Quarta-feira, 24 de Novembro de 2010
Evento da Literatura Brasileira – qual o momento-chave?
Carlos Loures

O Professor Sílvio Castro, nosso colaborador, autor deste repto, meu querido amigo e grande especialista na LIteratura Brasileira (e na Portuguesa), afirma que o primeiro evento da literatura do seu país é a Carta de Pero Vaz de Caminha para D. Manuel I. Não concordo, mas sinto-me um pouco como quem estivesse junto de Einstein a contestar a sua Teoria da Relatividade. A idade entre as muitas coisas más que acarreta, trouxe consigo este descaramento de poder discutir Medicina com os médicos, Jardinagem com os jardineiros e, como agora acontece, História da Literatura Brasileira com um Professor Catedrático da Universidade de Pádua.

Que Santo António de Lisboa (e de Pádua) nos valha!

Há anos atrás, com os Professores Sílvio Castro e Manuel Simões, fui a Alcobaça tratar de um assunto editorial na Biblioteca do Mosteiro. Projectava-se na casa uma grande História das Literaturas de Língua Portuguesa e aproveitámos o passeio para trocar impressões sobre o ambicioso projecto. Chegámos ao destino e fomos almoçar, pois faltava muito tempo para a hora que combinara no Mosteiro. Tínhamos pelo caminho vindo a debater questões de carácter geral e quando nos sentámos à mesa começámos a falar da Literatura Brasileira. E surgiu esta questão – quando se pode começar a falar de LIteratura Brasileira?, Sílvio Castro apresentou esta tese que expõe no texto – A carta de Pero Vaz de Caminha - eu discordei e Manuel Simões, lembrou que havia diversas teses sobre o assunto. Mas chegou a comida e a questão foi esquecida ou, pelo menos, ultrapassada por um assunto mais importante.

Acrescente-se que Sílvio Castro dirigiu o volume consagrado à História da Literatura Brasileira, organizada de acordo com aquilo que ele pensava e pensa. A minha divergência era pessoal – o Carlos Loures não estava de acordo; o director editorial não se meteu num assunto que só dizia respeito ao responsável pelo volume. Aliás, a tese de Sílvio Castro é a mais aceite, não só no Brasil, como internacionalmente. Por exemplo, a Professora italiana Luciana Stegagno Picchio (1920-2008), grande especialista nas Literaturas de Língua Portuguesa corroborava-a totalmente.

Por que não estou de acordo? Vou dizê-lo sucintamente, guardando pormenores para mais tarde - parece-me que considerar a carta de Pero Vaz de Caminha como primeiro monumento literário brasileiro, constitui uma relação demasiado apegada ao território, à circunstância histórica, já que o objectivo da carta, a que hoje chamaríamos relatório, foi apenas o de informar o monarca das características específicas da terra achada por Pedro Álvares Cabral. Na minha opinião, tudo o que se escreveu no Brasil até à independência do território, pertence ao acervo da Literatura Portuguesa – Não havia brasileiros – ou melhor, os brasileiros genuínos eram os índios a quem os portugueses iam paulatinamente despojando do território, matando, fosse de “morte matada”, fosse pelas epidemias que espalharam, destruindo, exterminando. E foi assim até à independência – que não foi conquistada, mas fruto do oportunismo de cortesãos que durante o tempo em que João VI esteve no Rio, se habituaram a benesses e mordomias que o regresso da Corte a Lisboa lhes ia retirar, reduzindo alguns à sua dimensão anterior à fuga para o Brasil - simples funcionários, cortesãos sem importância, em alguns casos.

Uma história que não me canso de contar – Há anos atrás, num debate realizado no Centro Nacional de Cultura, um interveniente brasileiro defendia a sua tese em termos de nós, brasileiros, oprimidos, vós, portugueses, opressores. Aí pela terceira vez que ele usou esta oratória maniqueísta, o Professor Eduardo Lourenço (que dirigia o colóquio) pediu-lhe amavelmente que declinasse o nome. O que o jovem fez. Tinha um apelido português. Então, sorrindo, Eduardo Lourenço, disse-lhe mais ou menos isto – «os opressores foram os seus antepassados; não os meus que nunca sairam de Portugal. Foram os que colonizaram o Brasil, e não os que cá ficaram, quem matou, oprimiu, aculturou, violou… E esses foram também os primeiros brasileiros.»

Todos sabemos que as pátrias se forjam com mitos. A batalha de São Mamede que 1128 marca para muitos o nascimento de Portugal, não terá passado de um mero torneio ou de uma escaramuça, segundo outros. A Conquista de Lisboa aos Mouros, em que se descrevem actos de heroísmo como o de Martim Moniz, terá sido negociada e nada de heróico terá tido. O Brasil não escapa a esta regra, tanto mais que a independência se verifica em pleno movimento do Romantismo. O Brasil criou os seus mitos, como todas as nações.

Os brasileiros têm todo o direito de, por exemplo, considerar toda a literatura de língua portuguesa ou galego-portuguesa, Afonso X, os trovadores, Fernão Lopes, Gil Vicente, Camões… todo o património literário do dealbar da lusofonia, como proto-história da sua Literatura nacional. Essa proto-história pode ser invocada pelo Brasil, por Timor-Leste, Angola ou Moçambique. Considerar Literatura Brasileira o que foi produzido antes de o Brasil existir como nação e muito antes de ser um Estado, para mim não faz sentido.

Não faz sentido, nem o Brasil necessita de nacionalizar literaturas estrangeiras. A partir do século XIX criou uma literatura própria. Em 1922, com o grito Modernista, iluminou toda o espaço literário coberto pelo idioma. E chegou hoje a um patamar de excelência. Nisto, o meu caríssimo Sílvio Castro e eu estamos de acordo. A divergência não é quanto ao ponto de chegada, mas sim quanto ao big bang. E, antes que alguém se antecipe, digo já: é um pormenor bizantino, este que levanto – tenha sido em 1500, com Pero Vaz de Caminha e com a sua carta a D. Manuel, ou em 1836, com a Niterói - Revista Brasiliense”, de Gonçalves de Magalhães, a literatura brasileira, é o que é – bela, pujante e única.


publicado por Carlos Loures às 12:00
link do post | comentar

2 comentários:
De Luis Moreira a 24 de Novembro de 2010 às 12:48
Interessante polémica, e inclino-me para o que dizes,não me parece que a Carta de Caminha tenha o que seja de brasileiro a não ser ter sido escrita no território, se calhar nem isso, terá sido escrita num navio que arvorava a bandeira portuguesa.Mas é bem interessante esta troca de argumentos.


De augusta.clara a 24 de Novembro de 2010 às 16:01
Não tendo eu a mínima habilitação para entrar nesta discussão, não posso deixar de, mais uma vez, tecer os maiores elogios ao texto do Carlos Loures pela carga cultural e pela competência com que sempre nos apresenta a sua argumentação.


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
No dia 08/01/1974, faleceu o furriel Zeca Rachide,...
Cheguei aqui pelo link no blogue O Cantinho da Jan...
Apply now for all kinds of loans and get it urgent...
Sou do Bat. Caç. 4613/72 que foi para Angola em fi...
Aí meu Deus eu tenho um pavor a esses bichos! Un d...
ei pessoal do bat cav 1927 e ex combatentes boa pa...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
I recebeu um empréstimo em um notável credores, ho...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links