Terça-feira, 6 de Julho de 2010
Outra Constituição, outra Democracia, uma Terceira República - 49
Carlos Leça da Veiga

À espera duma Terceira República (Continuação)



Nas mentes de quantos têm mandado no viver dos europeus não há a consciência – pelo menos, não parece haver – que está a terminar a época em que, no chamado mundo ocidental e no europeu de sobremaneira, está em aproximação veloz o fim da acumulação, continua, desenfreada e num crescendo ininterrupto dos lucros do capital. Salta à vista que são impedidos de prosseguir pela força concorrencial desmedida das novas e poderosas economias instaladas fora da Europa para as quais, com justiça plena, chegou a hora de inverter as conveniências do tradicional centralismo colonizador muito próprio dos europeus e transportar as sedes das decisões internacionais para fora da Europa, muito especialmente, senão decididamente, para as margens do Oceano Pacífico. Dizer-se o contrário e vociferar-se pela retoma económica europeia (voltar ao antigamente) só é possível por razões de mera metafísica ou duma fé redentora, uma e outra, simples crenças insustentáveis que, no caso que mais interessa, o português, só por delírio dos seus dirigentes políticos, é que pode ser imaginada como coisa susceptível de acontecer inclusive – tão longe prosseguem ao arrepio da objectividade mais comezinha – que chegam ao ponto de considerá-la evidente, inexorável e indiscutível.

Para tal e tanto, começaram por invocar as virtudes excelsas das medidas nacionais optadas para, a breve trecho, face às suas inutilidades e, de sobremaneira, para sacudirem a água do capote, passaram a gritar alto e a bom som que só com uma concertação de medidas financeiras internacionais, é que haveria sucesso!

Depois de terem dado Portugal como quase imune às perturbações económicas do imperialismo neoliberal – nunca falam do seu autêntico descalabro – passaram a admitir que os reflexos internacionais dessa crise haveriam de chegar com intensidade reduzida, por evento desprezível, para, pouco após, reconhecerem-lhe uma dimensão mais alargada e, por fim concluírem pela recessão económica caseira que – dizem eles – mau grado, ter chegado como surpresa – é um fruto da crise lá de fora – iria ter conserto por intermédio das medidas financeiras tanto ianques, como europeias ou nacionais e – estão certos – tem fim anunciado já que, como eles sabem de fonte limpa, não estará longe de acontecer uma retoma económica favorável que, no seu optimismo de fachada, ou de inconsciência, processar-se-á nos termos tradicionais como se tudo continuasse como dantes. Não é um juízo possível de aceitar-se, muito menos uma visão política a propor-se. O seu inverso, isso sim.

Com tais governantes é impossível pensar-se num bom caminhar para o sucesso feliz da República em curso. Importa querer fazer-se outra, a Terceira.

É forçoso pensar-se no avizinhar duma época que, para Portugal – para toda a União Europeia – virá repleta de inevitáveis dificuldades económicas, face ao que foi vivido nos últimos cinquenta anos. Este entendimento realista não aparenta ser tomado a sério pelos chamados dirigentes nacionais, neles incluídos os designados empreendedores e, assim, nada foi legislado nem organizado, em termos da Lei Fundamental, para optar-se, como é premente, por uma adaptação constitucional inovadora que imprima características democráticas avançadas e participativas à sua estrutura funcional. Toda a população portuguesa – ao contrário do que acontece – tem de dispor de mecanismos capazes de garantir-lhe a partilha, o mais directa possível, dos problemas da crise em curso e, a seu par, os duma sua responsabilização efectiva e muito directa na solução a encontrar-se. Mesmo, se outras razões não houvesse e há, será imperioso haver uma alteração política nacional que seja capaz de dar as melhores garantias à impossibilidade de, sem precisarem-se dos vestígios dum qualquer autoritarismo, impedir, em definitivo, poder tornar a haver a repetição dum descalabro democrático como aquele dos transactos anos vinte com o que foram abertas as portas à ditadura salazarista.

Não bastam, nem satisfazem, os programas político-partidários; é imprescindível uma Constituição para uma Terceira República que, no mínimo e, em definitivo, garanta a solidez e a irreversibilidade das conquistas sociais promocionais e assegure uma justiça independente. Com efeito importa instituí-las de tal maneira que os procedimentos dos mais variados recursos humanos intervenientes, enquanto portadores de capacidades cívicas, cientificas, técnicas, artísticas e humanísticas, com valor garantido e com prática social afiançada, possam contribuir o mais possível, com efectividade, eficácia, eficiência e segurança reconhecidas, para ajudar a dar remédio bastante à reconversão e reconstrução das estruturas estatais consequentes à falência pronunciadíssima do modelo de Democracia em curso.

Entre nós portugueses, se as dificuldades a avizinharem-se não forem encaradas nos termos exigidos por uma Democracia avançada – na qual todos têm de assumir responsabilidade democrática nas deliberações – irá gerar-se um indesejável clima de confrontação social. A continuar-se como até agora, em que a venalidade impera, o nepotismo comanda, as falcatruas vingam, a Justiça claudica e as decisões políticas são reserva absoluta dos interesses dos estados-maiores partidários, não será presumível, nem possível, que a maioria da população portuguesa tenha de aceitar, de modo brando, a degradação duma situação económico-social para a qual, ao contrário de quanto anda a propalar-se, em nada contribuiu.

(Continua)


publicado por Carlos Loures às 21:00
link do post | comentar

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Aí meu Deus eu tenho um pavor a esses bichos! Un d...
ei pessoal do bat cav 1927 e ex combatentes boa pa...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
I recebeu um empréstimo em um notável credores, ho...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
Recebi um empréstimo de um credores excepcionais, ...
Para a sua atençãoMais preocupação por seus proble...
Carlos Loures a Anália já aqui disse tudo. Ter em ...
Caro Carlos Loures, Obrigada pela sua resposta. Es...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links