Sábado, 17 de Julho de 2010
Outra Constituição, outra Democracia, uma Terceira República - 60
Carlos Leça da Veiga


Utopia que seja; quem quererá partilhá-la? (Continuação)

Será utopia querer modificar o mundo em que nos tem sido dado viver?

Como tentar fazê-lo?

A Democracia, e só a Democracia, tem obrigação e tem possibilidades de poder consegui-lo.

No nosso País, a República, tal como é determinado pelo seu ordenamento constitucional, não parece ser capaz de encontrar a resposta mais favorável, aquela que nos dias de hoje, é imperioso exigir-se. Uma outra República haverá de sê-lo. Experiência após experiência – a História a isso obrigará – algum resultado deverá conseguir-se, pese embora, admitir a possibilidade de conseguir atingir-se uma qualquer perfeição seja, pelo certo, um procedimento muito insensato. Utopia não é um sinónimo de insensatez. Um lugar procurado pode, jamais, conseguir encontrar-se.

Procure-se inventar uma República fundamentada numa Constituição Política que, como disse de Fernando Pessoa, saiba “ter saudades do futuro”; que, como desejado por Teilhard de Chardin, não inquine a perspectiva de “crescermos para cima e para dentro”; que, como ensina Jonathan Wolff saiba “determinar a distribuição adequada de poder político” e que, como prescreve Rabindranath Tagore, leve muito em conta que, “se fechas a porta a todos os erros, deixarás de fora a verdade”. Bastar-lhe-á que seja uma Democracia com uma Constituição desejável e exequível aberta, o mais possível à verdade, à participação de todos e que, por igual, seja a Democracia do ser, a do ter e a do saber.

É preciso defender-se um novo projecto de organização política do todo nacional – um projecto constitucional alternativo – que elimine os erros e as insuficiências da ordem constitucional vigente que, todos eles, de há muito estão a fazer sentir-se e permitem, como está a acontecer, uma gestão política demagógica, autoritária e danosa desenvolvida ao sabor das conveniências mais inconfessáveis tanto dos possidentes como dos seus fâmulos que, mais outra desonestidade, para conseguirem salvaguardá-la, tudo fazem para mostrá-la bem condimentada pela influência poderosa dum dirigismo internacional tentacular, estribado numa orientação político-económica neo-liberal e nitidamente imperialista. A experiência tem demonstrado que este modo da actuação política e económica é lesiva das boas práticas democráticas o que, entre nós, por exacto e por calamidade, está num curso ininterrupto. Os desmandos das desonestidades vindas a público, em termos de grandeza, superam, de longe, aqueles outros, muito pobres, dos indicadores favoráveis ao desenvolvimento.

Que razões haverá para que, mais uma vez na História portuguesa, continue a existir, à sombra da própria Constituição Política, uma tão grande subserviência aos ditames do exterior cujos, de facto, são as determinantes maiores do retrocesso político, económico, cultural e social da população portuguesa.
Que razão haverá, para não procurar-se uma solução nacional elaborada conforme a nossa própria História, de sobremaneira, a mais recente do pós-25 de Abril.

É fundamental, agir-se na conformidade estrita dos interesses políticos, sociais, culturais, económicos e ecológicos da maioria da população portuguesa que, por múltiplas razões, as geoestratégicas, como bom exemplo, não têm de ser, como não são e como não podem ser, por necessário, as mesmas doutros estados europeus com passados e presentes doutra conformidade evolutiva. O caso português deverá ser devorado pelas perspectivas estratégicas, retintamente expansionistas, duma Europa continental?

Portugal é um estado europeu marítimo logo com perspectivas geoestratégicas diferentes das dos estados continentais europeus que, alguns deles, por aberração, insistem, como outrora, em querer comandar os destinos do nosso continente, neles incluídos aqueles que são muito próprios dos portugueses. Neste sentido, o IV Reich, na sua versão de União Europeia, dá passos avassaladores contudo, por ora, contenta-se e basta-se com o disfarce suficiente para que, por alarde dito democrático e por via pacífica, vir a conseguir alcançar os seus propósitos dominadores. As proporções duma crise económica em crescimento acelerado permitem adivinhar que, com o decorrer do tempo, elas mesmas acabarão como bastantes para fazerem estalar o verniz que encobre a encenação do entendimento político franco-germânico. Não virá longe o dia em que entre estes comparsas estalará uma controvérsia muito séria da qual, mais uma vez na História, todos quantos têm aceite o manto da subserviência política, haverão de ser as vítimas privilegiadas.
Outrora, em 1580, a prata de Castela entrava em Portugal no dorso das mulas de Cristóvão de Moura e, sessenta anos após, o retrocesso patrimonial nacional era uma realidade desastrosa, inegável e irrecuperável. Agora as mulas que por cá entram são montadas pelos negociadores governamentais e parlamentares que, em Bruxelas, recebem como dádivas os subsídios europeus e, como é patente, desta vez, os resultados práticos, em bem menos anos de dominação, reconheça-se, não são muito diferentes.

É fundamental, é estratégico, acima de tudo, contra tudo e custe o que custar, privilegiar-se uma transformação eminentemente política, como seja, a da defesa duma nova Constituição que, substancialmente, elimine os erros e as deficiências da actual, entronize a participação efectiva da população e, por igual, expresse ao máximo e com toda a intransigência a defesa da Independência Nacional e o respeito pela Soberania Nacional.

Quem quererá partilhar esta utopia?

Será, de facto, uma utopia?

Depois de oito séculos de História será desejável passarmos a ser, apenas, mais uma região federada num estado europeu coisa que, é bom lembrar, nunca foi reclamada por ninguém da arraia-miúda portuguesa?
Não bastará como exemplo indesejável, entre quantos há na Europa, o daquelas Nacionalidades sujeitas à opressão dos reinos castelhano, inglês, prussiano, piemontês, franco etc.?

A História de Portugal deverá deixar de ter a sua identidade própria para passar a ser a dum mero aspecto da História da Europa?

Os Descobrimentos portugueses deverão passar a ser os Descobrimentos europeus?


publicado por Carlos Loures às 21:00
link do post | comentar

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Empréstimo e InvestimentoOlá a buscar um empréstim...
No dia 08/01/1974, faleceu o furriel Zeca Rachide,...
Cheguei aqui pelo link no blogue O Cantinho da Jan...
Apply now for all kinds of loans and get it urgent...
Sou do Bat. Caç. 4613/72 que foi para Angola em fi...
Aí meu Deus eu tenho um pavor a esses bichos! Un d...
ei pessoal do bat cav 1927 e ex combatentes boa pa...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
I recebeu um empréstimo em um notável credores, ho...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links