Sexta-feira, 18 de Junho de 2010
Os Homens do Rei - novo livro de José Brandão
José Brandão, o nosso colaborador, autor da série História de Suicídios Famosos em Portugal e da que estamos diariamente a editar - República nos livros de ontem nos livros de hoje, ambas com tanto êxito, lançou um novo livro
Os Homens do Rei

Os reis portugueses, ao longo de vários séculos, seguraram nas mãos o destino de Portugal. Mas nunca o fizeram sozinhos. À sua sombra sempre estiveram homens poderosos e influentes com uma palavra a dizer. Os Homens do Rei fala-nos de todas essas figuras históricas. Militares, religiosos ou pensadores, esses homens deixaram a sua marca em Portugal e, por vezes, no mundo.

Um livro a não perder:

Os Homens do Rei
__________________________________


publicado por Carlos Loures às 17:00
link do post | comentar

4 comentários:
De José Brandão a 19 de Junho de 2010 às 16:03
APRESENTAÇÃO
Este livro é a História de Portugal contada com o propósito de trazer para primeiro plano do conhecimento público algumas das muitas figuras que protagonizaram episódios marcantes ao serviço de um rei.
Contam-se casos e vidas de súbditos que se notabilizaram pelos feitos que os colocam no nosso memorial histórico e onde estão nomes da mais diversa condição que surpreendem ao aparecerem juntos, como acontece no presente volume.
Os Homens do Rei são um encontro com figuras da História que estiveram presentes de forma elevada na vida dos reis portugueses. São personagens com feitos e factos capazes de despertar as atenções protectoras ou os interesses mais exigentes das majestades reinantes e que, em alguns casos, chegam mesmo a ocupar funções que deixam ofuscado o respectivo patrono real.
Os Homens do Rei aqui apresentados revelam as grandezas e fraquezas de um mundo tutelado por sucessivas dinastias onde nem sempre prevalece o primado da competência e o da honradez de carácter.
Se por um lado homem do rei pode significar um factor de competência na educação e na formação de alguém visado, por outro, pode traduzir as fragilidades e os podres de um Poder que se estilhaça e se dissolve às mãos de aproveitadores de ocasião.
O Egas Moniz de D. Afonso Henriques não é o Marquês de Pombal de D. José. Nem João Franco de D. Carlos é Fernão Lopes de D. Duarte. São homens do rei em tempos diferentes e com fins que em nada se comparam.
Mas porque não visa meras comparações de feitos e obras, este trabalho quer divulgar um conjunto de personagens que de algum modo estiveram ligadas à vida de monarcas portugueses.
Escolhidos pelo bem ou pelo mal que representam, eles são os homens que o rei quer e precisa para os seus intentos, nem sempre bons, nem sempre maus.
Permanentemente abertos a ter a seu lado aqueles de que resulta um bom partido ou um bom investimento, os nossos Soberanos não regateiam preços nem denotam dificuldades em granjear ou aceitar como seus homens alguns dos mais estranhos e imprevisíveis apoiantes ou apoiados. Entre os de irrepreensível porte e os de infame alinho, tantos são os que estão ao dispor da escolha possível.
Num cenário que vai do pioneiro D. Afonso Henriques ao derradeiro D. Manuel II alinham-se cerca de uma centena de figurantes provindos dos mais diversos campos do saber e da mais distinta cultura da época.
São os Homens do Rei que servem de tema a uma abordagem ainda pouco aprofundada e menos ainda divulgada.
Ao longo das páginas que se seguem podem ser avaliadas figuras da nossa História que nos fazem crer num passado de Portugal feito à sombra de muita gente hoje quase anónima.
Quem recorda nos tempos que correm o arcebispo de Braga D. João Peculiar, do reinado de D. Afonso Henriques, ou mesmo o bispo de Viseu D. António Alves Martins, do reinado de D. Pedro V?
Quem recorda actualmente o Chanceler Julião Pais, do reinado de D. Sancho I, ou mesmo o deputado Manuel Fernandes Tomás, do reinado de D. João VI?
Ao exibir a presente relação de Homens do Rei procura-se trazer à ribalta da escrita memórias de vidas excelsas que se desdobram pelas dinastias que comandaram os destinos de Portugal.
Devotados do rei porque por ele escolhidos, ou devotados ao rei porque a ele escolheram, estes Homens do Rei são, em geral, modelos de uma dedicação extrema que coexiste entre a estima sincera e a cumplicidade criminosa.
O absolutismo do Visconde de Santarém e o liberalismo de Mouzinho da Silveira não podem expressar o mesmo objectivo da dedicação.
A ferocidade bárbara de Geraldo, o Sem Pavor contra os Mouros no Alentejo e a pregação missionária de Padre António Vieira junto dos Índios no Brasil não são expressão de igual préstimo.
Igualmente, quer o suicídio do romancista Camilo Castelo Branco, quer o suicídio do sertanejo Silva Porto, se ocorrem no mesmo espaço temporal, não são, porém, consequência duma mesma razão. Camilo abraça a morte por amor físico e afectivo. Porto elege a morte por amor pátrio e contemplativo.
Estão ligados a um rei do seu tempo e por isso são Homens do Rei.


De José Brandão a 26 de Julho de 2010 às 15:07
Depois de ter publicado A Vida Dramática dos Reis de Portugal a editora Ministério dos Livros do grupo Saída de Emergência publica agora Os Homens do Rei, ambos do mesmo autor: José Brandão.
Para os que estão em dúvida sobre se valerá ou não a pena adquirir este novo ensaio, aqui vão 5 razões para não comprar Os Homens do Rei de José Brandão.

1ª Se leu e não gostou de A Vida Dramática dos Reis de Portugal não vale a pena comprar Os Homens do Rei. O estilo é o mesmo e o tema relaciona-se.

2ª Se não é apreciador da escrita simples e cativante, não compre este livro. Os Homens do Rei está escrito em obediência a essas propriedades.

3ª Se não gosta de um livro que o mantém preso até à última página, Os Homens do Rei não é leitura para si. Ele agarra-o com fácil anuência.

4ª Se não quer ter acesso à História de Portugal exposta de modo diferente sem fugir ao rigor histórico recuse ler Os Homens do Rei. A leitura da obra segue essa norma.

5ª Se tem receio em ficar aderente de mais um autor nas suas preferências, não tente ler Os Homens do Rei. A leitura do mesmo pode causar dependência.


De Luis Moreira a 26 de Julho de 2010 às 19:42
Vou comprar e vou ler!


De maria monteiro a 26 de Julho de 2010 às 23:44
Gostei do aviso dos 5eRes... vamos lá ver se fico dependente


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
HOLA...¿NECESITA PRESTAR DINERO PARA PAGAR CUENTAS...
Bom-dia Senhoras e Senhores.Sou uma mulher de negó...
Sou uma mulher de negócio Portuguesa e ofereço emp...
Dude, if you were trying to sound portuguese let m...
Olá Andreia! Sei que esta publicação já é antiga. ...
Patricia Deus vai abençoar você e sua empresaMeu n...
Meu nome é Fábio João Pedro e eu sou de Portugal. ...
Meu nome é jose matheus Giliard Alef sou do brasil...
Bom dia a todosMeu nome é Damián Diego Alejandro, ...
Olá a todosEu sou Tainara izabella paola e sou da ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links