Terça-feira, 15 de Junho de 2010
O Elefante ou o Quebra-nozes para as crianças?
Raúl Iturra

Para nossa neta Maira, filha de Cristan van Emden e Paula (née Iturra)


An analitycal fairy tale….

Foi comentado no nosso ensaio de Dezembro, que Natal era quando o marketing quiser. Comentário que me leva a pensar a relação dos adultos e das crianças. Essa relação, hoje, de distância e, antigamente, de larga intimidade, ambas com muito imaginário e certa afectividade. Imaginário, como é natural, que varia no tempo e no espaço. Como Pyotr Ilyich Tchaikovsky e Gus van Sant. Como a água do óleo. Qual, a verdadeira? Qual, a conveniente? Qual, a da História? Não é o acaso que me leva a pensar no Elefante e no Quebra-nozes.


O Elefante, de Gus van Sant, é o filme que relata, em 2003, o que aconteceu na Escola Secundária de Columbine de Littleton, Colorado, USA, em 1999. Em Abril de 1999, duas crianças púberes massacraram colegas, docentes, administrativos e amigos. Uma escola assassinada por sentirem que ninguém tinha paciência, carinho ou atenção por eles, e que a sua inteligência e talento passavam despercebidos. De facto, até o Für Elise de Beethoven ou Sonata ao Luar, descrevem os sentimentos emotivos dos meninos desprezados. Por quem? Acabado o filme, ficamos a saber, ao pesquisar os factos e ao reparar no processo dentro do qual decorre a nossa vida actual: a solidão, a falta de família, mães empresárias, pais no escritório, sem beijo, abraço, carícia ou sorriso, esses pequenos nadinhas de apoio para seres que estão a começar a vida. Não tendo ainda capitalizado analise, entendimento, simpatia, dos seus actos e factos, como referem Pierre Bourdieu e Jean-Claude Passeron em 1970, no seu La Reproduction (1966), quando falam que a violência simbólica está ligada ao sistema de ensino? Distante da acção pedagógica? Disciplina com castigo corporal, sistema de ensino baseado na memorização das ideias sem debate, informes negativos aos adultos das crianças, e outras ideias desenvolvidas por eles em diferentes textos, especialmente nos majestosos Le pouvoir symbolique de 1989, ao referir Bourdieu, que la mort sasit le vif, ou a morte do outro dá? Como parecem ter pensado os adolescentes ao reivindicarem o seu direito à vida amável, justa e reconhecimento dos seus afazeres. Proferem uma frase dura e bestial ao Director que costumava bater-lhes, no segundo prévio à balada de balas que canta a extinção de um ente ante pedagógico: nunca pensaste que eu também pensava, sua besta...Diz perdão, Diz perdão! Mas a absolvição acaba por ser o fuzilamento sobre o piso do bom feitor de crianças assassinas; bem como no La misère du monde de 1993, ao falar de famílias deslocadas do seu sítio natural, terra e lar. Exactamente, esse Elefante das crianças que agarram a vida na medida que matam mais de duzentas pessoas para compensar a falta de sítio próprio, definido pela frase do inicio deste texto: o marketing retira seres humanos dos seus ascendentes, do cuidado e atenção aos seus estudos, namoros, planos de vida, gerindo auto estima enganada, Beethovens que substituem emotividade mal nascida, abortada ou nunca desenvolvida. Esse pesado animal de trompa cumprida, acaba por ser a sociedade que cria entidades para o mercado, que saibam calcular e encurralar o inimigo, inimigo definido, à la Freud, pelo desbravamento de seres para amar, por seres para odiar e serem mortos para esse agarrar a vida. Deslocação não querida, mas entendida por causas distantes de sentimentos necessariamente entremeados com uma certa racionalidade que os adultos saberiam ensinar... se o mercado o permitisse. Elefante criado pelos invasores do Vietname, salvadores do Iraque, intervenientes em processos democratas, como o do Salvador do Chile. Toma da vida, uma real tomada da Bastilha que pretende a liberdade, igualdade e fraternidade, direitos definidos mas nunca atingidos. Direitos, fundamentais na idade adolescente que, ao não serem fornecidos, passam para uma sublimação ritual na Missa das balas lançadas em nome da justiça e do bem-estar dos adolescentes em questão. Fuzilar para tomar a vida do outro e assim ficar no justo peso e medida da interacção social. Interacção definida pela acumulação do lucro e procura de mais-valia na empresa da vida, como tem sido definido pela nossa História, ao longo do tempo, a partir da existência de mercadorias entre países ocidentais e orientais, mercadoria que desnorteia o comportamento. Donde, Quebra-nozes. Pytor Illich apresenta-nos uma Clara que acolhe no seu regaço o seu boneco partido na rixa de crianças na noite de Natal. Essa noite apoiada pelo avô que dança, a mãe que dita as horas de ir para cama, o pai que apoia a disciplina e assim terem uma surpresa para os pequenos no dia seguinte de manhã. Pequenos que no referido bailado, manipulam o seu ainda despovoado imaginário, dentro dos limites delineados pela família. Um Quebra-nozes que, na fantasia da pequena, dança, namora, apresenta um bosque e um castelo no qual se manifesta como o Príncipe que realmente era. Quebra-nozes que o seu irmão, na sua raiva de já não ser capaz de brincar com os presentes de Natal, parte e desfaz, como se fosse um presságio do Elefante de Columbine. Van Sant e Tchaikowsky pertencem a dois mundos diferentes: os da magia da criação musical que ilude a partir de factos que seriam banais se não fossem importantes para as crianças, o músico; ou da magia da recriação do real na base da irrealidade da imagem, o cineasta. No entanto, os dois a analisarem a importância do apoio do adulto que entende? Ou não aos pequenos? Os que entendem ganham uma princesa; os que não, ganham uma depressão e, muitos, um luto inesperado. Van Sant sabe qual a pedagogia necessária para termos cidadãos animados e emotivos que sabem combinar coração com razão. Piotr, faz-nos dançar com o chá da China, o chocolate da Espanha, os doces da Rússia e a infinita Valsa das Flores, no minuto que toda a família festeja a recuperação do Quebra-nozes, a sua conversão em Príncipe e o seu amor declarado à pequena que, já mulher, o soube restaurar, em menina, no seu colo. A História arquiva Columbine, mas aprende os factos que o capital nos causa; assim como arquiva em salas de dança e em discos, o ar doce e amoroso da Valsa das Flores, Epílogo desejado por todo o educador. Uma Apoteose a milhas de distância dos educadores? Tantos! -, Que criam aborrecidos e mal estimados Columbines. A História aborrece o Elefante e sonha com o Quebra-nozes, mas vive na singular batalha do animal de trompa cumprida, já faz anos...e os que ainda faltam. Para as crianças não pode haver Quebra-nozes, excepto se queremos levantar a Apoteose de saber agarrar a vida para a continuar dentro do plano dos direitos humanos que, até onde entendo, os nossos dois artistas criam e Pierre Bourdieu analisa de forma sabida. É com eles que aprendemos a crescer e a não apenas a viver dentro do lucro e mais-valia, mas sim, dentro de uma raciocinada fantasia. Elefantes e Quebra-nozes a par e passo, no processo da vida, para os pedagogos aprenderem com todos estes artísticos factos. Haja ouvidos para entendermos os processos educativos e vivermos calmos e serenos, no amor e delicadeza de gerações a compartilhar a mesma cronologia.


publicado por Carlos Loures às 15:00
link do post | comentar

1 comentário:
De clara castilho a 20 de Junho de 2010 às 23:59
Este texto, consegui-o ler do princípio ao fim, sem ficar desmotivada a meio, apesar de algumas referências a autores que não conheço. Mas o sentir, partilho-o. Quantos dos meninos/as que passam pela minha vida, ou de cujas vidas tenho conhecimento, penso poderem vir a fazer algo semelhante ao que aconteceu em Columbine! A tentativa de inverter o processo em curso implicaria mudanças a tantos níveis que a tentação da desistência é grande... Mas a sensação de impotência terá que se reverter em sinergias conjuntas para não ficarmos com a responsabilidade de termos voltado a cara ( e nada disto é num perspectiva caritativa). Estas situações verificam-se em qq estracto social, se bem que os mais altos as escondam muito bem...
Continuemos reflectindo, agindo e tirando algum prazer disso, quando possível! (essencial para mantermos uma boa saúde mental, equilíbrio, sem o qual também nós agiremos atacando algo ou alguém). E a música, como ela nos pode ajudar, a nós e no processo de ajuda!


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Olá Sr. / Sra.Você precisa de empréstimos para o p...
HOLA...¿NECESITA PRESTAR DINERO PARA PAGAR CUENTAS...
Bom-dia Senhoras e Senhores.Sou uma mulher de negó...
Sou uma mulher de negócio Portuguesa e ofereço emp...
Dude, if you were trying to sound portuguese let m...
Olá Andreia! Sei que esta publicação já é antiga. ...
Patricia Deus vai abençoar você e sua empresaMeu n...
Meu nome é Fábio João Pedro e eu sou de Portugal. ...
Meu nome é jose matheus Giliard Alef sou do brasil...
Bom dia a todosMeu nome é Damián Diego Alejandro, ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links