Quinta-feira, 11 de Novembro de 2010
Sempre Galiza! - coordenação Pedro Godinho: Síntese do reintegracionismo contemporâneo (4), por Carlos Durão


Síntese do reintegracionismo contemporâneo (4)

por Carlos Durão


(continuação)

Quanto mais nos achegamos aos nossos dias, mais numerosos são os testemunhos, e mais forte é o movimento, prematuramente rejeitado pelos pessoeiros do oficialismo. De facto, o “lusismo” fora já descartado por Carlos Casares por fins dos anos 70 no jornal La Voz de Galicia como “felizmente já superado”, considerando “peregrina” a proposta de R. Lapa (vide infra); mas anos depois também considerava “extravagante” a ortografia oficialista (1999, 902: 25); e Darío Xohán Cabana escrevia pelas mesmas datas, no semanário A Nosa Terra, que isso era uma “enfermidade infantil” do nacionalismo. (E o que anos mais tarde seria presidente da RAG, X.L. Méndez Ferrín, acusou os reintegracionistas de traidores à pátria, e de estarem em contra do idioma, o mesmo que a pior reação espanholista.)

Para designar este conceito empregaram-se os termos seguintes: “grafia renovada”, “reintegrar”, “língua franca galaicoportuguesa”, "unificação”, “novo idioma", unificação ortográfica”, “reabilitação literária”, “língua galaico-portuguesa”, “reintegração”, “recuperação literária”, “integração”, “integracionismo”, “integracionista”, “incorporado”, “mesma língua”, “reincorporação”, “ortografia comum”, “língua portuguesa”, “integração linguística galego-portuguesa”, “restaurar”, “ortografia unificada”, “rectificação”, “devolução”, “resgate”, “unificação ortográfica galego-portuguesa”, “galaico-português”, “galaicoportuguês”, "galego ou português", “regeneração”, “regeneracionismo”, “reintegração galego-portuguesa”, “recuperação”, “galego etimológico-reintegrado”, “reingresso”, “reinserção”, “lusistas-reintegracionistas”, “reintegracionismo/lusismo”, “luso-reintegracionismo”, “lusoreintegracionismo”, “restituição”, “revitalização”, “recuperação do idioma”, “recuperacionista”, “reintegrante”.

Também se empregaram para este campo semântico os termos “galego-português”, “galegoportuguês”, “língua galécio-portuguesa”, “português galego”, “português da Galiza”, “portugalaico”, “língua galaico-portuguesa”, “lusofonia”, “galaicofonia”, “portugalego”, “porto-galego” e “galeguia” (“lusismo” e “lusista” foram amiúde empregados com sentido pejorativo pelos isolacionistas para tentar desacreditar este crescente movimento diante da opinião pública).

Foi M. Rodrigues Lapa o primeiro que usou o termo “portugalego”, como abreviatura de português galego: “galego-português ou portugalego” (1977); “fala galega, mas língua literária portuguesa da Galiza sob o nome de portugalego” (1979: 127). Posteriormente empregaram-no R. Carvalho Calero: “galego-português, portugalego, galuso, galego ou português” (1983.1984: 16); A. Gil Hernández: “galego (português ou portugalego)” (1988, 14: 197), e Joaquim Reis: “galego-português [...] Ou portugalego, que é o mesmo” (1997, 785: 27). R. Lapa também  empregou “Portugaliza” por vez primeira: "Para designar isso mesmo, em termos menos sublimados, nós criámos uma palavra composta que vem a dar no mesmo: Portugaliza.  Isto é, a união de dois países irmãos, estreitamente ligados, mas em perfeita liberdade" (1982.1985: 37) (anteriormente empregara o termo “Portugalicia” pelo menos uma agência de viagens entre Londres e Galiza e Portugal).

Também Rodrigues Lapa empregou o termo “galeguia”: “Perante esta evidência, demonstrada a galeguia (que bonito nome!) do português de todos os quadrantes, perguntamos se é justa a opinião daqueles que se empenham em descobrir diferenças no génio dos dois povos irmãos” (1981, 74: 500). Posteriormente foi empregado pelo escritor brasileiro Luiz Ruffato para designar a lusofonia: “no meu caso, compreendi perfeitamente o galego -mas essa felicidade, que chamei de galeguia (galegria), dá um tom de suavidade muito particular” (2005, 83/84: 241), no VIII Congresso da Associação Internacional de Lusitanistas, Compostela, 2005 (21 julho), e numas Jornadas organizadas pela fundação Via Galego, em 2007; e ainda: “sabemos que a língua com que nos expressamos, antes de ser portuguesa, é galega - a Galiza é o berço do que se convencionou denominar, por injunções históricas, de língua portuguesa. Então, na época, propus que ao invés de levantarmos a bandeira da lusofonia, passássemos a falar em galeguia - que devolve o sentido original da raiz da nossa língua, relativiza o peso do passado colonial e reincorpora, com os devidos créditos, a Galiza a este universo comum” (2007, 89/90: 214).

Foi, com efeito, o professor Manuel Rodrigues Lapa, que se considerava galego de Anadia, um vulto fulcral na orientação do reintegracionismo. Cedo demonstrou o seu interesse, apaixonado até, pelos problemas do galego, sempre livre de qualquer “imperialismo linguístico” de que foi injusta e miseravelmente acusado pelo oficialismo galego: por exemplo por X. Alonso Montero, embora este aconselhasse ao crítico literário: “Non te esquezas do duro traballo que é darlle orde literario a un idioma que se presentaba sin elo. Non te esquezas que no papel non se pode poñer o lenguaxe tal como o ouvimos na boca do pobo. Haberá que pensalo e vivilo con mentalidade elevada, con mentalidade culta” (1951: 71). Mas para Alonso Montero o galego nasceu no século XIX (1958/1959). Para X.L. Méndez Ferrín o galego nasceu com o Pe Sarmiento (2006).

Já nos anos 30 escrevia Lapa: “Para esta indispensável aproximação é necessário em primeiro lugar reformar a ortografia galega no sentido da nossa ortografia oficial, sempre que isso seja possível, que quase sempre o é” (1932.1979: 20); “O acordo filológico entre as duas regiões seria coisa facílima, não precisando sequer da intervenção oficial: bastava um entendimento entre o Centro de Estudos Filológicos e o Seminário de Estudos Galegos” (1935, 425: 261-262); “Afinal, parece que estamos todos de acordo: fala brasileira, mas língua portuguesa do Brasil, com as singularidades próprias de cada uma, mas sem quebra da unidade fundamental [...] Com efeito, aquilo que atrás dissemos sobre o caso brasileiro, poderíamos repeti-lo quase nos mesmos termos a respeito do galego: fala galega, mas língua literária portuguesa da Galiza sob o nome de portugalego, isto é, com as peculiaridades próprias de cada uma, sem prejuízo da unidade fundamental [...] O português literário, sem garantia de propriedade, é privilégio de três países, Galiza, Portugal e Brasil, a que se juntaram agora mais cinco nações africanas emancipadas” (1979: 125/127/128); “não nos esqueçamos de que uma língua falada não é nunca língua de todo o povo; é de uma região, de uma profissão, de uma classe; só a língua escrita é uma língua geral, -no espaço e no tempo” (1979: 126); “Sempre considerei a Galiza, essa terra maravilhosa, desgraçada e incompreendida, como sendo a minha própria terra; e historicamente e geograficamente assim é, pois estou dentro dos limites da velha Galécia, que chegava pelo sul ao rio Mondego” (1979).

(continua)     


publicado por estrolabio às 10:00
link do post | comentar

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Sou James Roland, de Portugal. Alguns meses atrás,...
Oferece empréstimos de dinheiro variando de 5000 a...
Here is a good news for those interested. There i...
oferta para todosOlá, volto para todos os indivídu...
esse dalmaso nao e brasileiro ele deu depoimento e...
Meu nome é Patricia Martins, de Portugal, um pai s...
Dia bom, Meu nome é Laura Pablo, eu quero testemun...
Afinal em que ficamos? Esta coisa do Daflon do Ven...
UPDATE ON LOAN REQUIREMENT If you are in need of ...
Olá, sou ivani suarez, atualmente morando em santi...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links