Segunda-feira, 8 de Novembro de 2010
Evento da Literatura Brasileira - A Carta de Pero Vaz de Caminha sobre a Descoberta do Brasil
Sílvio Castro


O documento evidentemente real, a Carta de Pero Vaz de Caminha, escrita de 22 de abril a 1º de maio de 1500, enviada logo no dia seguinte a Lisboa, ao destinatário venturoso, D. Manuel, mais que um documento é um marco crucial para duas realidades ainda virtuais, a cultura e a literatura do Brasil, que imediatamente depois e a partir do evento fazem-se reais.

Ainda que saída do silêncio dos Arquivos da Torre do Tombo ao primeiro conhecimento das gentes somente no final do século XVIII, confinada que fora pela rigorosa regra do “segredo”, própria da política diplomática da Monarquia portuguesa das grandes descobertas; ainda que publicada pela primeira vez somente em 1817 pelo Pe. Manuel Aires do Casal na sua Corografia Brazílica ou Relação Histórico-Geográfica do Brasil, pela Imprensa Régia, Rio de Janeiro, a quase mágica Carta desde a sua chegada a Lisboa com a nave de Gaspar de Lemos, de retorno do Novo Mundo descoberto, passa a circular, divulgando as maravilhas que somente a partir de então o mundo começaria a conhecer. Assim acontece com a remessa das cartas de D. Manuel aos seus primos, os Soberanos de Castela, e ao Papa romano, mas igualmente através das revelações de uma outra grande potência diplomática, a veneziana, que quase tudo sabia e tudo revelava. As primeiras criações da linguagem literária brasileira, presentes na obra-prima do humanista Caminha, criações tradutoras de novas cores, luzes, perfumes, humanidade, começam assim a correr mundo.



A revelação do Brasil pela Carta de Caminha cria todo um roteiro de magia para a nova terra. As palavras do escrivão português, as primeiras palavras da literatura brasileira, revelam como que um futuro incondicional para a realidade brasileira que principia o seu percurso de realidade. A terra é cheia de graça e a consciência naturalista nasce a partir do gozo de seus ares e águas. É uma visão do paraíso, onde não importa se em verdade exista ouro ou prata ou pedras preciosas. Já a felicidade simples dos sentidos esclarece aos homens que o paraíso existe. E que nele tudo será possível.

“Esta terra, Senhor, parece-me que, da ponta que mais contra o sul vimos, até
outra ponta que contra o norte vem, de que nós deste ponto temos vista, será tamanha que haverá nela bem vinte léguas por costa. A terra é toda chã e muito cheia de grandes arvoredos. De ponta a ponta é tudo praia redonda, muito chã e muito formosa.
A terra em si é de muitos bons ares, assim frios e temperados como os de Entre-Douro e Minho (...) As águas são muitas e infindas. E em tal maneira é graciosa que, querendo aproveitá-la, tudo dará nela, por causa das águas que tem
...................

Ali andavam entre eles três ou quatro moças, muito novas e muito gentis, com cabelos muito pretos e compridos, caídos pelas espáduas, e suas vergonhas tão altas e tão cerradinhas e tão limpas das cabeleiras que, de as muito bem olharmos, não tínhamos nenhuma vergonha.“

O evento do texto de Caminha nos guiou na elaboração de um inédita metodologia para a historiografia literária brasileira e com ela definimos um método que coloca o início da literatura nacional do Brasil com o advento do grande marco perovaziano, coincidindo assim cronologicamente a história literária com a história sócio-política (S. Castro et alii, História da Literatura Brasileira, 3 vv., Lisboa, 2000).


publicado por Carlos Loures às 21:00
link do post | comentar

3 comentários:
De augusta.clara a 8 de Novembro de 2010 às 21:52
Que grande primeiro evento! Vamos lá descalçar esta bota.


De Luis Moreira a 9 de Novembro de 2010 às 01:45
A fasquia é sempre altíssima, valha-me Deus!


De carlos loures a 9 de Novembro de 2010 às 14:49
Sobre a literatura portuguesa todos temos uma ideia de qual é o evento que mais a marca. Sobre as outras oito a dificuldade será maior. Mas não é nenhum bicho de sete cabeças (são só nove!).


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
OláEu sou Ibrahim Mohammed do Emirado árabe unido,...
Eu sou um disposo privada de um fons de that em ro...
Eu sou um disposo privada de um fons de that em ro...
Potrebuješ pôžičku? Máte nízke kreditné skóre a ne...
Atenção; Você é um homem de negócios ou uma mulher...
Viveu bastantes anos em Portugal, mais precisament...
Empréstimo e InvestimentoOlá a buscar um empréstim...
No dia 08/01/1974, faleceu o furriel Zeca Rachide,...
Cheguei aqui pelo link no blogue O Cantinho da Jan...
Apply now for all kinds of loans and get it urgent...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links