Terça-feira, 31 de Agosto de 2010
Novas Viagens na Minha Terra



Manuela Degerine
Capítulo XCV

Vigésima terceira etapa: A mulher que vê passar os comboios (continuação)

O artista começa a impacientar-se. Mesmo na estação do Rossio, uma rebelde continuará rebelde, arranjará maneira de contestar, de protestar, de importunar, já chega de palavreado, ele pintava outro cenário, precisa de o entregar, a penúria é um cão teimoso, morde-lhe as canelas há décadas, pagaram-lhe a cena ferroviária, não volta a tocar-lhe, não e não, perdeu tempo demais a pintá-la, ao ponto de vir reclamar mudanças, não faltava mais nada, encomendaram-lhe o cenário para um comboio eléctrico, pudera ter despachado uma paisagem verde que, com duas vacas e três pinceladas, causa sempre efeito, em vez disso levou semanas na busca de um verdadeiro espaço ferroviário, encontrou em Pontevedra aquele albergue de peregrinos, uma imagem urbana complexa, pouco banal, ao contrário do que ela insinua, claro que estende roupa, também ele estende, como a maioria das pessoas, para além disso é escritora, percorreu quinhentos quilómetros a pé, quer situação menos trivial, é-o aliás tão pouco que, não raras vezes, pareceu bizarra, imprudente e até suspeita, resultando disto tudo, no fim de contas, o desencontro do costume, uma obra que ninguém encomendou e, pelas reacções, também não foi apreciada, bem feito para ele, nunca seguiu a moda nem a facilidade, resta-lhe aguentar as consequências.


Quem é que, nos dias de hoje, dá valor à pintura? As galerias expõem – e vendem – montes de lixo. Quem dá valor à técnica? Pensa que é fácil representar uma pele como a dela? Pois fique a saber: não é e não interessa a ninguém. Anda toda a gente a tirar fotografias. E ele pinta cenários disto e daquilo, quando calha, paredes de rua, as melhores encomendas, porém agora cobrem tudo com telas impressas, mais baratas, não admira, como se fosse igual... Cada obra dele é única – quem dá valor a isto? Recorre, tantas vezes, a outras tarefas para comer, pagar a renda, comprar pincéis, telas, tintas, aguarrás, um casaco, umas calças, uma camisa, a roupa nunca acima de um euro a peça, bem regateado na feira da ladra, já se vê, o pivete de borla, claro que lava e estende roupa, entre outras tarefas, o seu único luxo, a sua extravagância, levar o filho, que continua com a mãe, à praia ou ao cinema. Vive há dez anos sozinho: a boémia é fotogénica no cinema mas na realidade afasta as donzelas. Quem se importa com a solidão dos artistas? Ela sabe o quê da vida verdadeira? Veja passar o comboio e, se não lhe convém, paciência, três pinceladas: uma avozinha, apenas esboçada, para haver paz.

Interrompo aqui o debate. Receio que a história se conclua mal para esta mulher. Na verdade o comboio é verdadeiro e eu não sou feita de papel e tintas – fica o leitor mais sossegado.

Para simplificar as ideias, que se complicaram, dirijo-me para a cozinha, onde encontro fogão, copos e pratos; não precisamos de mais nada. Saio com Sérgio em busca de um supermercado. Interrogo dois passantes, que me aconselham, pouco mais adiante, um Froiz. Fazemos as compras contando cada passo e, sem força para mais caminhadas, regressamos de imediato ao albergue.

Continuo a pensar na mulher que vê passar os comboios. O pintor, pelo que percebo, enganou-se: ela não é escritora. Talvez o criador a imaginasse assim; no entanto a mulher – o nome dela é Rita – só se lembra de escrever as páginas do diário que acaba, com alguma surpresa, de encontrar; com os braços no ar, ignora quantos anos, não abriu aquela bolsa. E quem escolheu a camisola com uma frase em inglês?... Não foi ela de certeza.

Rita precisa agora de um momento de reflexão. Quer ler o diário, analisar o conteúdo da bolsa, despejar a mochila que sabe ter na camarata do albergue. Para além de sair do cenário, surge-lhe outra dificuldade: emancipar-se da mulher que o artista quis pintar.

tags:

publicado por Carlos Loures às 10:00
link do post | comentar

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Sou do Bat. Caç. 4613/72 que foi para Angola em fi...
Aí meu Deus eu tenho um pavor a esses bichos! Un d...
ei pessoal do bat cav 1927 e ex combatentes boa pa...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
I recebeu um empréstimo em um notável credores, ho...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
Recebi um empréstimo de um credores excepcionais, ...
Para a sua atençãoMais preocupação por seus proble...
Carlos Loures a Anália já aqui disse tudo. Ter em ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links