Quinta-feira, 9 de Setembro de 2010
Uma outra forma de aparecer no mundo
Clara Castilho


O belo texto com que o Adão Cruz nos presenteou em que falava de partos na Guiné e as achegas sobre o futuro de um bebés nascidos( apetece dizer: o mundo é pequeno!) fez-me lembrar este texto de minha mãe (publicado na revista”Mulher”, ano LXV, nº 3358, de 8.9.76)

Um texto de MARIA CECÍLIA CORREIA 

QUANDO A ANA NASCEU

A primeira vez que nos reunimos – as quatro mulheres da família – foi quando a Ana nasceu.

Foi simples. Pensei: deve ser uma festa. E convidei as outras filhas.

A mais velha tinha 18 anos e, não sei porquê, uma leve suspeita que o parto podia ser coisa bicuda. A outra tinha 10 e a sua presença foi escândalo para algumas pessoas, de certa idade, entenda-se. Tão novinha – diziam, que disparate!

Vejamos: se a filha do meu compadre Lourenço, com 12 anos, foi a parteira da mãe, lá por terras da Beira Alta, porque considerar a Clara nova de mais? Ela até ficou a julgar-se mais crescida!

Além de nós a três , Cersina Bermudes, que perdeu o título de Drª porque os títulos se perdem quando outros valores mais altos aparecem. Assim, era como uma amiga que ela discretamente dirigia a nossa reunião-festa. Lembro-me que contava uma recente viagem à Áustria.

No pouco tempo de espera, a nossa atitude era a mesma que teríamos numa estação de caminhos-de-ferro: entretínhamos o tempo como quando se espera qualquer coisa. E a “qualquer coisa” apareceu pouco depois, com ar calmo e grande cabeleira preta. – Pareces uma indiazinha do Peru, foi como a saudei. E fiquei contente por ela ser uma rapariga. Mulher – futura mãe! Assim éramos nós quatro, ali reunidas, a fonte de outras crianças; a maternidade presente e as que viriam depois teriam sempre a ligá-las aquela tarde de esta.

Ana, a última, e alheia ainda a significados, não poderia saber que essa reunião tinha sido preparada muitos anos atrás, quando outros lutaram para que ela pudesse ser feita. Ali estavam os estudos e os esforços de quantos quiseram mais bela a maternidade, fora e dentro de Portugal.* De quantos lutaram profundamente e cm coragem, primeiro contra o desconhecido, depois contra a ignorância e os preconceitos. Quase todos, com pena minha, ignoram o agradecimento de quem recebia os benefícios das suas conquistas.

Ana não sabia também que, juntando pedra na construção, eu queria fazer a preparação remota do parto sem dor a essas filhas, que seriam mães, por sua vez, e a quem teria de ser dado o “contraveneno” das conversinhas-rumores” sobre o parto. O parto foi posto aos seus olhos, não como uma dura prova, mas como um acontecimento simples e belo.

A “indiazinha” ficou no berço e as irmãs regressaram a casa. Talvez amanhã seja coisa corrente os irmãos esperarem outros irmãos com o mesmo ar de festa com que a Ana foi recebida, não sei. Mas para nós foi extraordinário. Todas hoje sentimos que essa foi uma tarde grande: aconteceu que chegou a Ana e que todas as mulheres da família a estávamos esperando.


publicado por Carlos Loures às 11:00
link do post | comentar

5 comentários:
De adao cruz a 9 de Setembro de 2010 às 12:06
Belo relato Clara. Antes de tirar a especialidade de cardiologia, portanto no início da minha carreira, fiz dezenas de partos na serra da Gralheira, à luz da candeia e do ptróleo e também na Guiné.Sempre achei que é um momento da vida cheio de beleza e poesia.


De augusta.clara a 9 de Setembro de 2010 às 15:08
É um texto encantador. Ainda me lembro da noite em que a minha irmã mais nova nasceu, em casa. Eu tinha três anos e era uma miúda muito irrequita. Não tinha dormido nada porque sabia que ia chegar um bébé. Fui espreitar e achei muito estranha a posição da minha mãe. Mas logo ali levei um ralhete e me mandaram embora. A minha sensação de injustiça só se acalmou quando me puseram o bébé no colo por um bocadinho. Parecia-se com o meu boneco e eu senti-me muito importante naquele momento.


De Carlos Mesquita a 9 de Setembro de 2010 às 20:04
Clara, o mundo é pequeno, e para nós que andamos pelos mesmos sítios desde miúdos ainda parece mais. Uns meses depois da tua mãe ter escrito este belo texto, nascia o Filipe, o meu filho mais velho. Na Clínica Cabral Sacadura, a obstetra foi a Doutora Cesina Bermudes. As peripécias davam um conto, pois a Doutora tinha ida buscar uns primos ao aeroporto, contava os minutos por causa dos sinais de parto, mas lá chegou a horas, ofegante. O que a tua mãe conta sobre o "parto sem dor" foi muito importante para nós há 33 anos. A carmo apesar de ter saúde, ainda lembrava o que um incompetente dum médico lhe tinha dito na adolescência, se abortasse teria 90% de possibilidades de morrer, se tivesse algum filho morria de certeza. Eu tinha aquela imagem desgraçada dos filmes, com toda a gente a correr aos berros.
O parto a que assisti (e ajudei) foi das coisas mais belas e tranquilas das nossas vidas. Quando o Filipe surgiu, a Carmo que seguia por um espelho disse;- olha tem o cabelo preto! daí a pouco dormiam os dois.
A Professora Doutora Cesina Bermudes, introdutora do "parto sem dor" ou psicoprofiláctico, foi uma mulher notável, a Democracia não a homenageou como merecia, pelo pioneirismo na medicina e no ensino, e pela sua actividade cívica.
O que faço há 33 anos é vender o "parto sem dor" a todas as mulheres, contando o nosso caso, sei que nem sempre é fácil como foi esse (e o seguinte) mas falo da nossa experiência.


De Luis Moreira a 9 de Setembro de 2010 às 21:03
Eu sou um valente do caraças, fui para a sala de partos, o Hugo estava a nascer, e a médica voltou-se para mim e perguntou: trato do filho ou do pai? saí da sala e ainda tive tempo de tirar a bata antes de desmaiar...


De augusta.clara a 9 de Setembro de 2010 às 21:16
Não fiques triste, Luís porque eu conheço muitas histórias dessas. Até conheço um que foi chamar o ex-marido da mulher porque ele não aguentou.


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
OláEu sou Ibrahim Mohammed do Emirado árabe unido,...
Eu sou um disposo privada de um fons de that em ro...
Eu sou um disposo privada de um fons de that em ro...
Potrebuješ pôžičku? Máte nízke kreditné skóre a ne...
Atenção; Você é um homem de negócios ou uma mulher...
Viveu bastantes anos em Portugal, mais precisament...
Empréstimo e InvestimentoOlá a buscar um empréstim...
No dia 08/01/1974, faleceu o furriel Zeca Rachide,...
Cheguei aqui pelo link no blogue O Cantinho da Jan...
Apply now for all kinds of loans and get it urgent...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links