Quinta-feira, 25 de Novembro de 2010
Noctívagos, insones & afins: Criança - uma obra em aberto
Clara Castilho


HISTÓRIAS CONTADAS POR CRIANÇAS – O QUE ELAS NOS QUEREM DIZER - II



Para as crianças vítimas de contextos familiares traumatizantes é, por vezes, muito doloroso pensar, imaginar, aprender. Acontece, muito frequentemente, estarem em estados que quase não sabem quem são, onde nasceram, onde estão, etc. E é esta confusão interior que não lhes permite a abertura para o saber. Se não têm organizada a ideia de si próprias, do seu espaço infantil, da diferença entre eles e os outros, da diferença de sexos e gerações, então não podem pensar. Só a partir do momento em que consigam “pensar-se” como um ser autónomo, é que poderão investir os saberes escolares.

Através das actividades para que são impulsionadas e que fazem apelo à imaginação nós podemos ser como são invadidas por determinados tipos de conflitos que, nem sempre, se podem enfrentar sem o apoio de educadores e de um ambiente que dê segurança - segurança que permita o clima favorável ao conhecimento.


É que sem sentimentos de segurança, estas crianças têm dificuldade em defenderem-se do inesperado, das intrusões indesejáveis. Têm dificuldade em protegerem-se dos seus próprios impulsos e dos efeitos que eles nela podem produzir.

A construção da “história” da criança surge, em muitos casos, como necessidade de uma procura de identidade e de “reconstrução” de uma ideia de história de vida organizada e, em muitos casos, possível de suportar. A carga emocional, subjacente a vivências, por vezes traumáticas, é, de certa forma, aliviada, ao permitir-se a sua abordagem numa relação e num espaço contentor e securizante. Se tal acontecer de forma planeada, a criança, mais tranquila e organizada, poderá, então, mais facilmente, aderir a saberes que a escola exige.

No caso de crianças objectivamente vítimas de abandono, elas procuram explicar a si próprias a razão das várias perdas por que já passaram e enfrentar este duplo traumatismo. Podem desprezar os pais que os abandonaram e que eles amaram, continuando a sentir a falta do seu amor, até porque ninguém os veio substituir nessa função. Podem ultrapassar o ódio e raiva de não terem sido suficientemente amadas.

E poderá ser através das histórias, elas podem transformar o pensamento em palavras, sem entrave, porque instrumento intermediário de comunicação com outrem, dirigidas a um adulto que as acolhe, as ouve, lhes dá segurança. Com estas intervenções restaura-se o narcisismo ferido, representa-se o irrepresentável de um vazio interior. Pode, então, “sentir”, mesmo com tristeza e medo, criando-se a disponibilidade para descobrir, para aprender coisas novas, sobre ela própria e sobre o mundo, agora sem a angustia invasora. Dando vigor e confiança ao Eu , dá-se o desejo de investir a vida, pode-se encontrar a esperança de ser feliz.

A FLORESTA ASSUSTADA


Era uma vez uma floresta muito escura, porque o sol não conseguiu entrar…

Um dia um menino estava a passear com os pais num jardim. Os pais deixaram o menino no jardim. O menino correu, correu à procura dos pais, e não encontrou.

Depois foi parar a uma floresta. A floresta era grande e muito escura. O menino ficou com medo e ficou a chorar… estava muito assustado… Havia um lobo na floresta que logo viu o menino.

O sol viu o lobo e ficou assustado, o sol queria ajudar o menino, mas não conseguiu entrar na floresta… O sol conseguiu dar luz ao menino.

O menino viu a cabeça do lobo atrás de uma árvore. O menino começou a fugir do lobo. Mas o lobo era mais forte e apanhou o menino. O lobo comeu o menino. O sol pensou que conseguia ajudar o menino.

( Interrogado, explicou que a culpa era do pai e da mãe porque tinham abandonado o menino no jardim).

M.A. – 8 anos

ALDEIA FELIZ

Era uma vez numa aldeia muito longe de Lisboa, lá para o Norte.

Era uma aldeia muito feliz. As pessoas eram amigas.

Chegou o Natal e todos fizeram uma grande festa. O Pai Natal deu presentes a todos.

Mas havia uma casa onde viviam dois meninos que eram irmãos e o Pai Natal não viu a casa deles. Era muito pobres !...

Mas apareceu uma velhinha que teve pena deles e deu-lhes as prendas que o Pai Natal lhe tinha dado...

E a velhinha ficou a tomar conta deles como se fosse a “mãe”. Depois apareceu um anjo e disse:

- Fizeste bem, velhinha !

E aqueles meninos ficaram contentes porque tinham uma mãe.


F.- 11 anos


publicado por Carlos Loures às 03:00
link do post | comentar

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
I recebeu um empréstimo em um notável credores, ho...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
Recebi um empréstimo de um credores excepcionais, ...
Para a sua atençãoMais preocupação por seus proble...
Carlos Loures a Anália já aqui disse tudo. Ter em ...
Caro Carlos Loures, Obrigada pela sua resposta. Es...
Agradeço o seu depoimento. Só agora respondo porqu...
Tanto quanto soube recentemente, foi o próprio Car...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links