Terça-feira, 9 de Novembro de 2010
à despedida
Carla Romualdo

Eu poderia dizer-lhe que me sinto estúpido, envergonhado, desiludido… poderia invocar uma loucura momentânea, um arrebatamento. Mas não, de nada vale, que queres que te diga? Eu sabia, como não havia de sabê-lo, que agora sou sobretudo esta carcaça velha. É certo que por vezes me esqueço disso, que o coração irrompe numa aceleração infantil, que acredito poder lançar-me numa correria que acalme o alvoroço, que as pernas não me fraquejarão, que não perderei o fôlego. Acredito então que é possível regressar a esse momento passado, acredito com o mesmo deslumbramento inocente com que acreditamos poder voar nos sonhos da infância.

Porque houve um momento, juro-te, isso sim, posso jurar-te, em que senti essa vibração interna que não se pode explicar a quem nunca a sentiu, um estremecimento, uma energia que se liberta para sacudir-nos o corpo. Era desejo? Também era, mas não me chega dizer isso. Eu queria que ela visse o homem que eu fui, que a velhice caísse aos meus pés como um manto e ela visse um homem, apenas um homem, um homem e não um velho. Por que raio se deixa de ser homem e mulher para ser apenas velho?

Ela contava-me os impasses, a miséria dos desamores, a sua solidão, confidenciava-me tudo como se esperasse de mim a solução, como se eu pudesse dizer-lhe o que fazer ou salvá-la da angústia, como se a idade nos ensinasse alguma coisa sobre isso e eu procurava encontrar palavras de esperança, de bom senso, que essa patética experiência, que ela buscava com sofreguidão como se pudesse ser a sua panaceia, servisse para alguma coisa. E ela escutava-me, assentia com a cabeça, agradecia, afagava-me a mão, despedia-se com uma doçura exagerada, como se lhe ocorresse que aquela podia ser a última vez que me via, que os velhos têm os dias contados e cada um dos seus passos pode ser o último.

Naquele dia também foi assim, e eu já a ouvia a custo, cada vez me custava mais seguir-lhe os enredos novelescos. Disse-lhe meia dúzia de lugares-comuns, a conversa foi morrendo, pedimos a conta, saímos do café. Mas quando ela olhou para mim, à despedida, quando olhou unicamente para os meus olhos e nada mais, aconteceu. E foi, tenho a certeza que foi isso, porque ela se esqueceu de quem eu era, esqueceu-se, ainda que isso tenha durado pouco, e por isso pôde ver-me, a mim, aqui por dentro, mais fundo do que a carcaça, e estremeceu. E eu agarrei-a pelos ombros e aproximei o meu rosto do dela, e ela assustou-se, é verdade, mas creio que parte dela ansiou por isso, e desviei o rosto para beijá-la na face. Mas o mal estava feito, percebemos os dois. E foi assim que eu soube que nunca mais a queria ver, que haveria de fugir dela até ao fim dos meus dias.


publicado por CRomualdo às 19:30
link do post | comentar

7 comentários:
De Luis Moreira a 9 de Novembro de 2010 às 19:35
Não acredites, os velhos como lhes chamas, só têm saudade da juventude e a mulher é o que há de mais parecido com a juventude perdida.Por isso, que há muito digo, para me perder só por uma mulher.


De augusta.clara a 9 de Novembro de 2010 às 23:04
Não ligues, Luís que isso faz parte da crueldade juvenil. Já todos por lá passámos. Depois é ela, a crueldade, que passa.


De Luis Moreira a 9 de Novembro de 2010 às 23:18
Pois, não tenho a tua sabedoria...:-)


De augusta.clara a 9 de Novembro de 2010 às 23:56
Tens, tens. Confesso que aí, se eu fosse homem, também tinha ficado um bocadinho mal. Mas olha que ao contrário não é melhor. Que havemos de fazer? É a vida..."é preciso cantá-la assim florida/Pois se Deus (que o Adão não veja isto) nos deu voz foi para cantar/E se um dia hei-de ser pó cinza e nada/Que seja a minha noite uma alvorada/Que me saiba perder para me encontrar (Florbela Espanca). Gostaste?


De adao cruz a 10 de Novembro de 2010 às 11:54
Ai vejo, vejo! Mas deus é assim, dá voz a uns e a outros tira-a.


De augusta.clara a 10 de Novembro de 2010 às 14:05
Eu adoro uma provocaçãozinha :))


De Luis Moreira a 13 de Novembro de 2010 às 11:53
Carla, voltei atrá para te dizer que ando a pensar neste texto.Não sei como fazes mas parece que, aos 30 anos, já passaste por estas emoções( a isto chama-se talento). Vou-te dizer, já me aconteceu (foi há 15 anos, não era velho)mas, por outras razões ,ter passado ao lado de uma paixão arrebatadora. Desde aí que só penso nela...


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
No dia 08/01/1974, faleceu o furriel Zeca Rachide,...
Cheguei aqui pelo link no blogue O Cantinho da Jan...
Apply now for all kinds of loans and get it urgent...
Sou do Bat. Caç. 4613/72 que foi para Angola em fi...
Aí meu Deus eu tenho um pavor a esses bichos! Un d...
ei pessoal do bat cav 1927 e ex combatentes boa pa...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
I recebeu um empréstimo em um notável credores, ho...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links