Quinta-feira, 26 de Agosto de 2010
Novas Viagens na Minha Terra

Manuela Degerine

Capítulo XC

Vigésima terceira etapa: de Redondela a Pontevedra (continuação)

Caminhamos por uma rua sem nada de particular, com casas de um lado e do outro, quando notamos, à nossa esquerda, um caminho de areia que conduz à beira da ria. Avistamos um banco lá em baixo: bom sítio para apreciar o panorama.

Descemos. Deixamos à direita um grupo de prédios, passamos por um pouco de erva e de lixo, numa zona arenosa, um tanto enlameada, usada para estacionar carros, o grau zero do urbanismo: as casas foram vendidas, o resto ficou como calhava. (Donde conheço eu isto?...) Chegamos ao banco. E só agora reparamos que... não está virado para a ria!

Imaginava eu que as autarquias portuguesas não tinham rival no universo obscuro do absurdo...

Nós queremos ver a enseada, sentamo-nos portanto com o peito no recosto do banco. Não é afinal mau para quem, como nós, traz dores nas costas, provocadas pelo peso da mochila. Apoiando os braços na parte superior do banco, estico a coluna vertebral – o que não deixa de ser agradável.

Há a meio da ria ilhéus com ervas verdes, à esquerda uma ponte metálica, à direita outra ponte que, vista daqui, deduzo ser a medieval, com dez arcadas, junto da qual se encontram, de um e do outro lado, pequenos barcos coloridos. As casas acompanham a margem e sobem pela encosta acima; nota-se alguma desordem urbanística que não deixa de acrescentar encanto à paisagem.

Qual o projecto da câmara quanto ao banco? Imaginamos os burocratas a congeminar. Quererão obrigar-nos a admirar os prédios ali atrás? Parece pouco provável; para além de não serem exemplares, não se viram sequer para a ria, mas para a rua na qual passávamos. Pretendem acaso mostrar um parque de estacionamento improvisado? Ajudem-se a vós próprios que a câmara não está para isso. Uma sinceridade muito louvável porém arriscada do ponto de vista eleitoral. Não, em vez de mostrar, seja o que for, tentam esconder... O quê? Torna-se logo evidente: o cano de esgoto que se encontra a dois metros do banco. Embora de lá venha um cheiro nauseabundo, devem decerto sair substâncias deliciosas, saltam-lhe centenas de peixes à frente. Mas que autarquia jamais se incomodou com canos de esgoto? E com os peregrinos de Santiago? Em Portugal, pelo que notei, os peregrinos não inspiram mais que os canos de esgoto, estes sem cor, gosto ou cheiro para a maioria das autarquias, excepto em Ponte de Lima, que acolhe os peregrinos de maneira exemplar e porventura também cuidará do meio ambiente, todavia na Galiza, tantos séculos de hospitalidade, eureka, é sem dúvida isto: uma artimanha para nos esticar a coluna vertebral. Não representará antes uma injunção aos habitantes? Moderem a contemplação, tornem-se mais produtivos, a paisagem não alimenta. Não?... Esta região deve, no passado, ter vivido, em parte, da ria e agora haverá, no mínimo, alguma actividade turística – apesar do cano de esgoto.

Estudado o problema nas suas visíveis facetas, acabamos por concluir, embora de maneira provisória, o que nos parece mais credível: trata-se de uma instalação realizada por qualquer artista galego subvencionado por um partido da oposição. (Tenho-as visto piores em sítios com mais pretensões.)

Seja como for... Este banco constituirá um dos mistérios do Caminho de Santiago.

tags:

publicado por Carlos Loures às 10:00
link do post | comentar

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Empréstimo e InvestimentoOlá a buscar um empréstim...
No dia 08/01/1974, faleceu o furriel Zeca Rachide,...
Cheguei aqui pelo link no blogue O Cantinho da Jan...
Apply now for all kinds of loans and get it urgent...
Sou do Bat. Caç. 4613/72 que foi para Angola em fi...
Aí meu Deus eu tenho um pavor a esses bichos! Un d...
ei pessoal do bat cav 1927 e ex combatentes boa pa...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
I recebeu um empréstimo em um notável credores, ho...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links