados pela jornada e quebrados pelo excesso de álcool, estávamos com sono. E embora o dia tivesse estado muito quente para a época, com a noite chegara um vento frio e indesejável.

– Vamos arranjar onde dormir – disse o nosso chefe.

Foi então que, deambulando pelo Santuário e imediações em busca de abrigo, deparámos, numa zona já periférica, com uma grande armação em lona, bem iluminada: «Hospedaria de São Francisco», dizia um letreiro sobre a porta central. Como bons satiagrás, entrámos em fila indiana, com o Gargântua à frente. Um franciscano, pequeno e sorridente, aproximou-se. Falava um português com acento italiano. Perguntou-nos o que queríamos. O Gargântua explicou:
– Acomodações para seis, pequenos-almoços e, se nos agradar o serviço, talvez mesmo, quem sabe? o almoço de domingo.

A última parte foi dita num tom severo, retorcendo o bigode e olhando em redor com ar crítico para as paredes e para o tecto de lona que o vento da noite fazia ondular.

O franciscano, sempre sorrindo e fazendo vénias, disse que os pequenos-almoços e o almoço não eram problema. Acomodações para dormir é que já ia ser mais difícil. Ia ver o que podia fazer. E retirou-se. Eu ainda tentei perguntar «Como é que vamos pagar?», mas o Gargântua, adivinhando-me a dúvida, fuzilou-me com um olhar furibundo e impôs-me silêncio.

O franciscano reapareceu. Podia arranjar um quarto para os seis, ficávamos um pouco apertados mas era o único espaço livre. Percorrendo um corredor com chão de terra batida e paredes de lona amparadas por armações de madeira, lá chegámos ao nosso «quarto», um pequeno rectângulo de quatro metros quadrados, com uma cama de campanha a um canto, um lavatório de ferro e pouco mais.

– Isto ma-ma-mal dá para um – comentou o Cortês.
– Eu trago mantas para todos – disse o franciscano no seu português arrevesado.

– Serve perfeitamente, irmão – Gargântua assumira um ar respeitoso como nunca lhe víramos. E foi experimentar se a cama de campanha aguentava o seu peso, pelo que todos percebemos imediatamente que íamos dormir no chão. Pareceu satisfeito. Perguntou quanto custava a dormida. «Vinte escudos cada um», informou o frade. Nós íamos a protestar, era um roubo! O Gargântua fez um gesto imperioso:

– Não é nada caro.
E fez questão de pagar adiantado. De um bolso das calças retirou algumas verdes notas de vinte escudos, «Aqui tem os seis dólares, irmão.» O franciscano riu-se muito, «sei dollari, che spiritoso!» E não queria receber adiantado, confiava em nós, pagávamos tudo no fim. Mas o Gargântua insistiu e o frade lá meteu as seis notas numa algibeira do hábito.

Eram umas onze da noite. Fomos ainda dar uma volta, mas havia pouca animação, o cansaço cada vez era maior e estivemos na hospedaria antes da meia-noite, como nos tinha sido recomendado pelo untuoso fradeco. O Gargântua deitou-se na cama de campanha e nós estendemo-nos no chão, embrulhados em mantas que um outro franciscano nos viera trazer. Estávamos fatigados e nem o ressonar ininterrupto do Gargântua nem a dureza da terra batida nos conseguiram tirar o sono.

De manhã cedo, a tenda gigante encheu-se de ruídos. Vozes sussurrantes, águas a ser despejadas em bacias. O Gargântua sentou-se na cama de campanha, espreguiçou-se e berrou-nos: «Vamos a levantar, madraços!» Lá nos lavámos sumariamente. Parte do vestuário servira-nos de pijama e de agasalho. O Gargântua foi mais requintado. De um bolso da batina retirou um pincel e uma gilete. Barbeou-se a preceito, despejou água sobre a cabeça e chafurdou como uma morsa. Penteou com cuidado os cabelos e os bigodes. Depois, rapidamente, fez uns movimentos de ginástica. Vestiu a batina, pôs a gravata e a capa. Saímos do nosso quarto. No corredor havia outros peregrinos, gente rústica, na sua maior parte. Vimos também alguns dos estudantes com quem tínhamos viajado na véspera. A maioria das pessoas encaminhava-se para uma outra tenda, onde, tudo indicava, era servido o pequeno-almoço – «cinco escudos – um pão com manteiga e uma chávena de café com leite», informava um cartaz. Entrámos. Mesas compridas e toscas e bancos corridos. Dezenas de comensais. Os frades e seus acólitos azafamavam-se com bandejas e cafeteiras. Fomos servidos. Quando comíamos, apareceu-nos o frade da véspera, que pelos vistos era o responsável pela hospedaria, perguntando-nos se tínhamos dormido bem e se tudo estava conforme os nossos desejos. O Gargântua respondeu por todos. Estávamos verdadeiramente impressionados com a excelente qualidade do serviço, disse ele:

– Uma autêntica maravilha, irmão – concluiu – fitando-nos severamente, não fosse algum rir-se.
Com ar dubitativo, o frade olhou à procura de alguma recôndita intenção irónica, mas a expressão do nosso amigo era inocente como a de um serafim. Quando acabámos de comer, vimos que se pagava à saída. Havia uma bicha para o efeito. Um frade recebia o dinheiro e só depois se podia transpor a porta de saída. Começávamos já, mesmo os mais cépticos, a acreditar em milagres, pois o Gargântua, do bolso superior da batina, retirou uma nota de vinte e mais dez escudos em moedas.

(Continua)

Excerto do livro inédito A Vida é um Desporto Violento.





publicado por Carlos Loures às 23:55
link do post | comentar

2 comentários:
De Anónimo a 14 de Maio de 2010 às 10:11
No meu caminho para o trabalho tomei muitas vezes café em Sacavém com gente que ia em peregrinação .... que pena não me ter cruzado com este grupo
abraço
maria


De Anónimo a 14 de Maio de 2010 às 10:17
a Maria está em anónimo porque não acerta com a identificação do perfil ... estas coisas informáticas às vezes precisam de milagres


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
OláEu sou Ibrahim Mohammed do Emirado árabe unido,...
Eu sou um disposo privada de um fons de that em ro...
Eu sou um disposo privada de um fons de that em ro...
Potrebuješ pôžičku? Máte nízke kreditné skóre a ne...
Atenção; Você é um homem de negócios ou uma mulher...
Viveu bastantes anos em Portugal, mais precisament...
Empréstimo e InvestimentoOlá a buscar um empréstim...
No dia 08/01/1974, faleceu o furriel Zeca Rachide,...
Cheguei aqui pelo link no blogue O Cantinho da Jan...
Apply now for all kinds of loans and get it urgent...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links