Domingo, 17 de Outubro de 2010
Noctívagos, insones & afins: Nazim Hikmet - um poeta no coração do seu povo
Carlos Loures






Em 1943, em plena Guerra Mundial, um jovem investigador turco chegou a uma aldeia isolada numa região montanhosa e descobriu que as canções de um grande poeta que ali recolheu, as quais «enterneciam as mais altas montanhas e os mais duros rochedos», supostamente um poeta popular muito antigo, eram afinal de um poeta contemporâneo. No entanto, os camponeses afirmavam que já seus pais e avós sabiam aquelas poesias. Como era possível que, sem jornais, sem rádio, os versos de Nazim Hikmet tivessem chegado a tão recôndito lugar e se instalassem de maneira tão profunda entre os hábitos ancestrais dos aldeãos? E quem era este Nazim Hikmet?

Nazim Hikmet Ran nasceu em 20 de Novembro de 1901 em Salónica, na altura integrada no Império Otomano. Foi membro do TKP (Partido Comunista da Turquia), sendo desde muito jovem perseguido pela polícia do sultão. Entre 1922 e 1925, exilou-se na União Soviética, estudando em Moscovo. A Revolução de Mustafa Kemal Atatürk, em 1923, não melhorou a sua situação, mantendo-lhe a condição de proscrito. Morreu em 3 de Junho de 1963. Só recentemente, em 5 de Janeiro de 2009, quase 46 anos após a sua morte, o governo de Ancara aboliu por decreto a decisão que em 1951 retirou a nacionalidade ao maior poeta turco do século XX. Mas voltemos a 1943 e ao trabalho do folclorista universitário.


A aldeia a que o investigador chegara, era um aglomerado de quarenta casebres, com tectos de terra batida. Os aldeãos viviam em condições de extrema pobreza. A povoação mais próxima ficava a 14 horas de marcha, por acessos difíceis, estreitos carreiros talhados no flanco das rochas. Na aldeia, uma rapariga disse saber «belas canções de um grande poeta, com força para «enternecer as mais altas montanhas e os mais duros rochedos». E começou a recitar versos que o investigador se apressou a anotar. Ao cabo de momentos, foi tomado de uma grande surpresa – os poemas que a camponesa sabia de cor, eram versos de Nazim Hikmet. – Quem foi o poeta que compôs estas canções? - perguntou. - «Foi um grande poeta» - responderam os aldeãos -«Os seus versos são mil vezes por nós repetidos. Os nossos pais e os nossos avós já os cantavam também. Vieram-nos dos nossos antepassados. Como podemos saber quem os escreveu?»


O jovem ficou estupefacto. Como era possível que os poemas de Hikmet, escritos poucos anos antes, tivessem podido chegar até àquela longínqua aldeia da Turquia asiática e enraizar-se no coração dos seus habitantes, misturando-se com as odes dos bardos tradicionais da Turquia, como o lendário Korkout ou o sublime Younous? Um dos poemas recitados pela aldeã fora escrito poucos anos antes numa cela da prisão de Brousse. Como pudera Hikmet misturar a sua voz com as obras dos velhos cancioneiros populares? Voltou mais vezes à aldeia para tentar decifrar o enigma - recebeu sempre a mesma resposta: «- É um grande poeta, um grande homem. Recebemos os seus versos dos nossos pais, que os receberam dos seus pais…» Nunca conseguiu descobrir como os poemas de Hikmet viajaram até àquela aldeia e se incrustaram entre a poesia ancestral.


A modernização da língua turca muito deve a Hikmet. Os grandes mestres estavam imersos em total esquecimento. Ninguém descobrira que o turco podia ser uma linguagem poética, literária no melhor sentido e, ao mesmo tempo, terna e vigorosa. Foi Hikmet que lhe conferiu essa característica ao abandonar cânones empolados, só entendidos por eruditos, e ao adoptar a linguagem do povo, vinculada à realidade quotidiana, ao trabalho, à rudeza da vida.


O poeta em particular, e o escritor em geral, têm de estar no cerne da vida. Hikmet compreendeu isso e rapidamente ganhou um lugar no coração do seu povo, lugar mais importante do que mil cadeiras de academias. Como um subtil, mas impetuoso, lençol subterrâneo de água, impregnou a alma do povo turco. Esta a explicação para o folclorista surpreendido, sem compreender como é que aquela gente ignorante, analfabeta na sua maioria, recitava poemas que estavam proibidos. Naqueles anos 40, a posse de um texto de Hikmet era punida com cinco a dez anos de prisão, a sevícias e a tortura.


Numa outra realidade, menos dramática, não foi isto que se passou em Portugal com as canções de José Afonso? Muitas pessoas sem cultura formal ou consciência política cantavam as suas canções e recitavam os seus versos. Nem a repressão policial, nem os elitistas preconceitos intelectuais, conseguem fechar o coração de um povo à poesia, à música, à arte com que a sua alma se identificar. Muito do que o hoje se celebra como grande literatura, por exemplo, morrerá logo que se extingam os temporais conceitos que servem de pedestal a essa suposta grandeza. Só sobreviverá o que for genuíno e intemporal. Foi assim com Nazim Hikmet. E, entre nós, Fernão Lopes, Gil Vicente, Camões, Fernando Pessoa, não terão, também eles, descoberto uma chave secreta para os nossos corações?


Será por isso que perduram? Acho que sim.


Deixo-vos com um belo poema de Nazim Hikmet:


Ao partir, ficam-me coisas por acabar,
ao partir.
Salvei a gazela da mão do caçador
mas continuou desmaiada, sem recuperar os sentidos.
Colhi a laranja do ramo,
Mas não consegui tirar-lhe a casca.
Reuni-me com as estrelas,
mas não as consegui contar.
Tirei a água do poço
mas não pude servi-la nos copos.
Coloquei as rosas na bandeja,
mas não pude esculpir as taças de pedra.
Não saciei os meus amores.
Ao partir, ficam-me coisas por acabar,
ao partir.


Junho de 1959


Traduzido por Carlos Loures da versão castelhana de Fernando García Burillo dos "Últimos poemas 1959-1960-1961"
(Ediciones del oriente y del mediterráneo -Madrid 2000)


A meninaSou eu que bato às portas,
às portas, umas após outras.
Sou invisível aos vossos olhos.
Os mortos são invisíveis.



Morta em Hiroxima
há mais de dez anos,
sou uma menina de sete anos.
As crianças mortas não crescem.

Primeiro arderam os meus cabelos,
também os olhos arderam, ficaram calcinados.
Num instante fiquei reduzida a um punhado de cinzas
que se espalharam ao vento.

No que diz respeito a mim,
nada vos imploro:
não podia comer, nem sequer bombons,
a criança que ardeu como papel.

Bato à vossa porta, tio, tia:
uma assinatura. Não matem as crianças
e deixem-nas também comer bombons.


(Tradução. de Rui Caeiro)



Não nos deixam cantar
Não nos deixam cantar, Robeson*
meu canário com asas de águia
Meu irmão negro com dentes de pérola
Não nos deixam cantar as nossas canções.
Têm medo, Robeson
medo da aurora, medo de olhar
medo de ouvir, medo de tocar.
Têm medo de amar,
medo de amar como amou Ferhat, apaixonadamente.
(Decerto que também vocês, irmãos negros,
têm um Ferhat, como é que tu lhe chamas, Robeson?)
Têm medo da semente e da terra,
medo da água que corre,
medo da lembrança.
A mão de um amigo que não deseja
nem desconto nem comissão nem moratória
igual a um pássaro quente
não apertou nunca a sua mão.
Têm medo da esperança, Robeson, medo da esperança!
Têm medo, meu canário com asas de águia,
Têm medo das nossas canções, Robeson…
*Este Robeson é o Paul Robeson, o celebérrimo cantor (baixo) americano, perseguido pelo macchartismo, o que prejudicou
gravemente a sua carreira de cantor lírico. Gravou também muitas
.canções de resistência dos trabalhadores americanos.



(Tradução de Rui Caeiro)

_________________

Publicaremos em breve mais poemas de Nazim Hikmet. O nosso amigo Paulo Rato vai publicar aqui uma série de traduções de poemas do grande poeta turco.


publicado por Carlos Loures às 03:00
link do post | comentar

9 comentários:
De Maria Monteiro a 15 de Outubro de 2010 às 20:16
Ontem ao ouvir falar da poesia de Nazim Hikmet eu sabia que recentemente tinha lido alguma coisa sobre ele mas não me lembrava onde... afinal era aqui no Estrolabio. É mesmo serviço público de primeira. Vou passar o texto ao meu professor e digníssimos colegas.


De augusta.clara a 15 de Outubro de 2010 às 21:35
E eu vou guardá-lo no meu arquivo dos poemas que elegi. Obrigada, Carlos.


De carlos loures a 15 de Outubro de 2010 às 23:30
Vou, logo que tenha tempo para tal, traduzir do castelhano mais alguns poemas de Nazim Hikmet. foi um dos maiores poetas do século XX. Não foi divulgado entre nóa como merecia.


De augusta.clara a 16 de Outubro de 2010 às 01:09
Tenho estado a pensar onde é que eu li sobre ele. Acho que foi no Pamuk, provavelmente no "Istambul".
Muito boa ideia, Carlos.


De Maria Monteiro a 16 de Outubro de 2010 às 01:31
Çok güzel (Muito bem) Carlos. Vai-me dar um gosto especial aprender turco através da poesia de Nazim ... Eu que ainda só vou no alfabeto (e muito mal) vou começar a descobrir a harmonia das palavras, o seu significado, ... Excelente. Agora tenho que pedir ao Fatih (o nosso querido professor de língua turca) que arranje os poemas em turco para ir casando com os teus.


De plácidoagitador a 16 de Outubro de 2010 às 07:40
Dediquei uma semana do programa "Os Sons Férteis" (Antena 2) a Nâzim Hikmet, de 14 a 18 de Janeiro de 2002, assinalando o primeiro centenário do seu nascimento, baseando-me na colectânea "Poemas da Prisão e do Exílio", com tradução de Rui Caeiro, ed. &etc, 2000. E utilizei mais alguns poemas dele, noutras ocasiões.
Também tenho um pequeno folheto, que terá tido uma circulação clandestina, com alguns poemas traduzidos pelo João José Cochofel, escrito à máquina e policopiado, que me foi oferecido pelo meu querido amigo (também poeta) Cândido da Velha (que o obteve em Angola, no decurso dos muitos anos que lá viveu e trabalhou).
Vou enviar os poemas dessa semana comemorativa para o Carlos Loures.
Paulo Rato


De augusta.clara a 17 de Outubro de 2010 às 03:17
Obrigada por estes, mas mais, mais, mais!


De carlos loures a 17 de Outubro de 2010 às 07:55
Cumprindo o que prometeu, o Paulo Rato enviou-me uma série de traduções de que, sendo poupado, apenas gastei as duas que aqui se transcrevem. Numa das próximas madrugadas o Nazim Hikmet fará nova visita.


De Maria Monteiro a 17 de Outubro de 2010 às 23:44
Partilhei através do Facebook


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
HOLA...¿NECESITA PRESTAR DINERO PARA PAGAR CUENTAS...
Bom-dia Senhoras e Senhores.Sou uma mulher de negó...
Sou uma mulher de negócio Portuguesa e ofereço emp...
Dude, if you were trying to sound portuguese let m...
Olá Andreia! Sei que esta publicação já é antiga. ...
Patricia Deus vai abençoar você e sua empresaMeu n...
Meu nome é Fábio João Pedro e eu sou de Portugal. ...
Meu nome é jose matheus Giliard Alef sou do brasil...
Bom dia a todosMeu nome é Damián Diego Alejandro, ...
Olá a todosEu sou Tainara izabella paola e sou da ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links