Sábado, 17 de Julho de 2010
Opinião. Passos Coelho impõe portagens na A24.

Carlos Mesquita


Razões de força maior impossibilitaram o envio, na semana passada, do artigo que tinha planeado. Ia no seguimento do anterior, sobre a prestação dos cuidados de saúde no Alto Tâmega, e a capacidade reivindicativa da denominada Comissão de Defesa da Unidade Hospitalar de Chaves. Entretanto surgiu o tema da portagem em todas as SCUTs. Coloquei um texto no blogue Estrolabio, dia 3, (www.estrolabio.blogspot.com) com a posição que defendo há anos neste jornal. Os dois problemas estão relacionados num ponto; Trás-os-Montes não consegue dizer NÃO. Perante actos políticos que prejudicam a Região, os transmontanos têm respondido com uma passividade ímpar. Não há cidade ou lugarejo, empresa ou grupo profissional, que seja ofendido nos seus direitos e não parta para a luta, que barafuste, mesmo que não consigam ganhar as batalhas, vão à briga, ouvem-se, vêem-se. Em Trás-os-Montes não; a apatia tomou conta das gentes transmontanas.

Estou convicto que isso se deve ao facto das pessoas mais activas e conscientes dos problemas, estarem arreigados aos partidos maioritários, PS e PSD, e à inexistência de uma “sociedade civil” (detesto esta terminologia, mas serve) independente e dinâmica. Mas se a sociedade civil é servil, por ignorância ou indiferença, caberia aos militantes políticos que têm noção das implicações das opções políticas, tomar posição e juntar vontades. A realidade é que PS e PSD servem apenas para dividir os transmontanos. As causas de Trás-os-Montes foram substituídas por razões laranjas e rosas, há sempre uma cor disponível para justificar toda a espécie de actos que lesam a Região.

Os eleitos em Trás-os-Montes seja para o poder local seja para a Assembleia da República, têm posto sempre o partido, ou o líder nacional, à frente dos interesses das populações que os elegeram. Chaves tem duas figuras no parlamento, veja-se pela sua actividade parlamentar (as intervenções e o que subscrevem está na Internet) se lá estão em defesa da Região ou a tratar da carreira. Não têm qualquer influência. A deputada Paula Barros que subiu no PS por fidelidade a Sócrates, para além da importância figurativa nas fotografias do líder em visita à sua região, não se lhe conhece qualquer interferência nas políticas regionais, a não ser o apoio cego a todas as medidas do governo, seja na Comissão de Educação com Maria Lurdes Rodrigues, seja na Saúde, onde apoiou as políticas de Correia de Campos que geraram a situação do Hospital de Chaves; está agora na Comissão de Defesa da Unidade Hospitalar de Chaves; sem comentários. O outro deputado flaviense, António Cabeleira, é daquele PSD que Sócrates chama ultra liberal, recebeu o Hospital Privado de braços abertos, (numa festa a que, segundo me lembro, o presidente da Câmara não foi) está ideologicamente contra o Serviço Nacional de Saúde (SNS) e está no seu direito, a maioria de quem votou nele é que duvido que saiba o que é não ter SNS. Enfim, não se pode contar com o PSD na defesa da Saúde Pública, nem na situação das portagens; é o PSD que está a fazer chantagem com o governo minoritário de Sócrates para impor portagens na A24. Comissões, moções, entrevistas e reclamações vindas donde vêm, é só conversa. Eleitos por Chaves ou pela Brandoa dá no mesmo.

O apoio fanático ao Mercado, causador da crise que vivemos, não deixa o PSD defender o interesse local, nem o interesse nacional, como se vê pela posição em defesa dos espanhóis da Telefónica (este caso PT/Telefónica não cabe aqui, tenho opinião publicada no Estrolabio, dia 4).

Estará então o Alto Tâmega e particularmente Chaves condenados a ver aumentar as dificuldades, com um poder de compra abaixo da média nacional (Chaves 74%), com impedimentos à circulação de turistas que irão para outros destinos, sem apoios na Saúde aos mais necessitados, e o resto que virá? Não se sabe. Sabe-se que as medidas de austeridade, e vão ser necessárias mais, aplicam-se onde é mais fácil, onde as populações não reagem, onde o poder sabe que a oposição às medidas é fraca, onde não há capacidade de luta.

tags:

publicado por Carlos Loures às 13:30
link do post | comentar

1 comentário:
De Luis Moreira a 17 de Julho de 2010 às 18:03
E é a região que tem mais razões para reinvindicar. O problema é que isto está nas mãos das corporações, interessa pouco a justiça e a equidade.Ouve-se quem grita mais alto!


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
I recebeu um empréstimo em um notável credores, ho...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
Recebi um empréstimo de um credores excepcionais, ...
Para a sua atençãoMais preocupação por seus proble...
Carlos Loures a Anália já aqui disse tudo. Ter em ...
Caro Carlos Loures, Obrigada pela sua resposta. Es...
Agradeço o seu depoimento. Só agora respondo porqu...
Tanto quanto soube recentemente, foi o próprio Car...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links